blog do Roberto Leite

Assuntos de interesses multiplos e atuais.

Mais uma vez – Barão

Mais uma vez – Barão

Há alguns anos atrás, escrevi uma matéria intitulada “O Barão de Berzelius” (Está no Blog)

O Barão de Berzelius, da corte sueca cujo verdadeiro nome foi Jöns Jakob foi um famoso químico que entre outros méritos está o de medir o peso atômico dos elementos básicos e a descoberta de três elementos químicos, o cério, o selênio e o tório.

Foi dele também a criação do termo catalisar ou catalisador.

O nosso Aurélio define catalisar como: “Estimular, dinamizar ou incentivar”.

Em química, o catalisador tem o poder de iniciar ou acelerar uma reação sem se modificar.

Não existe ou não encontrei em uma pesquisa superficial, um catalisador em ciências sociais, definido como tal e aceito geralmente como um elemento como em física. Esta palavra, se usada estará mais para a definição do nosso dicionário, como um estimulador, ou um incentivador. Esta definição para a ciência social é definitivamente mais fraca do que o catalisador químico para a reação química.

Para que usaríamos o termo catalisador em uma ciência humana?

Pode ser usada como uma metáfora para ilustrar uma lei uma decisão ou uma ação que poderia ter iniciado uma reação social qualquer, e que esta reação teve como desfecho uma melhora ou uma degradação no grupo social onde foi aplicada.

Um exemplo que pode ilustrar mais ou menos este significado:

“– A profissão de caçador está praticamente extinta. Os caçadores foram substituídos pelos criadores de animais que suprem a necessidade da caça com animais domesticados e abatidos industrialmente. E o que fazer com os caçadores, uma profissão que não pode ser utilizada praticamente. Bem existe em alguns países, um uso para os antigos caçadores. Os animais silvestres como veados, alces, ursos, leões, vários tipos de aves, são protegidos por lei, mas são vigiados e observados e quando sua população está aumentando muito podendo causar algum tipo de desequilíbrio ecológico, as autoridades locais vendem licenças para que estes animais em quantidade maior possam ser abatidos. Os antigos caçadores, neste países, servem de guias de caça para os novatos e que desejem aprender a caçar, eles também são usados pelas autoridades para controlar as populações de animais silvestres ETC. Houve aí uma mudança social interessante, causada pela regulamentação da caça pelas autoridades que também protege os animais silvestres e com isto preservando a antiga profissão que foi desalojada pelas mudanças sociais do consumo de proteína animal. O catalisador desta mudança foi uma decisão pelas autoridades, que criaram leis que regulamentaram a caça e também uma proteção aos animais.” Neste exemplo acima, o catalisador (Decisão) foi dosado propriamente, a reação foi social ao catalisador foi moderada, a as mudanças ocorridas beneficiaram o grupo social composto pelos antigos caçadores e suas famílias. O novo grupo está modificado perenemente, pois a sua atuação e posição social foram alteradas pelo catalisador (decisão), mas o resultado desta reação (nova decisão +antiga profissão) foi benéfica a todo o grupo envolvido. O Catalisador (decisão) mantém sua forma inicial, mas modificou o ambiente em que foi inserido. Usou-se a dose certa de catalisador e se obteve o resultado desejado.

Agora imagine esta mesma situação onde a decisão (Catalisador) foi exagerada e quando não se necessitou mais socialmente da profissão “CAÇADOR”, passou-se uma lei proibindo imediatamente a caça.

Provavelmente o que ocorreria, seria que os caçadores passassem para a informalidade, transformados instantaneamente de cidadãos profissionais em contraventores informais, e os produtos da caça seriam contrabandeados sem nenhum controle, e os amimais silvestres seriam abatidos à noite, feriados quando a fiscalização seria menor, e indiscriminadamente, podendo com isto serem bons candidatos à extinção.

Viram como uma mesma situação pode mudar com a dose do catalisador. Usa-se muito catalisador e a reação fica incontrolável.

E agora o que isto tem a haver com coisas atuais?

Foi esta nova modalidade da lei existente (catalisador) para controlar a violência no trânsito brasileiro.

Foi decidido pelas autoridades que se deveria aumentar a dose do catalisador na reação social à lei de controle do nível de álcool no sangue de uma pessoa ao volante de um veiculo. Porque se elevaria o nível do catalisador?

Realmente, um catalisador pode estar fraco, as reações causadas pela sua presença, podem ser consideradas muito lentas. Mas isto não pode ser feito assim.

Em química, quando uma reação está muito lenta, antes de se elevar a quantidade do catalisador, analisa-se a mistura para tentar descobrir a causa da reação lenta. Primeiro mede-se a temperatura da mistura, depois se verifica a situação dos componentes, e antes de se adicionar mais catalisador, tenta-se algo simples como elevar um pouco a temperatura da mistura, trocar de recipiente, analisar possível contaminação dos elementos, e quando depois de tudo isto não tem resultado, aí se eleva gradualmente a quantidade do catalisador.

E na mistura social também tem que ser feito assim.

· A lei antiga (Decisão Catalisadora) de 0,6% de álcool por litro de sangue não estava funcionando propriamente. ( as mudanças causadas pela presença do catalisador não estavam surtindo os efeitos esperados).

· Antes de se usar mais catalisador a mistura (catalisador –lei + grupo social envolvido) deveria ser investigada com carinho e cuidado para se tentar descobrir a razão da ineficiência do catalisador (Lei).

· Primeiro de tudo deveria ser tentado uma elevação da temperatura (mais fiscalização)

· Depois, uma possível contaminação (impunidade) que poderia estar mudando o resultado esperado na mistura.

· Deveria ser tentada, uma verificação em alguns dos elementos da mistura, para saber a sua real composição.

· Se fossem encontrados falhas nestes elementos (no caso poderiam ser os policiais, as blitz, os juízes, ou uma combinação de todos estes elementos) eles poderiam ser trocados por outros com uma data de vencimento mais recente para ver se antes de se adicionar catalisador a mistura poderia responder.

· E o recipiente que contém esta mistura, que neste caso uma grande parte da sociedade, poderia ser mudado (a regulamentação de blitz, com mandato judicial, a troca de soldados armados por pessoas à paisano, um figura judicial poderia ser adicionada ao sistema, um juiz togado e treinado nos problemas de transito, ETC.)

Mas, isto não foi feito assim, o que as autoridades fizeram foi jogar um balde inteiro na mistura, e tentar com isto aumentar a velocidade da reação. Neste caso o resultado pode ser desastroso e perigoso:

· A lei antiga (Decisão Catalisadora) de 0,6% de álcool por litro de sangue não estava funcionando propriamente. (as mudanças causadas pela presença do catalisador não estavam surtindo os efeitos esperados).

· Joga-se um balde inteiro de catalisador na mistura. (Eleva-se a intensidade da lei existente)

· Quando se eleva a quantidade de catalisador, a mistura tende a esquentar (Em vez de tentar esquentar a mistura com um pouco de fiscalização, esquentaram com catalisador, que para funcionar, tiveram que esquentar também a nova mistura com mais fiscalização. Porque não tentaram esquentar antes de mais catalisador?)

· Os elementos da mistura (como policiai juízes ETC) não foram testados por falhas, ineficiências, apenas foram elevados em quantidade junto com o catalisador, inibindo com isto parte do efeito catalisador.

· E o recipiente da mistura, ficou inadequado e instável, causando um efeito muito diferente do o que se desejava.

Encontrei esta semana no blog do meu sobrinho o José Melo, – http://zefonseca.com/blogs/ze/ – a seguinte notícia :

Denúncias de tráfico em SP sobem 21,4%

Filed under: Lei 11705 “Tolerância Zero” — jfonseca @ 12:04 am

Eu gostaria de parabenizar as autoridades por terem conseguido reduzir em 13% os acidentes devido ao alcool no volante em São Paulo. Agora desejo-lhes boa sorte para combater o aumento de 21,4% nas vendas de drogas milhões de vezes piores que estão substituindo o copo de chopp(que também vão acabar usadas ao volante).

Fonte: Matéria do Estadão
Crescimento é o maior registrado nos últimos cinco anos; de janeiro a julho, foram 26.694 ligações para o 181

SÃO PAULO – O primeiro semestre deste ano teve um aumento recorde de denúncias sobre tráfico de drogas em São Paulo. Entre janeiro e julho, o Disque Denúncia (181) foi acionado 26.694 vezes com informações sobre o comércio de cocaína, maconha, crack e ecstasy. O número é 21,4% superior ao registrado no mesmo período de 2007, quando foram 21.988 casos. O crescimento foi o maior registrado nos últimos cinco anos. Desde 2003, a evolução de um ano para outro nunca havia ultrapassado a casa dos 17%.

Bem aí está o que acontece com u uso indiscriminado de catalisador. Os efeitos indesejáveis estão começando a surgir, e esta mistura toda deve ser revista, pois sem controle pode é explodir na cara de quem está misturando.

E para quem está convencido de que as armas de fogo são as maiores causas de violência contra a vida, podem ler a reportagem abaixo que li hoje pela manhã.

http://g1.globo.com/Noticias/Mundo/0,,MUL707904-5602,00-PASSAGEIRO+E+DECAPITADO+EM+ONIBUS+NO+CANADA.html

E o governo está gastando milhões em uma nova campanha contra as armas, e deveria estar gastando estes milhões em uma campanha pró-educação e com a própria educação básica.

26 ago 2008 Posted by | GOVERNO, POLÍTICA, Tolerância Zero | Deixe um comentário

   

%d blogueiros gostam disto: