blog do Roberto Leite

Assuntos de interesses multiplos e atuais.

Verdade na lei

Comprovação da verdade na lei.

Hoje quarta feira 29 de março de 2017, aconteceu em minha vida algo diferente, e para não passar em branco vou escrever a respeito.

Levo o meu filho Roberto para a escola, bem cedo para evitar o pesado trafico que acontece nas horas mais próximas ao horário escolar.

Hoje, não sendo diferente, chegamos à porta da escola bem cedo e como não havia nem uma pessoa ainda estacionei o carro e fiquei conversando com o Roberto, sobre várias coisas, a maioria referente à sua escola.

Em dado momento, eis que surge um cão, de porte médio, uns 30 a 40 quilos, que sempre anda por lá. Deve pertencer a algum lar das vizinhanças, pois, não está magro nem em aparência carente.

Este cão, por não aparente razão decidiu nos dar um show de civilidade, e bem na nossa frente se agachou e executou o ritual nº 2 das suas necessidades fisiológicas cotidianas no meio da rua, um pouco à direita da faixa central. É uma rua de aproximadamente 8 metros de largura, e a arte final ficou exposta ligeiramente à direita da faixa divisória da sinalização horizontal de tráfego.

Com sua obra em exposição plena este artista se retirou deixando lá a evidencia de sua presença nesta manhã.

Em dado momento, com toda a rua vazia e tendo também a disponibilidade das calçadas, um senhor, provavelmente em sua jornada para a labuta, vem andando no centro da rua e por questões de centímetros não estragou com o seu tênis a grande obra do artista canino. 0 interessante é que provavelmente distraído nem se deu conta do quão perto chegou ao seu grande prêmio. A rua então estava se tornando mais movimentada pelos alunos chegando e esperando a abertura dos portões da escola. Vem uma aluna, que com pleno espaço para se locomover pelas calçadas se decide cortar pelo centro da rua e sem perceber a presença da obra no centro da rua pisou parcialmente em um dos lados da maravilha e um pedaço se desprendeu e passou a fazer parte de um de seus tênis.

Logo depois vem um dos ocupantes da rua, um veículo automotor que chegava para deixar mais um aluno.

Este, que com todos os direitos garantidos para o uso da rua, e com real possibilidades para absorver toda aquela obra de arte, passou incólume por cima dela sem nem esbarrar. Alguns alunos deixaram este veículo e imediatamente passaram a atravessar a rua em direção ao cocô que ficou bem atrás do carro. Uma aluna vinha arrumando as suas coisas e deixou cair um pano ou um lenço, bem em cima do cocô.  Assim como este veículo outros foram e vieram, e não tocaram no cocô que estava bem à vista. E o faziam sem perceber a presença inoportuna do legado do cão.

As pessoas, no entanto, continuaram a passar por perto e inúmeras vezes o encontraram em cheio, levando em seus sapatos e tênis os vestígios do crime da destruição da obra de arte. Quando os portões finalmente se abriram a destruição deste legado já estava em bom andamento, quando surgiu uma motocicleta, que tendo toda a rua ao seu dispor, acertou a merda em cheio, terminando assim, a total obliteração do trabalho do cão. Esta obra não foi destruída pelos carros como deveria ter sido, por não ter uma grande escolha em seus movimentos, mas sim pelas pessoas que poderiam facilmente ter evitado o encontro, e finalmente foi obliterada por uma moto que poderia por sua agilidade ter também evitado o encontro fétido desta maravilha matutina.

A lei de Murphy – Se puder dar errado,  vai dar errado.

E para não perder o costume, mais uma do Sponholtz

29 mar 2017 Posted by | CRONICAS, CURIOSIDADES, Uncategorized | Deixe um comentário

Herança Maldita

 

A herança maldita

 

Os oito anos do governo Lula, foram marcados pela sua insistência de que ao assumir encontrou uma inflação descontrolada e uma herança maldita por parte do FHC.

Também foi marcado por um incremento nos gastos públicos, incremento desmesurado nos cargos de confiança, e um incremento ainda maior na quantidade de mentiras apregoadas aos quatro ventos sobre a sua capacidade de gestão.

A segunda pior mentira apregoada, foi a nossa auto suficiência em petróleo, o que ainda não ocorreu e pior, a dependência em importados neste ramo está pior do que quando ele “O magnânimo” recebeu o governo do FHC.

Mas o pior de todas estas mentiras, foi a enganação do pagamento da dívida externa brasileira, que ainda está lá quase do mesmo jeito de quando ele recebeu o governo do FHC, e somente não está maior, porque ele, “O magnânimo” , trocou uma dívida externa que pagava um juro que variava entre 0,5% à 2% ao ano por uma dívida interna, que está pagando aproximadamente 17% ao ano. Estes juros escorchantes, o maior do mundo, estão custando ao Brasil 50% de toda a arrecadação.

E com as crises mundiais, onde o Brasil, é apenas um pequeno participante, a evidência da péssima administração financeira durante o governo de “O magnânimo”  perde a transparência e aparece totalmente nu.

O artigo abaixo é de hoje no G1 e a publicação é do governo, e serve para se avaliar qual foi a herança maldita, a que o Lula recebeu do FHC ou a que a Dilma recebeu de

“O magnânimo”

 

 

 

29/09/2011 12h05 – Atualizado em 29/09/2011 12h46

Inflação brasileira é uma das mais altas do mundo, mostra BC

Da amostra selecionada, só Índia e Rússia têm inflação corrente mais alta.
Estes países, entretanto, têm juros menores e vão crescer mais, diz FMI.

Alexandro Martello Do G1, em Brasíia

imprimir

saiba mais

A inflação atual brasileira, assim como as previsões para 2011 e 2012, está entre as mais elevadas do planeta. A informação foi divulgada nesta quinta-feira (28) pelo Banco Central, por meio da apresentação do diretor de Política Econômica da instituição, Carlos Hamilton Araujo, sobre o relatório de inflação do terceiro trimestre deste ano.

Inflação correntes e previsões
Em 12 meses até agosto, quando a inflação brasileira atingiu a marca de 7,33%, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), ela foi superada, na amostra selecionada de países pelo BC para comparação, somente pela inflação da Índia (acima de 8%) e da Rússia (cerca de 8%). Os números mostram que a inflação brasileira, em 12 meses até agosto, ficou acima da inflação da China, em torno de 6%, dos Estados Unidos (pouco abaixo de 4%), além da África do Sul (pouco acima de 5%), do Reino Unido (entre 4% e 5%), da Nova Zelândia (entre 5% e 6%), e da Suécia, Noruega, Colômbia, México e Chile. Estes últimos países estão com inflação corrente todos abaixo de 4%.

As previsões de inflação do Banco Central, de 6,4% para este ano e em torno de 5% para 2012, que constam no relatório de inflação divulgado nesta quinta-feira, também estão acima da estimativa para a grande maioria das nações – sendo superada, novamente, pela Índia, Rússia e África do Sul (só para 2012). Para este ano, a inflação prevista para a Índia está um pouco abaixo de 9% e, para 2012, em torno de 7%. No caso da Rússia, a estimativa para 2011 está em torno de 9% e, para o ano que vem, está um pouco abaixo de 8%. No caso da África do Sul, a estimativa está em 5% para este ano e em aproximadamente 6% para 2012.

Desaceleração da inflação no mundo
Segundo o diretor Carlos Hamilton Araujo, os números do BC mostram que houve um crescimento da inflação no passado recente. “O mundo inflacionou nos últimos 12 meses, com exceção da Noruega. Mas, olhando para frente, o que a gente observa é que se antecipa um desinflacionamento. A expectativa é que haja uma desinflação no mundo”, declarou ele, observando que, assim como no caso do Brasil, a inflação em 12 meses está acima da meta central em quase todas nações, como Suécia, Reino Unido, Austrália, Polônia e África do Sul, tendo a Noruega por exceção.

Juros reais e PIB
Além de ter a inflação entre as mais altas do planeta, os números mostram que a taxa de juros brasileira é a mais elevada do mundo em termos reais – após o abatimento da inflação prevista para o futuro. Atualmente, os juros reais brasileiros estão acima de 5% ao ano, enquanto que, no caso da Índia e Rússia (cuja inflação corrente também está alta, assim como as previsões para 2011 e 2012), estão entre zero e 1% ao ano. A China também possui taxa de juros neste patamar e, no caso dos Estados Unidos, do Reino Unido e da Nova Zelândia, as taxas de juros estão negativas.

Os números também revelam que, em outras economias emergentes, há expectativa maior de crescimento. A previsão do Fundo Monetário Internacional (FMI) para o crescimento da China e da Índia, em 2011 e 2012, respectivamente, está em 9,5% e 7,8% e em 9% e 7,5%. A previsão média de crescimento do PIB dos países emergentes para 2011 e 2012, ainda segundo dados do FMI, é de 6,4% e de 6,1%. No caso do Brasil, a previsão está abaixo de 4% para este ano e para o próximo.

“O crescimento tem de ser endereçado em outra perspectiva. Temos uma taxa de poupança em torno de 16% do PIB, que nos permite investir, com déficit em conta corrente [contas externas] de 2% do PIB, em torno de 18% do PIB. Temos que ter uma taxa de crescimento compatível com a nossa capacidade de investir. Na medida em que o Brasil avançar em reformas estruturais e em ações que melhorem o ambiente de negócios, que aumentem a taxa de poupança, certamente vamos ter oportunidade de ter taxas de crescimento mais elevadas. O crescimento tem limitantes. Estamos crescendo em ritmo compatível com a nossa capacidade de investir”, declarou o diretor de Política Econômica do BC.

 

 


29 set 2011 Posted by | Uncategorized | Deixe um comentário

O ajudante de Papai Noel & o Ex-Guerrilheiro

O artigo abaixo é supostamente de um promotor de justiça, que além de promotor tem um blog interessante, onde fala duramente sobre vários assuntos de polícia e de procuração da justiça e dos descalabros que existem no Brasil entre a força política e a justiça, sendo quase sempre a política como vitoriosa. Uma vergonha internacional, esta impunidade que se alastra e se estabelece como regra entre os graduados brasileiros (políticos) que a cada dia zombam mais dos otários (nós) que os sustentam.

O endereço do blog dele, está no final do artigo.

Manoel Pastana

O ex-chanceler Celso Amorim e o ex-guerrilheiro José Genoino, o primeiro como ministro da Defesa e o segundo como assessor especial, são exemplos de coragem e patriotismo que servem de estímulo à tropa.

Certamente os militares devem estar muito satisfeitos, orgulhosos com a missão que têm de defender o país. O Brasil está muito bem em termo de defesa, assim como está no combate à corrupção (os corruptos estão com tanto medo da repressão contra eles, que o verbo corromper só se conjuga no passado…).

Quando Evo Morales, também conhecido como “Evo Petrobale” ou “Evo Cocale”, com seus bem nutridos soldados de 1,90m de altura, invadiram as instalações da Petrobras na Bolívia e tomaram no grito a propriedade brasileira, Celso Amorim, então ministro das Relações Exteriores, disse a Lula que Morales estava no direito dele.  Parece que Lula gostou do que ouviu e nada fez em defesa da estatal brasileira. Como “prêmio” à “coragem” de “Cocale”, Lula perdoou dívida de 52 milhões de dólares da Bolívia para com o Brasil e ainda aceitou que o invasor aumentasse o preço do gás que vende para nós.

Celso Amorim também auxiliou Lula a ajudar o bispo mulherengo Fernando Lugo a cumprir promessa de campanha pela Presidência do Paraguai. O bispo Lugo, que não levava a sério as limitações do sacerdócio e “faturou” umas devotas, engravidando várias delas, elegeu-se presidente do Paraguai prometendo obrigar o Brasil a pagar o “preço justo” da energia que o país dele nos “vende”, em decorrência da sociedade que tem na Hidrelétrica de Itaipu. Lula aceitou a imposição do companheiro guarani e o Brasil passou a pagar 300% a mais pela energia “comprada” do Paraguai.

O Paraguai é sócio do Brasil na Hidrelétrica de Itaipu. Como aquele país consome apenas 5% da energia a que tem direito na sociedade, vendia o restante ao Brasil pelo preço de custo. Fernando Lugo fez campanha e foi eleito, acusando o nosso país de ser explorador. Ele teria razão, se não fosse um pequeno detalhe: o Paraguai não gastou um único centavo com a construção da mega hidrelétrica. Tudo foi suportado pelo contribuinte brasileiro.

Para se ter uma ideia da dimensão de Itaipu, que continua sendo a maior hidrelétrica do mundo, mais de 40 mil operários participaram da obra. Foram 13 anos de construção, sendo gasto 15 vezes mais concreto do que no Eurotúnel que liga a Inglaterra à França.  Aliás, 15 mil operários levaram sete anos escavando a construção do Eurotúnel, porém o volume de escavação na construção de Itaipu é 8,5 vezes maior do que o do empreendimento europeu.  Itaipu é tão grande que hoje, 26 anos depois de sua construção, o Paraguai só consegue consumir 5% dos 50% da energia que lhe cabe na sociedade.

Nessa sociedade, o país vizinho só entrou com a cara. É como se um empresário convidasse um mendigo para construir um shopping no lugar onde este dormia.  O mendigo teria 50% de direito na sociedade, sendo que sua quota financeira no empreendimento seria paga com o faturamento do shopping quando entrasse em funcionamento. Mutatis mutandis (feitos os ajustes necessários), foi isso o que aconteceu no referido empreendimento. O Paraguai não teria a menor condição de arcar financeiramente, pois o investimento representava várias vezes o seu PIB (Produto Interno Bruto). Então o Brasil assumiu o ônus financeiro, sendo que a parte do Paraguai ficou para ser paga com excedente da energia que lhe cabe na sociedade, e não consegue consumir.

Pelo acordo, o Brasil comprava o excedente da energia a preço de custo, sendo que a quitação da dívida do Paraguai ocorrerá no ano de 2023. A compra pelo preço de custo era justa, pois o investimento fora realizado apenas pelo contribuinte brasileiro. Não é razoável o Paraguai, que nada investiu, querer ter lucro em cima do investimento brasileiro. É muito o que aquele país já ganhou, porquanto desde a construção, no início da década de setenta, ele vem se beneficiando, pois milhares de empregos diretos e indiretos contemplaram tanto brasileiros como paraguaios, e a estes só coube o bônus; alem disso, em 2023, com a quitação da dívida na sociedade, o Paraguai será dono de 50% de um empreendimento de muitos bilhões de dólares, várias vezes superior ao seu PIB.

Por ter cedido ao capricho do presidente Paraguaio, Lula onerou o contribuinte brasileiro em 300% do valor da energia adquirida da quota do Paraguai, cujo investimento foi brasileiro.  O presente de Lula foi aprovado pelo Congresso Nacional em maio desde ano.  A “justificativa” para a aprovação é que o aumento do valor da energia, que representará algumas centenas de milhões de dólares a jorrar nos cofres paraguaios todos os anos, não será repassado ao consumidor, pois os recursos sairão do Tesouro Nacional. A pergunta que se faz é quem banca o Tesouro Nacional? É o Lula com suas palestras? É o Celso Amorim com suas aulas? Ou…

É o espoliado contribuinte brasileiro que trabalha mais de cinco meses por ano somente para pagar impostos e terá mais uma conta a ser suportada em razão dos caprichos megalomaníacos de uma pessoa, que nunca deu duro para estudar (há estudantes no interior da Amazônia que saem de suas casas 11 horas da noite para estudar no outro dia. Lula não precisaria fazer tal sacrifício, mas ele preferiu não estudar…), bem como se aposentou muito cedo, não sabendo como é duro trabalhar para pagar impostos.

A propósito, em apenas oito anos de mandato, Lula endividou o Brasil em um trilhão de reais (dívida pública interna), o que representa mais de seiscentos bilhões de dólares.  Em 20 anos de governo, os militares endividaram o país em 100 bilhões de dólares, ou seja, em apenas oito anos, Lula endividou o Brasil seis vezes mais do que os militares endividaram em 20 anos de governo, sendo que os milicos fizeram várias obras gigantescas como, por exemplo, a Hidrelétrica de Itaipu; enquanto Lula apenas prometeu, mas não fez nenhuma obra de porte grande. A infraestrutura do país continua a mesma do século passado. E mais. Ao contrário dos governos Sarney, Collor, Itamar e FHC que passaram por situações de instabilidade econômica, sendo necessário investir em vários planos econômicos, Lula não precisou investir em nenhum plano, pois apenas continuou com o Real.

Pois é, além de Lula ter saído passeando pelo mundo, torrando o dinheiro suado do imposto do contribuinte no luxuoso Aerolula, ele fazia muita “caridade”, perdoando dívidas de países devedores do Brasil. A paixão dele era por ditadores; por exemplo, ele perdoou dívida do Gabão, governado por um ditador, acusado de possuir bilhões de dólares em paraísos fiscais. Se não bastassem a roubalheira com a corrupção interna, os gastos astronômicos com cabide de empregos e exageradas mordomias, o grande “estadista” distribuía benesses mundo a fora. Tudo, claro, custeado pelo contribuinte brasileiro.

Lula, o Papai Noel de ditadores, saiu, mas a conta ficou. A dívida interna está quase chegando a dois trilhões de reais. A externa, que disseram ter sido paga em 2005 (e muita gente acreditou…), está quase chegando a 300 bilhões de dólares. Os efeitos disso repercutem diretamente no emprego das montanhas de recursos arrecadados com os impostos.  Só nos cinco primeiros meses do ano, foram arrecadados meio trilhão de reais. Grande parte desse gigantesco recurso deve ter sido  utilizada para pagar juros da dívida, principalmente a interna, outra robusta parte deve ter vazado pelo ralo da corrupção, uma parte menor, mas de bom tamanho, deve ter sido utilizada para fazer publicidade, a fim de ocultar a verdadeira realidade, sobrando muito pouco como retorno à sociedade. É por isso que o Brasil está com a infraestrutura do século passado, e a educação, saúde, segurança e outros serviços públicos são prestados em condições piores as de países do Terceiro Mundo.

A propósito, no livro “Viagens com o Presidente”, editora Record, 2ª edição, p.93, está registrado para que gerações futuras saibam, já que a atual parece não querer saber, o critério utilizado pelo ex-presidente Lula para “conquistar o mundo”.  O registro consigna a grande importância do atual ministro da Defesa, Celso Amorim, no magnífico trabalho desenvolvido pelo ex-presidente, que hoje ensina o que fez nas suas palestras. Vejamos o registro:

“Nas viagens internacionais, (Lula) tem outra mania. Logo no início do trajeto de volta ao Brasil, chama o ministro Celso Amorim e um oficial da Aeronáutica à sua cabine e, com a ajuda de um grande mapa-múndi, trata de ficar imaginando quais poderiam ser as próximas nações a serem visitadas. A rotina, então, é questionar Amorim sobre as características dos países apontados por ele no mapa, e ao militar pergunta a respeito de questões técnicas das rotas imaginadas, como escalas e trajetórias viáveis à aeronave.”

Como se vê, Celso Amorimo, ex-ajudante do Papai Noel de ditadores, foi muito importante no governo passado e agora o será no Governo Dilma, ainda mais contando com o assessoramento do ex-guerrilheiro José Genoino. Para quem não sabe, Genoino participou da chamada Guerrilha do Araguaia, ou melhor, ele quase participou, pois antes mesmo que fosse dado o primeiro tiro, o nosso herói desistiu da luta. Não só desistiu, como ajudou a seus companheiros a desistir.

Havia cerca de 90 guerrilheiros na Selva Amazônica. Os militares não tinham certeza da existência deles, então enviaram cerca de dez homens do serviço de inteligência para a região. Quando os guerrilheiros souberam que os milicos estavam na área, eles fizeram igual àqueles “corajosos” trezentos e poucos bandidos, armados de fuzis, que fugiram do morro igual a galinhas assustadas com medo da raposa, quando dois pequenos tanques com duas dúzias de policiais subiram o morro. Os “valentes” guerrilheiros fizeram o mesmo, tomaram doril e sumiram na densa selva, deixando para trás o acampamento e um faminto cachorro vira lata.

Genoino foi pego no meio do caminho, interrogado pelos milicos, ele disse que se chamava “Geraldo” e que era um caboclo da região. Os militares pediram para ver a mão dele e observaram que era igual a do Lula (a mão do caboclo é grossa, devido ao trabalho duro). “Geraldo” foi conduzido para o acampamento abandonado. Lá chegando foi “dedurado” pelo vira lata que foi para cima dele abanando o rabo e fazendo ruídos característicos de cães que pedem desesperadamente comida. Com a certeza de que “Geraldo” não era Geraldo, os militares disseram que se ele não colaborasse, seus “documentos” seriam extraídos com o próprio facão (ele portava um facão na cintura, quando foi pego) e serviriam de fonte de proteína para o animal faminto.

Apavorado com o “argumento” dos militares, Genoino abriu o verbo. Informou o nome falso que cada guerrilheiro usava, posição que ocupava na guerrilha etc. Além disso,  tirou foto e fez declaração a seus companheiros para que se entregassem. O material foi confeccionado em panfletos e jogado de helicópteros no meio da selva. A estratégia funcionou, a maioria se entregou e quem não seguiu o conselho de Genoino virou presunto.

Portanto, Genoino tem todos os requisitos para o importante cargo que exerce, inclusive foi condecorado em maio deste ano com a “Medalha da Vitória”. Ele faz jus à condecoração, pois é um vitorioso, ponha vitorioso nisso…

Com efeito, a experiência e o elevado espírito nacionalista do ex-chanceler Celso Amorim e mais a coragem do ex-guerrilheiro José Genoino, os brasileiros podem ficar tranquilos: a defesa do país está em boas mãos; boas, não, ótimas…

Manoel Pastana

Procurador da República e autor do livro autobiográfico De Faxineiro a Procurador da República

http://www.manoelpastana.com.br

15 ago 2011 Posted by | Uncategorized | Deixe um comentário

Carta aberta

Esta carta aberta que hoje publico, eu recebi pela primeira vez em 2009.

Hoje novamente recebo esta carta, e percebi que havia algumas diferenças das outras anteriores, diferenças atuais como a presença da Dilma como presidente, o que não havia ainda ocorrido em 2009.

Eu não tenho certeza de que esta carta que publico hoje seja realmente da autora assinada, ou se é apenas uma modificação da original (se é que existiu) feita por alguma outra pessoa com os créditos repassados á jornalista Eliane Sinhasique.

CARTA ABERTA DE ELIANE SINHASIQUE (jornalista e publicitária) PARA RENATO ARAGÃO (o Didi da REDE GLOBO DE TELEVISÃO) . . . . . !!!

Querido Didi,

Há alguns meses você vem me escrevendo pedindo uma doação mensal para enfrentar alguns problemas que comprometem o presente e o futuro de muitas crianças brasileiras. Eu não respondi aos seus apelos (apesar de ter gostado do lápis e das etiquetas com meu nome para colar nas correspondências) ……….

Achei que as cartas não deveriam ser endereçadas a mim. Agora, novamente, você me escreve preocupado por eu não ter atendido às suas solicitações.

Diante de sua insistência, me senti na obrigação de parar tudo e escrever uma resposta.

Não foi por “algum motivo” que não fiz a doação em dinheiro solicitada por você. São vários os motivos que me levam a não participar de sua campanha altruísta (se eu quisesse poderia escrever umas dez páginas sobre esses motivos).

Você diz, em sua última carta, que enquanto eu a estivesse lendo, uma criança estaria perdendo a chance de se desenvolver e aprender pela falta de investimentos em sua formação!

Didi, não tente me fazer sentir culpada. Essa jogada publicitária eu conheço muito bem. Êsse tipo de texto apelativo pode funcionar com muitas pessoas mas, comigo não.

Eu não sou ministra da educação. Não ordeno e nem priorizo as despesas das escolas e nem posso obrigar o filho do vizinho a freqüentar as salas de aula.

A minha parte eu já venho fazendo desde os 11 anos de idade, quando comecei a trabalhar na roça para ajudar meus pais no sustento da família.

Trabalhei muito e, te garanto, TRABALHO NÃO MATA NINGUEM ! Muito pelo contrário, faz bem !

Estudei na escola da zona rural, fiz Supletivo, estudei à distância e muito antes de ser jornalista e publicitária eu já era uma micro- empresária. 

Didi, talvez você não tenha noção do quanto o GOVERNO FEDERAL tira do nosso suor para manter a saúde, a educação, a segurança e tudo o mais que o povo brasileiro precisa.

Os impostos são muito altos ! Sem falar dos Impostos embutidos em cada alimento e em cada produto ou serviço que preciso comprar para o sustento e sobrevivência da minha família. 

Eu pago pela educação duas vezes: pago pela educação na escola pública, através dos impostos, e na escola particular, mensalmente, PORQUE SOMENTE A ESCOLA PÚBLICA NÃO ATENDE COM ENSINO DE QUALIDADE QUE, ACREDITO, MEUS DOIS FILHOS MERECEM !!!

Não acho louvável recorrer à sociedade para resolver um problema que nem deveria existir, pelo volume de dinheiro arrecadado em nome da educação e de tantos outros problemas sociais!

O que está acontecendo, meu caro Didi, é que os administradores dessa dinheirama toda não veêm a educação como prioridade!

PARA ÊLES, A EDUCAÇÃO LHES RETIRA A SUBSERVIÊNCIA E ÊSSE FATO, POR SI SÓ, NÃO INTERESSA AOS POLÍTICOS QUE ESTÃO NO PODER. POR ISSO, O DINHEIRO ESTÁ SAINDO PELO RALO; ESTÃO JOGANDO FORA , OU APLICANDO MUITO MAL !!!

Para você ter uma idéia, na minha cidade cada alimentação de um presidiário custa para os cofres públicos R$ 8,82 (oito reais e oitenta e dois centavos), enquanto que a merenda de uma criança na escola pública custa R$ 0,20 (vinte centavos)!!! O governo precisa rever suas prioridades, você não concorda ? Você pode ajudar a mudar isso! Não acha ?

Você diz em sua carta que não dá para aceitar que um brasileiro se torne adulto sem compreender um texto simples ou conseguir fazer uma conta de matemática. Concordo com você!

É por isso que sua carta não deveria ser endereçada à minha pessoa. Deveria ser endereçada a Presidente da República !!!

Ela é ” a cara ” !!! Ela é quem tem a chave do cofre e a vontade política para aplicar os recursos !

Eu e mais milhares de pessoas só colocamos o dinheiro lá para que eles façam o que for correto e necessário para melhorar a qualidade de vida das pessoas do país, sem nenhum tipo de distinção ou discriminação. MAS, NÃO É O QUE ACONTECE!!!

No último parágrafo da sua carta, você joga, mais uma vez, a responsabilidade para cima de mim, dizendo que as crianças precisam da “minha doação” e que a “minha doação” faz toda a diferença…

Lamento discordar de você, Didi !!! Com o valor da doação mínima de R$ 15,00(quinze reais) eu posso comprar 12 quilos de arroz para alimentar minha família por um mês, ou posso comprar pão para o café da manhã para 10 dias….. !!!

Didi, você pode até me chamar de muquirana, não me importo, mas, R$ 15,00(quinze reais) eu não vou doar ! Minha doação mensal já é muito grande. Se você não sabe, eu faço doações mensais de 27,5% de tudo o que ganho !!!

Isso significa que o governo leva mais de um terço de tudo que eu recebo e posso te garantir que essa grana, se ficasse comigo, seria muito melhor aplicada na qualidade de vida da minha família!

Você sabia que para pagar os impostos eu tenho que dizer NÃO para quase tudo que meus filhos querem ou precisam? Meu filho de 12 anos quer praticar tênis e eu não posso pagar as aulas que são caras demais para nosso padrão de vida. Você acha isso justo? Acredito que não. Você é um homem de bom-senso e saberá entender os meus motivos para não colaborar com sua campanha pela educação brasileira.

Outra coisa Didi, MANDE UMA CARTA PARA A PRESIDENTE “DILMA” pedindo para ela selecionar melhor os ministros e também os professores das escolas públicas! Só escolher quem, de fato, tem vocação para ser ministro e para o ensino.

Melhorar os salários daqueles profissionais também funciona para que êles tomem gosto pela profissão e vistam, de fato, a camisa da educação! Peça para Ela, também, fazer escolas de horário integral, escolas em que as crianças possam, além de ler, escrever e fazer contas possa desenvolver dons artísticos, esportivos e habilidades profissionais. Dinheiro para isso está sobrando sim! Diga para Ela priorizar a educação e utilizar melhor os recursos.

Bem, você assina suas cartas com o pomposo título de Embaixador Especial do Unicef para Crianças Brasileiras e eu vou me despedindo assinando… Eliane Sinhasique – Mantenedora Principal dos Dois Filhos que Pari !!!

P.S.: Não me mande outra carta pedindo dinheiro. Se você mandar, serei obrigada a ser mal-educada: vou rasgá-la antes de abrir.

PS2* Aos otários que doaram para o criança esperança, fiquem sabendo : AS ORGANIZAÇÕES GLOBO ENTREGAM TODO O DINHEIRO ARRECADADO À UNICEF E RECEBEM UM RECIBO DO VALOR PARA DEDUÇÃO DO SEU IMPOSTO DE RENDA !!!

Para vocês a Rede Globo anuncia: essa doação não poderá ser deduzida do seu imposto de renda !

POR QUE É ELA QUEM O FAZ !!!

PS3* E O DINHEIRO DA CPMF QUE PAGAMOS DURANTE 11(ONZE) ANOS?

MELHOROU ALGUMA COISA NA EDUCAÇÃO E NA SAÚDE DURANTE ESSES ANOS?

BRASILEIROS PATRIOTAS (e feitos de idiotas)!!!DIVULGUEM ESSA REVOLTA…. 

Isto deveria chegar a Brasilia, não acha ???

15 ago 2011 Posted by | Uncategorized | Deixe um comentário

HUBRIS

 

Estou tomando gosto novamente por artigos interessantes sobre o Brasil atual, e constatar que ainda existem esperanças, enquanto existirem pessoas que usam bem a língua pátria, Tem boa formação de caráter, e se preocupam em divulgar coisas interessantes que possam ter passado despercebidas por muitos de nós.

Outro dia o meu sobrinho José Melo me enviou o artigo abaixo, e eu realmente não sabia o que seria ou a que se referia a palavra “HUBRIS”

Procurei no Aurélio, e deu: –  “Verbete não encontrado”

Tentei sem o H com o mesmo resultado.

Eu tenho mania de resolver palavras cruzadas, e as tento em três idiomas, e modéstia à parte tenho tido bastante sucesso nas respostas, mas nunca havia me deparado com esta palavra ou expressão.

Também tenho o cuidado de fazer uma pequena investigação na net, sobre a autoria dos artigos publicados, e descubro muitas vezes que a autoria divulgada sobre certo artigo, as vezes não corresponde ao autor “assinado”.

No artigo abaixo, o autor assinalado existe, é professor atuante e tem vários outros artigos sobre a educação, e parece ser presidente de uma associação sobre educação.

Artigo interessante:

 

 Hubris para dar e vender

 O Olimpo, morada dos deuses na Grécia antiga, era uma espécie de ante-sala de consultório de psicanalista nos nossos dias: todo mundo já andava por lá.

Eros e Psique para começar, e mais uma infinidade de sentimentos e instintos humanos. Todos já detectados então, e com suficiente clareza para serem transformados em personagens como deuses ou divindades – ou mesmo homens, seus joguetes.

Um desses sentimentos era corporificado na Hubris, a “doença da vitória” como veio a ser chamada, muitos séculos depois.

A Hubris ataca os ganhadores. Aqueles que, a despeito das circunstâncias, por esforço próprio, se impuseram de qualquer forma sobre seus contemporâneos.

Deuses, personagens bíblicos, reis, generais, líderes religiosos, grandes figuras históricas. Vários se deixaram levar pelo êxito, e se consideraram desobrigados do que lhes cercava, e se julgaram iguais aos deuses – senhores do destino.

Qualquer um que vença, que supere adversidades, pode ser capturado pela Hubris, e achar-se superior a seus iguais ou outras entidades. Não mais deuses hoje em dia, mas à ética, às leis, ao sistema judiciário e outros – na ótica dele – “detalhes”.

Nós, brasileiros, criamos uma forma coloquial muito precisa para – como eloqüente sinal da atemporalidade do conceito grego – dizer a mesma coisa, percebida e sentida no nosso cotidiano e à qual não tínhamos como expressar.

Dizemos nós: “Fulano está podendo!” Ou, já com um grão de dúvida, “Fulano pensa que está podendo”
Ouvi muito, ainda criança, uma versão simplificada de tudo isso, no que passei a chamar de “parábola do motorista caolho”.

Reza a lenda que um homem ficou muito deprimido por ter perdido um olho, e ter sido obrigado a colocar outro, de vidro. Sentiu-se ele incapaz para dirigir automóvel, o que ele adorava. Sua mulher e seus filhos, vendo aquela tristeza, o incentivaram a fazer uma tentativa.

Foram todos juntos, e os elogios ao desempenho do motorista se sucediam: “Que curva bem feita! Que ultrapassagem competente! Formidável!”.

E foi aí que a Hubris assumiu, e tomou conta do pobre homem. Incentivado pelos elogios o motorista sucumbiu e gritou, para pânico da família: “Agora é que vocês vão ver! Vou dirigir só com o olho de vidro!”

Tendo em vista tudo o que só se está sabendo agora sobre o governo Lula, e vendo suas palavras sobre o que está vindo à tona, cabe a dúvida: desde quando estará sua excelência “dirigindo com o olho de vidro”?

Parece que já vem de longe.

Edgar Flexa Ribeiro é educador, radialista e presidente da Associação Brasileira de Educação

15 ago 2011 Posted by | Uncategorized | Deixe um comentário

O resumo da verdade:

O resumo da verdade:lula o sábio

Foi em junho de 2007, que eu comecei este blog, com o enfoque do “Voto Nulo”.

Depois que o Ministro Marco Aurélio Mello mudou a interpretação do voto nulo, em cima de jurisprudência sobre o mesmo assunto que legitimava a anulação do sufrágio caso mais da metade dos votos fossem votos nulos, a minha luta perdeu o sentido.

Então o foco do blog passou a ser falar sobre os absurdos na política brasileira, sem se apegar em nenhum partido ou corrente política. E escrevi vários artigos, sobre vários assuntos. Às vezes quem lê o blog, pensa que eu sou contra o atual governo, que sou contra o Lula, que sou contra o PT.

Não é verdade, eu escrevo contra o que eu considero fora da ética, fora das noções morais, fora das carências do Brasil. Não se pode negar que o governo do PT, é um prato cheio destas matérias e, portanto fica parecendo que estou contra o PT. Desde o mensalão que muita gente começou a ver a verdadeira cara do PT.

Mas até hoje tem gente que acredita que o mensalão não existiu.

Eu não apago nenhum comentário e existem pessoas que ficam indignadas com meus artigos e escrevem dizendo o refrão:

“Deixa o homem trabalhar”.uma obra por dia

Eu fico pensando quanto engano este presidente tão popular conseguiu disseminar por um país tão grande!

Ele conseguiu até incutir nas mentes de algumas pessoas que ele realmente trabalha.

E ele mente mesmo, com a maior cara de pau, como se mentira fosse a virtude e a verdade o vício.

Ele inaugura obras que existem há cinqüenta anos. Manda fazer uma reforminha, às vezes apenas pintura, e vai lá, na maior cara de pau e inaugura como obra de seu governo.

corte no dedoVive embriagado, como recentemente, que caiu com o copo de cristal na mão e sofreu uma feia lesão onde levou cinco pontos cirúrgicos. Isto aconteceu na Dinamarca, em uma suíte presidencial em um Hotel cinco estrelas.

Para a mídia, ventilou uma notícia que a torneira do banheiro estava pingando e ele foi tentar arrumar, e cortou a mão.

Os meus críticos querem que eu acredite no seguinte:

1.  Hotel cinco estrelas tem vazamento na suíte presidencial.

2.  Não existe equipe de manutenção em hotel cinco estrelas.

3.  O Lula sabe consertar torneiras dinamarquesas.

4.  Mesmo que soubesse iria fazer uma coisa destas.

5.  Qualquer torneira dinamarquesa tenha arestas afiadas para desafiar hospedes incautos.

6.  Que o Lula não bebe

Vamos ser coerentes pelo menos nesta história recente, esta desculpa foi terrível e não cola.

Podem me chamar de bobo, mas não sou ainda débil mental.

Bem continuando, será que os meus críticos vão quere que eu fique batendo palmas para a inauguração do acampamento de luxo em Pernambuco, onde até hoje foram feitos 15% da obra de transposição das águas do Rio São Francisco.campanha antecipada

Um acampamento com comida servida em mesas de luxo, com talheres de prata, copos de cristal, camas King Sise, ar acondicionado, para inaugurar o que?

A única coisa que poderia ter sido celebrada neste acampamento, com justiça, seria a atuação do TCU, que paralisou o repasso de verbas para a obra por que está faltando prestar conta de 90% do dinheiro gasto até o momento.

Um bilhão de reais e que o Lula disse ser uma merreca:

“Temos que fazer, em vez de ficar discutindo merreca de

dinheiro” Presidente Lula, que, depois de sete anos no governo,

acha “bilhões” uma merreca

feliz aniversário

Pois bem, outro dia recebi um email de meu amigo o Dr. João contendo um artigo interessante, de autoria de Jorge Luiz Lima.

Procurei mais informação sobre o autor, mas não encontrei.

Este artigo resume tudo que escrevi no blog em quase três anos.

E é um artigo interessante. Vou publicar na íntegra, e vou arrematar com a última coluna do Augusto Nunes, que coincidentemente completa este artigo:

Não Vá ao Teatro

A era social que atravessamos reflete os seguintes fatos:

Os programas assistencialistas, urbanos e rurais, não possuem contrapartidas que encaminhem os beneficiários e seus dependentes ao crescimento cultural e retorno a uma vivencia digna.

A proibição incabível de não permitir que o adolescente menor de 14 anos de idade possa ter uma ocupação de trabalho, remunerada ou não.  Também, a permissão que os maiores de 14 e menores de 16 anos de idade, somente possam ter uma ocupação remunerada se contratados sob os auspícios de regras em demasia e encaminhados por entidades que arrecadam horrores por essa intermediação.

O ECA – Estatuto da Criança e do Adolescente, somente é do conhecimento público porque protege o menor criminoso em detrimento de suas vítimas.

A vida em família está deteriorada, nos remetendo ao tempo de Sodoma e Gomorra.diplomas

A faixa de pedestre que tentam imbuir como parâmetro de

país de primeiro mundo arrecada muito e mata mais ainda.

Quando nada resolve uma condição, o nome é alterado

em uma tentativa de empurrar o imbróglio para debaixo do

do tapete, tanto é que, lepra passou a ser chamada de

hanseníase em favelas de comunidades.

Os hospitais e escolas não têm médicos e professores

suficientes para atenderem a demanda, e ainda constroem

mais Postos de Saúde, mais escolas e mais cursos de curta

duração, que não servem para nada: os pacientes são

cobaias dos médicos residentes e dos aprendizes de

enfermagem; os professores fingem que ensinam e os

estudantes fingem que aprendem.

O objetivo dos jovens na faixa dos 20 anos de idade é fazer cursinhos específicos para prestarem, e prestarem, e prestarem concursos públicos, pois é lá que se ganha sem trabalhar.

A UNE – União Nacional dos Estudantes, há anos não se pronuncia sobre os assuntos que nortearam sua fundação, servindo apenas para emitir carteirinhas que dariam o direito ao pagamento da meia-entrada nos cinemas e teatros, estes já aplicando os preços ajustados de tal forma que os 50% já é o preço da inteira.

A OAB – Organização dos Advogados do Brasil, sempre participou de maneira incisiva na defesa de nossa democracia, mas, desde as “Diretas Já”, permanece em hibernação.

O etanol, depois o biodiesel, recentemente era a menina dos olhos desse país, como, aliás, já foi o álcool que nada mais é do que o etanol em linguagem mais atual. Agora é o Pré-sal! Isso nomeando apenas os grandes, pois existem incontáveis atinhos (pequenos atos) e um próximo grande ato logo virá. Podemos chamar essas cortinas de fumaça de jogo de cena, uma peça teatral em que os atos são criados para deixar os babacas sempre dependentes do próximo, tudo com dupla intenção: desviar atenções e criar cacifes eleitoreiros, não permitindo que haja a salutar renovação dos mandatários.nosso petróleo

Os movimentos dos excluídos (paradas gays, marcha dos sem terras, dos sem moradias, dos índios, dos negros, dos inquilinos e dezenas de outras invencionices), são coordenados e financiados a custo zero, quero dizer, à custa do povo, através dos órgãos públicos e seus braços ocultos. O resultado dessas políticas enganosas é a bagaceira que se vêem, sem-terras recebem dinheiro, bolsas de vários nomes, terras que não produzem; negros têm cotas para estudar (porque não os amarelos, os mestiços, ou quem sabe os POBRES…?); ONGs inventam uma bandeira qualquer e arrecadam vultosas quantias sem prestação de contas; o mesmo acontece com os chamados projetos culturais financiados para os maiorais das artes em que os acertos rolam anos nos tribunais e caducam; proprietários de terras adquiridas com o suor do trabalho ou mesmo recebidas de herança são desapropriados de forma incontinente.

O resultado do trabalho de milhões de pessoas é desviado para atos escusos. Nós, trabalhadores e empresários, que também são trabalhadores, é quem somos os escravos do poder central! Nós somos os excluídos!

O excesso de leis com cláusulas propositais que levam a várias interpretações e o emaranhado de impostos desvirtuam seus próprios objetivos, que seriam os de normatizar arrecadações e suas aplicações em prol da sociedade.

Em democracia seria a representação do povo, mas o ser “político” tornou-se uma das profissões mais almejadas, senão a mais ambicionada, por ser excessivamente vantajosa em termos de poder e dinheiro, e acessível a qualquer espécie de individuo, principalmente os imorais, antiéticos, bandidos e analfabetos.mamata final

A política e, principalmente, os governantes desse país, estão possuídos pelo espírito do Rei Sol, acham-se e conseguem ser os donos de todas as vontades. Nada somos! Apenas marionetes nas mãos sujas dos três poderes da república, que fazem o que querem, manipulam e se locupletam a custa da nossa ignorância. Os sábios, grandes e pequenas empresas, a mídia, organizações corporativas e não corporativas (ONGs), todos dependem financeira e politicamente do poder central. O povo brasileiro está inerte, dominado inconscientemente por essa corja.

Quando vamos nos revoltar contra essa situação?

Por que nossos sábios e os que têm a capacidade de influenciar as massas não conseguem mover essas massas? É óbvio que estão estáticos e também usufruindo desse momento. Já tivemos dessas pessoas no governo e nada fizeram para mudar o caminho da nação, agora definido e solidificado pelos tiranos detentores de enormes poderes de persuasão.

Infelizmente estamos condenados a esperar uma nova geração ou alguém que desperte do berço esplêndido e nos tire desse marasmo, ou que os militares implodam o esquema desses dinossauros da sem-vergonhice.

É melhor voltar ao ponto de partida e recomeçar do YOD, do que enveredar por esse caminho depravado.formando o time

Vamos fechar essas cortinas! Cimentá-las! Encerrando do lado de lá todos os que tratam o bem público como seu, e que conspiram contra a moral das relações humanas.

(Jorge Luiz Lima, 28/09/2009)


Coluna do Augusto Nunes

PAC da Conversa Fiada

29 de outubro de 2009

“Agora desgraçou tudo, porque agora os home tão ficando nervoso porque nós tamo inaugurando obra”, desandou o presidente Lula num palanque no Rio, espancando a língua portuguesa com especial selvageria. ”Calma, que nós ainda nem começamo a inaugurár o que nos temo para inaugurá nesse país. Tem muita coisa pra acontecêr e tem muita coisa que nós vamo fazê ainda pra frente.” Sempre à frente de uma comitiva de bom tamanho, não vinha de inauguração nenhuma, não estava a caminho de algum canteiro de obras nem aparecera no Rio para inaugurar alguma. Vinha da Procissão dos Pecadores do São Francisco, estava em território carioca para outro comício e, de lá para cá, só inaugurou pela segunda vez uma quadra usada na Mangueira.

Pelo andar da carruagem, Lula corre o risco de terminar o segundo mandato sem ter deixado pronta uma única obra física efetivamente relevante. A transposição do Rio São Francisco, as grandezas do pré-sal, as hidrelétricas do Rio Madeira, pontes, rodovias ─ tudo vai demorar. Acossado pelo tempo cada vez mais curto, o maior dos governantes culpa o Tribunal de Contas da União, o Ibama, o fiscal da esquina, o cartório, qualquer coisa. Quer inaugurar qualquer irrelevância. Até quadras de segunda mão.comício

Incapaz de criar, o governo não cuida direito nem do que existe, confirmou nesta quarta-feira o levantamento da Confederação Nacional dos Transportes sobre a situação das estradas do país. O estudo abrangeu quase 90 mil quilômetros de rodovias pavimentadas. Desse total, quase 70 % foram  reprovados. A rede federal é a mais devastada. Segundo a CNT, a recuperação da malha rodoviária exige investimentos que somam R$ 32 bilhões. Seis vezes mais do que o governo Lula gastou em 2008. O PAC vai acabar programando outra operação tapa-buraco para 2010. E o chefe já prometeu outro PAC para 2011, com prazo de validade até 2015.

Por enquanto, só avança em bom ritmo o PAC da Conversa Fiada.

Encontrei no blog do Zé:

blog do Zé:

http://zefonseca.com/blogs/ze/

“Um governo grande o suficiente para lhe dar tudo o que você deseja é forte o suficiente para tomar tudo o que você tem.”
– Thomas Jefferson

30 out 2009 Posted by | ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, ÉTICA, GOVERNO, POLÍTICA, Uncategorized | 1 Comentário

O grande galinheiro.

O grande galinheiro.a faixa

No Brasil, não existe nenhuma ideologia política. Não existe verdadeiramente uma direita, nem uma esquerda, nem algum partido de centro que combine as duas ideologias e retire delas o que tem de melhor, formando com isto uma nova ideologia que seria uma coisa de centro. Existem sim palavras soltas e vazias, dentro das notícias, blogs, e artigos, falando de direita, esquerda, e centro esquerdo, centro direito, centro, etc., mas sem poder dar uma definição realmente o que seja isto. Os partidos políticos têm suas legendas, onde especificam suas posições ideológicas, mas os membros deste partido que deveriam seguir as regras do partido não o fazem, vivendo uma vida à parte, e fazendo a política fisiológica e de interesse próprio.a quadrilha

Depois de observar por anos o comportamento dos políticos brasileiros, formei uma opinião sobre o sistema existente no Brasil.

A arena política brasileira é um grande galinheiro, onde existe poleiro apenas para menos da metade das galinhas, e onde a comida farta também se restringe às galinhas no poleiro. As outras galinhas, que não conseguiram subir ao poleiro, ficam no chão, comem o que sobra, e sua vida é tentar desbancar algum animal de seu poleiro para ocupar o seu lugar. Morando e dormindo debaixo do poleiro, estes indivíduos que estão tentando subir, são constantemente sujeitos às fezes dos outros que defecam o tempo todo em cima deles.

E não adianta ter idéias ou ideais bonitos tentando chegar a algum lugar na parte de cima, tem que haver alguma forma de se fazer amigos no poleiro, e através dos amigos, irem conseguindo subir e sair do chão.  No galinheiro não se usa ou se pratica algum sistema ideológico, mas sobrevive um sistema fisiológico.

A culpa do senaqdoO mais impressionante deste galinheiro, é que os donos das galinhas (os que pagam por tudo isto) (o povo) não podem interferir, não podem mudar nada, porque as galinhas criaram durante anos, um sistema de leis que as protegem e que impede aos donos das galinhas de efetuarem qualquer mudança no galinheiro.

No sistema existente hoje no Brasil, disfarçado em democracia, os donos das galinhas obedecem à vontade das galinhas, e pacificamente vêm os absurdos acontecendo, e seguem sustentando com comida e conforto, estas malditas galinhas que estão dando ordem para eles.

O Galo mor e sua farsa.a camuyflagem

Atualmente, ocupa a posição mais alta no poleiro, um galo velho, que apesar da idade, têm muita experiência em sobreviver aos ataques dos mais novos pretendentes à sua posição.

Este galo é uma grande farsa, sua vida é uma farsa e até o seu nome tem algo de irreal.

Ao nascer foi batizado de José Ribamar de Araujo Costa, e para fins eleitorais, trocou o seu nome em 1865, retirando o Ribamar e adotando o nome de seu pai SARNEY. Não existe em nenhum lugar na internet, alguma referencia a outro nome ou sobrenome SARNEY. Dizem por aí, sem realmente muita convicção, que este nome é uma aglutinação modificada de Sir Ney, um senhor de origem inglesa que mantinha uma fazenda onde o pai do José Ribamar trabalhava e era conhecido nos comércios locais como o José do Sir Ney que evoluiu para SARNEY. Seja como for, seu nome verdadeiro foi preterido para fins políticos, constituindo a primeira farsa em sua carreira política.a minha merda

Ele foi presidente da ARENA, partido do governo militar, e hoje integra os quadros do PMDB, que era a oposição da ARENA, confirmando assim que os partidos políticos brasileiros são apenas nomes e não ideologias.

A necessidade do momento faz e mudança de ideologia, confirmando a teoria do galinheiro.

José Ribamar ocupou depois de vários cargos políticos a cadeira maior da política como presidente da república, entrando suspeitamente pelas portas do fundo, quando o presidente eleito, Tancredo Neves morreu misteriosamente. Deveria ter havido outro sufrágio, mas foi tudo aconchavado e protegido pelo seu ministro da Guerra, assumiu na marra como presidente da republica, sendo desta forma também uma farsa do galo mor.

A sarneylandiaOutra de suas façanhas políticas, foi simbolicamente mudar a sua residência para o Estado do Amapá, onde se candidatou senador da república. Foi eleito suspeitamente, com o maior índice de rejeição na história política do estado.  Como realmente reside no Maranhão, onde tudo por lá é da família Sarney, causou uma discrepância no sistema político de representatividade estadual, pois ele realmente defende os interesses do seu estado natal que é o Maranhão e não o Amapá. Ficando desta forma o Maranhão com quatro senadores, e o Amapá com apenas dois. Mais uma de suas farsas políticas.

Vou mencionar mais uma farsa. Consiste em sua posição na Academia Brasileira de Letras que deveria ser constituída por escritores que fizeram do português brasileiro, uma profissão escrevendo artigos e livros. Obras estas formando tendências literárias, e que serviram para identificar o autor como um formador destas tendências. Um dos mais recentes e falecidos membros desta academia foi o baiano Jorge Amado, que deixou de herança uma obra literária, traduzida em vários idiomas. Outro personagem, que foi a primeira mulher a fazer parte da academia foi a escritora cearense Rachel de Queiróz que em 1977 foi aceita como membro desta academia. Seu primeiro presidente foi o carioca Machado de Assis, que nos legou uma obra literária reconhecida em todo o mundo. abolição do bigode

O motivo da fundação da academia foi “O cultivo da Língua e da Literatura Nacional”, e eu entendo que para se escolher um novo membro este deve deixar em sua obra este parâmetros pétreos instituídos da fundação da ABL.

O José Ribamar é membro desde 1980 ocupando a cadeira nº. 38

O patrono desta cadeira é nenhum menos do que Tobias Barreto que foi um filósofo, poeta, crítico e jurista brasileiro, com obras escritas em português e alemão, e formador de tendências literárias e filosóficas baseadas nos estudos da filosofia alemã.

A obra literária de José Ribamar é muito pobre em qualidade isto é e as tendências nela inseridas são confusas, os estilos variados e não existe nenhuma consistência que indique qualquer tendência. O que aparenta é que esta obra foi escrita por vários autores e adotada como uma obra do José Ribamar. a biografia

Obras do autor

Incluem-se entre as principais obras do autor José Ribamar:

* A pesca do curral (ensaio), 1953

* A canção inicial (poesia), 1954

* Norte das águas (contos), 1969

* Maribondos de fogo (poesia), 1978

* O parlamento necessário, 1982 (discursos, 2 volumes)

* Falas de bem-querer, 1983 (discursos)

* Dez contos escolhidos, 1985

a mascara* Brejal dos Guajas e outras histórias, 1985

* A palavra do presidente, 1985-1990 (discursos, 6 volumes)

* Sexta-feira, Folha, 1994 (crônica)

* O dono do mar (romance), 1995

* Amapá, a Terra onde o Brasil começa, 1998 (história)

* A onda liberal na hora da verdade, 1999 (crônica)

* Saraminda (romance), 2000

* Saudades mortas (poesia), 2002

* Canto de página, 2002 (crônica)

* Crônicas do Brasil contemporâneo, 2004, 2 volumesAgente de empregos

* Tempo de pacotilha, 2004

* 20 anos de democracia, 2005 (discursos, 2 volumes)

* 20 anos do Plano Cruzado, 2006 (discursos)

* Semana sim, outra também, 2006 (crônica)

* A duquesa vale uma missa (romance), 2007

Eu, pessoalmente li várias delas, estou muito longe de me considerar um crítico literário, mas tenho certo gosto por obras finas e bem escritas e de estilos consagrados e consistentes, e a presença do José Ribamar na ABL, empobrece a cultura nacional em minha humilde opinião.

Fora estes mencionados desvios da ética profissional, atualmente existem inúmeros casos no galinheiro dos representantes, onde a honestidade, hombridade e ética do seu galo Mor está em dúvida com a contratação da vários parentes, l contratação do administrador do senado a quinze anos e que foi exonerado e está sendo investigado, e elevação dos salários transformando funcionários comuns em diretores. Somente aí o estrago foi tremendo, pois o Senado tinha aproximadamente 500 diretores sem a menor necessidade. Isto custando para os donos das galinhas uma fortuna.

Alguns dos atos a serem investigados:atos secretos

1) Maria do Carmo Macieira, sobrinha de Sarney, foi nomeada por ato secreto no gabinete da senadora Roseana Sarney;

2) Vera Portela Macieira Borges, sobrinha de Sarney, foi nomeada por ato secreto no gabinete do senador Delcídio Amaral, em Campo Grande;

3) João Fernando Sarney, neto de Sarney, foi nomeado e exonerado por ato secreto do gabinete do senador Epitácio Cafeteira;

4) Rosângela Terezinha Michels Gonçalves, mãe de João Fernando Sarney, neto de Sarney, foi nomeada logo após a exoneração do seu filho;

5) Nathalie Rondeau, filha do ex-ministro Silas Rondeau e afilhado político do Sarney, foi nomeada para trabalhar no Conselho Editorial do Senado; Sarney preside o Conselho;

atos secretos 26) Amaury de Jesus Machado (“secreta”), funcionário da senadora Roseana Sarney na casa dela em Brasília, é lotado no gabinete da senadora Roseana Sarney;

7) José Sarney emprestou seu imóvel funcional ao ex- senador e seu aliado Bello Parga;

8) Elga Mara Teixeira Lopes, especialista em campanha eleitoral, foi nomeada e exonerada através de ato secreto entre o 1º e o 2º turno da campanha de Roseana Sarney para o governo do Maranhão, em 2006; Um ato secreto cancelou a exoneração para preservar o salário de Elga;

9) Valéria Freire dos Santos, viúva de um ex-motorista do Sarney, mora há quatro anos num imóvel localizado no térreo de um dos prédios exclusivos para os senadores. Ocupa cargo comissionado no Senado Federal;

10) Fausto Rabelo Cosendey, gerente administrativo da empresa do neto do Sarney (SARCRIS, no Maranhão) José Adriano Sarney, é lotado no gabinete do deputado Sarney Filho;Atos secretos 3

11) Isabella Murad, sobrinha de Jorge Murad (marido de Roseana e genro de Sarney), foi nomeada por ato secreto para o gabinete de Epitácio Cafeteira. Ela mora na Espanha;

12) Virgínia Murad de Araújo, prima de Jorge Murad (marido de Roseana e genro de Sarney), foi nomeada no gabinete da liderança do governo no congresso pela Roseana Sarney;

13) Ivan Celso, irmão de Sarney, teve cargo de confiança no Senado;

14) Fernando Nelmásio Silva Belfort, diretor executivo do museu e também mausoléu de Sarney, foi lotado na Liderança do Congresso Nacional;

atos quase secretos15) Shirley Duarte de Araújo, cunhada de Sarney, foi lotada durante seis anos no gabinete da senadora Roseana Sarney;

16) José Sarney encabeça os atos que criaram pelo menos 70% dos cargos de direção da Casa;

17) José Sarney recebia auxílio moradia no valor de R$ 3.800 mesmo tendo casa em Brasília;

18) José Sarney ordenou que quatro servidores da área de segurança do Senado Federal fossem deslocados para reforçarem a segurança de sua residência no Maranhão.

E este Galo Mor está sendo protegido por outro galo ainda maior, que é o Lula que disse em alto e bom tom que o José Ribamar tem que ser reverenciado como uma pessoa diferenciada e que não poderemos investigá-lo sem danos maiores para a imagem do Brasil.a fedentina

Ora Lula, vá se lascar com mais esta abobrinha, está claro que o Zé Ribamar tem grande parte do PMDB debaixo da unha e sem o PMDB adeus Dilma Rousifu para 2010. Então, não devemos criar  atrito entre o PMDB e o atual governo, com o risco de não emplacar o seu candidato.

O povo é que se f……, o Zé Ribamar não pode ficar nervoso, pois pode acabar com a candidatura da Dilma.

Para justificar mais uma de suas asneiras este apedeuta que provavelmente não conhece nada escrito pelo Ribamar, anda espalhando por aí irresponsavelmente que as investigações no senado estão sendo uma armação da oposição para emplacar como presidente das galinhas, um senador da oposição o goiano Marconi Perilo que é o vice-presidente da casa.

Senhor apedeuta, este vice não apareceu aí agora, mas foi eleito como eleito foi você.

Assalto2Quem o elegeu, foram as mesmas galinhas que estão aprovando tudo que a administração envia ao congresso. Caçar o Ribamar por falta de ética deve ser um dever do galinheiro e assumir uma galinha da oposição é uma pratica legal até para um apedeuta como o Lula. a realidade

02 jul 2009 Posted by | Uncategorized | 2 Comentários

Vagabundagem

Vagabundagem

Eu nunca trabalhei no Brasil até o começo dos anos 90.

Como nasci em 1944, fica a pergunta:

Como viveu por todos estes anos?

Não tenho nenhuma vergonha de dizer que até 1965, então com 21 anos, eu fui sustentado pelo meu pai, e vivia em casa estudando, praticando esportes, e adquirindo conhecimentos.

Em julho de 1965, fui viver nos Estados Unidos como estudante e aí comecei a trabalhar para me sustentar. Nos primeiros meses, em Atlanta no estado da Geórgia, trabalheis como faxineiro na cozinha do restaurante do Hotel Haytt Regency. Depois, em poucos meses me mudei para Nova Orleans por causa do frio, e por lá não trabalhei, me mudando para o Texas. Em Dallas no Texas trabalhei como garçom nas festas de fim de ano, e logo depois me mudei para Houston. Nesta cidade me situei e foi aí que tive o meu primeiro contato com o sindicato.

Consegui emprego em uma fábrica de plástico como criador de matrizes de extrusão, um trabalho delicado e preciso. Nesta fábrica, ao ser contratado, me encontrei em face de uma decisão.

No departamento de pessoal, hoje mais conhecido como Recursos Humanos, ao ser fichado, uma educada senhora me perguntou se eu queria pertencer ao sindicato. Ela me disse que no Texas, era lei que as pessoas poderiam escolher se queriam contribuir ou não para o fundo sindical e que não era obrigatório. Perguntei então se era alguma vantagem pertencer ao sindicato ao que ela respondeu ser isto era uma decisão pessoal minha. Poderia, se eu quisesse optar pertencer ao quadro sindical, pagar pelo privilegio e depois se não visse vantagem nenhuma, sair do sindicato. Eu depois de ponderar um pouco perguntei a ela se poderia fazer o contrário, deixar para depois esta decisão. Ela disse que sim, mas eu seria o único empregado em toda a empresa a não pertencer ao sindicato, e que sofreria pressões para me filiar. E sofri muitas pressões. O líder sindical me procurou e tentou me convencer a pertencer. Seus argumentos eram fracos demais. Coisa assim:

– O sindicato, sendo forte pode te representar frente ao patrão, e conseguir para você melhores salários.

Ao que eu retrucava:

– Eu sei me comunicar e o patrão vai ver se existe vantagem ou não em me dar um salário melhor. Acredito que se o meu trabalho for melhor do que o de outras pessoas, eu vou conseguir melhores salários e posições, enquanto que se eu estiver pertencendo a alguma classe, vou ter que me contentar com um aumento geral antes de ser beneficiado com um acréscimo de salário.

Ele retrucava:

– Este tipo de pensamento, pode enfraquecer o sindicato e prejudicar todo o grupo. O patrão pode te explorar e exigir de ti mais trabalho do que exige de nós sindicalizados.

E eu dizia:

– Cara, este é um pais livre, se eu não estiver gostando do salário ou me sentir estar sendo abusado, eu posso sair e arranjar outro trabalho. Eu conheci este trabalho sem ajuda do sindicato, e posso conseguir outro da mesma forma.

Ele retrucava:

– Você não entende o espírito sindical. Não é assim que as coisas são feitas por aqui. Se você não pertence ao sindicato, pode haver problemas com você. Não vai haver ninguém para te ajudar. É melhor você pertencer ao sindicato como todos nós e evitar problemas futuros.

Isto me pareceu uma ameaça, e era sem duvida uma ameaça. Sofri todos os tipos de represália, furavam constantemente os pneus do meu carro no estacionamento, roubavam a minha merenda, ou quando não roubavam colocavam imundices dentro dela, urinaram em minhas roupas dentro do meu armário várias vezes, e coisas assim.

Não esmoreci, continuei a trabalhar, fazendo por minha conta o meu trabalho. Eu como novato fazia o turno da noite, de 11 da noite às 7 da manhã. Meu trabalho era fácil, consistia em estar de prontidão e quando algum molde se perdia em uma extrusora, teria que substituir. Como isto era raro de acontecer e para passar o tempo, eu procurava os pedidos de moldes pendentes e de acordo com os desenhos técnicos ia fabricando os moldes em demanda. Trabalhava bem devagar, e com muito capricho. Em pouco tempo, fui chamado para conversar com o meu chefe direto. Ele me disse que apesar de trabalhar só e à noite, estava fazendo um bom trabalho com uma produção superior ao turno diurno que empregava seis pessoas para este trabalho, três pela manhã e três pela tarde. Como os trabalhos finais eram assinados pelo operário encarregado, a minha produção e a qualidade estavam muito maiores do que os outros turnos. Eu então perguntei a ele se isto era ruim.

Ele então me disse:

– Não pelo contrário, para a empresa é muito bom, mas estou preocupado com a sua integridade, pois estou ouvindo rumores de que o sindicato está preparando algo muito ruim para você, e não quero que isto aconteça. Seria melhor você conseguir outro emprego antes que seja tarde. Tenho amigos neste ramo e posso te ajudar.

E para evitar maiores problemas fui trabalhar em uma empresa menor e que não era sindicalizada.

Neste momento de minha vida, entendi o que era o sindicato. Era um clube de vagabundos onde os chefes sindicais desfrutam de vários benefícios, não repassam nada aos sindicalizados e quando alguém como no meu caso decide não contribuir, eles fazem pressões em detrimento aos interesses da empresa que os empregam.

Houver em minha vida outros embates com os sindicatos. Em alguns casos paguei por não ter alternativas, mas depois recuperei tudo com ações judiciais. Mas em geral nunca paguei nenhuma contribuição sindical. Nos Estados Unidos em geral, nas fábricas ou os empreendimentos que não sejam sindicalizados, os produtos são mais bem elaborados, os salários são melhores, e as condições também são melhores. Nos estabelecimentos sindicalizados, todo o quadro de trabalhadores fica inchado com pessoas apadrinhadas que em geral não fazem nada, e diluindo o salário das pessoas que realmente estejam trabalhando. Um trabalho que pode facilmente ser desempenhado por uma pessoa especializada, fica sendo feito por cinco ou seis inúteis sindicalizados. E geralmente o resultado fica pior como no caso de meu primeiro emprego acima descrito. O sistema sindical é um clube de vagabundos. A média é tirada por baixo.

O Brasil recente teve uma oportunidade de ouro de melhorar esta situação com um projeto de lei que tirava a obrigatoriedade da contribuição sindical. O loby sindical não deixou este projeto vigorar e foi derrubado na câmara federal. No senado passou, mas com uma emenda corretíssima de que os fundos dispensados seriam fiscalizados pelo TCU, que é o órgão semi-independente ligado ao legislativo para fiscalizar o correto uso do dinheiro público.

Esta emenda foi vetada pelo presidente Lula, com a desculpa esfarrapada de que em toda a sua vida lutou pela independência sindical e que agora não iria vincular o dinheiro do sindicato ao critério do TCU. Bem o presidente, membro emérito do clube dos vagamundos cedeu às pressões sindicais que foram então comandadas pelo Paulo Pereira da Silva, que depois do veto presidencial (inconstitucional e questionável) promoveram uma festança particular onde a mídia não foi convidada nem permitida participar.

Este mesmo Paulo, apelidado de Paulinho da Força, é um grande vagabundo e o presidente Lula, com seu veto, cedeu aos seus inícios no clube dos vagabundos e inconstitucionalmente e ilegalmente considerou o dinheiro público que obrigatoriamente é retirado do trabalhador em forma de um dia de trabalho anual como privado e do sindicato. E o presidente, em sua competência considerou que este dinheiro é do sindicato para ser usado da forma que quiser sem ter que prestar contas a ninguém, ou prestar contas da forma que lhes convier, e vetou a fiscalização pelo órgão competente.

Coisa de mandatário vagabundo e autoritário como todo líder sindicalista sem nenhuma exceção.

O dinheiro e as mordomias sindicais que não são poucas para os dirigentes, não foram suficientes para o Paulinho da Força que achou que o dinheiro do BNDES, que em sua maioria vem do FAT e que, portanto é do trabalhador, seria também seu de direito e se meteu em uma tremenda maracutaia para botar as mãos também neste dinheiro.

Esta fase da vagabundagem está sendo investigada, e pode ficar ruim para o Vagabundo da Força.

Eu aposto que o outro vagabundo, o da presidência está neste momento se mexendo para fazer o que seja possível para proteger seu igual no clube da vagabundagem.

Estou torcendo para que este não seja outro caso de impunidade que está marcando este governo como o mais corrupto de todos os governos que se tenha notícia na história.

Abaixo, escolhi par finalizar dois artigos que espelham a confusão do desgoverno que está assolando o país.

O primeiro do Villas:

A dose mínima de simplicidade.

Por Villas-Bôas Correa

Na repolhuda equipe que ocupa os espaços nobres do governo do presidente Lula falta o amigo de confiança, com a autoridade da longa convivência além da ousadia para avançar o sinal e falar com a rude franqueza no momento certo, no contraponto do chorrilho de elogios merecidos pelo muito que está dando certo.

Lula é um temperamento que pega no tranco e dispara ao primeiro sinal de que o caminho está livre. A sua biografia acompanha a trajetória que começa no sertão de Garanhuns, na tórrida zona da seca, e muda o rumo com a coragem de dona Lindu ao levar a filharada no pau-de-arara para Paulo. Aqui Lula é alfabetizado no troca-troca de três escolas públicas, tira o seu certificado profissional no Senai, trabalha em várias empresas e alça vôo na fulminante ascensão como líder sindical que funda o PT, coleciona três derrotas como candidato a presidente da República e se elege na quarta tentativa, para o bis da reeleição.

A tisana do êxito excita o exibicionismo do inquieto e impaciente, que abomina as tediosas conversas políticas e as intragáveis reuniões administrativas para tratar assunto em geral já decidido mas que empacam na engrenagem burocrática. Solta-se à vontade, nas viagens a pretexto de lançar projeto de obras, acompanhar o seu andamento ou a suprema ventura da inauguração. Sempre com o palanque armado, assistência a favor garantida e o microfone a postos para o improviso da sua facúndia de excepcional comunicador popular, capaz de dois, três e mais discursos no giro de um dia.

Com tais incentivos, cutucado pela aprovação da sociedade, Lula passou da medida. E, agora, como que perdeu as estribeiras e a noção da conveniência. Emenda, uma atrás da outra, as caneladas nos desafetos e os elogios mais descabidos e absolutamente incompreensíveis a antigos inimigos. E baixou o nível na linguagem chula que chega a pornografia. Dá para entender, apesar do erro tático, a sua implicância com o antecessor, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, depois da transição civilizada, com salamaleques e promessas de amizade eterna. Como o “aqui você deixa um amigo”, à porta do Palácio Alvorada, depois do longo jantar íntimo dos casais presidenciais.

Liberto das cautelas, livre como o pássaro que escapa da gaiola, o presidente dirigiu a sua maratona de reconciliação com os desafetos do passado recente com o ímpeto de derrubar todas as cercas de arame farpado. Numa das sessões de descarrego, elogiou em dose dupla os ex-generais-presidentes Emílio Médici e Ernesto Geisel, numa penitência de comover o mais empedernido coração. Do ex-presidente Geisel se salva a intervenção no DOI -Codi de São Paulo, depois de duas mortes sob tortura do jornalista Wladimir Herzog e do operário Fiel Filho.

Do mandato do presidente Médici não há notícia de um gesto, de uma palavra de apoio ao retorno da normalidade democrática. Só agora, andando de costas, o presidente Lula reeditou o brado retumbante do “ninguém segura este país”, lema enigmático da ditadura militar que não esclarece quem pretendia segurar o Brasil.

Se em boca fechada não entra mosca, da goela escancarada podem escapar involuntárias tolices. Das quais, deve-se presumir o arrependimento do deslumbrado presidente no topo da popularidade e com o reconhecimento internacional, carimbado pela Standard & Poor´s, do grau de investimento, que acena com um período de prosperidade com a atração de capitais estrangeiros.

Se o estoque de sentenças está desfalcado pelo excesso de uso, cutucando os escassos neurônios, sempre se encontra o cascalho amontoado no canto. Lembro a curta máxima do saudoso Paulo Francis: Quem não lê, não pensa. Ou, lá fundo, no buraco da memória, o provérbio de áspera advertência: Elogio em boca própria é vitupério. Vitupério é um substantivo feio, que soa como xingamento. E é quase: insulto, injúria, ato vergonhoso, infame ou criminoso.

Convenhamos que não é caso para tanto. E que se resolve com juízo, modéstia e bom senso.

E este outro do Mauro Chaves:

Disparates

Por Mauro Chaves, é jornalista, advogado, escritor, administrador de empresas e pintor.

Um presidente de multinacional, de forma gratuita e inexplicável, afirma que, “se o Piauí deixar de existir, ninguém vai ficar chateado”; um coordenador do colegiado de uma faculdade de medicina da Bahia, para justificar o fracasso de sua escola na avaliação do Ministério da Educação, afirma que os estudantes baianos têm “déficit de inteligência” e que os baianos só são bons no berimbau porque o instrumento só tem uma corda – se tivesse mais, os neurônios baianos não dariam conta; um ator medíocre, já em fase de plena decadência, propõe, simplesmente, uma campanha para demolir o Cristo Redentor (foto), porque “o Cristo atrapalha o visual” do Rio.

O que significa esse festival acachapante de disparates, esse amontoado descomunal de besteiras que a mídia não se peja de reproduzir, como se fôssemos uma sociedade de parvos ignaros, débeis mentais, capazes de ouvir quietos, sem reação, qualquer baboseira?

É claro que o desejo compulsivo de aparecer diante dos holofotes e das câmeras de televisão, nestes tempos rasteiros de Big Brother, só explica parcialmente esse surto de imbecilidade galopante. É verdade que “nunca antes neste país” existiu tamanho frenesi de exibição pública. Talvez seja porque “de tanto ver triunfar as nulidades”, como dizia o gênio Ruy (por sinal, baiano), “todo mundo resolveu fazer uma tentativa” (como completava a frase escrita no banheiro do antigo Jogral). O negócio é “aparecer na mídia”, seja de que jeito for – e às vezes o espaço midiático está na razão direta do tamanho da besteira proferida. Há mais, porém. O problema é que, no Brasil, a vergonha acabou. E quando a vergonha acaba, tudo é permitido dizer.

Quando a vergonha acaba vêm à tona as justificativas mais estapafúrdias, que parecem pretender reduzir a nitrato de pó de traque a inteligência do povo. Por exemplo, quando o reitor do saca-rolha de R$ 849 tentou justificar o gasto de R$ 450 mil (desviados da pesquisa científica) na decoração de seu apartamento funcional, disse que para mobiliar um apartamento “é preciso seguir uma linha estética” (o que justificava, também, a compra – com dinheiro público – de lixeiras de R$ 1 mil). Quando o governador cearense tentou justificar seu dispendioso aerossogra, “esclareceu” que ao se fretar um jato se paga por quilômetro percorrido, e não pelo número de passageiros – argumento, aliás, totalmente endossado pelo presidente da República, em sua solidariedade contumaz a autores de “erros administrativos”, gestores de “recursos não-contabilizados” e montadores de “bancos de dados”. Em nenhum momento se explicou por que o governador e seus secretários deixaram de usar vôos comerciais (muitíssimo mais em conta) para passear pelo mundo atraindo “investimentos para o Ceará”.

E o que dizer do “ministro do futuro” (o já famoso titular da Sealopra), que defendeu a transposição das águas do Rio Amazonas para o semi-árido nordestino? Esse aí só falta agora propor a cavação de um enorme buraco em algum lugar do Brasil para que, atravessando a Terra, cheguemos de elevador até o Japão – embora comecemos a viagem em pé e a terminemos de cabeça para baixo. É que, quando acaba a vergonha, também acabam os limites da imaginação – assim como os da espantosa criatividade em jogar fora o dinheiro público.

Quando não se tem mais compromisso com a verdade dos fatos, o reino do “como se fosse” é ilimitado. Nele se constroem as verdades de acordo com cada conveniência pessoal. Nos homens públicos, muitas vezes, essa conveniência pessoal é camuflada por fajutos “princípios”. Candidaturas são lançadas a pretexto de “chamamentos” que não existem, a lealdade é desprezada em nome de suposto “direito” partidário, o medo de ficar sem emprego político se transforma em “ideal doutrinário”, o pavor de perder “espaço na mídia” vira “missão de soldado do partido” e outras atitudes que só impressionam os debilóides, tais como o de se ser bicão de inaugurações alheias.

Na verdade, cada vez mais as pessoas públicas parecem menos empenhadas em “convencer” quem quer que seja do que for. Antes os parlamentares aproveitavam as vésperas dos recessos ou dos feriados para, na calada da noite, sem ninguém perceber, fazer seus indecentes reajustes de ganhos. Hoje perpetram seus avanços no dinheiro público em plena luz do dia. Os magistrados, que só “falavam nos autos” e enrubesciam ao tratar de seus assuntos corporativos, hoje (com as honrosas exceções de praxe) falam a torto e a direito e em qualquer lugar, tanto anunciando a sentença que vão proferir quanto o reajuste de ganho que vão reivindicar.

Quando tudo isso começou? Não éramos assim. Em algum momento o tecido da vergonha nacional começou a esgarçar. Tínhamos vergonha quando éramos chamados pela professora para mostrar o dever de casa e não o tínhamos feito; quando convidávamos a namorada para jantar e faltava dinheiro para pagar a conta; quando esquecíamos de levar presente numa festa de aniversário; quando cometíamos alguma indelicadeza com alguém – sem querer ou querendo. Hoje as pessoas erram e nem se tocam em corrigir, fazem serviço com defeito e não estão nem aí, esbarram com outras na rua, dão mochiladas no metrô, cotoveladas, pisões de pé, trancos, avançam nas faixas de pedestres, dão “fechadas”, atropelam – e nem se dignam a dar uma olhadinha para a vítima, muito menos pedir-lhe desculpas. E quando os famosos “abrem a alma” diante das câmeras para confessar que “erraram”, nem assim demonstram sentir qualquer vergonha – mais parecem possuídos de um estranho sentimento de vítima heróica.

Sim, realmente, no Brasil a vergonha acabou. E quando a vergonha acaba…

11 maio 2008 Posted by | Uncategorized | 2 Comentários

Pesquisa de opinião.

Pesquisa de opinião.

Eu nunca fiz parte de nenhuma pesquisa de opinião. Indo um pouco mais longe, eu não conheço ninguém de minhas relações, incluindo parentes e amigos, e amigos dos parentes e amigos que tenham participado de alguma pesquisa de mercado. E veja que eu tenho uma família de média para grande. Somos seis pessoas, todas vivas e desfrutando de relativa saúde, todos casados com filhos e netos, e com muitos conhecidos e amigos.

Outro dia em uma reunião celebrando um aniversário, estavam reunidas pelo menos umas cinqüenta pessoas. Fiz uma ligeira pesquisa e nenhum deles havia participado de pesquisa ou conheciam alguém que tivesse participado.

E para terminar uma comparação, eu pessoalmente conheço duas pessoas que ganharam na megacena. E não é ninguém relacionado com o João Alves (anão do orçamento).

Sendo totalmente ignorante do conteúdo do questionário de pesquisa da “CNT Census”, que pertence ao ex-sócio do Marcus Valério, e vendo o resultado das recentes pesquisas sobre a aprovação do Lula e a vontade de um terceiro mandato, eu chego à seguinte conclusão:

· A pesquisa foi feita bem longe do meu circulo de relações.

· O questionário deve ter sido formulado na seguinte seqüência:

a. O que sabe você sobre o governo do presidente Lula

Resposta: Nada

b. Então conheça os fatos:

A saúde no Brasil está de primeiro mundo!

A educação também está entre as melhores e teremos este ano, mais quarenta mil vagas nas universidades.

Estamos totalmente independentes de petróleo e em pouco tempo seremos exportadores.

Pagamos a dívida externa, e ainda sobrou quaro bilhões de dólares.

Temos quarenta milhões de pessoas sendo atendida no programa de distribuição de renda.

Temos o governo mais ético e responsável da história deste país. Haja vista a quantidade de prisões sendo feita pela Polícia Federal, que é sintonizada com o governo.

Este governo do Lula com suas viagens diplomáticas por todo o mundo tornou o Brasil reconhecido e quase conseguimos a vaga de nação permanente no conselho da ONU.

A energia do Brasil está em franca ascensão e teremos a garantia de energia até 2014.

Temos a gasolina da mais barata do mundo e apesar da alta do petróleo não houve nenhum aumento de preços.

Somos autoridades na produção de álcool, e este governo foi o responsável pela tecnologia.

As nossas estradas estão entre as melhores do mundo.

Os portos brasileiros são reconhecidamente os melhores do mundo.

O sistema de aviação mais seguro e reconhecidamente melhor do mundo é o brasileiro através de seu ministro da defesa e da ANAC.

O Brasil é um exemplo de democracia.

Formamos a Força de Segurança Nacional, e com isto garantimos a total segurança dos cidadãos brasileiros.

Construímos três prisões federais que são modelos de segurança, e estamos licitando mais seis.

Tem mais, mas muito mais, mas estes bastam para se ter uma idéia da qualidade do governo do presidente Lula da Silva.

c. Agora conhecedor dos fatos, você aprova o governo do Presidente Lula?

d. Se houvesse uma possibilidade de se modificar a constituição, para o presidente Lula continuar a governar o Brasil você aprovaria?

Com um questionário destes, a aprovação que deveria ser de 100% foi de 58% e na pergunta D sobre a continuidade do mandato foi de 52%, quando deveria ser de 100% também.

Eu penso que quando a esmola é demasiada até o pobre desconfia.

Você acha que se os brasileiros tivessem um vislumbre da realidade a pesquisa teria o mesmo resultado?

a. Saúde foi abandonada por este governo, com um gasto inferior a 5% do PIB, os resultados são uma pequena amostra de como se comporta o governo na maior e mais mortífera epidemia de Dengue que se tem notícia.

b. Educação foi abandonada pelo governo com um investimento de 2,5% do PIB, sendo que deste parco percentual, 80% é investido com universidades (isto dá voto). Abandono total do ensino básico e que a evasão escolar está em maré crescente, e a qualidade deste ensino está entre as piores do mundo dentre os países emergentes.

c. Nunca se importou tanto petróleo como agora, e com o preço nas alturas, esta importação está causando um tremendo buraco no superávit exportador brasileiro, e quanto às descobertas anunciadas, estas não são recentes e são apenas expectativas e para que o Brasil possa começar a desfrutar destas descobertas serão pelo menos dez anos de exploração.

d. Dívida Externa, devido á compra desesperada de dólares no mercado pelo Banco Central, para tentar evitar uma desvalorização do Dólar, prejudicando com isto a balança superavitária do mercado brasileiro, o Brasil acumulou uma reserva internacional maior do que a dívida externa e se quiser liquidar esta dívida pode ainda sobrar uns quatro bilhões de dólares. Mas não foi de graça esta façanha, e os dólares adquiridos, foram muito caros e acarretou a maior dívida interna da história deste país. Esta dívida paga um juros de 14% ao ano de média e a dívida externa paga apenas 3% de média ao ano. O que o Brasil fez, foi se como uma pessoa pagasse o seu carro com o cartão de crédito parcelado e quitasse a dívida no banco. E sabe qual é o montante da dívida? Sabe quanto se paga de juros aos bancos nacionais?

Leia esta reportagem da Radiobrás:

(Brasília – A dívida interna do país cresceu R$ 25,27 bilhões no mês de fevereiro, chegando à marca histórica de R$ 1,01 trilhão. Os títulos da dívida, emitidos pelo Tesouro Nacional, aumentaram 2,6% no mês passado, se comparados com janeiro. O anúncio foi feito hoje (15) por Paulo Valle, coordenador de Operações da Dívida Pública do Tesouro.

Valle considerou normal o resultado, já que Plano Anual de Financiamento (PAF) estima endividamento de até R$ 1,2 trilhão no final deste ano. O aumento, segundo ele, é resultado da emissão de títulos, que superou os resgates em R$ 14,82 bilhões e dos gastos de R$ 10,45 bilhões.

A maior parte da dívida pública brasileira é corrigida pela taxa do Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) – a taxa básica de juros da economia brasileira. Cerca de 47,20% da dívida está atrelada à Selic. Quase 28% dos títulos tem com correção prefixada – já que têm sua correção definida previamente e não são corrigidas por nenhum índice. Outros 20,46% são corrigidos por índices de preços e apenas 2,39% são remunerados pelo câmbio. “)


http://www.radiobras.gov.br/abrn/brasilagora/materia.phtml?materia=258 896

Você pode calcular agora porque o lucro absurdo dos bancos brasileiros que enquanto toda a economia do país cresce 4% ao ano, o lucro dos principais bancos saltou 110% em 2007.

E pelo andar da carruagem vai ser maior este ano.

E com 47% de toda a arrecadação sendo dirigida ao serviço da dívida não sobra muito para os problemas do país.

e. Os programas assistenciais, que o governo está chamando de uma distribuição mais justa de renda, dos quais o carro chefe é o “Bolsa Família”, nada mais é do que uma assistência sem contra partida nem fiscalização do programa iniciado no governo FHC denominado “Bolsa Escola”, que no entanto tinha uma fiscalização severa e uma contra partida, que incentivava o participante a se empenhar em melhorar a sua situação. O “Bolsa Família” pelo contrário, torna os participantes totalmente dependentes no programa e a distribuição de renda alegada pelo governo Lula nada mais é do que uma esmola perene sem chance de se programar uma agenda para o beneficiado a deixar o programa para uma vida melhor fora do programa. São realmente mais de 40 milhões de participantes e isto representa mais de 30% do eleitorado brasileiro tornando este programa uma máquina de fazer votos.

f. A ética neste governo foi totalmente e cinicamente enterrada. No primeiro governo, todos os principais colaboradores do Lula foram indiciados pelo Procurador Federal como a maior quadrilha formada para lesar o erário. As prisões e apreensões feitas pela Polícia Federal se devem ao fato de nunca na história deste país tanta gente roubou ou usou o cargo para tirar vantagens pecuniárias. E a atuação da PF quando a investigação que podem prejudicar o governo, nada acontece como no caso dos aloprados onde o dinheiro continua retido na PF sem chance de se descobrir a origem.

g. As viagens do Lula em sua maioria são apenas passeio. Os países visitados e beneficiados pelas viagens do Lula votaram contra a permanência do Brasil no conselho da ONU. A imagem do Brasil, com seu presidente falastrão e ignorante perante o mundo são motivos de deboche por parte da comunidade internacional. Lula foi flagrado dormindo em uma conferência na ONU, e os marqueteiros editaram uma filmagem colocando para Lula os aplausos dirigidos ao Coffe Anan, então o presidente da ONU.

h. O gerenciamento da energia brasileira está muito aquém para um país em desenvolvimento. Este ano, com a seca prolongada, faltou muito pouco para um apagão geral. O desvio de gás pela Petrobrás para o abastecimento das termoelétricas emergenciais foi o que impediu um apagão. Com este desvio, faltou combustível para abastecer a frota brasileira de veículos movidos a GLP. Esta energia emergencial além de poluir, tem um custo 100% maior para o governo, que subsidia para se evitar a inflação.

i. A gasolina brasileira está entre as mais caras do mundo devido à extorsiva carga tributária embutida nela. São aproximadamente 60% do preço total. Com o aumento do preço do petróleo que atualmente custa ao Brasil 8 bilhões de dólares ao mês, o governo subsidiou o preço da gasolina em detrimento ao lucro da Petrobrás, que também é do Brasil. Pelo menos no controle ineficiente da estatal. Se fosse uma empresa privada visando lucro, o preço estaria nas bombas. Para pagar o subsídio, faltou dinheiro para outros programas. Mas já se fala em aumento do produto e não deve tardar. Se o governo fosse um bom governo, poderia abrir mão de parte da tributação embutida para amenizar a alta no final do produto. Mas não irá fazer isto, pelo contrário como a tributação faz uma parte percentual do preço final. O governo Lula com um aumento no preço da gasolina vai ganhar mais dinheiro com a tributação. Tirando principalmente da CLASSE MÉDIA.

j. A tecnologia do programa do álcool foi um legado da ditadura militar, que iniciou o Proálcool.

k. As estradas brasileiras são as mais perigosas e mortais do planeta, por falta de fiscalização, segurança, sinalização e capeamento asfáltico. Em 2006, ano eleitoral o governo Lula promoveu um programa emergencial de tapa buracos, em plena estação chuvosa que devido ao caráter emergencial dispensava licitação. Foi tanta a roubalheira que até hoje as contas não foram aprovadas pelo TCU.

l. Os portos brasileiros foram totalmente abandonados nos cinco anos de governo do Lula. São os mais ineficientes e caros dos países emergentes, e a combinação de péssimas estradas e péssimos e caros portos tiram do Brasil uma vantagem comercial. Devida à nossa alta tecnologia em agricultura, o preço da mão de obra e o clima favorável, temos um preço no plantio de soja, de setenta e cinco dólares mais barato por tonelada do produto comparado aos Estados Unidos. Isto no mercado internacional seria uma vantagem imbatível. No entanto esta vantagem se perde e se transforma em uma diferença de 25 dólares favorável aos Estados Unidos, depois do embarque nos portos de Santos e Paranaguá.

m. A aviação civil brasileira está entre as piores do mundo. Vários aeroportos foram realmente modernizados, apenas nos saguões e estacionamentos que são visíveis ao eleitorado, mas os equipamentos de segurança foram esquecidos e durante este governo os dois piores acidentes aéreos da história deste país foram ocasionados pelas péssimas condições de segurança dos aeroportos, pistas, equipamentos de navegação e segurança de vôo.

n. A democracia no Brasil é muito tênue e este governo tentou de tudo para piorar esta democracia. No primeiro governo foi feito uma tentativa de comprar o legislativo através de propinas. Um legislativo totalmente comprado e votando com o governo é o fim da democracia. Depois foi tentado o amordaçamento da imprensa com a criação de um controle dos jornalistas e repórteres através de uma agencia controladora da profissão. Não conseguiram, mas não está descartada. Foi tentado também um plebiscito para desarmar totalmente o cidadão honesto, que também não vingou. Entre todas tentativas neste governo do Lula, a democracia foi realmente desvirtuada. Outros meios antidemocráticos são os decretos ilegais como o que criou a TV pública, as incessantes medidas provisórias que não têm nada de emergencial e são usadas para impedir votações não favoráveis ao governo. Tudo isto torna este o governo menos democrático da história deste país. (fora o período da ditadura militar)

o. A Força Nacional de Segurança, foi criada como uma medida emergencial, não tem função declarada ou específica e não tem quartel nem residência. Com toda esta desorganização, esta força tem realmente servido e tem sido útil no controle do crime. Mérito dos componentes da força e não do governo.

p. As prisões federais de segurança máxima são apenas duas concluídas e na prisão de MS, Campo Grande, está o Fernandinho Beira Mar que lá de dentro continua a monitorar o crime através de telefone celular.

Depois dos esclarecimentos sobre a real situação do Brasil, o que você poderia esperar de uma pesquisa de opinião real e meritória de crédito?

Confira mais este bom artigo do Laurence.

Por Laurence Bittencourt Leite

Lula está nas alturas e os lulistas idem. Lula faz pose ainda que o disfarce seja evidente. Disse a frase chavão e a meu ver peculiar: “ninguém consegue fazer tudo em oito anos”.

O que isso significa? E daria para fazer em quanto em tempo, cara pálida? Lula disfarça a euforia, mas claro, seu Ibope subiu ainda mais, e o mais surpreendente (confesso a vocês que não para mim) foi ler que mais da metade da população ouvida na pesquisa, admite ser favorável (ops!) a um terceiro mandato para Lula. Que país! A miséria imensa, a falta de futuro, a falta de capitalismo, a falta de perspectiva leva a isso. Mas o mérito é de Lula ou a culpa é das elites (humm, que elite!!??) que passaram antes dele pelo governo e não colocaram esse país nos rumos do capitalismo? No Brasil a hipocrisia é tamanha, que é possível vermos pessoas agindo de forma capitalista, mas negando o capitalismo.

De qualquer forma, afirmo sem medo: Lula é um populista e o populismo é a morada principal na América Latina. Permanentemente. E daí? Podem perguntar alguns. È o velho mote para encerrar o debate. Outros dirão que isso é desculpa e coisa de derrotado. Risos. Mas por que desculpa, se é uma verdade? De qualquer forma como em futebol, o que importa é “bola na rede”, ou seja, o que importa é o resultado final. Ok.

Mas há questões de fundo, e é preciso enfrentá-las, ainda que o resultado não invalide de nenhuma maneira, de dizermos que Lula é um populista e paternalista. O nosso eterno “pai dos pobres”. Como isso é repetitivo. É o anti-capitalismo, o anti-Marx, sim senhor e o anti-mundo moderno. Mas Lula entende de marxismo? Nem ele, nem os lulistas. Marx jamais apoiaria Lula. No “Manifesto do Partido Comunista”, Marx deixou claro: a maior revolução até aquele momento (em que ele escreveu o livrinho) era a revolução capitalista, que (sic) acabou com todos os laços paternais e feudais. Marx cientificamente defendia isso e diria com todas as letras, que Lula deveria liberar os meios de produção capitalista. Mas Lula nada entende disso, e faz violentamente populismo e paternalismo, fazendo transferência de impostos para os miseráveis. E ai cabe a questão: imagine uma legião de miseráveis que sequer recebiam (devido a vários fatores) cem reais ao mês, e agora com os Bolsas da vida, que sequer foi um programa criado pelo PT, conseguem receber (algumas famílias chegam a isso) mais de mil reais ao mês. Quem pode ser contra isso, no sentido humano? As nossas elites estão pagando um preço alto, se bem que todas elas vivam confortavelmente. Mas a questão humana por trás do Bolsa família, Lembra muito aquilo que Bernard Shaw disse de Marx, ao ler “O Capital” a primeira vez, que em sua fúria contra o capitalismo “Marx nos ganhava moralmente”. A questão é: mas o que rendeu o comunismo? Nada. Faliu. Caiu de podre. É fato. Na China, na União Soviética, ou em Cuba. Aqui no Brasil nem somos capitalistas nem socialistas, somos aquilo que Marx identificou como o atraso supremo, um misto de nacionalismo, populismo e paternalismo. É isso que Lula faz com sua transferência de impostos. E tome ibope.

É essa transferência de impostos (que alguns chamam de “renda”) para os bolsa família que coloca Lula nas alturas. Imagine alguém que nunca recebeu nada, passar receber mais de mil reais, e melhor, ou pior, sei lá, não recair sobre ele ou família nenhuma a exigência produtiva. Nenhuma. Eu estando no lugar dessa gente, jamais deixaria de votar no Lula. É fácil explicar.

Lula conseguiu (sem esforço algum, repito, já que nem o programa partiu da cabeça do PT) tirar dinheiro dos impostos para as famílias miseráveis. Mesmo que as estradas (a infra-estrutura para ser mais exato) não funcionem, que os postos de saúde continuem sendo uns matadouros, que a educação básica seja um desastre e que o PAC seja uma farsa. Só para se ter uma idéia, o investimento do PAC (a parte do governo) para os próximos quatro anos, consegue ser menor que o que foi aplicado, imagine, nos primeiros quatros anos desse mesmo governo. Vocês entendem? O resto é conversa fiada e populismo, garantido por um sujeito competente que é o Henrique Meireles.

A máquina pública cresceu nos quatro primeiro anos de governo Lula a uma media de 6% ao ano. O consumo (por conta da transferência de impostos, ainda que não seja crescimento sustentável) cresceu algo em torno de 5% e agora no segundo mandato já chega próximo de 8 a 9%. Por isso Lula diz que “pobre está comendo”. Já o PIB, o crescimento da produção, nos primeiros quatro anos, cresceu em média de 2,5%, e agora a previsão é para algo em tornou de 4,5%, o que mostra a nossa realidade nua e crua. Lula é um ferrenho populista e paternalista. Está em casa na América Latina. É o seu palco.

30 abr 2008 Posted by | Cinismo, ECONOMIA, EDUCAÇÃO, GOVERNO, POLÍTICA, Uncategorized | 1 Comentário

A minha visão do caso “Dossiê”

A minha visão do caso “Dossiê”

Depois que alguns dos 37 ministros do Lula foram pegos abusando da obrigação de trabalhar honestamente, e usaram o “Cartão Corporativo” para gastos pessoais, como se este cartão fosse uma extensão do seu salário que não é lá muito pequeno, ficou insustentável a pressão que o governo fazia para segurar uma investigação pelo judiciário do uso destes cartões.

Desde o primeiro mandato, havia certo murmurinho sobre os abusos com estes cartões. Durante a segunda campanha, o Geraldo em um debate com o Lula levantou a questão sobre a divulgação dos gastos da presidência com os cartões.

A resposta do Lula foi a seguinte:

“- Geraldo não seja leviano, o cartão corporativo foi provavelmente a única coisa boa do governo FHC”

E ponto final, não disse mais nada.

Existe no “you tube”, um clipe sobre isto.

Os gastos com os cartões durante os oito primeiros meses do governo Lula, foram publicados em uma página da presidência denominada “Portal da Transparência”.

Ao fim deste período ficou comprovado o mal uso e o abuso destes cartões, e para não parar a mordomia e não pegar mal para o governo, a casa civil, aconselhada pelo senador Mercadante, considerou os gastos com os cartões da presidência como segurança nacional e retirou da página da transparência os gastos com os cartões mais perto do Lula.

Para se ter uma idéia como era o abuso com estes cartões, o cartão de uma ecônoma denominada Maria Emilia Évora, designada a acompanhar a Galega do Lula, e usar o cartão com os gastos desta senhora, acusavam uma despesa diária de

R$ 2.700,00, sendo que R$ 1.800,00 eram saques em dinheiro na boca do caixa. Isto estava no “Portal da Transparência” e foi retirado.

Voltando ao caso do dossiê, quando a administração Lula através da casa civil, percebeu que estava ficando difícil segurar uma CPI dos cartões, começou a vasculhar as contas do governo passado, para comparar os gastos do governo FHC com os gastos do governo Lula. Era a teoria maquiavélica de que a melhor defesa é o ataque. Se fosse encontrado alguma coisa parecida com o escândalo atual, serviria como ataque e tiraria o foco das contas do Lula. E como era de se esperar, encontraram alguns gastos espúrios que poderiam levar dúvidas e carecer de explicação.

Houve até gastos com tapioca.

Então de acordo com apanhados da mídia, houve uma equipe montada para pesquisar os dados dos cartões FHC, e todas as vezes que apareciam algumas destas evidências a equipe festejava.

Depois de compilados todos os dados das despesas suspeitas, foi feito uma planilha no programa EXELL da Microsoft e esta planilha foi entregue dissimuladamente ao Senador da oposição Álvaro Dias do PSDB.

Era de se esperar que este senador, com medo da exposição do governo FHC, atenuasse as pressões sobre a divulgação dos gastos da família Silva.

Isto não aconteceu. O PSDB brigou por uma das posições de comando na CPMI, conseguiu esta posição, mas o governo manteve forte maioria dentro da CPI e tudo o que era proposto e que poderia causar problemas ao governo era sumariamente vetado. Vendo-se sem nenhuma alternativa de sucesso na investigação dos cartões e o governo segurando o depoimento dos principais envolvidos, começou a se pensar em uma CPI somente no Senado onde existe equilíbrio de forças entre a situação e a oposição.

O governo então para ganhar tempo e confundir a CPMI, enviou umas dez toneladas de papel praticamente inútil, para ser revisada pela CPMI.

Vendo que se estava assando mais uma bela pizza e com os nomes da oposição envolvidos, e depois de ler o dossiê enviado à ele pela casa civil, provavelmente o Senador Álvaro Dias, depois é claro de ter confabulado com FHC, vazou este dossiê para a revista VEJA, configurando uma chantagem do governo para evitar que se investigasse os gastos de sua família com os cartões.

Esta é a minha visão do Caso do Dossiê.

Nada mais.

Veja uma outra visão do jornalista Carlos Chagas:

Pensam que somos crianças

BRASÍLIA – À beira do leito de um parente desenganado, a família precisa explicar a um netinho o que está acontecendo. Falam ser a febre a causa de tudo, já chegava aos 42 graus. A criança, dentro da lógica peculiar da idade, agarra o termômetro, joga no chão, pisa em cima e conclui: a febre acabou, meu avô está salvo…

Outro não parece o comportamento do governo ao reduzir a crise do dossiê FHC à busca desenfreada do funcionário que vazou para a revista “Veja” e para o senador Álvaro Dias detalhes de compras efetuadas em favor de Dona Ruth, com cartões corporativos. Como no caso do termômetro, estão atribuindo a um possível tucano infiltrado entre os companheiros toda a responsabilidade pela lambança.

Porventura identificado o servidor, pronto: acabou a crise.

Parece coisa de criança, mas é pior. Trata-se de desfaçatez pura. De uma pueril tentativa de abafar responsabilidades, porque no fundo da questão está a iniciativa da Casa Civil, de sua chefe e, quem sabe, do chefe dela, de vasculharem os gastos do antecessor e seus familiares com os famigerados cartões corporativos. Esse é o delito maior, perpetrado com a intenção de ameaçar tucanos e penduricalhos com a alternativa: se investigarem os gastos do presidente Lula, mulher e filhos, divulgaremos os gastos dos tempos do sociólogo.

É bem provável, até, que não tenha havido espião nenhum, mas que um indigitado funcionário palaciano recebeu a incumbência de fazer chegar ao PSDB detalhes da longa pesquisa feita nas contas do ex-presidente. A cocada azedou porque alguém da bancada tucana repassou o material para a revista semanal, e não foi o senador Álvaro Dias.

O importante no episódio não é sequer identificar o cérebro responsável pela ameaça feita às oposições. Identificada já está a ministra Dilma Rousseff e suas auxiliares na Casa Civil. Se o presidente Lula participou e autorizou, se simplesmente tomou conhecimento ou, no reverso da medalha, se não sabia de nada, é outra história.

O que positivamente não dá para aceitar é a farsa da procura do suposto criminoso. Para o governo, a crise estará encerrada com a identificação. Quanto à devassa nos negócios de FHC, a ameaça feita aos adversários e, acima de tudo, a necessidade de evitar a investigação de supostas irregularidades no uso dos cartões corporativos da família Lula – tudo isso precisa ir para debaixo do tapete. Convenhamos, pensam no Palácio do Planalto que somos todos crianças?

Lula entregando um resumo de seu governo


05 abr 2008 Posted by | Uncategorized | Deixe um comentário

As aves novamente juntas.

As aves novamente juntas.

santo-renan.jpg

Disse o Senador Pedro Simon, com toda a propriedade e seriedade que lhe é peculiar, que quando se ocupa um cargo público eletivo, não deve existir nenhum tipo de sigilo do ocupante do cargo.

O mínimo que se pode dizer desta afirmação, que isto em um país sério seria o óbvio ululante.

Na Alemanha, por exemplo, quando se descobriu que o chanceler Helmut Khol, tinha um pequeno chalé que não estava declarado entre os seus bens, este caiu na desgraça, foi obrigado a devolver, teve que pagar multa ETC.

O Jader Barbalho declarou conservadoramente, o valor de seus bens um bilhão.

Agora vem defender o Renan Calheiros, dizendo que também foi vítima de perseguição política.

Quem teria interesse em prejudicar o Renan, que politicamente navega em céu de brigadeiro, que interesse teria alguém em inventar que um lobista estaria pagando suas contas?

Os ditados populares são muito sábios:

· Diga-me com quem andas e te direi quem é você.

· As aves da mesma espécie andam juntas.

· A mulher de Cezar não tem apenas que ser honesta, ela tem que parecer honesta também.

· Quem não deve não teme.

· Onde há fumaça deve haver fogo.

O Renan, não tem que apresentar papeis mostrando que tem condições para sustentar a filha, ele tem que mostrar as razões porque as emendas parlamentares dele favoreceram a empresa Mendes Junior.

Abaixo, leiam seu perfil e uma reportagem sobre o Jader Barbalho que partiu em sua defesa.

Renan Calheiros

José Renan Vasconcelos Calheiros (Murici, 16 de setembro de 1955) é um político brasileiro filiado ao PMDB. Desde 1994 é um dos três representantes do estado de Alagoas no Senado Federal, casa da qual é presidente desde 2005, tendo sido reeleito em 1 de fevereiro de 2007.

Fez parte da base de apoio de Fernando Collor de Mello e atualmente apóia o presidente Luís Inácio Lula da Silva. Foi também ministro da Justiça no governo de Fernando Henrique Cardoso, ocasião em que presidiu, em julho, a XI Conferência dos Ministros da Justiça dos Países Ibero-Americanos, e em novembro, a reunião dos ministros do Interior do Mercosul, Bolívia e Chile.

Conselho Nacional de Trânsito

Foi também presidente do Conselho Nacional de Trânsito (CONTRAN) nessa época; do Conselho dos Direitos da Criança e do Adolescente (CONANDA); do Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (CDDPH) e do Conselho Nacional de Segurança Pública (CONASP). Já em 2002, foi um dos mentores do Estatuto do Desarmamento.

Presidente do Senado Federal

Foi eleito senador pelo estado de Alagoas em 1994 e reeleito em 2002. Em 2005, foi eleito presidente do Senado e reeleito em 2007.

25 de maio de 2007 – 17:20

Jader Barbalho parte em defesa de Renan Calheiros

Denúncia parece só escândalo pelo escândalo, diz o ex-presidente do Senado

Pablo Valadares/AE

BRASÍLIA – O deputado e ex-presidente do Senado Jader Barbalho (PMDB-PA) defendeu o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), das denúncias publicadas nesta sexta-feira, 25, na edição antecipada da revista Veja, de que Renan teria algumas de suas despesas pessoais financiadas pela construtora Mendes Júnior e afirmou que reportagens sobre a vida privada de pessoas, ainda que sejam homens públicos, buscam somente “o escândalo pelo escândalo”.

Segundo a matéria, Cláudio Gontijo, lobista da empreiteira, pagava até recentemente o aluguel de um apartamento em Brasília e a pensão de uma menina de 3 anos que seria filha de Renan com Mônica Veloso, jornalista de Brasília.

Em defesa de Renan, Jader disse que o presidente do Senado é acusado de ter um filho fora do casamento e de ter, eventualmente, recorrido a um amigo para resolver “problemas particularíssimos, da sua mais absoluta intimidade, e não de ter mantido relações de fraude ou condenáveis com uma construtora como a Mendes Júnior.”

Experiência própria

Além de amigo de Renan e companheiro de grupo partidário, Jader passou por situação semelhante a dele quando era senador. Foi obrigado a renunciar ao mandato e à presidência do Senado no curso de uma onda de denúncias contra ele lideradas pelo também ex-presidente do Senado, senador Antônio Carlos Magalhães (DEM-BA), durante o mandato do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Depois, ACM também foi levado à renúncia sob a acusação de ter violado o painel eletrônico do Senado em uma votação secreta.

Jader aconselhou Renan a reagir e dar explicações sobre a existência ou inexistência de relações entre ele e a empresa que supostamente o teria financiado. Em conversa por telefone, na manhã desta sexta-feira, Jader sugeriu a Renan que se recuse a falar sobre a sua vida particular e que diga, se considerar necessário, que “sobre isso deve explicações apenas à sua mulher”.

Interesses ocultos

Jader não descarta a hipótese de que existam interesses políticos, instalados no próprio governo, por trás da onda de denúncias que atingiu um setor expressivo do PMDB que mantém aliança mais antiga com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Ele avalia como “muita coincidência” o acúmulo de referências ao presidente do Senado na investigação da Operação Navalha, da Polícia Federal. Em tom de ironia, ele diz que não consegue acreditar que a origem da denúncia da revista seja parte do processo da Operação Navalha. “Na minha vida política, aprendi que governo não gera crise, mas as equaciona; quem gera crise é a oposição, e às vezes setores do governo tomados de euforia que resolvem fazer também o papel de oposição”.

Acusações contra Jader

O próprio Jader Barbalho responde a pelo menos cinco ações no Supremo Tribunal Federal (STF) por desvio de verba. Em uma delas, é acusado de desviar recursos no processo de desapropriação do imóvel rural Vila Amazônia por meio da supervalorização da indenização.

A desapropriação ocorreu em 1988, quando o deputado era ministro da Reforma Agrária. As terras, situadas no município de Parintins, no Estado de Amazonas, seriam usadas na reforma agrária.

Em outras duas, o parlamentar é acusado de desvios de recursos destinados a projetos da extinta Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia (Sudam), localizados em Tocantins e no Mato Grosso.

Em outra ação, o deputado é acusado de envolvimento com o desvio de recursos do Banco do Estado do Pará (Banpará) entre outubro de 1984 e agosto de 1985. Naquela época, exercia o cargo de governador do Pará. No entanto, o STF concluiu recentemente que parte das acusações já prescreveu. O parlamentar também responde a outra ação no STF por suposta remessa ilegal de divisas para o exterior.

 

 

 

01 jun 2007 Posted by | ÉTICA, POLÍTICA, Uncategorized | Deixe um comentário

O país das maravilhas

inacio-no-pais-das-maravilhas.jpg

 

Lula retratou bem o Brasil em sua segunda entrevista

16 maio 2007 Posted by | Uncategorized | Deixe um comentário

Ajuda moradia

ajuda-moradia.jpg

 

Esta é mais uma forma do magnânimo ajudar aos sem teto

16 maio 2007 Posted by | Uncategorized | 1 Comentário

A ÚLTIMA PEROLA!!!!

A última pérola…

Se não houver acordo [sobre a rodada de Doha], certamente não teremos vencedores nem perdedores.

Todos seremos perdedores

 

É muito estranho mesmo o comportamento do ser humano.

Com todos os indícios de corrupção apresentados da administração do Governo Lula, os brasileiros vão lá às urnas e dão novamente a ele uma segunda oportunidade, como se dizendo:

“Ele já roubou o bastante no primeiro mandato e agora, que está farto de roubar, já transformou o seus filhos em milionários, sua filha Lurian se tronou independente com sua contas milionária em Miami, seus amigos todos cheios do nosso suado dinheirinho, vamos votar nele novamente e esperar que ele reconheça e desta vez trabalhe para melhorar o Brasil.”

Temos de contar também que muitos votaram nele embalados pelos programas assistencialistas, que a classe média financiou, e alguns fazendo justiça, receberam realmente algum benefício real e não assistencialista como o programa “Luz para todos” que foi um programa iniciado no governo FHC e renomeado no governo Lula.

Estes votos, assistenciais e beneficiais foram praticamente a metade dos votos do Lula.

A outra metade eu acredito que foram os votos dos esperançosos e os que se recusam a acreditar em uma incompetência generalizada por parte do governo.

Eu tenho escrito muitas matérias e publicado outras tantas de outros jornalistas que estão sempre enumerando e demonstrando a falta de preparo para governar o país.

A ultima pérola acima foi confeccionada durante a visita ao presidente americano este fim de semana.

Antes das eleições, a imprensa estrangeira, que sempre defendeu muito o Lula, caiu matando em cima das corrupções de seu governo, e a imprensa espanhola, que antes das maracutaias tinha um carinho imenso ao Lula, publicou este cartaz :


lula_cartelito.jpg

 

Mas nem assim, os brasileiros perderam as esperanças e conseguiram separar o joio do trigo.

Eles esqueceram, ou preferiram não enxergar que o governo do Lula não vai agir de outra maneira simplesmente porque não sabe o que fazer, e tenta fazer com que o Brasil funcione como uma central sindical, com suas maracutaias, suas fofocas, e onde as conseqüências disto tudo, é apenas dentro da central. Esta compostura dentro do Brasil, é um câncer que lentamente e as vezes não tão lentamente assim, vai consumindo o Brasil.

Os petistas mais fanáticos até condenaram a mídia dizendo que a imprensa brasileira estava trabalhando para desestabilizar o país, paga e vendida pela mídia internacional.

Esqueceram contudo de mostrar qual o interesse teriam em agir assim.

A mídia mostrava o que era notícia. A mídia não inventou o mensalão, os dossiês, o Delúbio, o Dirceu, a invasão do congresso por petistas, os pagamentos em dinheiro da dívida do Lula. E continua mostrando tudo isto mas o povo, o povo que colocou o Lula novamente lá em cima, o povo que fica parado três dias em aeroportos, que paga mais impostos do que qualquer povo do mundo, este povo, que poderia acabar com este reinado de ladrões incompetentes sofre tudo isto impassível.

Muito estranho e quase incompreensível.

Leia agora um bom artigo sobre a competência do governo, do jornalista Petrônio Gonçalves.

 

Um governo tapa buracos.

 

Petrônio Gonçalves (*)

 

Lula, o primitivista, tem uma visão simplista das coisas, uma compreensão limitada da realidade, de muita pouca profundidade. Para ele, as coisas são o que aparentam ser e não o que elas realmente são no seu mais profundo e intrínseco existir. Para acabar com a pobreza no Brasil, ele acredita que doando um prato de comida e uma esmola federal mês a mês tem-se a solução do problema. É a realidade que ele nos passa dia a dia, desde os seus primeiros discursos.

Antes das eleições, fez aquela maquiagem em nossas estradas, passando uma fina camada de asfalto por sobre nossas esburacadas Brs e declarou ter reformado nossas rodovias. Agora, usa do mesmo artifício para maquiar e manipular os números do nosso PIB e dizer que o país cresceu mais do que foi divulgado.

Ora, tudo neste governo são palavras alçadas ao vento, reles divagações, falsas promessas, um amontoado de mentiras e iniqüidades. Tudo pueril, como as várias promessas do nosso presidente. O botox na cara do Lula é a síntese suprema da sua personalidade, do seu governo, do seu modo de ser, agir e pensar.

O governo Lula sofre de um apagão ideológico, programático, de um apagão governamental. Está tudo prostrado, rendido pelos dividendos políticos, pela vontade apenas de exercer e permanecer no poder. Não há uma composição para pensar e reestrutura o Brasil, nossas políticas públicas, nossa possibilidade de crescer e desenvolver. Tudo que se vê é maquiagem, paisagem, um botox governamental para enganar os poucos que vivem de ilusão e promessa.

Falta ao nosso presidente um comprometimento político e ideológico, engajamento programático, uma vontade de governar e presidir um país com seus milhões de problemas e seus bilhões de dívidas e debilidades.

Até agora, aguardamos o início do governo Lula, o governo que começou pensando apenas em um fim: governar o Brasil por 20 anos. Enquanto ele não chega ao seu fim almejado, vai tapando um buraco aqui, maquiando outro ali, comprando um deputado lá, doando um ministério acolá. E o brasileiro fica a ver o avião presidencial passar e perguntando para si e para os outros: o presidente viaja, meu Deus, para onde?

 

http://petroniosouzagoncalves.blogspot.com

nadasei.jpg

 

 

 

01 abr 2007 Posted by | Uncategorized | Deixe um comentário

PRIMEIRO DE ABRIL.

EM HOMENAGEM AO GOVERNO E AO CHARGISTA ESPONHOLTZ, NÃO PODERIA DEIXAR PASSAR ESTA OPORTUNIDADE DE PUBLICAR

 

sponholz-01-abr-2007.jpg

A CHARGE DO DIA

 

 

01 abr 2007 Posted by | Uncategorized | Deixe um comentário

Re-bublicação – Obispo e o Velho Chico.

O Bispo e o Velho Chico

 

Nos Estados Unidos já foram feitas obras caríssimas para a modificação da geografia original. Poucas destas obras deram certo.

O rio Colorado, uma vez foi desviado para irrigar as terras áridas do deserto da Califórnia chamado Vale Imperial.

O corpo de engenheiros do exercito, no fim do século XIX e início do XX, construíram um desvio do Rio Colorado, para irrigar as terras férteis, porém áridas do Vale Imperial.

Em 1905, uma enchente de proporções muito maiores do que a prevista derrubou a barreira de controle do desvio e quase todo o Rio Colorado despejou para dentro do vale.

Este vale está 65 metros abaixo do nível do mar e o desastre ecológico que poderia ser se o rio Colorado enchesse todo ele, seria difícil de prever. Os engenheiros do exercito, levaram quase dois anos para retornar o Colorado ao seu antigo leito. Neste período, o antigo colorado que abastecia parte do norte do México e desaguava na Bahia de Baja Califórnia, secou causando um enorme prejuízo aos Mexicanos, e que é recompensado até hoje pelos EEUU.

No tempo em que ficou jorrando para dentro do vale, o Colorado formou um enorme lago, que se chama “Salton Sea”. (mar Salton)

http://en.wikipedia.org/wiki/Salton_Sea

É o maior lago em Califórnia, mas tem muitos problemas ecológicos e tem que ser cuidado constantemente.

Outro problema causado pela mudança geográfica feita pelo homem nos EEUU, foi a drenagem das “Everglades”. As Everglades são umas terras alagadas no sul da Florida, muito parecidas com as terras do Pantanal. A biodiversidade nelas também é parecida com a do pantanal.

Em 1947, uma drenagem sistemática foi iniciada por ingerência do governo americano para aproveitamento para a agricultura das terras alagadas.

Vários canais, de diferentes tamanhos foram abertos e barragens foram feitas para desviar a água e direcionada para o oceano Atlântico ou o golfo do México.

Para a agricultura deu certo, as terras muito férteis, deram frutos e a produção agrícola da Florida aumentou e seu clima ameno proporcionou a possibilidade de cultivo o ano inteiro. Mas, para a ecologia foi um desastre, várias espécies de pássaros e animais foram extintos. As plantas também e com o enfraquecimento do ecossistema, plantas estrangeiras principalmente da Amazônia, invadiram este sistema enfraquecido pelo homem e progrediram se tornando praga e matando as espécies nativas. Não fosse o bastante, com a retirada da água doce das terras, o subsolo foi ocupado pelo, mar salgado que cerca as terras da Florida e todos os poços se tornaram salgados e água potável ficou escassa. Hoje, o corpo de engenheiros do exercito americano está desfazendo o que foi feito e tentando restaurar o estado original das coisas com um custo de bilhões de dólares.

http://en.wikipedia.org/wiki/Everglades

Estou citando os EEUU, por serem os mais ricos e onde as coisas mal sucedidas podem às vezes ser refeitas. Na Europa existem centenas de exemplos onde o homem tentou mudar a geografia e não deu certo. Na Ásia também e por aí vai.

Voltando ao nosso Brasil.

Encontrei hoje nas páginas noticiosas, uma referencia ao Bispo D. Luiz Flávio Cappio, que fez uma demonstração contra o desvio do Rio São Francisco para irrigar terras áridas do nordeste brasileiro. Ele fez uma greve de fome e o desvio ficou para depois.

Ele pedia apenas que o rio fosse tratado e sanado dos séculos de ofensas, antes de ser sangrado. O que ele pedia era e é o mínimo antes de se cometer o assassinato deste rio maravilhoso, que um dia se chamou o Rio da Unidade Nacional. O velho Chico já tem inúmeras barragens antiecológicas, está todo assoreado, não tem quase matas ciliares, e sobrevive por ter uma nobreza enorme. Não satisfeitos com este martírio ao rio, os engenhosos brasileiros (leia-se políticos nordestinos com interesse na transposição e nas terras a serem irrigadas), inventaram esta transposição que sem dúvida será um enorme gasto de dinheiro público com os seus desvios e superfaturamentos de praxe, e que não foi totalmente estudado e que tem mais chance de não dar certo do que o desvio do Rio Colorado nos EEUU. Como já foi mencionado, após o protesto do Bispo Cappio, o desvio ficou para depois e o depois é agora, com um novo governo irresponsável e um plano já falido denominado PAC.

Plano para Acabar com o Chico.

 

Eu estou muito mais radical do que o Bispo, eu sou de opinião que se deva sim restaurar as matas ciliares e criar eclusas nas barragens, subidas para os peixes, dragar os assoreamentos, despoluir os afluentes e em geral restaurar parte da antiga saúde do Chico. E só. Não fazer esta besteira de transposição nunca, porque a história mostra que terá que ser desfeito depois.

Apesar de a mídia ter também notícias contra atitude do Bispo Cappio,

este autor elogia a coragem e a dignidade desta pessoa que tomou as dores

e a defesa do Velho Chico

– Parabéns –

E continue sempre.

Leia agora a reportagem que gerou o artigo acima:

Bispo retoma polêmica sobre obra no Rio São Francisco

D. Luiz Flávio Cappio deve protocolar carta cobrando debate público sobre projeto

Leonencio Nossa

AE

D. Luiz Flávio Cappio

BRASÍLIA – O bispo de Barra, na Bahia, d. Luiz Flávio Cappio, protocola nesta quinta-feira, 22, no Palácio do Planalto uma carta cobrando do presidente Luiz Inácio Lula da Silva um debate público sobre o projeto de transposição das águas do Rio São Francisco.

Em 2005, Cappio ficou conhecido no País por ficar 11 dias em greve de fome contra as mudanças no curso do rio. A obra, que ficou inviabilizada por meio de liminares na Justiça, é uma das prioridades do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), do governo federal.

A greve de fome de Cappio, numa capela de Cabrobó, no semi-árido pernambucano, levou o governo a suspender o início das obras. Depois, a Justiça impediu os trabalhos dos técnicos. Numa audiência no Palácio do Planalto no dia 15 de dezembro de 2005, Lula disse ao bispo que estava aberto ao debate sobre a transposição, mas não iria deixar de fazer as obras.

À época, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e a Santa Sé criticaram Cappio pela greve de fome. O religioso disse em entrevistas que não temia ameaças, especialmente do Vaticano.

Cappio conta agora com o apoio de dois governadores aliados de Lula. Jacques Wagner, da Bahia, e Marcelo Déda, de Sergipe, avisaram ao Planalto que não aceitam a transposição. Lula costuma dizer que Bahia e Sergipe deveriam olhar mais para o problema da falta de água em Estados como Ceará e Rio Grande do Norte, que seriam beneficiados com o projeto do São Francisco.

Em janeiro passado, numa visita à cidade cearense de Crateús, o presidente voltou a defender as obras. “Não é possível que milhões de brasileiros continuem vendo seu cabritinho morrer, vendo as famílias passarem necessidade, porque não tem água”, afirmou, à época, o presidente. “Então nós vamos fazer agora”.

Na carta, segundo pessoas próximas do religioso, Cappio observará que setores do próprio governo não mencionam a transposição como alternativa para acabar com a falta de água no semi-árido. O bispo conta com o apoio de entidades da área do meio ambiente. Ambientalistas e lideranças comunitárias argumentam que o projeto do governo não contempla a revitalização do São Francisco e medidas para conter a destruição da vegetação das margens do rio.

20 mar 2007 Posted by | Uncategorized | 2 Comentários

O juramento petista

O juramento petista.

(antes da eleição)

 

1. Nosso partido cumpre o que promete,

 

2. Só os tolos podem crer que

 

3. Não lutaremos contra a corrupção.

 

4. Por que se há algo certo para nós, é que

 

5. A honestidade e a transparência são fundamentais

 

6. Para alcançar nossos ideais.

 

7. Mostraremos que é grande estupidez crer que

 

8. As máfias continuarão no governo, como sempre.

 

9. Asseguramos sem dúvida que

 

10. A justiça social será o alvo de nossa ação.

 

11. Apesar disto, há idiotas que imaginam que

 

12. Se possa governar com as manchas da velha política.

 

13. Quando assumirmos o poder, faremos tudo para que

 

14. Se termine com os marajás e as negociatas.

 

15. Não permitiremos de nenhum modo que

 

16. nossas crianças morram de fome.

 

17. Cumpriremos nossos propósitos mesmo que

 

18. Os recursos econômicos do país se esgotem.

 

19. Exerceremos o poder até que

 

20. Compreendam que

 

21. Somos a nova política.

Para saber as verdades ocultas na mente petista, basta ler as 21 frases abaixo na ordem inversa.

Comece a ler a frase 21 e termine na frase 1.

O primeiro mandato, foi permeado com corrupção, mentiras e roubos descarados, com dólares na cueca, com mensalão, com crescimento pífio com enriquecimento ilícito (do Lulinha), fazendo o juramento inverso ficar cheio de verdades.

O segundo mandato, que realmente ainda nem começou (por incompetência do Apedeuta), já está mostrando a cara da desonestidade, com parlamentares sendo comprados com franquias do DNIT.

A verdade é que o PT não muda, o PT esconde a incompetência com a desonestidade.

O PT tenta comprar a mídia ou censurá-la. O PT está tentando comprar o congresso de novo.

Até quando vamos ver tudo isto e não fazer nada?

18 mar 2007 Posted by | Uncategorized | Deixe um comentário

Veja erra.

Veja erra feio.

 

Eu tenho um favoritismo pela revista Veja. Não porque ela fala atualmente as verdades sobre o governo (?) Lula, não porque ela tem dado o que falar sobre este desgoverno em que vive o Brasil.Não é por causa da qualidade dos seus colunistas. Eu fiz por minha conta pesquisas sobre as melhores fontes de notícias verídicas e de maior utilidade para manter o cidadão informado, e sempre a revista Veja aparece nos primeiros lugares.

Agora santa nem divina ela não é e de vez em quando ela erra feio. Nestas ocasiões, deve-se ter também opinião o leitor e condenar quando ela erra.

E isto foi o que fiz quando estudei os detalhes da fritura do Ibsen Pinheiro feito por um repórter da revista Veja. Naquela ocasião, a revista acabou ou ajudou a acabar com uma carreira política sem nenhum defeito real e criou erroneamente um monte de fatos inverídicos.

Não pude detectar, se foi mesmo um erro ou um propósito, mas de qualquer forma foi mal.

Estou publicando o link para uma reportagem do Congresso on Line sobre o recomeço da carreira política de Ibsen Pinheiro.

Vale a pena conferir:

http://congressoemfoco.ig.com.br/DetQuestaodefoco.aspx?id=31

14 mar 2007 Posted by | Uncategorized | Deixe um comentário

O ponto G.

O ponto G.

Ouvindo a rádio CBN hoje, escutei o comentário de Arnaldo Jabor.

Ele, como sempre apimentado, falou sobre a última (?) metáfora do imbecil, o ponto G. Ele usou um termo muito apropriado e feliz sobre as metáforas do Apedeuta.

O Jabor comentou uma realidade de que as metáforas estão cada vez mais ousadas.

E isto é verdade, como se neste segundo mandato, ele o Lula não tem nada a perder e pode mostrar de público a cara sem vergonha que tentou esconder no primeiro mandato.

O comentário do Jabor, a bem da verdade, não foi sobre o ponto G, mas foi sobre os governos de mentirinha como os do Lula. Ele comentou que a inflação quem acabou com ele foi o FHC. A bolsa família foi roubada de um programa também do FHC. Aí eu quero interceder, e dizer que foi a esposa do FHC d. Ruth Cardoso com os seus programas sociais, que criou a bolsa escola e como estes programas eram muitos, tomaram até uma crítica do ministro Sergio Motta que chamou a iniciativa de d. Ruth de “Masturbação Sociológica”.

Que diferença entre as duas esposas dos últimos presidentes.

De um lado a D. Ruth que criou os programas que o Lula roubou, por incapacidade de criar os seus próprios.

De outro lado a D. Marisa Letícia que nos presenteou com um canteiro em forma de estrela e que plantou plantas vermelhas dentro da residência oficial onde tudo é tombado pelo patrimônio histórico e não era dela para modificar. E mais recentemente se apresentou em um maiô branco, com uma enorme estrela vermelha, ficando parecida com um barril de petróleo da Texaco.

D. Marisa, depois de andar escoltada pela funcionária pública Maria Emília Évora, com um dos cartões executivos ilimitados onde saca quase todos os dias dinheiro vivo em uma média de R$ 1.800,00 por dia não deixou nada de construtivo para o Brasil. Apenas o ridículo e a gastança pessoal.

E o Jabor comenta ainda que o pro álcool que o Lula também roubou foi feito pelo Geisel. Por isto, é que o governo de mentira existe.

Agora voltando ao ponto G.

Deveria ser um ponto dentro da vagina feminina onde seria encontrado o lugar secreto do orgasmo feminino.

Não tem nada cientificamente comprovado sobre este assunto.

Mas se o Lula tivesse vergonha na cara, ele deveria estar procurando o ponto G da classe média, pois esta classe está sendo violentada e estuprada todos os dias com impostos ilegais e viciados, e se pudesse ser encontrado o ponto G desta classe pelo menos poderia gozar ao ser violentada pelo governo de mentira do Lula que entre seus feitos de verdade está o aumento descarado do tamanho do governo, onde foram contratados 184.000 novos funcionários e foram criadas 27 estatais e que para sustentar tudo isto, o Lula elevou os já descaradamente pesados impostos brasileiros em 4% do PIB. Isto é quase duas vezes o crescimento do Brasil nos últimos quatro anos. (2,6%) E isto considerando que entre suas promessas de campanha estava a de diminuir os impostos e o milagre do crescimento.

Impostos + 4% – Crescimento + 2,6% ou seja, para crescer 2,6% o Brasil precisou elevar os impostos em 65% do crescimento obtido.

Com a promessa de crescer 5% nesta nova oportunidade, prepare-se classe média para sustentar esta taxa com 8,25% de elevação tributária. Isto tem sido a consistente média dos governos do PT.

Prepare-se classe média, pois o Lula não está preocupado em encontrar o seu ponto G, apenas o seu dinheiro, para crescer mais o governo já obeso.

Quem estiver querendo ouvir o comentário do Jabor que gerou este artigo, ligue o som e entre no link:

http://cbn.globoradio.globo.com/cbn/comentarios/arnaldojabor.asp

13 mar 2007 Posted by | Uncategorized | Deixe um comentário

A COBRANÇA

Ontem ao abrir os meus Emails, encontrei um de minha irmã Sônia que mora em BH.

Era uma cópia de uma publicação Publicada no Jornal do Comércio – Recife/PE, sobre uma carta de um embaixador mexicano de origem nativa, e que cobrava os europeus pelos desmandos cometidos durante a invasão do continente.

Para o bem da verdade, eu já conhecia algo semelhante por parte de um representante índio americano, que cobrava os homens brancos sobre as terras que eles arrancaram na marra dos índios americanos e os mataram ou prenderam para não haver resistência.

O tópico pode variar um pouco mas tudo que existe na América ou foi roubada ou usurpado pelos civilizadores europeus.

No entanto, este discurso está muito bom e quero compartilhá-lo com vocês:

Discurso feito pelo embaixador Guaicaípuro Cuatemoc, de descendência indígena, defendendo o pagamento da dívida externa do seu país, o México.

Dívida externa européia

DISCURSO DO EMBAIXADOR

Um discurso feito pelo embaixador Guaicaípuro Cuatemoc, de descendência indígena, defendendo o pagamento da dívida externa do seu país, o México, embasbacou os principais chefes de Estado da Comunidade Européia. A conferência dos chefes de Estado da União Européia, MERCOSUL e Caribe, em maio de 2002 em Madri, viveu um momento revelador e surpreendente: os chefes de Estado europeus ouviram perplexos e calados um discurso irônico, cáustico e de exatidão histórica que lhes fez Guaicaípuro Cuatemoc.

Eis o discurso:

“Aqui estou eu, descendente dos que povoaram a América há 40 mil anos, para encontrar os que a “descobriram” só há 500 anos. O irmão europeu da aduana me pediu um papel escrito, um visto, para poder descobrir os que me descobriram. O irmão financista europeu me pede o pagamento – ao meu país- ,com juros, de uma dívida contraída por Judas, a quem nunca autorizei que me vendesse. Outro irmão europeu me explica que toda dívida se paga com juros, mesmo que para isso sejam vendidos seres humanos e países inteiros sem pedir-lhes consentimento. Eu também posso reclamar pagamento e juros.

Consta no “Arquivo da Cia. das Índias Ocidentais” que, somente entre os anos 1503 e 1660, chegaram a São Lucas de Barrameda 185 mil quilos de ouro e 16 milhões de quilos de prata provenientes da América.

Teria sido isso um saque? Não acredito, porque seria pensar que os irmãos cristãos faltaram ao sétimo mandamento! Teria sido espoliação? Guarda-me Tanatzin de me convencer que os europeus, como Caim, matam e negam o sangue do irmão.

Teria sido genocídio? Isso seria dar crédito aos caluniadores, como Bartolomeu de Las Casas ou Arturo Uslar Pietri, que afirmam que a arrancada do capitalismo e a atual civilização européia se devem à inundação de metais preciosos tirados das Américas.

Não, esses 185 mil quilos de ouro e 16 milhões de quilos de prata foram o primeiro de tantos empréstimos amigáveis da América destinados ao desenvolvimento da Europa. O contrário disso seria presumir a existência de crimes de guerra, o que daria direito a exigir não apenas a devolução, mas indenização por perdas e danos.

Prefiro pensar na hipótese menos ofensiva.

Tão fabulosa exportação de capitais não foi mais do que o início de um plano “MARSHALL MONTEZUMA”, para garantir a reconstrução da Europa arruinada por suas deploráveis guerras contra os muçulmanos, criadores da álgebra, da poligamia, e de outras conquistas da civilização.

Para celebrar o quinto centenário desse empréstimo, podemos perguntar: Os irmãos europeus fizeram uso racional responsável ou pelo menos produtivo desses fundos?

Não. No aspecto estratégico, dilapidaram nas batalhas de Lepanto, em navios invencíveis, em terceiros reichs e várias formas de extermínio mútuo. No aspecto financeiro, foram incapazes, depois de uma moratória de 500 anos, tanto de amortizar o capital e seus juros quanto independerem das rendas líquidas, das matérias-primas e da energia barata que lhes exporta e provê todo o Terceiro Mundo.

Este quadro corrobora a afirmação de Milton Friedman, segundo a qual uma economia subsidiada jamais pode funcionar e nos obriga a reclamar-lhes, para seu próprio bem, o pagamento do capital e dos juros que, tão generosamente, temos demorado todos estes séculos em cobrar. Ao dizer isto, esclarecemos que não nos rebaixaremos a cobrar de nossos irmãos europeus, as mesmas vis e sanguinárias taxas de 20% e até 30% de juros ao ano que os irmãos europeus cobram dos povos do Terceiro Mundo.

Nos limitaremos a exigir a devolução dos metais preciosos, acrescida de um módico juro de 10%, acumulado apenas durante os últimos 300 anos, com 200 anos de graça. Sobre esta base e aplicando a fórmula européia de juros compostos, informamos aos descobridores que eles nos devem 185 mil quilos de ouro e 16 milhões de quilos de prata, ambas as cifras elevadas à potência de 300, isso quer dizer um número para cuja expressão total será necessário expandir o planeta Terra.

Muito peso em ouro e prata… quanto pesariam se calculados em sangue?

Admitir que a Europa, em meio milênio, não conseguiu gerar riquezas suficientes para esses módicos juros , seria como admitir seu absoluto fracasso financeiro e a demência e irracionalidade dos conceitos capitalistas.

Tais questões metafísicas, desde já, não inquietam a nós, índios da América. Porém, exigimos assinatura de uma carta de intenções que enquadre os povos devedores do Velho Continente e que os obriguem a cumpri-la, sob pena de uma privatização ou conversão da Europa, de forma que lhes permitam entregar suas terras, como primeira prestação de dívida histórica…”

Quando terminou seu discurso diante dos chefes de Estado da Comunidade Européia, o Cacique Guaicaípuro Guatemoc não sabia que estava expondo uma tese de Direito Internacional para determinar a Verdadeira Dívida Externa. Agora resta que algum Governo Latino-Americano tenha a dignidade e coragem suficiente para impor seus direitos perante os Tribunais Internacionais. Os europeus teriam que pagar por toda a espoliação que aplicaram aos povos que aqui habitavam, com juros civilizados.

Publicado no Jornal do Comércio – Recife/PE.


13 mar 2007 Posted by | Uncategorized | Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: