blog do Roberto Leite

Assuntos de interesses multiplos e atuais.

Tramóias

TramóiasFérias 2

Fico pensando em tramoias todo o tempo, pois a turma do PT não brinca em serviço. Não estou querendo dizer que são trabalhadores como a maioria da classe média que está bancando esta aventurada ideologia social que eles dizem ter abraçado. Eles trabalham com afinco e buscando meios de fazer caixa com dinheiro ilegal, ficando os dirigentes todos muito ricos e que antes de fazer parte do poder eram em sua maioria trabalhadores filiados ou dirigentes sindicais. Sua aventura é muito cara, pois as carências sociais brasileiras são muitas e quando se presenteia 50 milhões de pessoas com meio de sustento, à custa dos impostos pagos pela classe média, fica difícil. Então tem que arranjar dinheiro a qualquer custo, e como não gostam de prestar contas, a festa foi inventar obras em países estrangeiros, financiadas com o nosso dinheiro, e totalmente superfaturadas.
A grande vantagem de obras em outros países independentes é que não se pode auditar. Então fica fácil. Planeja obra, superfatura tudo, paga propinas aos dirigentes do outro país e recebem o seu troco limpinho.
Isto é totalmente inconstitucional e todos estes gastos em outros países deveriam ser aprovados primeiramente pelo congresso, que neste caso poderia fazer uma comissão para acompanhar a obra evitando-se superfaturamento.
papuda 2Encontrei no blog do Ricardo Froes uma lista de 20 obras executadas em outros países.
Grande ideia esta desta turma, poder roubar sem precisarem nunca der prestar contas.
Vai funcionar até que se abra um inquérito para apurar a razão que estas obras não foram para aprovação do congresso.
Aí a coisa vai feder e é um perfeito motivo para o impedimento da presidência por atuação inconstitucional.
casra de pau 2

Blog do Ricardo Froes,
http://toma-mais-uma.blogspot.com.br/
Conheça 20 obras financiadas pelo BNDES em outros países

Desde que Guido Mantega se tornou Ministro da Fazenda, no ano de 2006, os empréstimos realizados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social saltaram de R$ 9,9 bilhões (0,4% do PIB) – para R$ 414 bilhões (8,4% do PIB).
Muitos desses empréstimos eram considerados secretos pelo banco e só foram revelados após requerimento judicial do Ministério Público. Estando o BNDES obrigado a fornecer os dados que o Tribunal de Contas da União (TCU), o Ministério Público Federal (MPF) e a Controladoria-Geral da União (CGU) solicitarem é que tornou possível o descobrimento de uma lista com mais de 2.000 empréstimos concedidos pelo banco para a construção de rodovias, aeroportos, usinas e portos no exterior.
Os empréstimos desenfreados levantam polêmica em relação aos juros abaixo do mercado que o banco concede. Subsidiando os empréstimos, o BNDES atua como uma espécie de “Bolsa Família reversa”, conduzindo à desigualdade pois tira dos pobres para dar aos ricos. Em outras palavras, ele capta dinheiro emitindo títulos públicos, com base na taxa Selic (11% ao ano) e empresta a 6%. Dessa forma, o banco arca com 5% de todo o dinheiro emprestado. Dos R$ 414 bilhões emprestados em 2014, R$ 20,7 bilhões são pagos pelo banco. Tal valor é muito próximo do que o governo aplica no Bolsa Família (R$ 25 milhões).
Confira a seguir , 20 investimentos que o governo brasileiro fez no exterior:ministerio 2investigação
Conheça 20 obras financiadas pelo BNDES em outros países

1. Porto de Mariel (Cuba)

Valor da obra: US$ 957 milhões (US$ 682 milhões por parte do BNDES)vama que vamos 2
Empresa responsável: Odebrecht

2. Hidrelétrica de San Francisco (Equador)

Valor da obra: US$ 243 milhões
Empresa responsável: Odebrecht
Obs: após a conclusão da obra, o governo equatoriano questionou a empresa brasileira sobre defeitos apresentados pela planta. A Odebrecht foi expulsa do Equador e o presidente do país ameaçou dar calote no BNDES.

3. Hidrelétrica Manduriacu (Equador)

Valor da obra – US$ 124,8 milhões (US$ 90 milhões por parte do BNDES)
Empresa responsável: Odebrecht
Obs: Brasil e Equador reataram relações após 3 anos. Mesmo com a ameaça de calote, o Brasil concedeu novo empréstimo ao Equador.

4. Hidrelétrica de Chaglla (Peru)

Valor da obra – US$ 1,2 bilhões (US$ 320 milhões por parte do BNDES)stf independente2
Empresa responsável: Odebrecht

5. Metrô Cidade do Panamá (Panamá)

Valor da obra – US$ 1 bilhão
Empresa responsável: Odebrecht

6. Autopista Madden-Colón (Panamá)

Valor da obra – US$ 152,8 milhões
Empresa responsável – Odebrecht

7. Aqueduto de Chaco (Argentina)

Valor da obra: US$ 180 milhões do BNDESPresos 2
Empresa responsável: OAS

8. Soterramento do Ferrocarril Sarmiento (Argentina)

Valor da obra: US$ 1,5 bilhões do BNDES
Empresa responsável: Odebrecht

9. Linhas 3 e 4 do Metrô de Caracas (Venezuela)

Valor da obra: US$ 732 milhões
Empresa responsável: Odebrecht

10. Segunda ponte sobre o rio Orinoco (Venezuela)

Valor da obra: US$ 1,2 bilhões (US$ 300 milhões por parte do BNDES)
Empresa responsável: Odebrecht

11. Barragem de Moamba Major (Moçambique)

Valor da obra: US$ 460 milhões (US$ 350 milhões por parte do BNDES)otario 2
Empresa responsável: Andrade Gutierrez

12. Aeroporto de Nacala (Moçambique)

Valor da obra: US$ 200 milhões (US$ 125 milhões por parte do BNDES)
Empresa responsável: Odebrecht

13. BRT de Maputo (Moçambique)

Valor da obra: US$ 220 milhões (US$ 180 milhões por parte do BNDES)
Empresa responsável: Odebrecht

14. Hidrelétrica de Tumarín (Nicarágua)

Valor da obra: US$ 1,1 bilhão (US$ 343 milhões do BNDES)
Empresa responsável: Queiroz Galvão

15. Projeto Hacia el Norte – Rurrenabaque-El-Chorro (Bolívia)mar de lama 2

Valor da obra: US$ 199 milhões
Empresa responsável: Queiroz Galvão

16. Exportação de 127 ônibus (Colômbia)

Valor: US$ 26,8 milhões
Empresa responsável: San Marino

17. Exportação de 20 aviões (Argentina)

Valor: US$ 595 milhões
Empresa responsável: Embraer

18. Abastecimento de água da capital peruana – Projeto Bayovar (Peru)

Valor da obra: Não informado
Empresa responsável: Andrade Gutierrez

19. Renovação da rede de gasodutos em Montevideo (Uruguai)lava rato 2

Valor: Não informado
Empresa responsável: OAS

20. Via Expressa Luanda/Kifangondo (Angola)

Valor: Não informado
Empresa responsável: Queiroz Galvão

16 nov 2014 Posted by | ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, AUTORITARISMO, ÉTICA, Cinismo, CRISE ECONÔMICA, GOVERNO, POLÍTICA, TRABALHO | Deixe um comentário

Uma visão da realidade

Uma visão da realidade

Estou publicando esta coluna que me foi enviada por email, pelo meu primo Camilo, sem realmente pesquisar se a autoria é realmente do alegado Marcelo Tas.

Apesar de não possuir os fatos documentados na presente coluna, publico por concordar totalmente com o que está relatado.

Pelo conteudo, nota-se que é um artigo um pouco datado, escrito ha alguns anos, mas isto não retira dele as realidades retratadas.

Se alguém discordar ou comprovar que não seja dele(Marcelo), é somente me mandar algum comentário com as correções que eu corrijo. Apenas a autoria, pois o fato relatado está totalmente de acordo com os meus pensamentos.

Uma maneira de olhar o significado de PT, segundo Marcelo Tas do CQC

 

“Por não ser petista, sempre fui considerado “de direita” ou “tucano”
pelos meus amigos do falecido Partido dos Trabalhadores.”

Vejam, nunca fui “contra” o PT. Antes dessa fase arrogante
mercadântica-genoínica, tinha respeito pelo partido e até cheguei a
votar nos “cumpanheiro”.
A produtora de televisão que ajudei a fundar no início da década de
80, a Olhar Eletrônico, fez o primeiro programa de TV do PT. Do qual
aliás, eu não participei.

Desde o início, sempre tive diferenças intransponíveis com o Partido
dos Trabalhadores. Vou citar duas.

Primeira: nunca engoli o comportamento homossexual dos petistas.
Explico: assim como os viados, os petistas olham para quem não é
petista com desdém e falam: deixa pra lá, um dia você assume e vira um
dos nossos.

Segunda: o nome do partido. Por que “dos Trabalhadores”? Nunca
entendi. Qual a intenção? Quem é ou não é “trabalhador”? Se o PT
defende os interesses “dos Trabalhadores”, os demais partidos defendem
o interesse de quem? Dos vagabundos?

E o pior, em sua maioria, os dirigentes e fundadores do PT nunca trabalharam.
Pelo menos, quando eu os conheci, na década de 80, ninguém trabalhava.
Como não eram eleitos para nada, o trabalho dos caras era ser
“dirigentes do partido”. Isso mesmo, basta conferir o currículum vitae
deles.

Repare no choro do Zé Genuíno quando foi ejetado da presidência do
partido. Depois de confessar seus pecadinhos, fez beicinho para a
câmera e disse que no dia seguinte ia ter que descobrir quem era ele.
Ia ter “que sobreviver” sem o partido. Isso é: procurar emprego. São
palavras dele, não minhas.

Lula é outro que se perdeu por não pegar no batente por mais de 20,
talvez 30 anos… Diga-me, qual foi a última vez, antes de virar
presidente, que Luis Ignácio teve rotina de trabalhador? Só quando
metalúrgico em São Bernardo. Num breve mandato de deputado, ele fugiu
da raia. E voltou pro salarinho de dirigente de partido. Pra rotina
mole de atirar pedra em vidraça.

Meus amigos petistas espumavam quando eu apontava esse pequeno detalhe
no curriculum vitae do Lula. O herói-mor do Partido dos Trabalhadores
não trabalhava!!!
Peço muita calma nessa hora. Sem nenhum revanchismo, analisem a
enrascada em que nosso presidente se meteu e me respondam. Isso não é
sintoma de quem estava há muito tempo sem malhar, acordar cedo e ir
para o trabalho. Ou mesmo sem formar equipes e administrar os rumos de
um pequeno negócio, como uma padaria ou de um mísero botequim?

Para mim, os vastos anos de férias na oposição, movidos a cachaça e
conversa mole são a causa da presente crise. E não o cuecão cheio de
dólares ou o Marcos Valério.
A preguiça histórica é o que justifica o surto psicótico em que vive
nosso presidente e seu partido. É o que justifica essa ilusão em
Paris…misturando champanhe com churrasco ao lado do presidente da
França…outro que está mais enrolado que espaguete.

Eu não torço pelo pior. Apesar de tudo, respeito e até apoio o esforço
do Lula para passar isso tudo a limpo. Mesmo, de verdade.

Mas pelamordedeus, não me venham com essa história de que todo mundo é
bandido, todo mundo rouba, todo mundo sonega, todo mundo tem caixa
2…

Vocês, do PT, foram escolhidos justamente porque um dia conseguiram
convencer a maioria da população (eu sempre estive fora desse transe)
de que vocês eram diferentes. Não me venham agora querer recomeçar o
filme do início jogando todos na lama.
Eu trabalho desde os 15 anos. Nunca carreguei dinheiro em mala. Nunca
fui amigo dessa gente.

Pra terminar uma sugestão para tirar o PT da crise. Juntem todos os
“dirigentes”, “conselheiros”, “tesoureiros”, “intelectuais” e demais
cargos de palpiteiros da realidade numa grande plenária. Juntos,
todos, tomem um banho gelado, olhem-se no espelho, comprem o jornal,
peguem os classificados e vão procurar um emprego para sentir a
realidade brasileira.

Vai lhes fazer muito bem. E quem sabe depois de alguns anos pegando no
batente, vocês possam finalmente, fundar de verdade um partido de
trabalhadores.

11 mar 2012 Posted by | ARTIGOS, GOVERNO, POLÍTICA, TRABALHO | Deixe um comentário

Os incríveis?

Os incríveis?obras clásicas

É mesmo impressionante a passividade dos brasileiros.

Nós pagamos direta e indiretamente a maior carga tributária do

mundo civilizado, e não recebemos em troca absolutamente nada.

Deveríamos ser sem nenhuma dúvida, o país com a melhor

educação básica, a melhor saúde pública e o país de melhor

segurança no mundo.tranquilidade

Somos acreditem ou não exatamente o contrário. Somos na visão

do resto do mundo, um país de otários, que elegemos para

presidente um imbecil que roda o mundo inteiro falando

abobrinhas e que para representantes no congresso mantemos de

forma coagida pelas atuais leis os mesmos corruptos que deram o

Brasil o título de campeão de corrupção no mundo.

E os incríveis sofredores, deram ao Lula mais de 80% de

aprovação. Inrível, incrível mesmoseguindo lula

Depois de assistir na mídia local, e também na mídia

internacional, os escândalos cometidos dentro do senado federal.

Depois de ouvir nas rádios, o presidente do congresso contratar

sem concurso o namorado de sua neta para trabalhar no senado

federal, dizendo em alto e bom tom que a vaga existente é mesmo

da família, como se o voto de confiança recebido sem merecer do

estado do Amapá, também lhe dava o direito vitalício de um

pedaço do Senado Federal.   Depois de ouvir o presidente do

conselho de ética do Senado Federal, que não representa

ninguém, pois não recebeu nenhum voto para ocupar a posição

ocupada, adiantou para os eleitores a remissão do Senador

Sarney de qualquer culpa seja lá o que for.

O povo não faz nada.mausoleo

Em um país mais sério, este crápula do Duque seria linchado em

praça pública.

Mas este começo de post, nada tem haver com o assunto que me

trouxe hoje por aqui.

O povo brasileiro, além de pagar estes impostos abusivos, ainda

paga mais em forma de várias multas.

É verdade que as multas mais freqüentes atingem mais a classe

média, nas formas de multas de trânsito, mas também é a classe

média que suporta a maior carga tributária.

É também a classe média que tem maior acesso à mídia de todas

as formas e está mais informada sobre todos os assuntos.

E mesmo assim, esta classe tão sofrida, paga sem muito

questionar, este abuso que é a indústria das multas de trânsito.

E as administrações locais, principalmente as administrações

municipais, estão inventando a cada dia, mais uma maneira de

cobrar mais multas para poder financiar e saciar a sua fome por

recursos que são usados espuriamente da forma que lhes convier.

É também verdade, que o Código de Transito Brasileiro (CTB),

prevê que as multas de trânsito devam ser usadas na melhoria no

trânsito.mudando o senado

Esta disposição, é muito vaga e apesar de bem intencionada, leva

a más interpretações do assunto, deixando aberta a porta da

informalidade.

Por exemplo, no DF, o governador anuncia que as multas de

trânsito estão ajudando na implementação da segurança no

trânsito. Com este dinheiro, que não é pouco (aproximadamente

500 milhões de reais ao ano), ele contrata mais agentes para

multar, instala mais radares para multar mais, e a segurança está

em baixa, pois os acidentes continuam acontecendo, os roubos de

veículos aumentaram escandalosamente e as infrações que

causam muitos problemas com estacionamentos proibidos, estão

acontecendo em todos os recantos do DF.

E esta arrecadação escandalosa de multas, inconstitucionalmente

já faz parte da receita do DF.

Pensem como isto está totalmente errado.o pinto

A receita de qualquer município, estado ou da nação tem que ser

feita antecipadamente em forma de previsão orçamentária, que

deve ser aprovada, pelas câmaras de representantes, de cada

unidade.

Portanto esta arrecadação de multas, não pode ser parte da

receita, pois, teoricamente, não deveria existir se o povo se

educasse e parassem de cometer infrações.

Mas, com a fome de arrecadar cada vez mais, inventam há todos

os instantes, maneiras, regras idiotas, apenas para poderem ter

uma desculpa para continuar a usufruir desta arrecadação

espúria.

Esta arrecadação também promove outra infração como o

suborno que freqüentemente acontece quando um oficial recebe

do cidadão alguma recompensa para não emitir a multa.

E esta situação está em tendência de alta, sem muita perspectiva

de acabar.

Isto precisa acabar sim. Esta indústria da multa, qualquer multa,

tem que ser coibida de alguma forma.

Realmente, a multa tem que existir, pois sem ela os abusos

tendem a aumentar.

O que fazer então????

Eu tive outro dia uma idéia, que precisa ser difundida e encontrar

algum representante honesto o suficiente para apresentar no

congresso.

Seria criado o Fundo Nacional da Multa.

Toda e qualquer multa aplicada punitivamente a qualquer

cidadão ou pessoa jurídica, seria depositado neste fundo único.

Isto se aplica a qualquer unidade federativa seja município,

estado ou união.

Os recursos arrecadados neste fundo seriam distribuídos

diretamente e, igualmente no Ensino Básico e na Saúde Pública.

O TCU, o Ministério Público e uma comissão de representantes,

iriam fiscalizar esta distribuição, ficando totalmente proibido,

repassar estes fundos para qualquer ministério, secretaria ou

qualquer outro órgão que não o usuário final, como uma escola

ou hospital público que deveria apresentar ao fundo uma

necessidade emergencial, que seria analisada pelo conselho

dentro do fundo.

Os motivos poderiam ser os mais diversos, como uma melhoria

nos salários, dos médicos e professores para incentivar médicos

e professores decentes em municípios mais pobres.

A compra de materiais de emergência para escolas e municípios

pobres.

Não poderiam ser usados estes recursos para obras inteiras como

construção de hospitais ou escolas novas, pois isto poderia

reverter em distorções nas distribuições e em corrupção durante

as obras como super faturamento, etc.

Os membros e diretores deste fundo seriam remunerados pelos

órgãos a que pertencerem sem retirar do fundo absolutamente

nenhum centavo para o funcionamento deste.

As medidas legais e os estatutos do fundo seriam criados por

entidades com experiência jurídica legal como a OAB ou algo

parecido.

Com esta medida, a fome arrecadatória seria amainada, e as

escolas e hospitais públicos iriam se beneficiar destas multas.

Vamos gente, vamos deixar de ficar incrivelmente passivos, e

mostrar para os incrivelmente corruptos que o povo também tem

vontade de fazer as coisas acontecerem, sem legislar em causa

própria.

E para dar um exemplo de alguém que não está na impassividade,

leiam este Email que recebi, dando credito a este professor da

USP.

FORREST LULA (o professor foi genial)

Finalmente alguém abordou o tema com uma simplicidade

franciscana, foi direto ao ponto.

O melhor de tudo é que o autor é docente de uma grande

universidade onde, via de regra, a grande maioria é de esquerda,

festiva, burra e eleitora de LULA.

APROVEITEM A ANALISE INTELIGENTE DO PROFESSOR DA

USP Wagner Valenti*

Professor da USP / Departamento de Biologia Aplicada. Esse

professor da USP fez um belo resumo, que aí vai ….

‘Todos conhecem o filme Forrest Gump , que narra a história de

um imbecil que sobe na vida auxiliado por circunstâncias a ele

absurdamente favoráveis.

Pois nós brasileiros temos aqui nosso Forrest Lula, pelas razões

que apresentarei abaixo.

1) Ele pensa que chegou a presidente pela competência, mas foi

por uma junção entre sua persistência malufiana e o

‘mudancismo’ do eleitor, que só pelo desejo de mudar nem se

sabe o quê vota alternadamente em candidatos como Collor e

Maluf, e depois em Lula & companhia.

2) Ele pensa que é respeitado lá fora, mas não passa de uma

curiosidade zoológica, como o mico-leão dourado. A esquerda

romântica de lá acha lindo um operário do terceiro mundo ter

virado presidente: Se ele é competente ou não, o terceiro mundo

que se dane. Ele recebe essa corda toda e acredita.

3 ) Ele pensa que trouxe programas sociais, mas a única coisa que

o PT fez foi proteger os terroristas sem-terra, e transformar o

bolsa-escola em bolsa-esmola.

4) Ele pensa que faz sucesso com a imprensa, mas na verdade

contou, pelo menos até os recentes escândalos, com uma

imprensa domesticada e cordial.

5) Ele pensa que não existe ninguém que possa questioná-lo tanto

em ética quanto em política, mas isso só acontece por que ele

nunca se expôs a entrevistas coletivas sérias, com jornalistas

especializados, onde teria de dar uma satisfação objetiva de seu

desempenho.

6) Ele pensa que é imune a essa crise porque seu percentual de

aprovação ainda é alto, mas as pessoas que ainda confiam nele são

aquelas tão avessas à leitura quanto seu presidente, e por isso

nem sabem o que acontece.

7) Ele pensa que é responsável pelo sucesso da política

econômica, mas isso aconteceu porque a diretriz econômica foi a

única herança do governo anterior que ele não estragou.

8) Ele pensa que causou o aumento das exportações, embora isso

tenha sido

conseqüência de uma série de fatores anteriores a seu governo,

mais as circunstâncias favoráveis no cenário internacional.

9) Ele pensa que não sofrerá impeachment por estar acima de

tudo o que acontece, embora Collor tenha sido defenestrado por

muito menos. Na verdade, ele só vai ficar lá porque não interessa

a ninguém transformá-lo em mártir,

dando-lhe chance de retornar à cena política, ao mesmo tempo

que ninguém quer ver o escroto do Alencar tomar o poder e

arruinar a política macro-econômica..

Wagner Valenti* Professor da USP / Departamento de Biologia

Aplicada ‘ ..

(*) é um bom prof. de Biologia, pois, mostrou que entende bem

de moluscos, vermes e parasitas…

ditadura

05 ago 2009 Posted by | ABOBRINHAS, ABUSOS LEGISLATIVOS, ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, ÉTICA, ECONOMIA, EDUCAÇÃO, TRABALHO | Deixe um comentário

Até mais tarde Renan.

Até mais tarde Renan.

O filósofo alemão – Tem um pouco de sua vida em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Karl_Marx

Karl Heinrich Marx

 (Tréveris, 5 de maio de 1818Londres, 14 de março de 1883), criticava o sistema capitalista na ordem em que em sua opinião, este sistema de lucratividade, escravizava a sociedade que trabalhava, pagando pouco para que estes trabalhadores não pudessem melhorar de classe social, enquanto lucravam muito com o seu trabalho, ficando cada vez mais ricos e aumentando a distância social entre patrão e trabalhador.

Ele acusava a sociedade PRODUTORA, de que para obter lucro, pagava menos do que era decente para os trabalhadores, e a diferença entre o que deveria ser pago e o que se pagava, era a origem de seu lucro.

A isto ele denominou “MAIS VALIA”.

Em seu tempo, pode ser que tivesse razão, pois a revolução industrial estava em seus primórdios, e nas minas de carvão, fonte energética da época havia mesmo muita exploração. As legislações eram omissas quanto a controle das condições de trabalho e de pagamento mínimo, previdência social, etc.

Nestes tempos, o trabalho em minas de carvão, era mesmo quase um trabalho escravo, e o que era pago aos empregados mal dava para eles vestirem e comer. O que o patrão ganhava com o fruto do trabalho deles, era de fato muito dinheiro.

A sociedade mudou e as leis e as condições de trabalho melhoraram muito, e sua teoria ficou datada.

A essência do capitalismo, ainda é a “MAIS VALIA”, pois é o conjunto de trabalhadores que ganhando o suficiente para uma vida decente, proporcionam ao patrão, um lucro bem maior do que o seu salário.

No entanto,os salários atuais dos empregados , é um ganho confortável, sem muitos riscos e sem muita responsabilidade, sendo esta bem pequena, dividida entre todos os outros empregados.

O ganho dos patrões é maior como também é maior o seu investimento, riscos e responsabilidades.

Não tem como mudar isto, porque este é o espírito social humano. Uns assumem riscos e responsabilidades maiores, dando emprego e sustento a muitos que não querem assumir estes riscos e responsabilidades. A divisão dos lucros, não é simplesmente a valor físico da mão de obra, mas o pagamento pelo risco assumido, e das responsabilidades maiores sobre o todo.

Em geral, o lucro atual de uma empresa, é menor do que a soma dos salários de todos os funcionários.

Atualmente no Brasil, existem dois empreendimentos que ganham lucros exageradamente superiores ao custo da mão de obra, o que até justificaria as antigas idéias de Marx.

1. Os bancos. Estes estabelecimentos puramente capitalistas encontraram no Brasil, com os seus juros exorbitantes e suas outras condições propícias, território fértil para aumentarem os seus lucros de forma exponencial. Em 1995, as tarifas bancárias, sobre a movimentação de seus clientes, pagavam 20% do custo da mão de obra dos bancos. Hoje, estas tarifas, subiram de tal maneira desproporcional com o custo da mão de obra, que inverteu a proporção. 20% do ganho com as tarifas pagam o custo de todos os salários dos bancos. O seu dinheiro depositado na poupança de um banco rende em média 8% ao ano, e este mesmo dinheiro, usado para manter o cheque especial rende ao banco 80% ao ano em empréstimos simples, e quando se atrasa ou passa do limite do cheque especial, este custo vai para até 200% mais as multas etc. Comparado com os salários dos bancários, este lucro se encaixa na idéia de Marx da “MAIS VALIA”.

2. Os salários dos políticos. Aí a coisa foi invertida totalmente. Quem paga os salários de um empregado, é o patrão que de acordo com as regras do capitalismo deveria ganhar mais do que o empregado, e menos do que o conjunto deles, certo? No Brasil, a classe política, que é paga com os impostos recolhidos dos cidadãos, que neste caso são os patrões que deveriam determinar quanto se deveria pagar aos seus contratados, pelo tipo de trabalho executado. Estes mesmos cidadãos deveriam ser os que ao avaliar o desempenho destes contratados poderiam imediatamente despedi-los por justa causa, caso o seu desempenho fosse menor do que o esperado. Não acontece nada disto atualmente. Os exorbitantes salários pagos aos parlamentares, que absolutamente não representam a sociedade, foram legislados em causa própria, assim como os benefícios suplementares, que estes parlamentares desfrutam. As distorções ficaram de tal maneira, que o que o Brasil gasta com seus parlamentares, é proporcionalmente o seguinte: Para pagar os salários e os benefícios e as instalações onde trabalham 594 parlamentares (513 deputados e 81 senadores), tem que se somar um milhão e trezentos mil assalariados. Em uma comparação capitalista, seria como, 1.300.000 pessoas se associassem, corressem todos os riscos e investissem todo o seu salário mínimo, e assumissem todas as responsabilidades, para pagar os salários e as instalações de trabalho de 594 de seus funcionários, e sem condições de criticarem ou apreciassem seu trabalho. Lucro então nem se fala, somente prejuízo neste caso falência à vista.

E mesmo com toda esta mordomia, executando um trabalho em desfavor da sociedade, ganhando um salário pago por tantos trabalhadores sofredores, não estão satisfeitos e conseguem através de ações sombrias e ilegais, duplicarem, quadruplicarem, multiplicar por milhões, os ganhos pessoais.

Enquanto durar a paciência dos patrões com um trabalho mal feito, com o roubo das instituições, com um salário enorme que não condiz absolutamente com as condições atuais do país, estes empregados vão levando a vida na flauta, mas quando a paciência acaba eles têm que ser demitidos.

No caso do Renan Calheiros, que está roubando o nosso dinheiro sem trabalhar a muito tempo, a paciência esgotou. A venda de seu gado sem recibos os guias de embarque, as suas terras em nome de laranjas, as suas amantes sustentadas por empreiteiras favorecidas com a sua influência, tudo isto, ou melhor, qualquer destas razões é motivo suficiente para uma demissão por justa causa.

Até mais ver Renan.

Você já está frito.

Leiam a reportagem do Globo logo abaixo:

Cada senador custa mais de R$ 33 milhões por ano aos cofres públicos

Plantão | Publicada em 11/06/2007 às 19h13m

O Globo Online

BRASÍLIA – Um levantamento da Transparência Brasil sobre os orçamentos da União, dos estados e municípios revela que o Senado é a casa legislativa que tem o orçamento mais confortável por legislador: seus R$ 2,7 bilhões anuais correspondem a R$ 33,4 milhões para cada um dos 81 senadores. Na Câmara dos Deputados, a razão é de R$ 6,6 milhões para cada um dos 513 deputados federais, segundo a ONG. Dentre as assembléias legislativas, o maior orçamento por legislador é o da Câmara Legislativa do Distrito Federal: equivale a R$ 9,8 milhões para cada um dos 24 deputados distritais (o DF não tem Câmara de Vereadores). O mais exíguo é o de Tocantins: pouco mais de R$ 2 milhões para cada um dos 24 deputados.

Nas câmaras municipais, a mais rica é a do Rio: seu orçamento equivale a R$ 5,9 milhões para cada um dos 50 vereadores. No outro extremo, em Rio Branco (AC), a provisão para 2007 equivale a R$ 715,3 mil para cada um dos 14 vereadores.

A Câmara dos Deputados custa R$ 18,14 por ano para cada brasileiro, enquanto o Senado sai por R$ 14,48. Entre os estados, a assembléia legislativa mais cara por habitante é a de Roraima (R$ 145,19), e a mais barata, a de São Paulo (R$ 10,63). Entre as capitais de estados, a câmara de vereadores mais cara por habitante é a de Palmas (TO), que custa anualmente R$ 83,10 para cada morador da cidade. A mais barata é a de Belém (PA), com R$ 21,09 por ano.

A fatia do Orçamento da União destinada ao Congresso Nacional (R$ 6,1 bilhões) chega perto de equivaler à soma do Orçamento destinado ao legislativo em todos os estados e capitais do país (R$ 6,4 bilhões). O montante orçamentário por parlamentar do Congresso (deputados federais e senadores) é mais do que o dobro do que custam os deputados estaduais, que por sua vez custam acima do dobro dos vereadores das capitais.

O estudo revela que as três esferas do legislativo custam em média R$ 117,42 por habitante nas capitais brasileiras e que o trabalho legislativo é mais caro para habitantes de capitais menos habitadas – geralmente, as mais pobres. Enquanto em Boa Vista (RR) cada habitante paga R$ 224,82 anuais pelos serviços associados ao trabalho de seus representantes eleitos nas três esferas, em São Paulo o custo é de R$ 68,51 por habitante.

Em Boa Vista, o gasto total com o legislativo (federal, estadual e municipal) representa 4,7% do PIB per capita. No outro extremo, em Vitória (ES), o gasto total de cada habitante com o legislativo representa 0,4%. Em cinco estados – Alagoas, Mato Grosso, Rio de Janeiro, Sergipe e Tocantins – e doze capitais os dados orçamentários não estavam disponíveis na internet. Em três casos, nem o orçamento estadual e nem o da capital estavam na internet: Rio, Tocantins e Sergipe.

 

 

12 jun 2007 Posted by | ÉTICA, CURIOSIDADES, POLÍTICA, REFORMA POLÍTICA, TRABALHO | Deixe um comentário

Os dias (c)sem Lula

dias-sem-lula.jpg

 

 

Os cem dias de Lula

Esta charge, está se referindo apenas no segundo mandato, pois o primeiro, que foram 1461 dias de malandragem, viagens e vadiagens incansáveis, de corrupção, de enganação e mentiras, de diplomação em “Horroris causis” terminou em apagão aéreo, que devido à falta de atitude proveniente do primeiro mandato, continua sem uma solução.

Adriana Vandoni faz um raio-X de parte do problema:

O Sistema Está Nu

Por Adriana Vandoni

 

O espaço aéreo brasileiro é gerenciado pelo Departamento de Controle do Espaço Aéreo, responsável também pelo treinamento, fiscalização e execução do controle aéreo e pela defesa aérea brasileira. A INFRAERO é quem administra os aeroportos, 66 dos 81 existentes no país estão sob controle da empresa, além de 32 terminais de carga.

Mas quem efetivamente executa a função são os Controladores de Tráfego Aéreo, porém, esta profissão não existe no Brasil, não é reconhecida, nem regulamentada. Apenas a atividade existe. Neste ponto começa a salada. A função é exercida por Sargentos da aeronáutica, por civis funcionários públicos estatutários, vinculados a aeronáutica, que são os DACTAs, e por civis, funcionários públicos, CLTistas da INFRAERO.

Primeiro ponto: se a profissão não existe, como pensar em uma desmilitarização? Não seria melhor antes criar e regulamentar? Essa discussão em torno da desmilitarização ou não é apenas “encheção” de lingüiça.

O controle aéreo brasileiro tem sido cada vez mais militarizado, não por uma questão estratégica ou natural, mas pela necessidade, para suprir a falta de pessoal capacitado, pois os baixos salários, a estrutura deficiente para o trabalho e a imensa pressão, têm provocado uma grande evasão de profissionais capacitados. Os Controladores que abandonam a profissão, o fazem exatamente no momento em que atingem a experiência plena de trabalho, entre cinco a dez anos de carreira. Este quadro tem se agravado nos últimos cinco anos, com o conhecimento do governo federal.

Para suprir essa evasão de pessoal são escalados os Sargentos, que tentam sim realizar um bom trabalho, mas sem a estrutura necessária. Mas eles não têm escolha, recebem a missão de operar equipamentos deficientes, controlam um tráfego além da capacidade e trabalham além da jornada estabelecida pelos organismos internacionais. Os que tentam reclamar ou questionar a situação, são reprimidos, inclusive com punições disciplinares, transferências indesejadas e assim por diante.

Acontece aqui uma simples distorção de formação. Os Sargentos são preparados e treinados para a defesa do espaço aéreo. É apenas uma questão de foco, não é por maldade ou por irresponsabilidade, apenas e tão somente o foco. Defesa e não Controle.

Após o acidente que matou 154 pessoas, os controladores do CINDACTA 1 estavam atônitos, perplexos e chocados com o ocorrido, quando um oficial, em discurso para a turma que estava assumindo o setor após o acidente disse: “Chega de choradeira, vamos lá, menos dois pra controlar, ficou melhor!” O oficial não disse isso por insensibilidade, mas porque assim aprendeu que se deve fazer em casos de baixa durante uma guerra. A sua missão é levantar o moral da tropa para que esteja preparada para o próximo ataque inimigo. Só que não estamos em guerra e os controladores não estão em uma missão militar.

O oficial não está errado, ele cumpre sua missão e coloca em prática seu treinamento. Errado está o governo reativo, omisso, irresponsável, e eu diria até mais, diria que o governo é assassino, pois esperou morrer 154 pessoas para escutar o grito dos controladores. Enquanto isso, o “bibelô” do Ministério da Defesa tenta minimizar a crise dizendo que tudo isso não passa de “rotina” em “países em desenvolvimento”. Conversa fiada. É pura falta de planejamento, compromisso, responsabilidade, competência, etc., etc. e etc. Em mais de seis meses de crise o que vimos foram reuniões, formação de Grupos de Trabalho, “puxão de orelha” do Presidente… nossa, como ele é firme!…tudo encenação. De concreto nenhuma medida foi tomada. O governo está inerte, os passageiros continuam correndo riscos e os controladores, pressionados a aceitar a porca situação de trabalho, são responsabilizados quando algo dá errado.

As informações acima foram obtidas através de conversas que mantive com controladores, da ativa ou não. E foi durante um dessas conversas que um deles me definiu com a mais absoluta perfeição a situação brasileira:

O SISTEMA ESTÁ NU.

nadoenada.jpg

 

 

14 abr 2007 Posted by | ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, APAGÃO AÉREO, ARTIGOS, GOVERNO, TRABALHO | Deixe um comentário

A grande festa

O TRABALHO É UMA FESTAbebendo-em-casa.jpg

Eu já escrevi neste blog, varias vezes que o Lula não é muito e nunca foi chegado ao trabalho.

Mesmo sem trabalhar ele é um indiscutível sucesso, pois assumiu sua posição de primeiro mandatário com um currículo obscuro e duvidoso. Em sua declaração de renda, ele conservadoramente é um milionário e seu apartamento de cobertura, é um total mistério de aquisição.

Em um país repleto de analfabetos ele dá declarações contrastantes de que não tem muita necessidade de leitura. Não se tem notícia de algo que ele tenha escrito pessoalmente, e não se tem notícia que ele saiba utilizar um PC. Eu nunca vi dentre tantas fotos e filmes ele sentado diante de um PC. Agora fotos dele traçando uma branquinha, têm de monte e dele escornado depois de uma noitada de excessos também existem várias espalhadas pela Internet.

O único trabalho para o qual foi treinado, o de torneiro mecânico, não pode desempenhar sua função sem perder um dedo, mostrando a falta de capacidade para este trabalho. Como deputado da constituinte ele não se mostrou capaz do desempenho esperado, e foi até muito apagado. Não encontrei referencias se durante aquele tempo ele se mostrava propenso às suas festinhas com a branquinha. Por isto não tenho comentários.

Quando um jornalista americano residente no Brasil fez referencia ao seu apego à branquinha, ele em um rampante de autoritarismo queria que se expulsasse este jornalista.

“Quem tem fama deita na cama” e ele pode até se indignar, mas seu currículo não deixa dúvidas, que ele é chegado a uma “marvada” ele é.

Mas também ninguém é de ferro.

E melhor posto do que o artigo do Villas que está aí abaixo reproduzido na integra, não tem:

Opinião: Governar é divertir-se

Villas-Bôas Corrêa, repórter político do JB

Nos quatro meses do segundo mandato do governo que não começou, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva forneceu mais elementos para a decifração da sua personalidade – que não chega a ser tão complicada – do que nos quatro anos iniciais embalados pelos elogios em boca própria ao maior em tudo de todos os tempos.

Nas picuinhas ao antecessor que jogou nos seus ombros a tal herança maldita, misturou viagens pelos quatro cantos do planeta para a afirmação de uma liderança mundial, de que tanto se orgulha. O modelito inaugural do seu gabinete no Palácio do Planalto só cuidou de política para a montagem do esquema da reeleição. Descuidos intencionais ou não fecharam os olhos para os desatinos petistas na armação da temporada dos escândalos: do caixa 2, do mensalão, das ambulâncias superfaturadas, da trapaça das sanguessugas, ampliados pela maciça cobertura pela mídia das CPIs que desandaram na dança do plenário da Câmara para comemorar a absolvição em cascata dos denunciados.

Lula abandonou o PT às merecidas traças, adubou a reeleição com os 11 milhões de Bolsa Família para matar a fome de 44 milhões de eleitores especialmente nas áreas mais pobres do Norte e do Nordeste.

Quando o núcleo político bichado pelos escândalos foi dissolvido, o presidente-candidato, em estalo afortunado, descobriu a fórmula perfeita do gabinete administrativo, que confiou à competência e energia da ministra Dilma Rousseff, chefe da Casa Civil. Livre da papelada burocrática, que jamais leu, contentando-se com os resumos em meia folha de papel, pôde dedicar-se em tempo integral à campanha nas suas diversas etapas.

E desde então, o estilo Lula de governar ampliou o esboço até o retrato em corpo inteiro, com a transparência das suas singularidades. Da casmurrice das frases curtas do presidente Dutra à variedade dos cinco generais-presidente do rodízio de quase 21 anos da ditadura militar, passando por JK, Jânio, Jango, Sarney, Collor, Itamar e FH, nada pode ser comparado ao presidente Lula do bis.

Joalheiro amador, aplicou-se em enfeitar a faixa presidencial com as pedras coloridas da fantasia para a festa do governo desfrutado como uma diversão. Lula adora presidir reuniões com grande número de participantes que ocupem todas as cadeiras das mesas imponentes dos palácios do Planalto e da Alvorada ou das aperturas da Granja do Torto. Como não pode convocar governadores, prefeitos ou ministro todos os dias, conforma-se com a modéstia de encontros com os chamados núcleos de ministros para assuntos que interessam o público com a garantia de ampla cobertura na mídia.

Mas o recheio doce do mandato são as viagens. Qualquer uma, para qualquer lugar, com qualquer justificativa. Claro, as rotas internacionais para a exibição nos palcos do mundo são manjares para o paladar dos deuses que voam nas asas do Aerolula com a pompa e os agrados das mordomias. Reconheça-se que os giros patrocinados pelo Mercosul pelo mapa do nosso continente quase que se igualam ao deslumbramento da Europa, da Ásia ou da África. Lula é um temperamento eclético.

Nunca pareceu mais feliz e à vontade como no segundo mandato, sem a tentação de brincar com a democracia para mais quatro anos. Se cair no colo, claro que não recusará o sacrifício.

Por enquanto, pretende curtir os três anos e 10 meses no ritmo de festa, concentrando os esforços oficiais em três ou quatro programas que iluminem a imagem do grande presidente, o maior de todos os tempos.

Além do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), mesinha milagrosa para a cura de todas as enfermidades do país; três ou quatro obras de truz, como a irrigação de áreas do Nordeste com a transposição das águas do Rio São Francisco. E, um degrau abaixo, o pacote de emergência para o investimento de mais R$ 8 bilhões na educação.

A rede rodoviária em pandarecos, com recorde de desastres, ou a calamidade nacional da insegurança, com o registro de mortes diárias no Rio e nas grandes cidades são assuntos para a pauta da burocracia, dos governadores e prefeitos.

Poupem Lula: o governo é uma festa.

bebendo-em-casagif.png

 

08 mar 2007 Posted by | ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, AUTORITARISMO, TRABALHO | Deixe um comentário

   

%d blogueiros gostam disto: