blog do Roberto Leite

Assuntos de interesses multiplos e atuais.

COVARDE CORAÇÃO VALENTE

apoio 1Em meu passeio matinal pelos blogs encontrei este artigo no blog do Jiulio Sanmartine

http://prosaepolitica.wordpress.com/

 

COVARDE CORAÇÃO VALENTE
Mauro Pereira da Silva
________________________________________
Mesmo que os brasileiros dêem um basta à ensandecida jornada da patética versão lulomalufista do comunismo do século 21 ao centro do poder eterno elegendo Aécio Neves presidente dia 26 próximo, o rastro de destruição deixado pelos governos de Lula e Dilma Rousseff é um indicador bastante forte de que certamente o Brasil ainda vai padecer muito para superar os estragos deixados pelo vendaval que o assola ao longo desses doze anos de jugo petista.
No entanto, apesar do cenário de terra arrasada que herdaria, tomo por óbvio que uma vitória do candidato tucano seria naturalmente um fator positivo na hercúlea tarefa de reconstruir o País. A sensação de bagunça generalizada e de falta de comando na administração de Dilma Roussef, me levam a presumir que, entre outras decorrências positivas, uma mudança no comando do governo federal teria como resultado imediato a interrupção das negociatas engendradas por corruptos e corruptores que mamam à vontade nas tetas generosas dos governos de Lula e Dilma desde janeiro de 2003.
Respaldado em uma bilionária máquina de propaganda concebida nos moldes nazistas, o governo sempre vendeu à sociedade a imagem mentirosa de um país desenvolvido socialmente, solidificado democraticamente e desassociado da miséria. Esse Brasil Maravilha não passa de apenas mais um embuste articulado pelo Partido dos Trabalhadores e sustentado a peso de ouro pela vassalagem ordinária alugada.culpa 1
Nada mais que outra empulhação concebida pela sanha autoritária do ex-ministro da comunicação social Franklin Martins e que encontrou no solo fértil e devidamente adubado do egocentrismo exacerbado de sua principal liderança a condição ideal para florescer e vicejar.
Entretanto, o retumbante NÃO! que a grande maioria dos brasileiros disse à presidente-candidata e ao lulopetismo no primeiro turno da eleição presidencial do dia 06 último, mostra de forma cabal que a farsa caminha para o seu desmantelamento e os primeiros resultados das pesquisas no segundo turno indicam que é grande a possibilidade do deus de Marta e astro-rei do universo marilênico ter de curvar-se ao restabelecimento da verdade imposto pelo veredito das urnas.
O recado enviado por cerca de 60% dos eleitores brasileiros foi claro e direto: Nem todo o Brasil é feito de tolos.
saco cheioFicou mais do que nítido o estupor que tomou conta das hostes petistas com a espetacular reação do candidato tucano Aécio Neves. Linchado eleitoralmente pelos institutos de pesquisas, que de forma acintosa passaram a ignorá-lo, e condenado por antecipação ao ostracismo político pela mídia que deliberadamente o asilou no esquecimento, o senador mineiro ressurgiu das cinzas para qualificar-se como a principal referência da insatisfação manifestada por várias dezenas de milhões de brasileiros e brasileiras que não estavam dispostos a submeterem-se aos desmandos petistas, cuja soberba já não conseguia esconder a certeza da vitória no primeiro turno do pleito.
Atônitos, viram desmoronar, também, a possibilidade do enfrentamento com Marina Silva na eleição do dia 26 de outubro próximo. Consternados, sentiram escapar por entre os dedos a concretização apoteótica do ideário petista e a consolidação definitiva do estado lulopetista. À elite malvada e aos brancos de olhos azuis restaria somente como alternativa assistir o ápice da consagração de Lula representada por duas vertentes do PT, decidindo qual ala do partido subiria a rampa do Palácio do Planalto.
Debatendo-se em mais uma enxurrada de denúncias de corrupção envolvendo a Petrobras e os Correios, o partido liderado por Lula já deixou claro logo no primeiro programa político do segundo turno que não abrirá mão daquilo que sabe fazer de melhor quando pressente o menor sinal de ameaça ao seu projeto de tomada definitiva do poder. Sob as bênçãos do sumo pontífice da seita, a santanidade do mago do marketing político não se constrangerá em tentar convencer o eleitorado das virtudes de um coração valente. Resta saber se ele terá competência suficiente para esconder o vazio ético de uma alma covarde.debvate
Mais uma vez, assistiremos ao mais refinado espetáculo da sordidez. O debate de alto nível com a apresentação de propostas dará lugar a um rosário interminável de mentiras, de armações, de ataques pessoais, de manipulação dos fatos visando ludibriar o eleitor. Uns por necessidade, muitos por interesse, se deixarão encantar pelo mantra à empulhação escrito por João Santana e recitado à exaustão por Dilma. Mais que desconstruir o adversário, urge destruir o inimigo. Porém, tudo indica que a sociedade brasileira já se cansou desse modo canhestro de fazer política e a recepção festiva ao apoio à candidatura de Aécio Neves de lideranças expressivas, entre elas Renata Campos, viúva do ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos e Marina Silva, terceira colocada no primeiro turno com mais de 20 milhões de votos, sinaliza a chegada de dias de mudanças.
“Os desatinos que vêm assolando nosso país há praticamente nove anos, infelizmente, demandarão o esforço de gerações para recolocá-lo nos trilhos do desenvolvimento”, escrevi há algum tempo. “No entanto, apesar de todos os percalços, haveremos de ver triunfar a lisura e a retidão. Ainda que tardia, despida da toga servil maculada pela gratidão irrestrita, a história se incumbirá de fazer justiça a esses vendilhões da pátria. É só uma questão de tempo”. Hoje, esse tempo de ajuste de contas legitimado pelo voto não está tão distante quanto me parecia em 2010.verba escolar1

14 out 2014 Posted by | ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, ARTIGOS, CRESCIMENTO ECONÔMICO, CRISE ECONÔMICA, ELEIÇÕES, GOVERNO, POLÍTICA | Deixe um comentário

Radiografia.

Radiografia.

Este texto do Guzzo forma uma imagem real dos fatos atuais e do comportamento do atual governo

com sua propaganda falsa, esperando que a tese do Lula de que uma mentira repetida incansavelmente

se transforma magicamente em verdade, seja realmente um fato consumado.canalhas 2

Eta Brasil………

Vamos que vamos

Dinheiro falso’, de J.R. Guzzo
PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA DE VEJAdedo duro 2
J.R. GUZZO
Governos que mentem para o público o tempo todo acabam mais cedo ou mais tarde mentindo para si mesmos e, pior ainda, acreditando nas mentiras que dizem; o resultado é que sempre chegam a uma situação em que não sabem mais fazer a diferença entre o que é verdadeiro e o que é falso. Eis aí onde veio parar o governo da presidente Dilma Rousseff nestes momentos decisivos da campanha eleitoral. Muito pouco do que está dizendo faz nexo – resultado inevitável do hábito, desenvolvido já há doze anos, de navegar com o piloto automático cravado na contrafação dos fatos e na falsificação das realidades.
Entre atender à sua consciência e atender a seus interesses, o governo jogou todas as fichas na segunda alternativa, ao se convencer de que seria muito mais proveitoso tapear o maior número possível de brasileiros com a invenção de virtudes do que ganhar seu apoio com a demonstração de resultados. Não compensa: para que fazer toda essa força se dá para comprar admiração, cartaz e votos com dinheiro falso? Foi o que concluíram, lá atrás, os atuais donos do país. Agora, como viciados em substâncias tóxicas, vivem na dependência da embromação; está muito tarde para mudar, e a única opção é continuar mentindo até o dia das eleições. Sua esperança é que a maioria dos eleitores, como acontece com frequência, ache mais fácil acreditar do que compreender.
Para se ter uma ideia de onde foram amarrar nosso burro: o estado-maior da campanha de Dilma considerou que sua vitória mais importante no primeiro debate entre os candidatos foi ter escapado “de todas as perguntas difíceis”. É triste. Quando a verdade é substituída pelo silêncio, ensina o poeta Ievgeni Ievtushenko, o silêncio torna-se uma mentira – talvez seja, aliás, sua modalidade mais eficiente. A partir daí, vale tudo, e por conta disso os brasileiros têm ouvido as coisas mais extraordinárias por parte do governo.eleitores 2
Os candidatos da oposição, sobretudo Aécio Neves, foram publicamente acusados, por exemplo, de já terem decidido fazer uma recessão econômica se forem eleitos; no mesmo momento, comicamente, saíram os resultados da economia nos primeiros seis meses de 2014, mostrando que o Brasil andou para trás nos dois primeiros trimestres do ano. Ou seja: a recessão que os adversários iriam provocar no futuro já está sendo praticada pelo governo Dilma no presente. Na média dos seus quatro anos, por sinal, será o pior desempenho econômico do Brasil desde o presidente Floriano Peixoto.
fraudes 2Diante dos canais de concreto em ruínas na obra de transposição do Rio São Francisco, que, segundo as mais solenes promessas do ex-presidente Lula, estaria pronta em 2010, depois em 2012 e hoje é um mistério em termos de prazo, Dilma disse em sua propaganda eleitoral que a culpa do atraso é da “curva do aprendizado” – ou seja, pelo que dá para entender, ainda não aprendemos a fazer direito esse tipo de coisa. Ainda? O Canal de Suez está pronto desde 1869, o do Panamá desde 1914; será que já não deu tempo de aprender?
A Ferrovia Norte-Sul, que vem sendo construída pelos governos Lu¬la-Dilma desde 2005, e que foi inaugurada mais uma vez em maio, continua fechada ao tráfego de trens, por falta de equipamentos – para piorar, ladrões vêm roubando os trilhos. São os únicos, além das empreiteiras, para quem a ferrovia tem tido alguma utilidade. O programa de formação de mão de obra técnica, descrito como “o maior do mundo”, formou até agora mais de 100 000 recepcionistas e manicures – o triplo do número de mecânicos. Em suma: já nem é mais um caso de mau governo. É anarquia.
Um dos diretores mais influentes da Petrobras durante o governo do PT, tão graduado que assumiu 24 vezes a presidência da empresa em substituição aos titulares, está na cadeia desde março, entalado em espetaculares denúncias de corrupção; foi figura-chave na tenebrosa compra da refinaria americana de Pasadena e está no centro da investigação sobre as negociatas na construção da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, um pesadelo cujo custo final pode passar dos 20 bilhões de dólares. Indagada a respeito, Dilma nada respondeu. Preferiu dizer que o grande problema da empresa foi a sugestão, feita no governo Fernando Henrique, de trocar o nome da Petrobras para “Petrobrax” – apenas uma ideia tola, de vida curtíssima e sem importância nenhuma. E a economia parada? “Eu criei 5,5 milhões de empregos”, diz a candidata. Como assim – “eu criei”?
Uma mentira começa com o ato de fazer o que é falso parecer verdadeiro.

Acaba deste jeito: em alucinação.petrobras 2

15 set 2014 Posted by | ÉTICA, CRESCIMENTO ECONÔMICO, CRISE ECONÔMICA, ELEIÇÕES, GOVERNO, POLÍTICA | , | Deixe um comentário

Enganação e hipocrisia.

Enganação e hipocrisia.

Os dirigentes da nação, comandados pela presidente que com o seu alto conhecimento da língua pátria criou uma nova categoria excluindo o substantivo comum de dois, onde o gênero fica explicito pelo artigo do sujeito e não pela terminação do substantivo, inventando para si mesma o honroso título de presidenta(?).

O professor Helio Fontes, suposto autor de um texto que recebi por email diz o seguinte sobre este assunto:

“SUA EXCELÊNCIA, A SENHORA PRESIDENTA DILMA”

Agora, o Diário Oficial da União adotou o vocábulo presidenta nos atos
e despachos iniciais de Dilma Rousseff.

As feministas do governo gostam de presidenta e as conservadoras
(maioria) preferem presidente, já adotado por jornais, revistas e
emissoras de rádio e televisão, afinal os veículos de comunicação têm a
ética de escrever e falar certo.

* * *

Na verdade, a ordem partiu diretamente de Dilma: ela quer ser chamada
de Presidenta. E ponto final.

Por oportuno, vou dar conhecimento a vocês de um texto sobre este
assunto e que foi enviado pelo leitor Hélio Fontes, de Santa Catarina,
intitulado “Olha a Vernácula”

Vejam:

No português existem os particípios ativos como derivativos verbais.
Por exemplo: o particípio ativo do verbo atacar é atacante, de pedir é
pedinte, o de cantar é cantante, o de existir é existente, o de
mendicar é mendicante.

Qual é o particípio ativo do verbo ser? O particípio ativo do verbo ser é
ente.
Aquele que é: o ente. Aquele que tem entidade.

Assim, quando queremos designar alguém com capacidade para exercer a
ação que expressa um verbo, há que se adicionar à raiz verbal os
sufixos ante, ente ou inte. Portanto, à pessoa que preside é
PRESIDENTE, e não “presidenta”, independentemente do sexo que tenha.

Se diz capela ardente, e não capela “ardenta”; se diz a estudante, e
não “estudanta”; se diz a adolescente, e não “adolescenta”; se diz a
paciente, e não “pacienta”.

Um bom exemplo seria:

“A candidata a presidenta se comporta como uma adolescenta pouco
pacienta que imagina ter virado eleganta para tentar ser nomeada
representanta. Esperamos vê-la algum dia sorridenta numa capela
ardenta, pois esta dirigenta política, dentre tantas outras suas
atitudes barbarizantas, não tem o direito de violentar o pobre
português, só para ficar contenta.”

Assim ela pareceria mais inteligenta e menos jumenta.

Não bastasse esta cretinice demagoga, inventaram agora, uma nova lei, proposta pelo excelentíssimo ministro que comprou o título de doutor, plagiando uma tese de outrem Aloísio Mercadante, e sancionada pela presidente (a) de que nos diplomas conste também o gênero feminino e não somente o masculino ou o comum de dois.

Coisa de maluco que não tem mesmo o que fazer.

De acordo com o colunista Celso Arnaldo de Veja on Line, um diploma de um homem que terminou o curso técnico de torneiro seja descrito como sua profissão, “Torneiro Mecânico” e uma mulher que terminar o mesmo curso seja classificada como “Torneira Mecânica”.

É mole minha gente, com tanta coisa a ser feita, esta administração está preocupada com estas mesquinharias que em vez de solucionar algum problema vai criar embaraços na vida da futura Torneira Mecânica.

A primeira vez em que me vi envolvido com um sufrágio nacional foi em 1960 na eleição do Jânio Quadros.

Com apenas 16 anos, eu ainda não votava, mas participava das opiniões em casa, onde o meu pai votaria no General Teixeira Lott e parte da família votaria no Jânio Quadros.

Como reza a história ganhou a esperança do povo de mudança ética personalizada pela vassoura do candidato Quadros, que jurava varrer para o lixo toda a corrupção existente no país desde ou antes da república.

Eleito o Professor de português Jânio Quadros, tomou posse democraticamente e se instalou no recém inaugurado palácio da Alvorada.

Logo se encantou pela mordomia e dizem os historiadores que passava horas em fio assistindo filmes de faroeste na sala de projeção do palácio e bebendo cachaça da boa.

Seus primeiros atos foram um desastre, pois em vez de se preocupar com os problemas sérios herdados de seu antecessor, ele se preocupou com ninharias como proibir brigas de galos, exibição de soutiens em vitrines e proibir mulheres de usar biquínis na praia pública, e outras besteiras como estas. Sua primeira obra civil foi à construção de um horrível pregador de roupa que está lá até hoje, para servir de moradia a centenas de pombos na praça dos três poderes.

O seu governo durou apenas sete meses. Houve até uma anedota de que a UDN (partido do Jânio) que levou vinte anos para fazer um filho e o fez de sete meses!

Este novo governo está nos mesmos moldes das imbecilidades.

E temos problemas de sobra, somos de acordo com as estatísticas internacionais a sexta economia do mundo. Isto não é mérito do governo, pois o nosso PIB (Produto Interno Bruto) cresceu por conta do preço das comodites que exportamos e que subiram vertiginosamente. A distribuição de renda continua desigual, a nossa infraestrutura de energia transportes, segurança e educação estão pela morte. E a nossa indústria está diminuindo ano a ano em favor das importações principalmente da China com produtos baratos feitos com mão de obra escava.

O Power Point abaixo ilustra uma das rodovias federais.

Veja se na sétima economia do mundo, a Inglaterra tem algo semelhante!!!

 

CUIABA-MT – SANTAREM – PA

15 abr 2012 Posted by | ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, ARTIGOS, CRESCIMENTO ECONÔMICO, GOVERNO, POLÍTICA | 2 Comentários

A tecla maldita

Eu tenho repetido nos inúmeros artigos deste blog sobre o assunto que encontrei hoje no blog do Giulio, e escrito pelo jornalista Laurence Bittencourt.

A nossa pobreza, digo a miséria existente na nosso país, é e sempre foi conveniente aos senhores de engenho, aos políticos, e as migalhas que se estendem a estes pobres e miseráveis durante as campanhas políticas, servem mais é para esconder os milhões roubados do erário. Milhões estes que se usados racionalmente, melhoraria o sistema de saúde, melhoraria a educação, e melhoraria o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) brasileiro que é uma vergonha internacional.

Recentemente, na primeira campanha do Lula, foi o tal “Fome Zero”, o carro chefe da campanha dele, que simploriamente o  levou a almejar até um prêmio Nobel pelo programa, que tentou estender para os outros países pobres.

Bem o IBGE, (órgão do próprio governo) seis meses dentro do governo Lula, publica uma estatística que o maior problema no Brasil não era a fome e sim a obesidade. Isto matou o tal programa.

Não sem antes de morrer, este programinha para inglês ver, gerou uma ONG, comandada pela Lurian Carneiro (Cordeiro?), filha ilegítima do Lula e pela distinta Idelí Salvati. Esta ONG, denominada “Rede 13” recebeu do governo Lula 7 milhões de reais, e arrecadou de empresários no sul, outros 20 milhões.

Não prestaram conta de nada, todo o dinheiro sumiu, e o tal arrumador das merdas do governo, o tal com nome de chuveiro, Lorenzetti, foi por lá, sumiu com todas as provas e acabou sorrateiramente com esta ONG.

A fome dos brasileiros que não existia, ELEGEU o Lula e enriqueceu parte de sua família.

 E por aí vai, na segunda campanha, foi a tal Bolsa família, que sim melhorou algumas famílias com migalhas, enquanto distribuía milhões para os empresários, banqueiros, e que foi crivada de ilegalidades e roubos descarados.

Com toda a distribuição de renda apregoada pelo governo, a melhora no IDH foi mínima, e o tal crédito que possibilitou a classe mais pobre melhorar o conforto de sua vida diária, agora está criando uma bolha inflacionária que preocupa o governo e que resulta no maior juro cobrado no mundo enriquecendo ainda mais os banqueiros.

Escolas, nada. Educação nada.  E agora vem a copa e as olimpíadas, para enganar ainda mais os brasileiros desinformados, e colocar mais dinheiro roubado nas mãos dos espertalhões.

Eta Brasil…..

Agora leiam o artigo:

A POBREZA E A CORRUPÇÃO SERVEM A QUEM?

01/09/2011 por Giulio Sanmartini Deixe um comentário

Laurence Bittencourt (*)

Nunca a máxima “a pobreza só serve mesmo aos políticos” esteve tão presente nas nossas vidas. A exploração da miséria, da falta de independência financeira, sempre foi uma constante na vida cotidiana dos brasileiros, no entanto, nunca pareceu tão evidente como agora em tempos de corrupção e impunidades visíveis.

Como não engulo a explicação de que “é porque agora se apura mais”, o que a meu ver, só serve para aumentar e consolidar as resistências para a manutenção do status quo atual, ou seja, em última analise só serve para manter a corrupção e a miséria, cujos beneficiários são os mesmos, os políticos.

Ora, é fácil por dedução perceber que nossas resistências ao capitalismo vêm dessa absorção de que é a manutenção da “política pela política” que iremos resolver os nossos problemas. A pergunta é: por que não resolvemos?

Muito da história da humanidade se deu com a passagem dos sistemas feudais e aristocráticos (sem falar da escravidão) para o sistema capitalista. Não vou mencionar o comunismo (ou socialismo) porque simplesmente ruiu no mundo, ou seja, não deu certo. Ah, eu conheço o argumento (resistência?) de que é porque aonde foi “implantado” o que houve não foi o “verdadeiro comunismo”. Essa é ainda a mística mantida a ferro e fogo em países, por exemplo, como os da América Latina.

Bom, mas voltando a minha linha de raciocínio, penso que a não adoção do pensamento moderno, capitalista, democrático, continua sendo o grande entrave ao nosso real desenvolvimento. O incrível e o paradoxo é que, por mais incipiente que seja, é esse mesmo capitalismo que continua financiando o Estado e conseqüentemente a “vida burguesa” dos nossos políticos. Ou você tem dúvidas do padrão de “vida burguesa” dos nossos políticos? Incluindo, claro, os de “esquerda”?

Temos uma democracia que não é democracia (somos obrigados a votar) por culpa dos políticos, temos um padrão de comportamento amoral visivelmente por culpa dos políticos (que se auto protegem e se impõem a própria impunidade), temos uma exploração da miséria (e não só em época de campanha “oficial”) por culpa dos nossos políticos. E, no entanto, temos que conviver com essa mesma classe política.

Ok, o povo também é responsável por que “vende seu voto”. Mas pense comigo de quem realmente é a culpa: quem pode mudar esse quadro? São os miseráveis que estão necessitando ou seria a chamada classe dominante? Penso também que temos um povo passivo (é muito do nosso caráter), mas é possível se esperar mais de quem teve e tem condições de alimento, de boas escolas, para mudar esse quadro. Eles querem? Vá lá: nós queremos?

01 set 2011 Posted by | ABUSOS LEGISLATIVOS, ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, ÉTICA, CRESCIMENTO ECONÔMICO, EDUCAÇÃO, ELEIÇÕES, GOVERNO, POLÍTICA | Deixe um comentário

O peso do estado.

O peso do estado.

Há algum tempo não escrevo nada para o blog.

Não tem desculpa. Tenho mesmo é que escrever o que me preocupa como pessoa, como cidadão, como pai responsável, como pagador de impostos. A falta de tempo, a falta de inspiração, sentir mal, sair de férias (isto nunca acontece, mas poderia ser usado como desculpa), nada deveria impedir que eu escrevesse neste espaço. Portanto, volto hoje com um assunto que realmente me preocupa: A carga tributária brasileira.

Encontrei hoje no blog do Noblat – http://oglobo.globo.com/pais/noblat/#170238

Um editorial do “Estado de São Paulo” muito bem escrito sobre este assunto. Vou publicar na íntegra e volto depois com alguns comentários.

Enviado por Ricardo Noblat –

25.12.2009

| 12h11m

Deu em O Estado de S. Paulo

Lula e o peso do Estado (Editorial)

O presidente Lula voltou a defender a carga tributária imposta aos brasileiros, indispensável, segundo ele, para a manutenção de um Estado forte.

A tributação brasileira é apontada em todas as comparações internacionais como grave desvantagem para o País, porque onera a produção, esfola o consumidor, torna as empresas menos competitivas e dificulta a criação de empregos.

Mas para o presidente os impostos e contribuições pagos no Brasil são razoáveis e adequados a um Estado “capaz de fazer alguma coisa”.

“Vou deixar claro para vocês: não imaginem um país com carga tributária fraca”, disse ele a exportadores num encontro no Rio de Janeiro, na terça-feira.

Horas depois, o Congresso aprovou uma lei orçamentária com novas bondades para o funcionalismo, novo aumento do Bolsa-Família, generosas emendas paroquiais – como sempre – e um acréscimo de R$ 7,3 bilhões à verba de R$ 22,5 bilhões prevista inicialmente para o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

Um dia antes do encontro com os exportadores, o presidente havia falado sobre a possível conversão de alguns incentivos setoriais em benefícios permanentes.

Esses incentivos foram concedidos como parte da política antirrecessiva. Mas o governo não considera, como ficou claro no discurso de terça-feira, a hipótese de uma desoneração mais ampla e organizada, recomendada pelos especialistas em competitividade.

Isto dá uma primeira ideia da equivocada concepção de Estado “forte” do presidente Lula. Um Estado não pode ser forte quando impõe à economia uma tributação irracional e restringe a expansão produtiva, a exportação e a criação de oportunidades.

O presidente confunde gordura e peso com força. A tributação brasileira equivaleu a cerca de 36% do Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro semestre, apesar dos incentivos fiscais e da perda de arrecadação causada pela crise.

Mesmo na recessão, o setor público arrecadou muito mais, proporcionalmente, do que a carga tributária dos demais países emergentes.

Essa tributação não se traduz em melhor educação e em serviços melhores que os de países com impostos mais leves.

Cerca de 20% dos brasileiros com idade igual ou superior a 15 anos são analfabetos funcionais, isto é, incapazes de ler e entender uma mensagem ou uma instrução simples.

Isso é apenas mais uma amostra de como os brasileiros pagam caro para receber muito pouco do setor público em serviços de educação, saúde, segurança e justiça.

Apesar da notória improdutividade do governo brasileiro, o gasto federal com a folha de pessoal aumentou 49% em sete anos, contados a partir do primeiro semestre de 2002. Esse foi um aumento real, isto é, acima da inflação.

“Não faremos arrocho salarial”, disse o presidente Lula na segunda-feira, rejeitando a ideia de fixar para 2010 um objetivo fiscal superior a 3,3% de superávit primário. Essa meta mais ambiciosa poderia compensar o afrouxamento de 2009 e conter o endividamento público.

Mas o presidente causaria enorme surpresa se aceitasse uma política mais austera, especialmente em ano de eleições. Quanto à palavra “arrocho”, foi certamente usada de forma imprópria, depois dos aumentos acumulados em vários anos. Esses aumentos foram concedidos abertamente ou embutidos em “reestruturações” nunca traduzidas em melhores serviços.

O próximo ano, disse também o presidente, será um período de investimentos liderados pelo setor público. Daí seu interesse em reforçar financeiramente os programas de obras. Mas investimentos governamentais não dependem apenas de palavras.

Competência para elaborar projetos e para executá-los é um requisito indispensável. Essa competência não tem sido exibida pelo governo nem pela mãe do PAC, a ministra Dilma Rousseff.

Neste ano, até 22 de dezembro, o Tesouro desembolsou apenas 53,7% do valor previsto para investimentos do governo federal, incluído o chamado PAC orçamentário. Esses desembolsos incluem restos a pagar de exercícios anteriores.

Só com muito otimismo se pode esperar para o próximo ano maior competência na execução das funções públicas federais. Mas pode-se apostar na manutenção – se não no aumento – da escorchante carga tributária, útil para manter o empreguismo e a ineficiente máquina estatal.

Uma carga imensamente desproporcional, enfim, aos serviços oferecidos aos esfolados contribuintes.

Voltei com alguns comentários:

Este edital, no momento em que li, carregava 19 comentários, e estes estavam bem diversos e ecléticos com vários sabores para qualquer tipo de paladar.

Um dos primeiros destes comentários criticava de forma negativa o editorial escrito, defendendo muito o governo Lula e sua atuação na crise econômica, dizendo que se o estado não estivesse forte quando esta crise apareceu, não teríamos tido o desempenho que tivemos no desenrolar do problema. O comentarista citou até elogios do ex-ministro Delfin Neto sobre o desempenho do governo. Eu confesso que perdi estes elogios. E este comentarista defende também o “Estado Forte”.

Logo abaixo, vinham outros que criticavam este comentarista de forma veemente, citando que a URSS, foi o estado mais forte de que se têm notícias e deu no que deu. Outro citou Cuba e Coréia do Norte como exemplos de estado forte, e onde a democracia está comprometida pelo fato de existir o “Estado Forte”.

Eu apenas li os comentários, não comentei. Vou fazer aqui com mais espaço e com mais privacidade, em minha própria casa.

A carga tributária brasileira é a maior do mundo, se levar em consideração o potencial para arrecadação. Se todos os impostos e taxas forem coletados, com zero de sonegação, teríamos que entregar para o governo gerenciar, 80% te toda a riqueza nacional.

O atual sistema existente foi criado em uma época anterior à informatização, e onde estava contemplada, uma sonegação de 70% dos impostos aplicados. Isto deixava o governo com uma arrecadação de 30% do PIP (Produto Interno Bruto) que apesar de um pouco alta estaria dentro dos parâmetros de nações em desenvolvimento.

Com o desenvolvimento dos sistemas arrecadatórios através da informatização, e de outros mecanismos mais eficientes, ficou difícil sonegar impostos, e a arrecadação está em alta. Mesmo durante a crise econômica, onde o PIB caiu, a arrecadação manteve e até aumentou.

Isto em um país onde os níveis de corrupção medidos pela transparência internacional não foram nada bons. (http://www.transparency.org/policy_research/surveys_indices/cpi/2009/cpi_2009_table)

Ficaram em 75º, junto com a Colômbia, o Peru e Suriname com a nota de 3,7, onde a maior nota é dez. Em outras palavras fomos reprovados. O Uruguai e o Chile obtiveram nota 6,7 e foram aprovados. Os métodos empregados para atingirem o objetivo das pesquisas, incluem 13 estatísticas incluindo a opinião do povo. Foram pesquisados 180 países e estamos acima da média no número 75. (a média seria o nº 90)

Com estas estatísticas seria possível confiar 80% do seu ganho pessoal para ser

administrado pelo “Governo mais forte”?

E depois de ler em todos os jornais e assistir pela televisão, homens públicos colocando dinheiro nas meias, agradecendo a Deus pela contribuição dos corruptos, onde declarações de gastos de campanha, mesmo sendo de caixa 1, são muito maiores do que todos os salários do cargo somados, mais o caixa dois que não foi declarado. Você acha que o governo forte conquistou o direito de gerenciar o seu dinheiro, fruto de seu trabalho?

O artigo do editorial fala com propriedade que o Lula confundiu um “Governo Forte” com um “Governo Gordo” o que de forma nenhuma é a mesma coisa.

O governo está recolhendo atualmente, 40% do PIB em impostos e taxas.

Quando na campanha eleitoral de 2002, a taxa de impostos era de 35% do PIP, o Lula candidato considerou em alto e bom tom que esta taxa de impostos era extremamente extorsiva, e deveria ser reduzida para o país poder crescer. Eu não votei nele, e nunca esperei que ele cumprisse as metas impostas por ele mesmo, de reforma tributária (Somente se fosse para crescer), reforma da previdência, reforma política.

Os defensores deste governo logo gritam que o presidente depende do congresso, e não pode fazer reformas apenas como executivo. Mas eu confronto que não foi nem tentado nada neste rumo. Ao contrário, a CPMF, que era um imposto extorsivo, indecente, e prejudicial para a produção, foi defendido com unhas e dentes pelo governo, com ameaças e mentiras, que afortunadamente não funcionaram e nos livramos deste imposto. As reformas políticas proposta, não são profundas e não mudam a situação, e ainda favorecem a pilantragem. E não houve nenhuma tentativa de reforma tributária.

E além dos impostos e taxas legais, tem algumas coisas que realmente me deixam de mau humor. São impostos indiretos, como multas de trânsito. Eu tirei a minha habilitação em 1962. Nunca tive um acidente de transito, nunca fui multado antes, e depois de introdução dos famosos “Pardais”, eu pago todos os anos, inúmeras multas por dirigir apenas dois ou três quilômetros por hora além do limite permitido. Isto é arrecadação irregular de dinheiro do cidadão. Outra coisa que eu fico pensando, é que eu tenho que trabalhar com meu carro, sou um pequeno empresário. Gasto uma média diária de combustível de R$ 75,00. 62% do preço de combustível é imposto para o governo. Dos R$ 75 pagos, eu contribuo com R$ 46,5 para os cofres do governo. Este imposto, não pode ser deduzido de nada. Se preencher um formulário completo, pode parcialmente ser deduzido no IR como despesa da empresa, mas é uma dedução parcial onde os impostos pagos de outros meios deveriam carregar uma dedução total, pois imposto em cascata é contemplado como inconstitucional e irregular.

Houve uma tentativa de que os preços nas lojas e super mercados, apresentassem a carga tributária paga pelo comprador, em cada artigo na prateleira. Esta tentativa não foi aprovada e não deu em nada, pois não tinha interesse do governo de que o povo ficasse informado da quantidade de impostos que paga sem pouca ou nenhuma contrapartida.

Existe um movimento chamado imposto único, de autoria do economista Marcos Cintra, – http://www.marcoscintra.org/novo/ – Este imposto, é uma espécie de CPMF com uma alíquota maior, de 1% da movimentação bancária.

Esta Alíquota daria uma arrecadação de 35% do PIB, que é mais do que suficiente para tocar o país (sem corrupção é claro) e eliminaria todos os outros impostos, toda a burocracia, todas as notas fiscais, e os bancos teriam uma função mais nobre, de recolher impostos, sobre o dinheiro manuseado por eles. Com este imposto único seria muito mais fácil detectar a corrupção, lavagem de dinheiro, e muito mais justo, pois quem movimenta mais dinheiro paga mais. Seria impossível sonegar portanto a corrupção empresarial perderia uma de suas maiores fontes.

E, sabe do pior, este projeto, já tramitou em todas as comissões de economia e desenvolvimento do congresso, foi aprovado por todas elas, e está aguardando na fila para ir à votação no plenário desde 2001. (PEC 474/01)

O Marcos Cintra em seu site, fala em um plebiscito para aprovar este imposto, e eu sou definitivamente contra esta medida, pois invariavelmente resulta em outras consultas e é a meu ver dirigido e antidemocrático.

Sou sim a favor de um abaixo assinado, tipo do que ocorreu com a lista limpa, para colocar imediatamente em votação a medida do imposto único, que se encontra na fila, e um apoio integral da população para que seja votada com voto aberto no plenário.

Eu sei que este congresso não vai votar uma medida destas voluntariamente, pois colocaria uma saia justa nas suas maracutaias, mas a força do povo pode favorecer a votação favorável do imposto único.

Um feliz natal e um bom ano de 2010 para todos

25 dez 2009 Posted by | ÉTICA, CRESCIMENTO ECONÔMICO, CRISE ECONÔMICA, ECONOMIA, GOVERNO, IMPOSTO ÚNICO, POLÍTICA, REFORMA POLÍTICA | Deixe um comentário

Perguntas respostas e lorotas.

Perguntas respostas e lorotas.mais-marolinha-1

Encontrei este artigo na coluna da Miriam Leitão. Este foi seu comentário hoje na CBN.

Achei muito bem balanceado e verdadeiro, além de óbvio. Eu continuo perguntando novamente, porque é que as pessoas em geral não conseguem enxergar o rumo que este idiota está levando o Brasil?

Leiam a coluna da Mirian:

É hora de mais seriedade

O presidente Lula adotou uma nova metáfora para falar da crise. Disse que ela não passa de uma gripe, e que brasileiro “cabra macho” não pode deixar de trabalhar por conta disso. O presidente deveria, primeiramente, se lembrar das mulheres, já que grande parte da força de trabalho do país não é composta de “cabras machos”.mais-marolinha

A declaração é politicamente incorreta e é economicamente equivocada. Não estamos passando por uma gripe, o Brasil teve uma queda muito forte de produção industrial e ainda sofreu uma retração de 3,6% do PIB.

O grande problema dessa análise populista do presidente é que ela subestima a crise. E quando você subestima uma crise, você não se prepara para ela, o diagnóstico está errado. Falando em português claro, para que o presidente compreenda, se o paciente tem uma pneumonia e o médico receita remédios para gripe, é certo que ele vai piorar.

A crise é forte e é preciso remédios fortes. Como qualquer infecção, ela é oportunista e vai atrás das fragilidades do organismo. E o Brasil tem várias fragilidades, entre elas um governo que gasta demais e tributa demais todos os setores da economia.

Melhor seria dizer: “a crise é grave, mas vamos trabalhar para vencê-la”. É preciso confiança, mas com um discurso que tempere a gravidade da situação para a população.

É hora de mais seriedade, presidente. Vamos trabalhar, mas isso não significa subestimar a crise. Essa é a função do líder.brasil-no-lixo

O meu amigo Maninho me enviou por e-mail, um Power-Point com várias perguntas. Como este programa fica muito grande e difícil de colocar no Blog, reverti AM formato DOC e vou responder a estas perguntas.

1. Por que o presidente do povo usa terno Armani?

Resposta: – como mandatário principal, que recebeu 60 milhões de votos, seja ele do povo ou não, deve sempre se apresentar de maneira impecável, para que os outros países vejam o presidente como uma figura de destaque. Até aí bem esta é a razão da existência do fato que gerou a pergunta. Mas o Lula tem um problema, o Armani nele parece que saiu de um espantalho, ou de outra pessoa porque ele não tem nenhum porte para usar ternos ou coandoosacooutra roupa de mais luxo. lula-mostrando-o-cerebrolulaO Armani no Lula parece um diamante no rabo de um bode. Puro desperdício.

2. Por que o presidente do povo pode ter ensino fundamental incompleto e um gari necessita de ensino fundamental completo?

Resposta: – Não existe em nenhuma lei, nenhum requisito para que o candidato tenha que ter ensino superior ou médio ou qualquer outro, apenas para que não seja analfabeto, o que o Lula apenas cumpre. Eu nunca vi nada escrito por ele, e ele detesta ler qualquer coisa até jornal de esporte, como ele admitiu. Quem não gosta de ler, é um analfabeto funcional. Quanto ao gari, o concurso para o cargo exige ensino fundamental, então tem que ter.o-livro-do-lula

Eu já postei vários artigos com uma mudança política onde qualquer cargo político ou contratação política, como ministro ou secretários, deva ter um diploma de educação política, ética e administração pública. Sem estes requisitos, não poderia ser candidato. Se existisse algo assim, o Lula não estaria aí envergonhando tudo e todos.

3. Por que o presidente do povo acumula aposentadoria por invalidez, aposentadoria de dep. federal, pensão vitalícia de ‘perseguido político isento de Imposto de Renda, salário de presidente de honra do PT e salário
de presidente da república?

Resposta: – O Brasil é o país da lei de Gerson, onde algumas pessoas incluindo o presidente têm que tirar proveito de qualquer ocasião e como o Lula não acredita emfora-a-etica ética, e a lei permitindo, ele nada de braçada engordando o patrimônio. Tem que haver mudanças na lei para coibir este tipo de coisas. Mesmo sendo contra a lei, eles incluindo o presidente vão continuar agindo, mas pelo menos existe a oportunidade de ser pego.

4. Por que o presidente do povo é perseguido político, sendo que passou apenas UMA noite no DOPS?

Resposta: – Outra vez os furos na legislação permitem então ele esbanja. Mas não é somente ele, o seu irmão mais velho, o tal Frei Chico que não é nem frei nem Chico, passou 15 dias preso por baderna e desacato às autoridades, e recebeu uma indenização e um salário vitalício mensal. Até o Cony, recebeu, o Ziraldo, a Zélia, é tudo uma festa. O advogado das indenizações, que pega 20% dos ganhos, não é outro que o Greenhalg, sabe quem é? Foi ele que ajudou a enterrar o caso do Celso Daniel e foi ele que defendeu e soltou o José Rainha, assassino e líder dos sem terra.

E corrigindo a pergunta, o Lula passou 31 dias preso, mas com muita mordomia, e nunca foi torturado. Durante a sua prisão, a sua mãe faleceu e ele foi solto para comparecer ao velório.

5. Por que o presidente do povo comprou um avião da concorrente da Embraer?

Resposta: – Eu já expliquei esta em alguns artigos no blog, mas vou fazer um resumo. A compra do AB 319, uma aeronave fora de linha e defasada, foi arranjada pelo compadre do Lula, o Roberto Teixeira, que está no ramo da aviação. Se um jato da Embraer fosse comprado, haveria mais transparência e as comissões e superfaturamentos ficariam mais difíceis. E então. Entra o Dirceu, o Okamoto, e o Compadre arruma tudo. Compra-se uma aeronave antiga e defasada, por um preço muito mais caro, e divide-se a comissão e o suborno pelos arquitetos da maracutaia.aerolula A desculpa de que se necessitaria de uma aeronave moderna para poder ir de Brasília à Europa sem reabastecer, é lorota. O AF51, não consegue levantar de Brasília, que está a 1000 metros de altitude com o tanque cheio. Então tem que fazer escala no Rio de Janeiro, nível do mar para poder levantar com toda a carga de combustível. E tem mais, o antigo sucatão, um Boeing 707, é muito mais avião do que o AF51. Na época da compra eu pesquisei e por 12 milhões de dólares, poderia modernizar totalmente o sucatão com motores tubo-fan, os mesmos do Airbus, só que quatro, em vez de dois, com maior velocidade e autonomia do que o atual Airbus. A empresa que faria as conversões tem páginas na internet, e existem vários destes aviões voando sem nenhum caso de acidente. Mas as comissões e suborno seriam bem menos.

6. Por que o presidente do povo se aposentou por invalidez apenas por ter um dedo a menos e hoje trabalha como presidente do Brasil?

Resposta: – Ele não trabalha e nem nunca trabalhou em sua vida. Sempre foi um jeitinhoas-qualidades-do-lula para cá, ou para lá e ele sempre se acomodou sem trabalhar. Ele realmente não é chegado. Quanto à aposentadoria, é novamente a legislação que permite e pronto lá vai o Lula tirando todas as vantagens.

7. Por que o presidente do povo protege seus amigos comprovadamente corruptos e nunca aconteceu nada com ele?

Resposta: – Porque a gente deixa, não existe oposição, e a legislação é muito fraca. Apenas o PT, motivou as massas e conseguiu os caras pintadas para saírem às ruas e fazer pressão para o impedimento do Collor. Este foi expulso por muito menos do que o Lula fez. Aparte disto, o FHC mudou a lei do impeachment durante o seu governo e ficou realmente mais difícil se expulsar um presidente.

8. Por que o presidente do povo se vangloria de não ter estudo e ser filho de mãe analfabeta e acha normal ter filhos estudando fora do Brasil?

Resposta: – Eu acredito que o Lula, seja mais uma vítima da precariedade do ensino no Brasil. Ajuntando esta precariedade com a falta de força de vontade para estudar, deu no que deu e temos um presidente que nos enche de vergonha. Quanto aos seus filhos estudarem no exterior, tendo as oportunidades é válido. O Roberto Teixeira, que ficou muito rico com os contratos superfaturados nas prefeituras do PT no ABC paulista, e em Ribeirão Preto com o Palocci, mostrou um pouco de gratidão, e pagou os estudos dos filhos do Lula.

9. Por que o presidente do povo quando do seu mandato de Dep. Federal, não participou da vida parlamentar do Congresso?

Resposta: – Esta é fácil, ele não sabia o que fazer e para continuar enganando, ficou de longe, apenas observando. De vez em quando, quando tinha certeza que não seria interrompido e nem argüido ele fazia algum discurso inflamado, sem nenhum nexo aparente e cheio de erros gramaticais e concordância. No Youtube aparecem alguns destes

10. Por que o partido do presidente do povo tem ligação com as FARC e ninguém comenta isto?

Resposta: – Comentam sim, existem vários blogs que comentam e mostram os fatos. Mas entra novamente a legislação brasileira, onde para se investigar qualquer destas ligações tem que se pedir muita permissão, e no primeiro mandato, o Lula convidou para o ministério da justiça, que manda na Polícia Federal, um brilhante advogado criminal, que soube tirar vantagens dos furos legais e parou qualquer investigação que poderia atingir o presidente ou o seu partido.

O Dr. Márcio Thomas Bastos, quase se estrepou no caso Palocci e logo depois se afastou. Para não ser atingido pelos respingos daquele caso foi muito difícil.

11. Por que a mulher do presidente do povo não faz absolutamente nada?mudancas

Resposta: É a mesma coisa, ela é totalmente incompetente e coitada ela é apenas uma baranga que casou com um líder sindical que virou presidente. Ela costurou a primeira bandeira do PT. Coisa de baranga. Depois, com a estrela vermelha habitando o seu cérebro, não pode produzir mais nada. Tentou destruir um patrimônio tombado, desfigurando um dos jardins do Burle Max, com uma estrela vermelha.estrelanojardim Corrigiram este problema e depois disto foi somente fazer caipirinha e curar as ressacas do Lula.

12. Por que o presidente do povo não sofreu impeachment como o Collor sofreu?

Resposta: – Esta eu já respondi acima. Houve uma mudança na legislação desta competência no governo FHC.

13. Por que a candidata Heloísa Helena foi expulsa do PT e o José Dirceu (dep. cassado) e Antonio Palocci (indiciado por quebra ilegal de sigilo bancário e outros crimes) não o foram?

Resposta: – Esta é novamente uma diferença em ideologia. A Tuma da Heloisa e do Babá, queriam a maneira radical e ideológica da esquerda tradicional. O estado mandando em tudo, estatizando tudo de volta, não pagando compromissos. Não havia em seus planos tirar vantagens pessoais nem ficarem ricos. Como a turma do Lula não entrou na deles, eles começaram a boicotar votações, e criarem dificuldades para a turma do mensalão. Aí na teve jeito, tiveram de se livrar deles

14. Por que o presidente do povo nunca soube das coisas do partido e do governo dele, MAS SABE DE TUDO SOBRE OS GOVERNOS ANTERIORES?

Resposta: – Ele sabe melhor do que ninguém. Sabe de tudo. Sabe tudo sobre a morte do Celso Daniel. Sobre a morte do Toninho do PT, sabe tudo sobre o mensalão, sabe de tudo sobre o dinheiro dos aloprados, sabe de tudo sobre a compra do Aero lula, e dos governos anteriores, ele não sabe quase nada. As asneiras que ele diz sobre o JK ou o Getúlio Vargas podem encher de vergonha até os ignorantes como ele. Acontece que durante debates e alguns discursos escritos por outros, ele é ligeiramente instruído a dizer coisas de efeito sobre governos imediatamente anteriores aos dele. Como por exemplo, chamar o governo do FHC de herança maldita.

15. Finalmente, a pergunta mais difícil de todas: Por que tantos intelectuais, cientistas, professores universitários, reitores e outros membros da nata do país continuam apoiando o presidente do povo?

Resposta: – Fanatismo, ignorância ou cumplicidade

25 mar 2009 Posted by | ABOBRINHAS, ÉTICA, CRESCIMENTO ECONÔMICO, CRISE ECONÔMICA, ECONOMIA, EDUCAÇÃO, GOVERNO, POLÍTICA, Respostas | 5 Comentários

Peleguismo

Peleguismo.

perleguismo

Eu fico impressionado com a capacidade do Lula em convencer as pessoas de que ele é a salvação do Brasil, e um exemplo para o mundo.

Ele nunca me convenceu.

Eu sempre vi no Lula um retrato do Sindicato Brasileiro, que diferente de outros sindicatos, usa uma taxa compulsória para existir, faz muito pouco para os sindicalizados, e não tem que prestar contas.

Este terreno fértil para proliferação da desonestidade, do peleguismo, e para vantagens em uso próprio foi a escola do Lula.

Ali ele aprendeu a mentir, usar as pessoas certas, e a roubar o dinheiro do sindicato para ajudar em suas ambições pessoais e políticas. Daí para ser presidente e fundador de um partido político foi um pulo pequeno e este partido tem como alicerce os fundamentos sindicais, onde todos os fundos são para uso dos dirigentes que não têm que prestar contas.

Foi esta singeleza de atitude para com o dinheiro público ou da tesouraria dos sindicatos ou partidos políticos, que alimentou as peripécias do mensalão e outros escândalos, que apenas por ser o Lula, o imigrante pau de arara que chegou lá, foram tolerados pela população durante tanto tempo.

A bonança causada por seis anos ininterruptos de crescimento global também ajudaram a tolerar as peripécias do Lula.popularidade

Mas como tudo no mundo, tudo tem um fim e a sorte do Lula tomou uma quinada para pior com esta crise. Como tudo foi festa durante seis anos, festa e mentiras, o Brasil não se preparou para uma eventualidade como agora e a turma do barulho, está sem rumo.

Não existe nenhum plano para tirar o Brasil desta crise.

Para os que não acreditam nos problemas do futuro podem se atualizar no artigo abaixo:

Encontrei isto hoje na coluna da Miriam Leitão:

http://oglobo.globo.com/economia/miriam/

Coluna Panorama Econômico

Nau sem rumo

A crise já atingiu o Brasil há meses, mas o governo ainda não formulou qualquer resposta à altura. Se o governo tivesse mantido suas despesas com pessoal e previdência em proporção do PIB, no patamar de 2003, teria R$ 75 bilhões a mais para investir. As decisões tomadas nos últimos anos limitam a resposta governamental, a tendência de subestimar a crise é um complicador a mais.

A conta acima foi feita pelo economista político Alexandre Marinis, da Mosaico. Os gastos com pessoal subiram de 4,2% para 5% do PIB, as despesas previdenciárias, em parte pelos aumentos reais do salário mínimo, subiram de 5,9% para 7,2% do PIB. Como são despesas que não podem ser reduzidas, o governo não tem muita margem agora para fazer política contracíclica. E há mais gastos em andamento.

— Apenas para 2009, o Orçamento da União prevê que o Executivo [sem o Judiciário e Legislativo] contratará mais 30.879 servidores, a um custo anual de R$ 1,8 bilhão. Além disso, prevê a substituição de mais 19.423 terceirizados, a um custo de R$ 678 milhões. Como o governo Lula aumentou o quadro de servidores civis e militares em 298.232 servidores, podemos dizer que as contratações custaram R$ 17,2 bilhões por ano aos contribuintes. Como a maioria das contratações foi efetuada a partir do ano eleitoral de 2006, temos um impacto total nas contas públicas de R$ 51,7 bilhões — diz Alexandre Marinis.

Números estarrecedores, que mostram exatamente o peso que o estado brasileiro assumiu para os próximos anos e décadas e que, neste momento, limita a ação do governo.

Os aumentos salariais são outro peso.

— Só em 2008, conforme dados do Ministério do Planejamento, a reestruturação de cargos e carreiras teve impacto de R$ 30,5 bilhões nos gastos de pessoal — conta Marinis.

Isso impactará, no médio e longo prazos, os gastos da previdência pública, que já tem déficit anual de R$ 43 bilhões em 2009.

— Em síntese, os dados mostram que o governo Lula cometeu um tremendo erro de estratégia fiscal ao contratar um número excessivo de servidores e reajustar seus salários em demasia. Este erro custará caro ao país, já que agora não tem recursos para enfrentar o tsunami mundial que já varre emprego e crescimento no Brasil — conclui Alexandre Marinis.

Além da estratégia errada nos tempos do boom, o governo não tem estratégia agora para enfrentar a crise. Foram tomadas medidas tópicas, o Banco Central acudiu as emergências bancárias que estouraram em outubro, quando secou o crédito externo. O presidente Lula suou de palco em palco, desde o início da crise, em discursos em que apostava no improvável: o Brasil não seria atingido.

Um líder não pode dizer que o país será derrotado. Mas basta comparar com o que os outros presidentes dizem: todos admitem a gravidade da crise, todos avisam que esse é um ano terrível, todos alertam para os perigos, e a partir destas constatações é que passam a convocar o país para a superação da crise. Assim faz presidente Barack Obama o tempo todo. Assim faz o presidente da França, o primeiro ministro do Reino Unido. Mas para ficar num exemplo mais emergente, até o primeiro ministro chinês, Wen Jiabao, de um país conhecido pela absurda capacidade de censurar as informações até na web, disse claramente, ao abrir a reunião anual do Congresso, que este seria “um dos anos mais difíceis da história da China”.

A crise é grave, chegou há meses ao Brasil. Só nos últimos dias, o país soube que a produção industrial de janeiro caiu 17%, que o PIB teve queda de 3,6% no último trimestre de 2008, que o governo arrecadou R$ 10 bilhões a menos do que previa no primeiro bimestre, que o Ministério do Trabalho registrou quase 800 mil empregos perdidos de novembro a janeiro, que a Fiesp contou 235 mil postos de trabalho eliminados de outubro para cá. Ninguém precisa de um novo número para saber que a crise está entre nós. Cabe ao governo ter uma equipe que lide com o problema com seriedade, que se antecipe aos fatos, que saiba em que direção está indo. Não há uma ação que resolva tudo. Portanto, o plano habitacional que está sendo aguardado há meses, se for bem formulado, será uma parte da resposta. Mas não toda ela.

O governo Lula teve duas vantagens. Primeiro, recebeu de herança uma economia que tinha feito avanços importantes, como a estabilização, as metas de inflação, o câmbio flutuante, a Lei de Responsabilidade Fiscal e a autonomia do Banco Central. Segundo, o país passou a ser extraordinariamente favorecido pela onda internacional de crescimento, provocada em grande parte pela bolha de crédito americana. A alta das commodities metálicas, o boom de comércio de alimentos, o aumento do fluxo de comércio, a explosão do fluxo de capitais de toda a natureza.

Estar preparado para aproveitar uma boa onda é tão importante quanto saber que ela é temporária leva a decisões sensatas. Foi o que alguns países fizeram, como o Chile, ao montar um fundo para acumular o excesso de receitas dos bons tempos. O governo Lula tomou algumas decisões certas, como a de manter o superávit primário, acumular as reservas, aumentar os gastos com os muito pobres. Mas ele desperdiçou o bom momento ao interromper o ciclo de reformas que preparariam o país para tempos mais duros e ao aumentar de forma extravagante as despesas que não pode cortar.

O improviso diário do presidente, as apostas do ministro da Fazenda, o ensaio de campanha da ministra da Casa Civil não vão resolver a crise. Podem aprofundá-la.

transformacao

15 mar 2009 Posted by | AUTORITARISMO, ÉTICA, Cinismo, CRESCIMENTO ECONÔMICO, CRISE ECONÔMICA, GOVERNO, POLÍTICA | 3 Comentários

O Lula, o Câncer e o Tsunami.

O Lula, o Câncer e o Tsunami.uma-bonita-historia

Outro dia, lendo com sempre faço as repercussões e o pulso da mídia geral encontrei um artigo do coronel, (http://coturnonoturno.blogspot.com/) muito bem escrito e apropriado para a atual situação.

O Blog do Coronel tem sido chamado de “Apócrifo”, pois o autor é apenas parcialmente identificado como Coronel e se proclama professor.

Seria muito bom que ele se identificasse totalmente para dar mais transparência aos seus bons artigos como este que vou reproduzir abaixo.

O Roque Sponholz , sem nenhum medo se identifica totalmente e suas criticas ao governo são realmente pesadas e muito bem feitas.

Lula e o câncer.pego-na-mentira

Lula disse ontem a empresários que a “coragem” do vice-presidente José Alencar deve servir de “inspiração” para vencer os obstáculos da crise. Na sua luta contra o câncer, Alencar recentemente passou 27 dias internado por conta de uma cirurgia no abdôme para retirar nove tumores cancerígenos.A seguir, Lula narrou a volta de Alencar ao Planalto, sorridente e bem-disposto. “O caso dele deve me inspirar, inspirar os ministros e toda a iniciativa privada”, disse. Se para Lula o Brasil está com câncer, ele não foi contraído nos últimos seis meses, mas sim nos últimos seis anos em que o aparelho petista está no comando do país. Não podemos esquecer que enquanto o câncer roía a economia por dentro, Lula comemorava a ausência dos seus efeitos, espalhando aos quatro ventos o famoso “nunca na história deste país”. O remédio lulista contra o câncer que aí está sempre foi anestésico ou de uso tópico. A Bolsa Família. Os empréstimos consignados. O empreguismo dos 200 mil companheiros. O mensalão. O loteamento do país com os corruptos do PMDB. A roubalheira dos fundos de pensão. Os juros estratosféricos. A dívida pública interna impagável. O deficit público que cresce 10% mais do que o PIB. E, por último, um coquetel de drogas denominado PAC. Mesmo com o câncer se espalhando por todo o corpo, Lula continua tratando o doente com o remédio do populismo e do curandeirismo político. Não vem aí a casa de graça para o moribundo? O câncer petista está levando o país para um estado terminal. Ao contrário de Alencar, que tem o Sírio-Libanês, o povo brasileiro tem apenas a fila do SUS. Desejamos que, pelo menos lá, os 84% finalmente descubram quem vem há seis anos matando o país. O nome deste câncer é Luiz Inácio Lula da Silva e extirpar este imenso tumor é a única chance de sobrevivência.

Postado por Coronel às 08:07:00eleitores-do-lula

Eu tenho criticado em vários artigos as coisas mencionadas no artigo do coronel, a falta de transparência, a falta de programas, o PAC, uma grande enganação, a falta de ética e honestidade, e principalmente a falta de capacidade de administrar o país.

Enquanto a coisa ia de carona na maré mansa do crescimento global, o Brasil ia de carona, e aproveitando a marola positiva. Se houvesse um pessoal competente para administrar a boa onda, em vez de estatizar tudo novamente, em vez de se concretizar dando esmolas, em vez de falar tantas mentiras, em vez de criar um programa mentiroso como o PAC onde os investimentos agendados nada mais são do que o que se haveria de fazer normalmente com os projetos de longo e médio prazo da Petrobras, que são 70% dos investimentos do PAC, o Brasil estaria bem melhor, e em situação de encarar esta crise olhando de cima para baixo em vez de se sentir acuado, e sem nenhum plano diretor para gerenciar esta crise.

O Grande enganador, primeiro chamou a crise de marolinha, depois ameaçou ligar para o Bush e mandar-lo cuidar de seus problemas sem envolver o Brasil, depois disse que o Natal deveria ser dos melhores já visto pelo povo brasileiro que deveria gastar sem dó nem piedade porque a crise não se instalaria no Brasil. Este discurso foi depois da CVRD a Vale ter despedido mais de cinco mil trabalhadores. Ele disse que esta ação era falta de cidadania por parte da Vale. Ah bom, os impostos que a Vale paga ao governo e os dividendos que o governo tira, de lá de dentro, são conseguidos com uma administração enxuta e coerente, não com cabide para empregos como era antes.

Os fornecedores internacionais cancelaram todas as ordens futuras e o Magnânimo gostaria que a Vale continuasse minerando apenas para que não houvesse desemprego.

Por causa disto é que as estatais não podem dar certo.

O mesmo discurso foi feito depois que a Embraer, sem nenhum pedido novo e com os antigos cancelados despediu 4.000 funcionários.

E ainda o único plano para contornar esta crise foi fazer de conta que ela não existe.

E seu competente ministério, para puxar saco bateu em cima desta tese aclamando uma previsão de crescimento de 4/5% ao ano para 2009. O MMM, ou seja, Ministro Mantega Mentira, quando confrontado com a verdade pelos repórteres sobre as previsões de menos de 1%, saiu com esta pérola: lula-e-deus

– “A nossa meta continua sendo 4% de crescimento para 2009, se existem previsões diferentes, é problema das previsões, eu garanto que não vamos nos afastar de nossas metas”.

Que beleza ministro que beleza…..

No Estadão de hoje encontrei um bom artigo:

http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20090313/not_imp338121,0.php

o Autor , *Dionísio Dias Carneiro, economista, é diretor da Galanto Consultoria e do IEPE/CdG

terminou com um parágrafo interessante, e que poderia servir de modelo para os incompetentes que andam falando abobrinhas por todo o congresso e ministérios:

“O Brasil precisa de um diagnóstico realista. A exemplo de outros países, há um excesso de marketing político (“ a crise é dos ricos, eles que resolvam”, agora eles precisam do Estado”). Mas não há marketing bem-sucedido se não houver produto a vender. No caso da política, sem capacidade de processar os conflitos e encontrar uma estratégia nacional a partir de um diagnóstico adequado, não há como convidar empresários e consumidores a surfar uma onda que pode ser um tsunami.”

tsunami4

13 mar 2009 Posted by | ABOBRINHAS, CRESCIMENTO ECONÔMICO, CRISE ECONÔMICA, GOVERNO, POLÍTICA | Deixe um comentário

Resposta à Johnny

Resposta à Johnnyinterrogacaoppg

Em um post antigo, (https://rleite.wordpress.com/2007/04/06/sera-falta-de-informacao/)

Publicado no dia 6 de abril de 2007, recebi o comentário abaixo:

caro amigo só queria te perguntar uma coisa
o que prefere presidentes que falam abobrinhas e faz do nosso pais um pais digno lá fora e aqui dentro , um presidente que mudou a cara do brasil , um presidente que melhorou a exportação e que deu uma guinada no nosso país ou um que n fale abobrinhas e que somente afunde o nosso brasil como foi o presidente anterior fhc ?

( despreze as letras minúsculas )

um fraterno abraço
obs: n sou de nenhum partido e tenho apenas 18 anos
obridago !!!!

Respondo:farca-do-inacio

Caro Johnny,

Em primeiro lugar quero agradecer sua visita, e o seu tempo gasto com seu comentário.

E agora quero responder ao seu comentário:

Quando você nasceu, a inflação no Brasil inflacaoalcançou um nível nunca visto de mais de 200% ao ano, causado principalmente pelo fracassado “Plano Collor”, comandado pela Drª. Zélia Cardoso. Depois o Itamar Franco, na época Vice-presidente do Collor, assumiu a presidência e chamou o Chanceler FHC para ser o ministro da Fazenda e comandar um plano para acabar com a inflação.

Foi uma grande responsabilidade, sem a menor possibilidade de erro, pois o Brasil não agüentaria outro plano mirabolante que não poderia funcionar.

grafico_inflacaoO FHC formou uma equipe de economistas sérios principalmente da PUC/RJ, comandados pelo economista Pedro Malan.

Foi criado então o plano real que passou a tratar a economia com uma diferença básica, passando por um sistema intermediário chamado URV.

No regime inflacionário, as contas do Brasil, eram pagas com dinheiro impresso sem nenhum lastro, o que instantaneamente promovia a inflação. inflacao-e-moeda

Os contratos com o governo eram todos superfaturados, pois para sobreviver, as empresas, que seriam pagas com dinheiro sem lastro, colocavam em seus contratos o preço da inflação. Os assalariados, não recebiam esta diferença no salário e apenas uma vez ao ano eram reajustados e seu poder aquisitivo diminuía sempre. Era um regime muito injusto onde as empresas cresciam e os funcionários decresciam. Isto estava acontecendo desde o início dos anos 70.

Com a formação do novo plano, acabou o dinheiro sem lastro, e neste caso faltou dinheiro para o governo pagar as suas contas. Foi então necessário elevar drasticamente os impostos pagos pelo povo para se ter dinheiro para cumprir as obrigações assumidas.

Os impostos que estavam na casa dos 25% do PIB, em pouco tempo estavam em 36% do PIB, o que era e continua sendo muito alto.

Ainda com esta elevação, foi necessário privatizar muita coisa que no momento desta mudança era apenas cabide de emprego e sempre deficitário.

E foi criado, já no Governo FHC, o projeto de privatização onde foram privatizados com muita polêmica, a Vale, as teles, e muitas outras pequenas empresas do governo que não serviam para nada útil.privastizacoes

A elevação dos impostos, e as privatizações, foram severamente criticadas pelo PT e os políticos do PT inclusive o Lula constantemente iam ao plenário pedir o impedimento do FHC.

Os bancos brasileiros, que somente operavam com a inflação ficaram desorientados com o novo regime e começaram a falir, e então foi criado pela equipe econômica o PROER, que quando o banco falia, pagava os pequenos depositantes até 10.000 reais e o governo assumia os ativos do banco e processava os donos. Esta prática foi severamente criticada pelo Lula, e os políticos do PT.

Este programa foi extinto em 2001, com um saldo positivo de seis bilhões de reais.

Com este programa, os bancos sérios brasileiros ficaram mais fortes, nenhum depositante tomou calote, e os bancos pilantras foram eliminados e os donos processados.

A justiça brasileira que precisa de uma reforma urgente, ainda não resolveu os casos e estes processos vão ser encerrados por tempo.

Com as vendas das estatais, a inflação sob controle, os impostos teriam que ser gradativamente diminuídos, para alcançarem um patamar de 20% do PIB ao ano possibilitando com isto um crescimento contínuo e sustentável.

Somente não aconteceu durante o governo FHC, por causa de três crises internacionais muito severas, a da Ásia, a crise da Rússia que declarou concordata e a pior para o Brasil foi a crise da Argentina que é o maior parceiro do Brasil.

Com estas crises, não foi possível diminuir os juros que em seguia diminuiriam os impostos.

Em 2002, com a aproximação das eleições e com a possibilidade de se eleger o Lula que em sua campanha, falava em re-estatizar tudo, declarar moratória, acabar com o “Superávit Primário” (dinheiro para garantir o pagamento dos juros) houve um temor por parte dos empresários e bancários que retraiu o dinheiro e causou uma inflação artificial de 12% ao ano, e que estava neste patamar quando o Lula assumiu o comando da nação.

Não foi feito nada de drástico nos seis primeiros meses e o Lula contratou o Meireles, que era do partido do FHC e um grande economista formado em engenharia mecânica e civil, para comandar o plano Real. Com isto, houve tranqüilidade por parte dos empresários e a inflação foi novamente para baixo ficando nos patamares atuais.

Durante o governo Lula, foram criadas mais 37 estatais, e contratados 300.000 funcionários públicos, foram criados os planos de distribuição de renda sem nenhum propósito para finalizar, (esmola) e desta forma o custo de governar alcançou níveis nunca vistos no Brasil. Os impostos que deveriam ir abaixando gradativamente foram subindo, e no momento estão a mais de 42% do PIB, em uma nova forma de medir inventada pelo IBGE, aparelhado para isto pelo governo.

Pela medida antiga que vigorava no governo FHC a porcentagem tarifária seria atualmente 44% do Pib, uma das mais altas do mundo, sem nenhuma contra partida.

A saúde está igual ou pior do que quando o Lula assumiu, a educação está visivelmente pior e a segurança pública não se pode nem falar, pois está muito pior do que no governo FHC.

Se houvesse um governo sério após o FHC, que tivesse aproveitado a bonança do crescimento global sem nenhuma crise, baixado os juros, e as tarifas e impostos, o Brasil teria crescido muito mais, e talvez nesta enorme crise que não é nenhuma marolinha com, diz o Lula, estivéssemos em uma posição para assumir o comando econômico do mundo. O que está segurando os bancos brasileiros, incrível ou não foi o PROER tão criticado pelo Lula durante o governo FHC.

O Lula há pouco tempo em uma de seus acessos de ignorância chegou a oferecer para o Bush o PROER para resolver a crise bancária americana (E que não resolveria, pois não foi desenhado para isto, mas o Lula que nunca entendeu não poderia saber).

Durante a campanha eleitoral o Lula prometeu o “Fome Zero” que morreu, a reforma tributária, pois não se poderia sobreviver com impostos tão altos, e aumentou mais ainda, disse que a reforma previdenciária era falta de vontade política e sua solução foi mandar para fila os velhinhos para provar que estariam vivos, prometeu  o programa primeiro emprego que morreu, aproveitou o programa assistencial de Dna. Ruth Cardoso que era o “Bolsa Escola” com tempo determinado e contrapartida programada, e mudou para “Bolsa Família” sem tempo determinado e sem contrapartida, em outra palavras uma esmola permanente que tira qualquer incentivo para melhorar o desempenho familiar.crusadinha

E querido Johnny, eu me sinto envergonhado por este desperdício, por esta alta taxa de impostos, e mais ainda pelas ignorâncias destiladas pelo Lula. Sinto muito mais vergonha da falta de ética do governo, tornando descaradamente multimilionário o seu filho Fábio Luiz, a sua filha ilegítima Luriam, os gastos desenfreados da primeira dama com cartões corporativos, e sinto vergonha de ao ler os jornais estrangeiros ver o seu presidente ser alvo de piadas e de constrangimentos constantes como dormir na reunião da ONU, de aproveitar os aplausos dirigidos ao presidente da ONU Cofie Anan e dizer que foram para ele. E outras coisas assim, que emanam de seu governo como o asilo político a criminosos ficando diplomaticamente inferior a paises antes nossos aliados.

Por sua idade declarada você apenas viveu desde os 11 para 12 anos, início de sua idade cognitiva na era Lula que está permeada de mentiras.

Em sua tenra idade, investigue estas posições apresentadas acima e poderá ver, sem nenhum fanatismo que o Brasil perdeu durante o governo do Lula uma ótima oportunidade de ficar infinitamente melhor do que está.

Para apenas não falar mal quero dizer que o maior mérito do governo Lula está em manter a política econômica que foi implantada a duros custos e durante duras crises no governo FHC e que também foi duramente criticada por ele durante este mesmo tempo. Eu sinto vergonha deste cinismo por parte do dirigente da nação.

Você pelo que parece vai votar na próxima eleição e deveria aproveitar para entender um pouco antes de exercer a escolha que poderá afundar ainda mais o Brasil.

Tenha um bom dia e muito sucesso em sua vida.pibinho

Roberto Leite

11 mar 2009 Posted by | ÉTICA, CRESCIMENTO ECONÔMICO, CRISE ECONÔMICA, ECONOMIA, EDUCAÇÃO, GOVERNO, POLÍTICA, Respostas | Deixe um comentário

-Mais obras, mais mentiras?

-Mais obras, mais mentiras?

Estão se aproximando dos seis anos de governo do PT. Eu digo governo, porque foi para isto é que ele foi eleito com o voto de 60 milhões de brasileiros. aranha-do-planalto

Para governar.

O que seria governar?passeando-mais

Seria em primeiro lugar, dar continuidade aos programas de governo que ele herdou do governo anterior, e que estariam dando certo e beneficiando os cidadãos do país. Em segundo lugar seria cumprir as promessas de campanha, em que ele frisou e repetiu inúmeras vezes seriam sua prioridade com o a redução da carga tributária segundo ele a mais nociva e perniciosa já imposta ao povo brasileiro. Segundo ele também a primeira coisa que faria quando começasse a governar seria mandar ao congresso uma reforma tributária para reduzir esta perniciosa carga aos brasileiros.

Depois, outras inúmeras vezes na campanha, ele frisou de forma contundente que a reforma da previdência era coisa de vontade política, e que a previdência seria em seu governo uma instituição limpa e eficiente, pois para isto somente seria necessário a vontade política e que dinheiro sobrava na previdência e que era mantida na penúria por motivos espúrios.

Houve outras coisas que prometeu, como reforma política, ETC, mas estas duas foram incansavelmente repetidas.cuidando-dos-bandidos

Em terceiro, o mandatário em um regime presidencialista sério, deveria tentar diminuir os gastos federais para que sobrasse dinheiro para as obras de infra-estrutura do país, obras estas que permitiriam ao país uma curva ascendente de progresso continuado, mesmo depois de sua administração terminada.

E quarto, em uma administração séria deveria haver transparência nos gastos do governo, deveria ser evitado o favoritismo e o nepotismo, e qualquer suspeita deveria ser imediatamente investigada e se o suspeito estivesse ocupando um cargo político de confiança deveria ser temporariamente e imediatamente afastado para que as acusações fossem propriamente apuradas.

E o que foi que o Lula fez?

Nada, e nada.fome-zero-de-fato

O Lula herdou de seu antecessor uma estabilidade monetária nunca vista na história do Brasil. Havia sim uma pequena onda inflacionária, devido às incertezas dos investidores em suas ações futuras sobre a economia. Estas incertezas eram justificadas pelos pensamentos retrógrados de uma facção petista, que insistia em reestatizar tudo o que fora privatizado, recontratar todos demitidos por justa causa com as privatizações e outras coisas como moratória da dívida, fim do superávit primário, etc.

Quando o Lula contratou um técnico do governo anterior para gerir as finanças do país, e manter o sistema financeiro herdado, os medos se amainaram e a tendência inflacionária acabou.

Demagogicamente como de praxe, ele apregoa sabendo ser mentira, que ele herdou uma economia em estado calamitoso e que foi o seu governo que colocou ordem na casa.

Durante o governo anterior, a economia se manteve todo o tempo em cheque devido a crises internacionais e nacionais. A crise da Ásia em 1997, a da Rússia com moratória em 1998, em 2001 houve uma crise nacional do Apagão, que foi causada por motivos técnicos e climáticos e a crise do nosso maior parceiro no continente que foi a crise da Argentina em 2001/02.contornando

Durante o atual seis anos de governo, o crescimento global foi o maior da história moderna, e não houve nenhuma crise econômica que pusesse em cheque o sistema econômico até o momento. A atual crise que tem proporções muito superiores às crises do governo anterior vai colocar e governo Lula em sua primeira prova real de controle econômico.

O gráfico abaixo ilustra um pouco até 2005, a tendência de crescimento do PIB mundial e que continuou até a presente crise econômica. Este crescimento contínuo levou junto o Brasil do Lula.

Durante estes anos de bonança, o governo deveria ter aproveitado e investido pesado em infra-estrutura para poder nos momentos de crise, ter um pouco de paz sobre as necessidades imediatas.

O governo Lula não fez nada disto, apenas acumulou uma reserva econômica, que apesar do bom tamanho, não dará para sustentar o Brasil em uma crise que promete ser demorada para se acalmar. Sem nenhuma infra-estrutura melhorada, o Brasil não vai se desenvolver, e a reserva acumulada não poderá aprimorar a infra-estrutura agora que toda a economia global vai diminuir ou se acomodar.

E a reserva acumulada é do tamanho da dívida externa. O serviço da dívida do Brasil atual consome a metade da arrecadação anual.

E a maior prova da falta de trabalho deste governo, é a ausência total de qualquer obra de infra-estrutura de qualquer porte, que foi iniciada e terminada neste governo. A única exceção foi a inauguração sem realmente ter terminado, da plataforma P51 da Petrobrás com três anos de atraso. O governo vem incessantemente inaugurando canteiros de obras, início de obras, sem ter terminada nada. Inaugurou algumas obras iniciadas no governo passado como a duplicação da rodovia entre Brasília e Goiânia, e outras pequenas obras. Em energia, comprou várias pequenas e emergenciais usinas termo-elétricas, Perdeu as refinarias da Petrobrás na Bolívia, investiu dinheiro do BNDES (o que é constitucionalmente proibido) no Peru, na Venezuela e em outros países. Não criou ou terminou nem uma hidroelétrica de porte projetada para a rede de estabilidade energética nacional.

Os programas sociais, de ajuda, foram modificados com cunho eleitoral e se transformaram em programas assistencialista perenes e sem data para terminarem. O programa Luz para Todos, foi parcialmente implementado com ajuda de alta corrupção pelas empreiteiras. O programa fome Zero, foi inaugurado em uma cidade pobre da Paraíba, que em recente análise estava pior do que antes do programa. E por aí vai o trabalho de seis anos de total letargia e inutilidade.honestidade

E a política de ética, transparência, e de responsabilidade fiscal apregoada constantemente nas campanhas políticas, foi para o espaço. O filho mais velho do atual casamento, o Flávio Luis, se mostrou um gênio da informática e se tronou o mais novo milionário do Brasil. O Compadre Roberto que lhe emprestou uma casa para morar a fundo perdido, ganhou vários favores do governo como a venda da Varig para a Gol, com misterioso perdão das dívidas fiscais. A comissão e os honorários admitidos foram a princípio 300 mil, depois de outras provas descobertas cresceram para 1,5 milhões, depois de outras provas foram apresentadas continuaram a crescer para 2,7 milhões e até hoje não se confirmou qual foi a repartida final de dinheiro dessa transação.

Então ética e transparência foram esquecidas depois da eleição e neste tocar da carruagem, a soma dos feitos em seis anos de governo foi muito pequena em verdade. Quase nada foi realmente executado pelo executivo.

Gráfico de crescimento do PIB mundial até 2005

grafico

Este artigo recente de Veja on Line, mostra mais uma das faces deste desgoverno do PT.

Veja on line

União

Imposto sobe 7 vezes mais que salário

12 de novembro de 2008

Os impostos líquidos sobre produção e importação subiram 7,7% entre os anos de 2000 e 2006, enquanto que a renda do trabalhador teve uma expansão de apenas 1% no mesmo período, revelam dados divulgados nesta quarta-feira pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). Os números fazem parte do estudo Distribuição Funcional de Renda no Brasil: Situação Recente, baseado na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios e no Sistema Nacional de Contas, ambos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O levantamento aponta ainda que, no período avaliado, o governo gastou no pagamento de juros da dívida pública mais de oito vezes o que destinou ao setor da educação. Ao total, os juros consumiram 1,268 trilhão de reais dos cofres públicos, ao tempo que somente 149,9 bilhões de reais foram reservados à educação, de acordo com o Ipea. No setor da saúde, o montante também foi bem menor do que o usado para o pagamento de juros: 310,9 bilhões de reais, ou quatro vezes menos.

Segundo o IPEA, os gastos da União com saúde, educação e investimento entre 2000 e 2007, somados, equivalem a 43,8% das despesas com juros no período. E na avaliação do próprio órgão, o gasto com juros é “considerado improdutivo, pois não gera emprego e tampouco contribui para ampliar o rendimento dos trabalhadores, termina fundamentalmente favorecendo a maior apropriação da renda nacional pelos detentores de renda da propriedade”.

Quanto aos rendimentos dos brasileiros, o estudo do IPEA concluiu que os trabalhadores mistos (que têm meios próprios de geração de renda) foram os mais prejudicados entre os anos de 2000 e 2006. De acordo com a pesquisa, eles viram sua remuneração diminuir em 21,1% no período. Já a renda dos proprietários (obtida na forma de lucros, juros, aluguéis e renda da terra), cresceu 2,4%, mais do que o dobro dos salários dos trabalhadores (1%). No total, a renda nacional evoluiu 19,3% no período, segundo o instituto.

13 nov 2008 Posted by | ÉTICA, CRESCIMENTO ECONÔMICO, GOVERNO, POLÍTICA | Deixe um comentário

Certamente, talvez…..

Certamente, talvez…..

Certamente, talvez seja uma das maiores crises que o mundo já viveu”.(Lula da Silva)

Que tremenda falta faz uma escolinha básica ao seu presidente.

Sem uma boa escola básica, que o presidente menospreza e despreza as 300.000 vagas universitárias que ele está apregoando vão ser preenchidas por pessoas como ele e o que sair destas vagas universitárias estarão envergonhando o mundo com suas asneiras.

Exatamente como ele.

E as obras do PAC (Programa de Aceleração da Corrupção)?

Desde que foi implementado, não pararam de sair notícias sobre as irregularidades nas obras do PAC.

Para início de conversa, o tal PAC, nada mais é do que as obrigatoriedades orçamentárias do governo sob um novo nome de mercado. 70% destes investimentos serão feitos pela Petrobrás, que já constavam de seus planos orçamentários de longo prazo. Os restantes 30%, são as obras que deveriam ter sido feitas no primeiro mandato, que foram esquecidas em favor do aparelhamento da máquina e o inchaço no governo.

Depois que a infra-estrutura desabou, o governo resolve fazer a toque de caixa o que deveria ter feito e que não foi feito e chama isto de PAC.

O resultado é o que se esperava, sem controle e com metas impossíveis de serem cumpridas, os recibos e notas são esquecidos em favor da urgência, o superfaturamento vira uma constante, e o contribuinte se encarrega de cobrir este enriquecimento ilícito.

Este enriquecimento não é privilégio das obras do PAC, o Flavio Luiz da Silva, não está executando nenhuma obra do PAC e se enriqueceu repentinamente, e provavelmente ilicitamente.

Na inútil e perigosa OBRA DA TRRANSPOSIÇÃO DAS ÁGUAS DO RIO SÃO FRANCISCO, o encarregado da obra, Agatunado Gedel Vieira Lima, gastou os primeiros 90 milhões com poucas ou nenhuma nota fiscal ou empenho regularizado e a obra foi embargada pelo TCU.

Vocês estão lembrado da famosa operação de emergência “Tapa Buracos” pouco antes das eleições de 2006 ?

Pois é 90% destas obras estão em dívida com o TCU, por falta de justificativa dos gastos.

O seu presidente (meu eu garanto que não é) como recompensa por este escalavro, por suas famosas abobrinhas ganha em uma pesquisa (questionável) 80% de aprovação do seu governo.

É mole?

Para não ficar como apenas fofoca reproduzo uma recente reportagem sobre as obras deste governo, e apenas a mais recente de várias que geralmente aparecem nas notícias.

Com estas freqüentes notícias e esta aprovação de 80%, fica evidente que 80% dos eleitores usam o jornal apenas para limpar o rabo

Leiam a reportagem:

TCU pede a paralisação de 48 obras da União

LORENNA RODRIGUES
da Folha Online, em Brasília

Atualizada às 16h26

O TCU (Tribunal de Contas da União) recomendou nesta terça-feira a paralisação de 48 obras federais, sendo 13 do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento). A recomendação foi feita ao Congresso Nacional, que é quem decidirá pela paralisação ou não das obras.

Entre as obras do PAC está a construção do terceiro terminal de passageiros em Guarulhos (SP). O tribunal encontrou sobrepreço no projeto básico, além de restrições à competição no edital e outras irregularidades no documento. O tribunal pediu também a paralisação da reforma do aeroporto Santos Dumont (RJ), que, de acordo com o tribunal, apresentou alterações indevidas no projeto.

O tribunal pediu ainda a retenção do pagamento de 12 obras. O órgão encontrou ainda 78 obras com irregularidades, mas não recomendou a paralisação. Das 153 obras fiscalizadas, apenas 15 não tinham ressalvas.

A previsão é que as recomendações do tribunal tragam uma economia de R$ 3 bilhões aos cofres públicos. O total de obras fiscalizadas soma R$ 26 bilhões.

No ano passado, o tribunal determinou a paralisação de 77 obras, entre as quais a transposição do rio São Francisco

02 out 2008 Posted by | ABOBRINHAS, ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, ÉTICA, CRESCIMENTO ECONÔMICO, GOVERNO, PAC, POLÍTICA | Deixe um comentário

O Grande comunicador?

O Grande comunicador?

Todos os dias, eu encontro nos jornais ou nas colunas políticas da rede, notícias sobre o grande comunicador Lula.

Em um artigo muito bom do Jabor, este disse que estamos diante de um fenômeno de comunicação que descobriu uma nova fórmula de aplicar os ensinamentos de Maquiavel – Mais refinado – Se isto for possível –

Eu fico então pensando:

“- Devo ser realmente insensível, pois não consigo sentir onde está o convencimento estratégico do Lula ou posso até estar vacinado contra este encantamento das covinhas sorridentes ou contra o medo de sua carranca raivosa.”

“-Devo estar realmente fora da realidade, pois não consigo encontrar nenhuma obra de médio para grande porte, que foi iniciada e terminada em seus governos. Ele já está no poder a mais tempo do que o JK a quem ele gosta de se comparar, mas o JK iniciou e entregou, várias obras de porte gigantesco, incluindo a nova capital, rodovias, usinas hidroelétricas, aeroportos, ETC. E olhe que o JK enfrentou várias crises políticas e oposição ferrenha.”

“- Não devo ser uma pessoa patriótica, pois não encontro nenhuma obra de cunho social, que tenha sido iniciada ou mantida em seu governo, que tenha causado impacto na vida social do meu país.”

O Brasileiro está pagando mais impostos do que nunca, a arrecadação está maior do que nunca e a renda média do trabalhador brasileiro está inferior no momento do que em 1997.

O tamanho e o inchaço do governo é descaradamente o maior da história. Pensando bem, esta é uma obra de grande porte que o governo Lula iniciou, mas que ainda não terminou. – “O inchaço do governo” – Continua crescendo.

Eu pessoalmente não vejo nesta situação nenhum mérito do governo do grande mentiroso. Se em meios as grandes crises internacionais, com uma taxa básica de juros muito maior, para conter e segurar a inflação, o cidadão brasileiro incluindo eu, estava ganhando mais em 1997 do que agora, como pode ser possível que os nossos cidadãos dêem uma avaliação tão positiva ao governo mais corrupto da história brasileira?

64% de aprovação.

Incrível mesmo.

Eu pequeno empresário, estou muito pior agora do que em 1997, e não aprovo este governo de engodos e mentiras.

Estou entre os 36% que desaprovam este governo, e com muito orgulho.

Vejam esta reportagem de hoje em ”Veja on Line” sobre o rendimento da população brasileira

Brasil

Pnad 2007

Renda do brasileiro sobe, mas é inferior à de 97

18 de Setembro de 2008

Com agência Reuters

O rendimento médio do trabalhador brasileiro aumentou em 2007 pelo terceiro ano, com alta de 3,2% frente a 2006, mas ainda não recuperou as perdas acumuladas nos últimos dez anos e está 5% abaixo do nível de 1997. Os dados constam da Pesquisa Nacional de Amostras por Domicílio (Pnad), divulgada pelo IBGE nesta quinta-feira.

O avanço de 3,2% foi menor que o observado em 2006 (7,5% ante 2005) e em 2005 (4,5% frente a 2004). “Isso pode estar relacionado com o aumento menor do salário mínimo em 2007”, explicou a economista do IBGE Márcia Quinstlr.

Segundo o IBGE, desde 2004 a renda do trabalhador brasileiro ocupado acumula crescimento de 15,6%. Em 2007, o rendimento nominal alcançou 956 reais – valor ainda abaixo do verificado em 1997, que era de 1.011 reais. “Os resultados da Pnad mostram que o patamar de rendimento médio real de 1997 ainda não foi retornado, embora tenha ocorrido ganho, especialmente entre 2004 e 2007”, informou o IBGE em relatório.

A alta do rendimento contribuiu para que o país registrasse em 2007 mais um pequeno avanço no índice de Gini, parâmetro internacional para avaliar as condições de vida da população. O indicador passou de 0,540 em 2006 para 0,528 em 2007. Quanto mais próximo de zero, melhor é a condição de vida de um cidadão. Em 2004, o Gini era de 0,547 e em 2005, de 0,543.

Apesar da melhora, a concentração de renda no país permaneceu bastante aguda no ano passado, segundo a pesquisa. “Os avanços mencionados, apesar de persistentes, são de baixo impacto no que se refere aos rendimentos mais baixos e mais elevados”, avaliou o documento.

Concentração – “A despeito da redução do Gini, se verificou que, em 2007, os 10% da população ocupada com mais baixos rendimentos detiveram 1,1% dos rendimentos do trabalho, enquanto aos 10% com os maiores rendimentos corresponderam 43,2% do total das remunerações”, acrescentou o relatório. Esse comportamento se mostrou praticamente inalterado em relação aos anos anterior.

O Grande comunicador acreditando no casamento gay

Candidata à sucessão do grande comunicador

Eta Brasil……

19 set 2008 Posted by | CRESCIMENTO ECONÔMICO, ECONOMIA, GOVERNO, POLÍTICA | Deixe um comentário

O povo sempre tem o presidente que……

O povo sempre tem o presidente que……

Passando os olhos pelas notícias na rede, depois de ver o treino da fórmula 1, encontrei estas duas referencias na coluna do Cláudio Humberto:

País de lorotas

Se JK fez Brasília em três anos, não custa perguntar: qual universidade, estrada, usina, hospital, qualquer coisa, construída na era Lula?

JK era outro

O deputado José Carlos Aleluia (DEM-BA) não agüenta a insistência de Lula de comparar-se a Juscelino Kubitschek: “A história não registra que JK tenha sido obrigado a demitir os principais auxiliares”.

Com referencia à primeira delas, podem procurar que não tem.

O Lula inaugurou algumas obras iniciadas no governo passado, como a estrada de Brasília/Goiânia, duplicação da Fernão Dias ( esta realmente não sei se inaugurou) e coisas assim. Mas obra iniciada e terminada nos dois governos Lula, isto não tem.

A especialidade dele é inaugurar canteiros de obra.

Na segunda referencia, com autoria dada pelo CH ao deputado baiano José Carlos Aleluia, é bem verdade o que foi dito apenas que não somente o JK, mas nenhum outro governante brasileiro teve que trocar seus principais colaboradores por ilegalidades cometidas.

E quero fazer uma observação, que apesar de não ser apenas minha, não encontra hospedagem na mídia nacional.

Vocês se lembram da luta do governo para manter a CPMF? Luta esta até irregular, usando os ministérios, principalmente o da Fazenda e o da Saúde, para mentirem descaradamente até fazendo ameaças pela não continuação da CPMF.

Pois uma das causas desta boa onda da economia é a ausência deste imposto nojento que punia principalmente os pobres. O governo nunca irá admitir isto, mas vários economistas podem confirmar esta situação.

Esta crise mundial que aos poucos nos vai atingindo já estaria a pleno vapor se existisse a CPMF.

E segue o mistério!!!!

Como pode ser possível esta aprovação recorde do Lula?

64% – Data Folha –

Será possível que somente eu esteja errado?

Será que o bom trabalho reconhecido seja: roubar, dar cobertura a criminosos, não fazer absolutamente nada, promover o imbecil do filho a empresário de sucesso com o dinheiro do erário, deixar a esposa

detonar o jardim tombado do Burle Max no palácio da alvorada com uma estrela do PT, passear pelo mundo com sua galega à custa do povo, falar abobrinhas e mentiras, se comparar idiotamente a líderes do passado, doar as coisas do povo brasileiro à Bolívia (Refinarias da Petrobrás), construir estradas e pontes na Venezuela, com o dinheiro do BNDES, que é dos trabalhadores (75% do BNDES é do FAT), perdoar dívidas nos países africanos, vender para a Argentina energia mais barata do que custa gerar, e dizer todos os tipos de grosserias aos seus auxiliares e ministros, e mais outras barbaridades?

Este é o Lula que eu vejo, e que nos moldes de uma nação decente, já estaria fora há muito tempo.

Eta Brasil…..

13 set 2008 Posted by | ABOBRINHAS, ÉTICA, CRESCIMENTO ECONÔMICO, GOVERNO, POLÍTICA | 1 Comentário

A popularidade do desgoverno

A popularidade do desgoverno

Eu não sei como o desgoverno Lula pode ser tão popular.

Outro dia em uma estatística do IBGE, o número de eleitores para esta próxima eleição está bem perto dos 130.000.000. Deste total apenas 3% tem curso superior (3.900.000).

Em outra pesquisa sobre o ensino básico no Brasil – WWW.todospelaeducacao.com.br –, estamos, entre os 56 países pesquisados, em ultimo lugar geral, e em todas as matérias.

Em política internacional, depois da euforia inicial, perdemos em tudo que investimos. Culminando agora na rodada de Doha onde além das gafes internacionais do Ministro Celso Amorim, ficamos mal com os países latino americanos, ficamos mal com os países do G8, e ficamos mal também com a China. Na América Latina, estamos bancando e financiando tudo sozinhos e os parceiros apenas entram para tirar vantagens em tudo e o Brasil entra com as perdas. Na sociedade para construir uma refinaria em Pernambuco, a sócia Venezuela apenas entrou com a presença e duas visitas e cobranças pelo Hugo Chavez de sua aprovação no congresso brasileiro para fazer parte do MERCOSUL. Dinheiro nada. O BNDES já emprestou a fundo perdido para a Venezuela, mais de 12 bilhões de dólares. Este dinheiro não é do Lula, é dinheiro do FAT e, portanto dos trabalhadores brasileiros que podem tomar um grande calote.

A tentativa de uma cadeira permanente no comitê deliberativo da ONU, onde para isto perdoamos dívidas enormes aos países africanos, o Lula visitando países africanos sem nenhum motivo aparente, nem político nem comercial, apenas para tentar angariar os votos destes países para a posição na ONU. E no final não ficamos com nada apenas perdas.

Agora nos esportes, entramos nas olimpíadas de Pequim, com o maior contingente das ultimas presenças e vamos nos retirar com o pior resultado dos últimos tempos.

O comitê olímpico, presidido a mais de vinte anos pelo Carlos Arthur Nuzman, é uma mina de corrupção como durante os jogos pan-americanos, onde 12 das vinte empreiteiras que faziam parte dos trabalhos de implantação do parque para os jogos pertenciam a parentes e amigos pessoais do senhor Nuzman. Esta notícia rolou e parou e ninguém fez nada a respeito. Cadê o TCU ou a Policia Federal com os grampos?

A Polícia Federal, nuca prendeu tantos corruptos como agora, mas isto não é apenas por causa do trabalho da polícia como também nunca na história deste país se transgrediu tanto, se roubou tanto, com tanto cinismo e descaramento. Apesar dos caros e incessantes trabalhos da Polícia Federal, não tem nenhum contraventor, ladrão, político, preso por seus atos ilegais. Dentro da cúpula do desgoverno, dentro dos ambientes mais íntimos das vísceras desgovernamentais, se encontram os cabeças e executores de vários dos mais flagrantes delitos sem que nenhuma destas pessoas esteja ao menos preocupada com qualquer tipo de punição. O Apedeuta chamou seus mais próximos colaboradores de “ALOPRADOS”, e pronto já foi castigo suficiente. Os 1,7 milhões de reais que foram flagrados nas mãos dos aloprados, estão até hoje esperando o dono aparecer.

Estamos em uma crise inflacionária, nem tanto por causa do desgoverno, mas também por questões internacionais diversas, (que por sinal foram também responsáveis pelo crescimento durante o desgoverno) mas o desgoverno não entrega os pontos e diz que estamos muito bem.

Agora, em um rampante totalitário, o desgoverno quer criar uma nova estatal, paralela à Petrobrás, para explorar o pré-sal, reserva esta descoberta pela Petrobrás com recursos dos acionistas. Isto segundo notícias é para não ter que dividir os lucros com os acionistas que pagaram os contratos de risco para a exploração e descoberta das reservas do pré-sal. Deve ser coisa da cabeça doentia do rei do tártaro, o Marco Aurélio “top top” Garcia.

Grande roubo este, bem comparado ao do EVO MORALES com as refinarias da Petrobrás.

Coisa ruim e ditatorial, este governo aprende rápido.

Resultados bons com as idéias mirabolantes, o apedeuta não apregoa porque não os tem.

Veja esta reportagem abaixo, exemplo dos feitos do governo.

Quem está aprovando este governo não sabe disto e se sabe não lhe interessa, pois deve estar se locupletando com as peripécias do desgoverno.

5. Berço do Fome Zero, Guaribas segue na miséria
O Valor Econômico (para assinantes) teve a oportuna idéia de visitar a pequena Guaribas, no Piauí, cinco anos e meio depois de ter sido escolhida como vitrine do então recém-lançado Fome Zero. A lógica do programa de fazer um trabalho emergencial (alimentar a população) para que depois a cidade se desenvolvesse pelas próprias pernas fracassou. Passada a empolgação inicial, Guaribas não avançou nada. A agricultura e o comércio são insignificantes e quase a totalidade das famílias continua dependendo do Bolsa-Família, num ciclo que dificilmente vai se encerrar a curto prazo. Um retrato bem brasileiro.

Bem que outro dia recebi por Email o resultado de uma estatística, que não apregoaram a fonte e não sei se verdadeira, mas está pelo menos engraçada e pela aprovação recorde do desgoverno Lula, pode muito bem ser verdadeira:

Da totalidade dos eleitores, apenas 20% têm o hábito de ler o jornal. Os demais 80% usam o jornal apenas para limpar o rabo.

19 ago 2008 Posted by | ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, ANEDOTAS, CRESCIMENTO ECONÔMICO, GOVERNO, POLÍTICA | 2 Comentários

Situação atual.

Situação atual.

A situação econômica do Brasil atual é muito séria.

Os indícios inflacionários herdados do governo FHC se deviam claramente ao medo empresarial que o governo Lula inspirava ao ser eleito, pois suas idéias econômicas eram desconhecidas, mas os radicais do partido pregavam uma economia de estado, re-estatização de empresas públicas, entre outras coisas. Quando estes medos não se realizaram e o novo governo seguiu basicamente a política herdada do governo anterior, os empresários se acalmaram, investiram na economia e a inflação que dava sinais de vida foi enterrada temporariamente. O mundo todo estava em franca ascensão e o Brasil foi de carona, as importações aumentaram, a balança comercial ficou superavitária trazendo muitos dólares ao país. Com a chegada de dólares, o valor da moeda americana caiu, prejudicando as exportações, e para valorizar a moeda incentivando os exportadores, o governo começou a comprar dólares. Foram tantas as compras, que as reservas externas brasileiras superaram os empréstimos junto ao FMI pela primeira vez na história, e isto melhora a credibilidade e o Brasil passa a ser economia de mercado.

Tudo azul, e o governo foi um sucesso econômico. Não longe disto, para comprar os dólares que criavam a melhor reserva da história, o governo se endividou internamente pagando um serviço desta dívida na ordem de 14% em média anual. Foi a maior dívida interna da história com a maior percentagem do PIB para pagar juros na história do país. 48% de toda a arrecadação vai ao encontro do serviço da dívida. Mas isto tende a acabar, pois a arrecadação está em alta e pode pagar esta dívida também. Erro, a arrecadação realmente está em alta, mas os gastos do governo também nunca foram tão altos. Este governo criou 29 novas estatais, contratou mais de 300.000 funcionários de confiança, liberou empréstimo a fundo perdido para países com crédito duvidoso, emprestou energia elétrica para a Argentina a preços inferiores ao preço de geração, (paga para gerar uma média de 275 reais o megawatt e cobra da Argentina apenas 70 reais) e gastou apenas com combustível das usinas termo-elétricas para evitar um apagão este ano, 1,3 bilhões de reais.

Agora este mês, o governo disse que iria cortar gastos e com a arrecadação em alta isto seria suficiente para segurar a inflação. Mas o governo não parou de gastar em coisas duvidosas, apenas vai gastar menos. A arrecadação aumenta 13% comparado ao ano passado e o governo propõe um corte de 4% no orçamento deste ano. O superávit primário, que é dinheiro para pagar juros vai passar de 3,8% para 4,5% do PIB. A arrecadação este ano vai beirar 01 trilhão de reais, que será bem perto de 40% do PIB (pela nova maneira de avaliar o PIB pelo IBGE aparelhado).

E porque existiria um problema com a inflação?

O governo Lula, não soube aproveitar um bom momento da economia mundial, e em vez de fazer as melhorias infra-estruturares tão necessárias ao país, gastou em tentativas assistencialistas e programas eleitoreiros visando uma fácil reeleição. Investiu em programas superfaturados e diretamente ilegais para satisfazer políticos aliados, investiu em viagens e empréstimos a países africanos buscando um apoio para conseguir uma cadeira permanente na ONU para o Brasil. Gastamos muito dinheiro, mas não conseguimos o apoio e esta parte da meta Lula está fora de cogitação. Não há cadeira permanente na ONU.

Sem infra-estrutura, o custo Brasil fica muito alto. Com a inflação internacional nos preços de alimentos, o Brasil acompanha. Com os juros um pouco mais baixos, (ainda o maior do mundo) o Brasil incentivou o crédito e com a renda familiar aumentada com os programas assistencialistas, o governo está incentivando o consumo, com o dinheiro da classe média.

Nunca se vendeu tanto a crédito como agora e com este consumo aumentando, as mercadorias e os alimentos estão em falta e os preços estão em alta causando uma inflação, que engole os ganhos reais que a classe mais pobre amealhou nos últimos anos de governo.

Com a inflação em alta, a tendência de inadimplência é alta e se generalizada será uma explosão como a crise imobiliária americana.

Para conter a inflação, existe a possibilidade de se subir os juros ficando mais caro para a indústria adquirir nova matéria-prima, e sem poder aumentar os juros em contratos de seis e sete anos, será uma tremenda crise industrial. Poderia o governo cortar drasticamente os gastos, vender as estatais adquiridas e com o dinheiro que sobrar amortizar parte da dívida interna, e gastar com infra-estrutura. Isto será um pouco para médio ou longo prazo e deveria ter sido pensado seis a sete anos no passado, mas não foi. Agora em ano eleitoral seria cortar os programas eleitoreiros dos partidos aliados, e o governo não vai fazer isto.

Com todo o mundo em uma crise, e sem ter fundos sobrando para servir de amortecedor, o governo não pode subir tarifas, pois a classe média não consegue mais absorver estes impostos, e a situação fica meio sem solução. Esta inflação está aqui para ficar e crescer.

Pobre Brasil!!!!!!!

O fim do IPEA.

De Élio Gaspari, hoje, da Folha de São Paulo:

29 de junho de 2008.

O comissariado petista do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, o Ipea, está destruindo uma instituição sacrossanta surgida em 1964 e respeitada até mesmo pelas bruxas da ditadura. Fazem isso com a grosseria dos bolcheviques e os instintos manipuladores dos economistas de Néstor Kirchner. O último golpe da moçada foi a alteração da periodicidade da divulgação de projeções pela Carta de Conjuntura, uma publicação trimestral do instituto, criada em 1986.Mais: embargaram a divulgação de projeções macroeconômicas que já haviam sido mandadas para a próxima publicação. Pior: mantiveram um cenário de previsão do aumento do consumo entre 3,3% e 5%, quando cálculos já fechados indicam que a expansão poderá ficar entre 6% e 8%. Esse texto foi reescrito por pessoas que se julgam detentoras da visão genial do problema. Isso tudo acontece sob o guarda-chuva do ministro Mangabeira Unger, que até bem pouco tempo trabalhava em Harvard, e do professor Márcio Pochmann, vindo da Unicamp.Segundo o companheiro Miguel Bruno, que dirige a Carta, “o Ipea não quer alimentar especulações do mercado”. Falso, o negócio é não provocar expectativas ruins na sociedade. Felizmente Bruno nunca operou no mercado, pois teria quebrado se esperasse dados do Ipea para fechar seus negócios. A turma do papelório dos bancos lida com projeções diárias muito mais refinadas. Além disso, o Banco Central produz e divulga análises de boa qualidade. O que o comissariado quer é brincar de felicidade.Desse jeito, acabarão querendo orientar as pesquisas do IBGE. O mercado, ao contrário da roubalheira e do aparelhamento do Estado, é uma coisa essencialmente boa. Os países que seguiram sua dinâmica prosperaram. Os que tiveram idéia melhor, arruinaram-se.Bruno foi além e disse que, “antes, o Ipea atuava em dobradinha com o mercado financeiro”. O comissário precisa definir “antes”, “Ipea” , “atuava” e “dobradinha”. Até lá, fica no ar a desprimorosa suspeita de que o instituto esteve dominado por uma cáfila de especuladores.Havendo “antes”, há de haver “quem”. Está acontecendo no Ipea algo mais grave e primitivo do que o velho e bom disfarce das notícias ruins. Estão encostados ex-diretores recentes e pesquisadores de renome internacional, como Ricardo Paes de Barros. Foi ele quem fez as contas que puseram de pé o Bolsa Família.PB, como é conhecido, continua no Ipea por amor à camisa da Seleção, pois teve vários convites para saltar. Um deles, da Universidade de Yale. Num astucioso episódio, o economista Fábio Giambiagi foi defenestrado e devolvido ao BNDES. O Grupo de Conjuntura, onde se discutem tendências da economia, foi expurgado. Isso no campo do patrulhamento intelectual.Há também patrulhas funcionais. Já ocorreu caso de transferência, pelo telefone, de um economista que tinha mais de 20 anos de experiência num setor. O diretor de estudos macroeconômicos, doutor João Sicsu, jamais pôs os pés num seminário (exceção para uma homenagem a Maria da Conceição Tavares). Ele pode estar certo ao não usar o sistema de mensagens eletrônicas do instituto, mas isso não ajuda o bom andamento dos trabalhos.Com 300 economistas, o Ipea tornou-se uma instituição desorganizada, convertida em orquestra e platéia do egocentrismo de seu presidente que, do pódio, oferece refogados de pesquisas velhas com farofas novas, ao gosto do Planalto. Falta aos comissários a generosidade profissional de chefes recentes, como Roberto Martins, que contribuiu para o reconhecimento de Paes de Barros. Caso o doutor Pochmann queira seguir um exemplo, pode prestar atenção na conduta do presidente do IBGE, Eduardo Nunes.Se as práticas do comissariado petista estivessem em vigor ao tempo da ditadura, teriam sido afogadas as carreiras de economistas como Pedro Malan, Edmar Bacha, Regis Bonelli e Claudio Moura Castro. Foi graças a eles que os futuros petistas aprenderam (se é que aprenderam) de onde viria a crise da economia do Milagre Brasileiro.

Comentário final:

Alei de “Tolerância Zero” está em vigor

Se beber não dirija nada. Nem carros, Nem caminhões, nem motos, nem aviões, e muito menos o país.

30 jun 2008 Posted by | ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, CRESCIMENTO ECONÔMICO, GOVERNO, POLÍTICA | 2 Comentários

Mudanças & promessas.

Mudanças & promessas.

Lula foi eleito com muita esperança por mudanças prometidas e repetidas em campanha. Mudanças no sistema tributário que ele definiu com extorsivo e inibidor de um crescimento que o Brasil merecia.

Mudanças políticas definidas por ele como a única forma do Brasil poder ser chamado de um país sério.

Mudanças éticas em todo o aparato administrativo, pois ele definiu em campanha que a transparência na administração publica seria uma de suas metas se fosse eleito presidente.

E ele foi eleito presidente e de acordo com a sua agencia de propaganda, a sua eleição foi definida como “A esperança venceu o medo”.

Depois de eleito, aconteceu muita coisa, menos as mudanças prometidas em sua campanha.

A mudança no sistema tributário onde ele alegava ser impossível um país crescer com tamanha carga tributária, ele aumentou descaradamente todos os tributos, e as mudanças prometidas foram esquecidas, o modo do IBGE calcular o PIB (Produto Interno Bruto) foi modificado para camuflar tanto o crescimento como a carga tributária, mas a nossa arrecadação tributária bate recordes atrás de recordes e é descaradamente a maior da planeta. O lema entre os empresários é :

“Se não sonegar não agüenta”.

As mudanças políticas ele fez, foram uma festa de compra do legislativo corrupto, que todo comprado aprova as mais loucas medidas antidemocráticas jamais vista neste país.

As mudanças éticas e a transparência foram por água abaixo, e hoje a definição de ética no Brasil, está totalmente desvirtuada em favor da falta de pudor e de deslavada propagação da mentira por parte principalmente do primeiro mandatário.

Os seus programas de governo no primeiro mandato, como “Fome Zero”

“Primeiro Emprego” entre outros fizeram água e descaradamente foram esquecidos em favor de outro que veio parcialmente do governo anterior. Este programa foi renomeado e desvirtuado, se transformando no carro chefe do governo. No governo anterior foi criado para manter as crianças na escola, vacinadas e atendidas em postos de saúde. Esta era principalmente a condição de permanência no programa que se chamava “Bolsa Escola”. Tinha fiscalização, era um pouco limitado às regiões onde a evasão escolar era maior, e as condições de saúde eram piores. Este novo governo onde a esperança venceu o medo, renomeou o programa “Bolsa Família”, tirou as contra partidas, e expandiu este programa rapidamente por todo o território nacional. Com o aumento vertiginoso do tamanho do programa, a fiscalização ficou difícil, e as fraudes aumentaram também vertiginosamente, a ponto de funcionários públicos em Brasília serem pegos participando do programa.

Não existe contra partida e recentemente o IBGE (Órgão do Governo) constatou que nos municípios onde o gasto com o programa foi maior, a evasão escolar aumentou, o nível do ensino piorou e a criminalidade aumentou.

Hoje são 46 milhões de pessoas inscritas no programa “Bolsa Família”,

recebendo esmola do governo, sem nenhum incentivo para abandonar o programa e se transformarem em cidadãos independentes e colaboradores com a sociedade.

Estes participantes do programa com o pequeno acréscimo de renda do programa se transformaram em consumidores, aumentando o consumo de bens, levando com isto a um crescimento da indústria fornecedora dos materiais consumidos.

Mas pensem bem quem está sendo realmente o consumidor.

O governo é que está consumindo bens, pois está tirando dinheiro da classe média e dando para os mais pobres gastarem.

Seria como economizar andando a pé em vez de pegar o ônibus, sem contabilizar o gasto de energia, sapatos, tempo. E a economia seria ainda maior se em vez de ônibus, se corresse atrás de um taxi.

A indústria está crescendo, com as compras do governo, que para comprar mais eleva impostos que retira da classe média.

A indústria também está crescendo com o crédito desenfreado que foi dado ao consumidor, com prazos muito longos, juros altos, e promessas de estabilidade eterna. A inadimplência está crescendo mais do que a indústria, e quando a bolha explodir vai ser um “Deus nos acuda”.

E recentemente, a inflação, que foi durante cinco anos a menina dos olhos do governo, está dando sinais de retorno, sem que se encontre uma forma de controle por parte do governo que venceu o medo e agora está com medo.

E falando de mudanças reais temos a seguinte situação no Brasil

Transformações diretas

Baranga em Dama.

Pilantra em Presidente

Vavá em lambari

Crescimento Real

Crescimento da dignidade pessoal.

Trabalhando duro

Durante o caso do Vavá, vendendo influência em que foi pego pela segunda vez, o medico e escritor Carlos Alberto Reis Lima escreveu este artigo:

UM HOMEM DE AZAR

por Carlos Alberto Reis Lima

Lula é um azarado. Tudo o que ele toca suja suas mãos. Seus amigos têm uma vocação irresistível para a fraude, para a trapaça. Lula está cercado de mau olhado. Só os piores tipos dele se acercam abusando de sua extrema generosidade, de sua grande alma (mahatma), de sua bondade de coração – de sua maneira manteiga-derretida!

Lula por onde anda está cercado de gente que não presta; seus auxiliares o traem a toda hora; seus colaboradores tramam contra ele. Até o presidente Hugo Chàvez, que ele pensava que era seu amigo, disse coisas horríveis do Congresso brasileiro que ele comprou com tanto carinho! A traição o espreita. Uma vez, em Paris – lembram? – ele se queixou dela.

Essa Operação Navalha só pode ser coisa de invejosos do seu sucesso, dos seus discursos apurados de intelectual, de suas tiradas metafísicas-futebolísticas, embora ditas com amor, com compaixão pelos pobres, pelos irmãos, pelos gentios. Lula é um injustiçado. Agora querem acusá-lo de ter um irmão vigarista! Até a Polícia Federal o traiu. Tarso Genro, quem diria, seu Ministro da Justiça, trama contra ele. Renan Calheiros é injustamente envolvido em uma falcatrua com empresários e tem a sua vida privada aberta à execração popular. Sarney faz de tudo para protegê-lo … mas até quando? Um compadre seu, pasmem, teria relações promíscuas com dinheiro público em Diadema. Querem prejudicá-lo prendendo e denunciando seus amigos próximos e seus parentes mais queridos, querendo insinuar que ele, de novo, sabia de tudo.

Lula é um azarado. O presidente do seu Partido é um “aloprado”. O ex-presidente do PT, Genoíno, tem um irmão cujo assessor forrava as cuecas com dólares só para prejudicar Lula. O “nosso” Delúbio fazia maracutaias com o Marcos Valério (onde andará?) deixando o PT com a injusta fama de partido desonesto e corrupto. Sabem para quê tudo isso? Para atingir Lula; para ferir de morte a sua honestidade e a sua caridade! Essa gente que acompanha Lula há 30 anos não presta!

Chegaram a acusá-lo agora de ter vendido a Petrobrás da Bolívia ao Hugo Chàvez! Vejam aonde chega a maledicência desses invejosos! Imaginem se um presidente eleito pelo Foro de São Paulo faria tal coisa contra o patrimônio nacional! Lula está cercado. Tem gente embaixo de sua cama o roubando; tem ascensorista suspeito, motoristas inconfiáveis, que à primeira oportunidade o trairão e o deixarão mal junto à opinião pública. Seu amigo Bruno Maranhão o traiu ao depredar o Congresso nacional. Pois foi deixado impune para que essa maldição antidemocrática fosse assacada contra ele, Lula. Os seus amigos mais próximos são suspeitos de assassinarem dois prefeitos e de ameaçar familiares sobreviventes. Jornalistas agora são perseguidos. Tudo apenas para sujar o seu nome. É muito azar!

Em vista de tudo isso, em vista da enorme injustiça que se comete à miúde contra esse santo homem, alguém deve dele se aproximar e dizer claramente: Presidente, cuidado, eles querem lhe pegar! Mas talvez isso não seja necessário. Soube hoje, com alívio, que os especialistas da mídia, essa sim muito fiel e solidária, já garantem que Lula sairá sobranceiro de mais essa crise – a crise de número 145! –, que ele dará a volta por cima como sempre deu com a ajuda do seu povo faminto, dos seus parlamentares fiéis no Congresso. Afinal, se há alguma coisa que é sincera e fiel aliada do Lula é esse tal de Congresso e essa tal de mídia. Custa caro para o Lula, a gente sabe, mas como assegurar tanta fidelidade em apenas um ou dois mandatos? Da imprensa ele só tem alegrias. Coitado, ultimamente estava tão alegre que resolveu fazer uma televisão só para ele e com gente confiável. Mas já tem gente falando mal dele, que ele está imitando o Chàvez, e outras inverdades.

Então, seus secadores, tirem o cavalinho da chuva: o “affair” Vavá não vai dar em nada, de novo. O homem é azarado, mas tem um santo forte, blindado, comprado a peso de ouro, incorruptível, um santo impoluto como só ele sabe ser. Só falta agora a Justiça, que ele criou à sua feição, virar-se contra ele e de forma erótica e libidinosa condená-lo a uma multa de R$100,00! A maldade humana não tem limites!


23 jun 2008 Posted by | ABUSOS LEGISLATIVOS, ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, ÉTICA, CRESCIMENTO ECONÔMICO, GOVERNO, POLÍTICA | Deixe um comentário

Tenha piedade.

Tenha piedade.

Mas com muito cuidado!!!

Dê uma esmola a um pobre sem trabalho, e se ele o conhecer e souber o seu nome e vai sem dúvida falar bem de você.

É a natureza humana. Se por acaso o contemplado pela generosidade falar mal de você, pode acontecer, mas não é a regra.

Agora pergunto eu no caso do Rio de Janeiro:

-Quantas são as pessoas que estão sendo contempladas pela Bolsa Família o maior e mais custoso programa assistencialista do atual governo?

Eu realmente não sei, mas pela atenção dada pela mídia ao estado e à cidade do Rio de Janeiro, deduzo que sejam várias famílias atendidas por este programa que distribui em média R$ 170,00 por cada família inscrita no tal programa.

Se antes estavam desempregados e agora podem contar com esta renda esmola e que pode melhorar um pouco a miséria em que viviam antes, tanto melhor. Que falem bem do autor da esmola, que fiquem contentes com o seu presidente.

O Rio de Janeiro está vivendo uma das piores epidemias de Dengue de que se tem notícia, e este é o resultado de vários vetores independentes que se combinaram para chegarem ao resultado atual.

Vamos a alguns deles:xo-dengue.jpg

1.  Para fazer frente ao derretimento do Dólar Americano, que dificultava as exportações brasileiras, o governo comprava dólares em quantidades cada vez maiores. Os dólares eram comprados internamente com títulos da dívida publica interna e se paga em média 14% ao ano por estes empréstimos para comprar dólares. As compras de dólares resultaram em uma reserva maior do que a dívida externa que por esta razão pode ser quitada e ainda sobra dinheiro.

2.  De todo o dinheiro arrecadado com as maiores tarifas do mundo, forma-se um tremendo bolo tarifário que se aproximou em 2007 a 950 bilhões de reais dos quais aproximadamente 40% foram gastos em pagamento dos juros da dívida interna, 25% com a previdência social, 0.44% com a segurança pública 2,25% com a educação e 4,8% com a saúde.

3.  Sem nenhuma ou quase nenhuma educação, noção de higiene, e comportamento social adequado, uma família dependente na Bolsa Família, compra com o novo poder aquisitivo refrigerantes embalados em garrafas PET, e as  deixam descartadas em qualquer lugar nas proximidades de sua residência. Vem a chuva, vem os mosquitos e vem a dengue.

4.  A família é vítima de uma infecção de dengue e vai para o hospital, onde sem verba não tem tratamento adequado e o membro da família vem a óbito.

5.  Será que valeu a pena este dinheirinho miserável que o governo anda espalhando por aí com finalidade eleitoreira?

6.  Os países como o México Argentina, Chile, gastam com estes três orçamentos obrigatórios Saúde, Educação e Segurança, aproximadamente 40% do PIB correspondente a cada país o Brasil gasta 9%. E o Brasil da atualidade arrecada muito mais do que estes países visinhos. A arrecadação brasileira em números totais está a 39% do PIB, mas o potencial pleno, que é a arrecadação sem nenhuma sonegação está a 80% do PIB. Isto quer dizer que uma pessoa que pague todos os seus impostos deixa nas mãos do governo 80% do que recebe, e com a pífia contrapartida de que deste confisco apenas 9% será usado em seu benefício e os demais para as mordomias do governo e os programas nocivos e eleitoreiros

Eta Brasil

O artigo abaixo do cientista político Francisco Marcos foi retirado do blog Prosa e Política

http://pep-home.blogspot.com/

 e postado por Adriana Vandoni.

Muito real e muito bom:

 

Por Francisco Marcos, cientista político

 

O texto abaixo e aspado é de Élio Gaspari e sobre o qual alinho considerações que julgo pertinentes à conjuntura que vivemos no surrealismo brasileiro.

 

    “O governo decidiu segurar o preço da energia que vende aos grandes consumidores. Não faz isso só porque gosta deles mas também porque o megawatt-hora comprado a R$ 80 ajuda a baixar a inflação.

    Essa filantropia transfere dinheiro do andar de baixo para o de cima. A patuléia, consumidora de energia nos relógios, paga de R$ 100 até R$ 800 pelo mesmo megawatt. Depois de pagar pela construção das hidrelétricas que produzem energia barata, a choldra se vê obrigada a financiar as térmicas do megawatt caro.”

 

O portento que há seis anos é inquilino do Palácio da Alvorada vive a apregoar que é o pai dos pobres, mormente defronte à uma platéia nordestina. Lembremos que o saudoso Getúlio Vargas era considerado como tal. Existe uma enorme distância entre as duas figuras. Gegê possuía visão de estadista, se comportava como tal, dotado de uma sagacidade política muito mais acurada do que o gnomo de boteco, fez-se chefe de uma revolução e venceu. A história se divide entre antes e pós Getúlio. A urbanização no Brasil teve início com ele, Volta Redonda e sua usina, a Petrobrás hoje tão cafetinada pelos “cultores da ética na política.” Fundou dois partidos: PSD voltado para os fazendeiros e elite política, e o PTB visando neutralizar o préstimo e monitorar o movimento trabalhista, bem como incomodar os industriais paulistas. Criou a CLT, mas para o campo criou o que?

O eterno candidato teflon distribui migalhas aos pobres e fartos banquetes aos que ele chama de elite, esquecendo que jamais teve pejo de aceitar doações contabilizadas ou não desta mesma elite. Dentro da minha ignorância e desimportância resolvi conceder-lo o título de “Mãe Amantíssima” das elites,destacando Andrade, Jereissati, Dantas, Setubal. Moreira Salles, magnatas espanhóis dos mais diversos segmentos econômicos e outros menos votados. Os conspiradores é que destilam ódio propagando inverdades: Dengue, Febre Amarela, Alta Arrecadação Tributária, Estradas mal cuidadas, Portos obsoletos, Ferrovias abandonadas, Falência do ensino público. Domínio do crime organizado, Corrupção endêmica, Mau caratismo, Mentira travestida de verdade.

“Talvez a maior lição da história seja a de que ninguém aprendeu as lições da história.”

30 mar 2008 Posted by | ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, ÉTICA, CRESCIMENTO ECONÔMICO, ECONOMIA, EDUCAÇÃO, GOVERNO, POLÍTICA | Deixe um comentário

Respondendo ao Valdir.

Respondendo ao Valdir.premiado.jpg

Recebo constantemente comentários no blog, e em geral, eu agradeço pessoalmente por Email aos visitantes que se deram ao trabalho de comentar nos artigos que escrevo.

Os comentários, eu deixo todos no blog, contra ou a favor, pois o interessante é mesmo a democracia existente na internet, a diferença e opinião, e a divulgação de divergências que podem gerar melhores comentários em futuros artigos.

No entanto, recebi um comentário de um colaborador, que por estar visivelmente enganado e fora do contexto atual merece ser respondido no blog e é o que vou fazer com este comentário que vou publicar na íntegra.

Se gerar mais comentários a respeito, eu publico tudo também.

O Comentário do Valdir:lula-no-paraiso.jpg

É triste ver pessoas que se fazem campanha contra o governo se valendo apenas de informações de revistas tipo Veja e emissoras de TV como a Globo.

Deveria ver sites com noticias reais que mostra a realidade do politicos ou até ler reportagens pequenas que a Folha e o Globo escrevem sem muito destaque.

O Lula ta fzendo pelo Brasil o que me 40 anos OUTROS não fizeram. O Brasil ta se tornando 1º mundo gracas ao LULA em apenas 4/5 anos. Ta um pouco longe ainda de se tornar 1º mundo, mas ja dá pra prever até com data quan do nos tornaremos, sem ser vidente. Pra saber o que a Globo faz com as noticias, assim como a Veja acesse esse link abaixo: http://www.youtube.com/watch?v=x02cBnIUa5g&feature=related

Entrevista que arrassou o FHC -1a Parte

http://www.youtube.com/watch?v=o0t2i5mv1cs

Entrevista que arrassou o FHC -2a Parte

http://www.youtube.com/watch?v=30O47FolIbI&feature=related

Essas são verdades inquestionaveis. vc hoje esta melhor, ganhando mais graças ao LULA e sua EQUIPE que tentaram mas nao provaram nada ainda. Aliás estao até pedindo desculpas pelo que fizeram a alguns ex do governo.

Se assistir aos videos ai acima vai mudar de opiniao. Ou entao é muito tapado que so ve o que a midia fala e nao procura saber se as noticias estao corretas ou editadas.

Comentário por Valdir | 24 Fev 2008 |

Caro Waldir,o-grande-poco.jpg

O artigo que você leu e comentou:

https://rleite.wordpress.com/2007/10/14/verdades-e-realidades/

está até leve comparado com os outros que publiquei sobre este governo corrupto, Mentiroso e vagabundo que não fez absolutamente nada para melhorar o Brasil. A única coisa que pode ser mencionado como positiva do governo Lula foi a manutenção do sistema de metas que ele herdou do governo FHC e contratou o Meireles que veio do governo FHC para dirigir as finanças.mapa-da-mina.jpg

Se você tiver tempo ou quiser pesquisar no blog, tenho documentos e mais documentos que não foram retirados da mídia, nem do Fantástico nem da Veja, mas do Ministério Público, do Portal da Transparência, e outros meios de informação. Foi o Procurador Geral, contratado pelo Lula que disse que os quarenta indiciados no esquema mensalão foi a maior quadrilha formada para roubar o país. Foi o Mangabeira Hunger, ministro do Lula que disse que o governo Lula, é o mais indolente e mais corrupto da história deste país.

Quanto aos vídeos que você sugeriu que eu visse, eu assisti tudo.

O do Cid Moreira me lembrou um comentário do Max Gehringer na CBN (Claro que é da Globo):max-gheringer.jpg

Uma ouvinte perguntou a ele se valeria a pena, depois de despedida de uma empresa, denunciar certas práticas fora da ética ocorrendo na empresa e que ela sabia. A Resposta do Max foi a seguinte:

“Quando você sabe de algo incorreto e fora das normas dentro de uma empresa, vai ao seu superior e denuncia, sua denuncia tem força e pode se ouvida, mas se você esteve lá o tempo todo vendo o que acontecia e depois de ser despedida resolveu denunciar, sua denuncia não tem mais força e vai te colocar como uma pessoa amarga e ressentida depois de despedida do emprego provavelmente por justa causa. Se não falou antes agora é melhor ficar calada.

E finalmente, se você viu o clip, e o Cid resolveu voltar a trabalhar na empresa que ele denunciou e que provavelmente não mudou nada por causa de suas denuncias, ele não tem credibilidade nem vergonha na cara.pinguco.jpg

SE este é o exemplo que você tem para abonar o governo Lula, você está mal.

Mas vamos aos do FHC:

Se você realmente viu o clip, você observou que o entrevistador não deixou o FHC responder quase nada, e que na maioria do tempo respondeu por ele.

Mas não foi tão mal assim, pois eu pensei que o FHC falasse melhor inglês.

Eu garanto que falo melhor do que ele. Ele gaguejou muito, mas no que conseguiu responder, ficou claro que o Lula apenas deixou acontecer o que foi iniciado no governo do Itamar/FHC, e o título arrasou, induz a pensar em algum tipo de escândalo, mas como o FHC diz na entrevista, no seu governo não houve escândalos como o do governo do Lula e o Geraldo Brindeiro, foi o engavetador de processos porque a maioria deles era de origem exclusivamente política, motivados pela oposição ao seu governo e completamente inconseqüentes. E mais ele disse, ele pode ter engavetado, mas eles ficaram lá. Porque então o governo do PT que iniciou a maioria deles não desengavetou e processou? Eu gostei da entrevista, e se for baseado nela que eu deveria ver os méritos do governo do PT, então ficou pior porque agora eu tenho uma resposta sobre o engavetador de processos.

Você ainda me chamou de tapado por não ver a verdade baseada nos três clips enviados.

Ao que aparenta você não viu ou não entendeu o que viu, pois eles não abonam em nada o governo imbecil, tapado, presunçoso, idiota, corrupto, festeiro, inconseqüente, incompetente, do cachaceiro Lula.lula-depois-da-pinga.jpg

 

procurando-o-bar-da-boa.jpg

Eu sugiro alguma pesquisa no blog:

https://rleite.wordpress.com/2008/01/12/a-compra-de-votos/

https://rleite.wordpress.com/2008/01/09/promessas-e-mentiras/

https://rleite.wordpress.com/2008/02/05/723/

https://rleite.wordpress.com/2007/12/18/um-bom-governo/

Waldir, estes são apenas alguns dos artigos que contêm dados sobre o governo do Lula.

Não sei se você conhece alguma coisa do primeiro mundo, para ficar falando disto.

Se você estiver na Inglaterra, Canadá, Alemanha, França, Espanha, e escorregar na calçada e quebrar a perna, você será atendido em um hospital público imediatamente, e o atendimento, é igual ou melhor do que um hospital privado. Quase como aqui.

Se você tiver um filho na idade escolar nos Estados Unidos, o ônibus escolar, aqueles amarelos que o Lula gosta tanto, vai apanhar o seu filho em casa às 7 da manhã e vai trazê-lo de volta às quatro da tarde, com duas boas refeições, esporte dever tudo pronto. Quase como aqui.

SE você tiver a sua casa roubada por ladrões, em qualquer país de primeiro mundo, as chances de recuperar os seus pertences será quase de 100%, o seguro vai repor tudo que você perdeu e os bandidos serão presos e vão cumprir pena na cadeia. Quase como aqui.

SE você viajar em um carro pelas rodovias dos países do primeiro mundo, sem pagar pedágios o seu carro provavelmente não vai quebrar por passar em buracos, furar pneus, ser assaltado, e atingido por bala perdida. Quase como aqui.

E nestes países se paga menos impostos do que no Brasil

Acorda Waldir olhe à sua volta, durante o governo Lula, os países emergentes como o Brasil, cresceram em média 6%, (Brasil 3,4%) sendo que os outros países da America Latina cresceram mais do que o Brasil. Com exceção do Haiti, todos cresceram mais do que o Brasil. O mundo deu uma grande chance para o Brasil e o Brasil com o Lula perdeu esta chance.

Se você realmente quer mostrar os clips do youtube como uma demonstração da verdade, então veja este e diga que este governo está cumprindo o seu dever com o povo que o elegeu:

https://rleite.wordpress.com/2008/01/24/717/

Este post tem um vídeo das promessas do Lula.

E este outro, que chama os políticos de predadores, todos eles incluindo o principal que é o Lula pé de cana,

lula-bebendo-pinga.jpg

descreve todos os impostos que pagamos para que a monarquia se esbanje em mordomias:

https://rleite.wordpress.com/2008/02/21/predadores/

São 75 impostos que se forem calculados direitinhos tiram da classe média 80% do que ganham para gastar como quiserem.

Tenha um bom dia e não generalize, pois eu posso tirar alguma coisa da mídia, mas vou conferir tudo nos sites do governo.

Tenha um bom dia e obrigado pelo comentário e pela visita.

 

lembrancinha.jpgtransantartica.jpg

25 fev 2008 Posted by | ABOBRINHAS, ÉTICA, Cinismo, CRESCIMENTO ECONÔMICO, GOVERNO, PINGA, POLÍTICA, Respostas on line | 5 Comentários

A fábrica de vagabundos II.

A fábrica de vagabundos II.

Há algum tempo no passado recente, (20 de março de 2007) publiquei um artigo sobre a “Fábrica de Vagamundos”

https://rleite.wordpress.com/2007/03/20/uma-fabrica-de-vagabundos/

que gerou muita polêmica.

Eu recebi este artigo por Email, como se estivesse sido publicado na Folha de São Paulo, e cometi o erro de um principiante que sou de não conferir a origem alegada do assunto e publiquei como verdade.

Depois das polêmicas nos comentários, fui atrás para tentar descobrir a origem do artigo e não consegui encontrar na data citada no artigo nada referente ao assunto.

Mantive no Blog, o artigo, pois os comentários sobre o assunto dão riqueza às opiniões conflitantes deste blog.

Agora, este artigo da Folha de São Paulo, é uma espécie do outro artigo tão condenado, escrito por um autor reconhecido e que praticamente corrobora a outra ficção como uma verdade.

Leiam e comentem sobre este artigo.

Folha de São Paulo,

Domingo 03 de fevereiro de 2008.

Barrigas cheias, cabeças vazias

Gaudêncio Torquato

É irrefutável a tese de que uma pessoa faminta precisa, primeiro, comer o peixe para, depois, aprender a arte de pescar. Sob esse escudo de salvação humanitária as economias mundiais, entre elas a brasileira, tiraram, nos últimos 20 anos, cerca de 2 bilhões de pessoas da pobreza. O esforço merece aplausos até o instante em que os governantes, com o argumento de diminuir as desigualdades, usam o conceito de justiça social como sinônimo de nivelamento material, esquecendo que só encher barriga é um exercício capenga de promoção de cidadania. O viajante que observar com atenção a paisagem social nordestina será surpreendido com uma efervescência consumista que se espraia pela miríade de cidades e povoados dos nove Estados, com milhares de consumidores das classes D e C acessando gôndolas de supermercados, entupindo lojas, comprando celulares, indo ao cabeleireiro, enfim, enchendo carrinhos de compras. O programa de distribuição de renda do governo Lula movimenta de fato o comércio local.

A surpresa, porém, vai além da performance consumista. É assombrosa a constatação de que, no Nordeste, o descontrolado assistencialismo do Estado paternalista plasma uma deformidade que já começa a ter conseqüências nefastas sobre a tessitura produtiva da região: o comodismo, a preguiça, a mediocridade. A cultura da indolência se expande. A postura parasitária finca raízes na terra fertilizada por um sistema que não oferece alternativas sólidas para a elevação humana. Ao contrário, incentiva o atraso. Hoje, o Bolsa-Família abriga 46 milhões de pessoas, um em cada quatro brasileiros. A geometria da acomodação entorta as relações de trabalho. Empregadas domésticas, por exemplo, rejeitam a carteira assinada, com a qual perderiam o benefício. Quando se dispõem a trabalhar, recebem “por fora” o salário do patrão. Caso tivessem registro, ultrapassariam a renda per capita mínima mensal de R$ 120, teto para não perder o direito ao Bolsa-Família. São comuns os casos em que, no núcleo familiar, o pai, aposentado, provedor dos filhos desempregados, recebe proventos do Funrural, a mãe fica com o benefício do governo, além do ganho extra como doméstica (que esconde), enquanto os filhos passam a ser meros registros para ganhos adicionais.

Para cada filho a família recebe R$ 18, quantia que funciona como incentivo ao aumento do núcleo familiar. O dinheirinho a mais ganhou, na região, o epíteto de bolsa-transa. Aliás um bolsa-criança já era adotado pelo velho Getúlio Vargas. Para ter direito ao pacote se exige que os filhos pequenos obtenham na escola 85% de freqüência mínima. Se os trabalhadores rurais também recusam a carteira assinada – para garantirem o benefício do programa -, os proprietários comemoram o fato, pois sem registro não pagam direitos trabalhistas. Desse modo, o governo acaba transferindo para os ricos parte da renda dos pobres. Ao lado dessa incongruência, o sistema produtivo se ressente da carência de trabalhadores para funções modestas, como a de auxiliar de pedreiro. Viver na maciota é o sonho de jovens e adultos. Prefeitos lamentam a falta de mão-de-obra para limpar ruas, por exemplo. Parcela da “nova classe média” prefere os botecos. A lupa de que tanto Lula fala não flagra as distorções.

Lula comemora a chegada dos crustáceos às mesas dos pobres. Em 2002, o exportador Arimar França, do Rio Grande do Norte, recebia por um contêiner de camarão cerca de US$ 100 mil, equivalentes, na época, a R$ 399,6 mil. Hoje recebe R$ 176 mil e exporta 50% menos. O excedente vai para o mercado interno. Por isso, o camarão começou a entrar no cardápio de quem recebe cerca de R$ 1,5 mil. A fotografia nordestina é uma paisagem cheia de borrões. Grandes obras se espalham pela região. Apenas para Pernambuco há uma previsão de R$ 20 bilhões de investimentos nos próximos anos. A banda colorida da foto é enfeitada de progresso. A banda em preto-e-branco esconde o precário sistema educacional, a corrosão do sistema de saúde e crescente violência nas cidades. O analfabetismo funcional chega a 70% da população economicamente ativa. Aos “filhos do Estado”, acomodados no colchão protecionista, se somam os cabides de empregos públicos, esticando a distância entre a esfera privada, ágil, agressiva, competitiva, e a esfera pública, paquidérmica, preguiçosa, autofágica.

Não por acaso, as massas nordestinas exaltam a figura de Lula. Em 2006, deram-lhe, no segundo turno, uma vitória de 77,1%, contra apenas 22,9% de Geraldo Alckmin. Na América Latina, os governantes jogam na bolsa eleitoral as moedas fortes de seus governos, mesmo que esse capital seja contaminado pelo vírus populista. Hugo Chávez, na Venezuela, comanda o populista Missiones, com orçamento de US$ 5 bilhões; a Argentina dos Kirchners conta com o programa Chefe do Lar, voltado para garantir renda e dar empregos; no Chile, a presidente Michelle Bachelet implantou uma rede de programas assistenciais nas áreas de saúde, habitação e educação; na Bolívia, Evo Morales desenvolve a Operação Milagre (cirurgias), além de projetos educacionais; e, no México, a versão do Bolsa-Família é o programa Oportunidades. Quando oferecem meios e recursos para que os beneficiados desenvolvam aptidões e habilidades e ganhem status de cidadãos, tais programas merecem encômios.

Não é o que se constata no Brasil. A política social do governo Lula é inspirada por um distributivismo unilateral. Dá-se o peixe a multidões crescentes. E o anzol é esquecido. Forma-se na base do edifício da cidadania uma argamassa frouxa, inconsistente. Jamais essa estrutura terá condições de sustentar os eixos do civismo, do amor ao trabalho, da elevação dos valores éticos e morais para a construção de uma Pátria mais igualitária e mais justa. Forjam-se em algumas regiões do País contingentes de acomodados, alinhados ao utilitarismo egoísta, imediato, mesquinho. Pessoas de barrigas cheias e cabeças vazias.

Gaudêncio Torquato, jornalista, é professor titular da USP e consultor político.

Mas para não ficar somente na seriedade política, vejam só o que recebi na net.

Com os devidos e merecidos respeitos aos patrícios.

telegramacopyportugues1.jpg

05 fev 2008 Posted by | ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, ANEDOTAS, assistencialismo, CRESCIMENTO ECONÔMICO, GOVERNO, POLÍTICA | 2 Comentários

Reforma ou morte.

Reforma ou morte.

esmagando-o-povo.jpg

 

Há vários anos se comenta e se fala em uma reforma política no Brasil.

A constituinte de 1998 foi um documento permeado de emoções, feito às pressas e com sede de vingança.

As pessoas responsáveis por este documento tentaram fazer por decreto um remédio para as injustiças sociais, que deveriam ser sanadas por um crescimento sustentável da economia.

Criaram por tentar fazer justiça uma previdência para quem nunca contribuiu, abrindo com isto um rombo no sistema que naturalmente se fragiliza automaticamente à medida que a população envelhece e a contribuição diminui.

Deveriam ter feito, era uma maneira para que os contribuintes rurais fossem mantidos com um pouco de contribuição das pessoas que os empregaram e nunca recolheram nada para a previdência. Mas o loby dos produtores impediu que se fizesse a coisa justa e certa e agora estamos neste barco junto com todos eles os produtores. Às vezes, querem tratar um assunto como se existissem dois Brasis, um para eles e outro para os outros. Mas isto é um terrível engano e as injustiças cometidas para favorecerem alguns acabam finalmente recaindo sobre as costas de todos incluindo os que já se beneficiaram.olho-no-dinheiro.jpg

Os constituintes criaram as compensações pelas injustiças cometidas pelos militares e as perseguições políticas.

aumentos-em-2008.jpge-agora-ze.jpg

Isto deveria ter sido feito de outra forma com bons empregos e com empregos remunerados para a família dos injustiçados, mas da forma com foi feito causou mais distorções e injustiças do que as causadas pelos exílios e as perseguições. O Lula, por exemplo, e seu irmão frei Chico que não é nem frei e nem Chico ficaram presos porque infringiram uma lei, que poderia ser exagerada, mas era a lei, e para ser mudada deveria ser votada e não desrespeitada, e compensaram estes dois com uma pensão vitalícia de R$ 3.700,00 por nossa conta. O Lula ficou preso por 30 dias, com privilégios de sair quando queria ou pedia como foi liberado para o enterro de sua mãe.super-51.jpglula-de-ferias.jpg

Frei Chico foi menos ainda, ficou detido por baderneiro por um período de 20 dias, e recebe uma pensão vitalícia.

O jornalista Carlos Heitor Cony, perdeu o emprego de jornalista quando a ditadura acabou com o jornal em que trabalhava. Como compensação pela possibilidade de ter sido um tremendo jornalista, com carreira brilhante e não pode ter seguido seu destino por culpa do então governo, foi compensado com uma indenização milionária e uma pensão não menos milionária.

Ele realmente tem valor profissional, mas estas compensações não são condizentes com os parâmetros do país e apesar de talentoso, eu realmente duvido que se tivesse seguido a carreira jornalística no pequeno jornal que foi encerrado, teria em sua poupança a metade das compensações pagas à ele pela viúva.

cala-a-boca-ze.jpgze-repele.jpgdefendendo-o-partido.jpg

Estes erros da constituinte são vícios que necessitam ser sanados o quanto antes, e estes vícios causam uma distorção social tremenda e os antigos perseguidos políticos hoje fazem parte da classe privilegiada do Brasil.

E nós pagamos as contas.

Este post começou com a idéia de uma reforma política.

Então vamos a ela sem mais delongas.

· Reforma política no executivo:

v O voto deverá ser voluntário sempre.

v Não poderiam votar pessoas que recebessem ou fizessem parte de programas assistencialistas do governo.

v O mandato presidencial deverá ser de oito anos consecutivos.

v De dois em dois anos deveria haver um plebiscito em dezembro para avaliação do desempenho presidencial.

v O governo não poderia fazer campanha para este plebiscito. E a oposição não poderia fazer campanha contra o mandato. Nada mais seria decidido neste plebiscito.

v Poderia fazer sim propaganda dos feitos de seu mandato, mas se fosse pego com mentiras e números exagerados, seria imediatamente desclassificado para continuar a governar.

v O governo teria que dar prioridades às promessas de campanha, e se estas se mostrassem impossível de se concretizar, (demagogia durante a campanha) ele perderia o mandato nos primeiros dois anos.

v No caso de desclassificação, seria marcada uma nova eleição para outubro e o país neste período seria governado por uma junta formada pelo legislativo, que teria de levar adiante o governo que foi interrompido. (menos nos casos de ações claramente em detrimento do país). Para interromper estas ações a junta teria auxilio do supremo, que julgaria pertinente ou não uma mudança do rumo estabelecido.

v Será identificado na lei da reforma política as atitudes éticas e econômicas para a desclassificação do mandato do presidente, como viagens supérfluas, nepotismo, contas secretas, despesas exageradas, destruição de patrimônio público, ETC.

v Todo e qualquer cidadão que se candidatar e for eleito para cargos públicos, assim como o primeiro e segundo escalão do governo deverão abrir mão de seus sigilos bancários telefônicos, e fiscais, durante o período do mandato e até um ano após deixar o cargo.

· Reforma política no legislativo:

v Se o mandato é do partido como reza a constituição e foi recentemente aprovado pelo supremo, o presidente do partido deveria ser o único que apareceria nos programas de propaganda do partido. O candidato ou candidatos pelo cargo ficariam à disposição do partido para ocuparem o cargo assim que os partidos ganhassem as eleições. Poderia haver eleições internas para as preferências aos cargos a serem ocupados.

v O partido teria que fornecer um curso de administração política e publica para os candidatos, com reciclagem periódica, e um número mínimo de horas atendidas. Este curso deverá ser comprovado com provas finais tipo exame da OAB, e somente poderiam ser candidatos os que obtivessem uma nota mínima nestes cursos. Os exames finais seriam preparados por organização autônoma. Os futuros candidatos desta forma passariam a ser políticos profissionais e não aventureiros como acontece atualmente com grande parte da representatividade política.

v Os suplentes seriam automaticamente os segundos colocados nas eleições internas.

v Os representantes dos estados serão em número condizente com a população do estado. Maiores populações mais representantes dentro do congresso.

v No caso do Senado, um representante por estado e mais um por 10 milhões de habitantes deste estado. No caso atual seria assim:

Ø São Paulo teria um mais quatro – Total cinco representantes

Ø Minas teria um mais dois Total três representantes

Ø Rio de Janeiro, Bahia, Rio grande do Sul e Paraná teriam um mais um – Total dois representantes.

Ø Os demais estados teriam apenas um representante no senado federal, e este seria o de melhor desempenho nas eleições internas do partido e o suplente deste senador seria o segundo lugar nas eleições internas.

Ø O senado federal seria então ocupado por 37 senadores, e seria mais representativo do que na atualidade

v Na câmara federal ficariam assim, dez representantes em cada dez milhões de habitantes em cada estado. Menos de dez milhões, 10 representantes.

Ø São Paulo teria cinqüenta deputados,

Ø Minas Gerais teria trinta deputados

Ø Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Bahia e Paraná, vinte deputados e os demais estados com dez deputados cada um. A câmara federal seria então constituída por 370 deputados com uma representatividade mais distribuída e justa.

Na parte jurídica, os representantes eleitos deveriam ser contemplados com um fórum político, onde este parlamentar que fosse acusado pelo MP de algum desvio de conduta, perderia durante o julgamento o recebimento de seu salário, e seria este julgado por um júri popular em 30 dias.

A razão do júri popular seria a de que ele foi eleito pelo povo e deveria ser julgado pelo povo.

Teria pleno direito de defesa, mas seria um julgamento rápido sem as delongas legais que acontecem atualmente. Se fosse absolvido das acusações, receberia de volta os seus salários suspensos e não poderia mais ser julgado por este mesmo crime. Se houver novas acusações, do mesmo desvio, será um novo julgamento.

Se a acusação for de desvio de verba pública ou recebimento de propina, as contas bancárias do acusado ficarão inacessíveis até o resultado do julgamento. Se for julgado culpado, seu patrimônio pessoal será seqüestrado para cobrir os danos ao erário.

cadeia-de-politico.jpg

Na parte eleitoral, os dados do cidadão que irá requisitar o título de eleitor deverão constar o nº da declaração do IR, para ficar comprovado que não está recebendo ajuda assistencialista do governo. Se mentir para conseguir votar assim mesmo, ficará sujeito às penas legais.

Esta questão é muito importante, pois a ajuda assistencial passa assim a não constatar compra de voto.

No atual sistema os 47 milhões de pessoas contempladas pelo programa Bolsa Família, constituem uma força eleitoral tremenda e que causam uma distorção enorme na representatividade popular.

Não sei se as minhas idéias sobre a reforma terão uma aceitação pelos atuais políticos, mas eu penso que o Brasil ficaria mais respeitado no mundo inteiro e que subiríamos no índice de país menos corrupto.

As reformas políticas seguidas de uma reforma fiscal, como a idéia do Imposto Único (http://www.marcoscintra.org/novo/) poderiam colocar o Brasil na vanguarda dos países sérios e com crescimento garantido.

 

 

 

 

 

07 jan 2008 Posted by | ABUSOS LEGISLATIVOS, ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, ÉTICA, CRESCIMENTO ECONÔMICO, ECONOMIA, GOVERNO, POLÍTICA, REFORMA POLÍTICA | Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: