blog do Roberto Leite

Assuntos de interesses multiplos e atuais.

PAGAMOS, PAGAMOS E ….PAGAMOS

PAGAMOS,  PAGAMOS  E ….PAGAMOS

Nós estamos sustentando os políticos mais caros do planeta.

O congresso custa R$ 11.000,00 por minuto.

A prefeituras e assembléias estaduais seguem o exemplo, e a câmara distrital do df (minúsculas de propósito) consome mais do que todo o congresso de vários países de porte grande e médio.

Hoje me enviaram um vídeo de uma reportagem do Bom dia Brasil da Rede Globo, sobre os salários dos parlamentares e dá nojo e vergonha estar pagando esta fortuna para estes gaiatos ficarem legislando em Causa Própria,  impunemente rindo na nossa cara.

http://www.youtube.com/watch?v=2ii3mGUD-l4

A proposta de reforma política apresentada pelo deputado gaucho pelo PT Henrique Fontana, somente beneficia os caciques donos dos partidos grandes e a tal lista fechada é uma palhaçada digna de circo.

O digníssimo  deputado teve o descaramento de ir no programa matinal da CBN defender a democracia e alegar fortalecimento desta com um voto em lista fechada.

De acordo com ele, o eleitor seria  democraticamente obrigado a votar duas vezes. Uma em seu candidato e outra em um partido político de sua escolha. O partido então teria uma lista secreta, onde os deputados escolhidos dentro do partido seriam eleitos em segredo.

Isto é uma calamidade pior do que o que temos no momento. É um retrocesso do sistema democrático.

A única maneira de limpar o congresso é tirar de lá os não votados que atualmente é a maioria, sem que povo seja representado por esta corja.

Dos 513 deputados apenas 36 foram eleitos pelo voto direto, os demais ou são suplentes ou são eleitos por legenda. Esta palhaçada vai ficar pior com o projeto defendido pelo PT.

Para começar a moralizar o congresso, tem que haver um voto distrital simples e direto e uma votação voluntária com deve ser em uma democracia.

Depois vem o caso da suplência no senado federal, que deve ser abolida em favor do segundo mais votado.

Isto corrigiria um pouco as distorções existentes.

Agora tem muito mais. Tem que acabar este tal “FORO PRIVILEGIADO”. A minha sugestão neste sentido é que se crie um “Foro Parlamentar”, onde o parlamentar eleito pelo povo  em caso de denuncia pelo MP,  teria um julgamento célere e exemplar, com duração de não mais de 60 dias e com júri popular pois foi eleito pelo povo.

Além disto, se a denuncia for por corrupção e ganhos ilegais, no momento da denuncia seu salário seria suspenso e suas contas bancárias seriam bloqueadas. Sua defesa seria pela defensoria pública, pois ele foi eleito pelo público.

Isto sim seria um avanço em matéria de justiça e ética em política.

E com um congresso mais decente se poderia alcançar reformas tão necessárias como por exemplo uma real reforma tributária tipo o “Imposto Único” do ex deputado e economista da FGV, Marcos Cintra, que já foi examinado pelas comissões apropriadas foi aprovado e engavetado por interesses contrários à modernização do sistema tributário.

Com o imposto único, a arrecadação poderia ser o que é hoje sem isto que está aí em baixo:

IBPT – INSTITUTO BRASILEIRO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

Percentual de Tributos sobre O Preço Final

PRODUTO % Tributos/preço final

Description: cid:2__=0CBBF384DFD03BC38f9e8a93df93869@mpsa.com

Mesa de Madeira 30,57%
Cadeira de Madeira 30,57%
Sofá de Madeira/plástico 34,50%
Armário de Madeira 30,57%
Cama de Madeira 30,57%
Motocicleta de até 125 cc 44,40%
Motocicleta acima de 125 cc 49,78%
Bicicleta 34,50%
Vassoura 26,25%
Tapete 34,50%
Passagens aéreas 8,65%
Transporte Rod. Interestadual Passageiros 16,65%
Transporte Rod. Interestadual Cargas 21,65%
Transporte Aéreo de Cargas 8,65%
Transp. Urbano Passag. – Metropolitano 22,98%
MEDICAMENTOS 36%
CONTA DE ÁGUA 29,83%
CONTA DE LUZ 45,81%
CONTA DE TELEFONE 47,87%
Cigarro 81,68%
Gasolina 57,03%

PRODUTOS ALIMENTÍCIOS BÁSICOS

Carne bovina 18,63%

Frango 17,91%
Peixe 18,02%
Sal 29,48%
Trigo 34,47%
Arroz 18%
Óleo de soja 37,18%
Farinha 34,47%
Feijão 18%
Açúcar 40,4%
Leite 33,63%
Café 36,52%
Macarrão 35,20%
Margarina 37,18%
Margarina 37,18%
Molho de tomate 36,66%
Ervilha 35,86%
Milho Verde 37,37%
Biscoito 38,5%
Chocolate 32%
Achocolatado 37,84%
Ovos 21,79%
Frutas 22,98%
Álcool 43,28%
Detergente 40,50%
Saponáceo 40,50%
Sabão em barra 40,50%
Sabão em pó 42,27%
Desinfetante 37,84%
Água sanitária 37,84%
Esponja de aço 44,35%

PRODUTOS BÁSICOS DE HIGIENE

Sabonete 42%
Xampu 52,35%
Condicionador 47,01%
Desodorante 47,25%
Aparelho de barbear 41,98%
Papel Higiênico 40,50%
Pasta de Dente 42,00%

MATERIAL ESCOLAR

Caneta 48,69%
Lápis 36,19%
Borracha 44,39%
Estojo 41,53%
Pastas plásticas 41,17%
Agenda 44,39%
Papel sulfite 38,97%
Livros 13,18%
Papel 38,97%
Agenda 44,39%
Mochilas 40,82%
Régua 45,85%
Pincel 36,90%
Tinta plástica 37,42%

BEBIDAS

Refresco em pó 38,32%
Suco 37,84%
Água 45,11%
Cerveja 56%
Cachaça 83,07%
Refrigerante 47%
CD 47,25%
DVD 51,59%
Brinquedos 41,98%

LOUÇAS

Pratos 44,76%
Copos 45,60%
Garrafa térmica 43,16%
Talheres 42,70%
Panelas 44,47%

PRODUTOS DE CAMA, MESA E BANHO
Toalhas – (mesa e banho) 36,33%
Lençol 37,51%
Travesseiro 36%
Cobertor 37,42%
Automóvel 43,63%

ELETRODOMÉSTICOS

Fogão 39,50%
Microondas 56,99%
Ferro de Passar 44,35%
Telefone Celular 41,00%
Liquidificador 43,64%
Ventilador 43,16%
Refrigerador 47,06%
Vídeo-cassete 52,06%
Aparelho de som 38,00%
Computador 38,00%
Batedeira 43,64%
Roupas 37,84%
Sapatos 37,37%

MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Casa popular 49,02%
Telha 34,47%
Tijolo 34,23%
Vaso sanitário 44,11%
Tinta 45,77%
Fertilizantes 27,07%
Móveis (estantes, cama, armários) 37,56%
Mensalidade Escolar 37,68% (ISS DE 5%)

ALEM DESTAR COISAS, VOCÊ AINDA:

1) PAGA DE 15% A 27,5% DO SEU SALÁRIO DE I.R.

2) PAGA O SEU PLANO DE SAUDE, O COLEGIOS DO SEUS FILHOS,  INSS,
      FGTS ETC.

3) PAGA MULTAS DE TRÂNSITO.

4) PAGA  IPTU,

5) PAGA IPVA,

6) PAGA TAXA DE EMPLACAMENTO,

7) PAGA PEDÁGIO,

8) PAGA SUBORNO

9) O PEQUENO EMPRESÁRIUO NO DF, PAGA TAXA DE FISCALIZAÇÃO,

10)  PAGA ESMOLA NOS SEMÁFOROS,

11) PAGA OS JUROS MAIS ALTOS DO MUNDO,

12) PAGA FLANELINHAS

13) PAGA SEGURO (OBRIGATÓRIO E OUTROS NÃO OBRIGATÓRIOS)

14) PAGA IMPOSTOS EM CASCATA E AINDA QUEREM VOLTAR COM CPMF

ISTO TEM QUE ACABAR

06 out 2011 Posted by | ABUSOS LEGISLATIVOS, ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, CPMF, GOVERNO, IMPOSTO ÚNICO, POLÍTICA, REFORMA POLÍTICA | Deixe um comentário

O sindicato da vergonha.

O sindicato da vergonha.

 

 

O termo “sindicato” deriva do latim syndicus, que é proveniente do grego sundikós, com o significado do que assiste em juízo ou justiça comunitária. Na Lei Le Chapellier, de julho de 1791, o nome síndico era utilizado com o objetivo de se referir a pessoas que participavam de organizações até então consideradas clandestinas.

 

“Se queres conhecer o Inácio, coloque-o em um palácio”

Esta frase do Barão de Itararé foi cunhada dez anos antes do Lula nascer.

dia-da-corrupcao.jpgmeninio-que-mente.jpg

Eu detesto os sindicatos, detesto o corporativismo que eles representam; o peleguismo, etc.

Detesto ver que os líderes ficam muito melhores do que os sindicalizados, sem fazer absolutamente nada, a não ser conversa fiada, e eles têm uma atitude muito semelhante aos cartolas do futebol, que invariavelmente ficam muito ricos, e os clubes e os atletas que se danem.

Não estou falando do sindicalismo no Brasil, estou falando do sindicalismo americano, onde trabalhei 27 anos e senti na pele a força destas organizações parasitas, que se agremiam em detrimento das empresas e dos empregados e favorecem apenas os seus interesses.

E note-se que nos Estados Unidos, não existe por lei uma contribuição compulsória, os sindicatos têm que se esforçar pelo menos para conseguir adeptos, pois as contribuições são em sua maioria voluntárias.

No caso do Brasil, a situação é pior, pois os trabalhadores têm obrigação legal de contribuir um dia de seu salário para os sindicatos.

Isto gera os sindicatos que vivem apenas deste repasse, sem fazer absolutamente nada.

Em geral no Brasil pelo que até o momento consegui acompanhar, os sindicatos são piores do que os americanos, não contribuindo em nada para a sociedade como um todo e pelo contrário usando a sociedade para seu benefício, em detrimento de outras pessoas.

E foi neste ambiente propicio à proliferação de injustiças e desonestidade que nasceu e cresceu o PT, partido da atual administração e do Lula que foi seu fundador e que desde então nunca trabalhou, apenas aproveitou o esforço de outros para se locupletar.

E por esta razão sempre fui contra o PT como sou contra qualquer organização sindical.

E o resultado está aí.

Além de não fazer nada pelo Brasil, o Lula agora não quer e não pode abrir mão da CPMF,

que no final da corrida para a sua perpetuação virou questão de honra para o sindicato que governa o Brasil.dia-do-palhaco.jpg

Estão sindicalizando o congresso também

Colocaram o sindicato em um palácio, e viram o que aconteceu…..

Ninguém melhor do que o Villas-Bôas Corrêa para escrever a respeito deste assunto como encontrei hoje no Jornal do Brasil on Line

O artigo do Villas:

O fundo cinzento da CPMF

Qualquer que seja o resultado da batalha campal que o governo trava com a oposição para aprovar a cobrança da Contribuição Provisória sobre a Mobilização Financeira – mais conhecida pela sigla CPMF ou pelo apelido de imposto sobre o cheque – um balanço em aberto registra a dupla derrota do presidente Lula, da sua desastrada equipe de articuladores e do Congresso, ou mais precisamente, do Senado.

Pois nunca, até onde cutuco a memória, a Câmara Alta dos severos senhores de barbas e cabelo brancos passou por crise igual ou parecida com tão drástico rombo na imagem de sua respeitabilidade. Nem nos amargos tempos da ditadura militar.

O presidente deveria ter se poupado antes de embarafustar pelo labirinto das contradições ou da ignorância dos limites da tolerável intromissão na negociação parlamentar, muito mais ajustada aos entendimentos entre líderes, com a participação dos ministros da Fazenda, do Planejamento ou das Relações Institucionais, o estreante José Lúcio Monteiro.

Pois uma das tarefas ministeriais e das lideranças do bloco governista é poupá-lo do excesso de exposição, com respingos na imagem presidencial. Mas quem segura a vaidade exibicionista que se enxerga no espelho como o maior presidente de todos os tempos, o salvador da pátria que se afogava nas águas sujas dos dois mandatos do seu antecessor?

Vitória, mesmo lambuzada pela calda amarga, é sempre doce. Mas, o ziguezague do eu- não-disse-o-que-disse deixa um rastro de imaturidade e açodamento.

Afinal, em que ficamos: “Os senadores são responsáveis, têm preocupações com o Brasil” ou integram o bando de sonegadores e de inimigos dos pobres?

Lula passou pelo Congresso como gato sobre chapa quente. No exercício do mandato do mais votado deputado-constituinte jamais se sentiu à vontade entre os mais de 300 picaretas que estigmatizou na frase untada de ressentimento.

Na mesma corda-bamba, o maior líder sindicalista do país, como presidente do Partido dos Trabalhadores e na linha reta da coerência, combateu a manobra do presidente Fernando Henrique Cardoso para arrancar a aprovação pelo Congresso da emenda que contaminou o regime com a praga da reeleição.

Eleito presidente na quarta tentativa, não se enredou em constrangimentos éticos para disputar o segundo mandato e ser eleito com 58 milhões de votos. Custou a falar claro nos sinuosos desmentidos sobre as tramas palacianas para o encaixe do terceiro mandato na prometida reforma política adiada para o dia de são nunca.

Na tardia choradeira oficial, o presidente e ministros clamam pelo R$ 40 bilhões anuais da cobrança do imposto do cheque. E têm lá as suas razões óbvias. Mesmo para um governo da gastança, que dissipa bilhões na orgia de nomeações para cargos em comissão que dispensam o aborrecimento dos concursos e que chega à metade do segundo mandato com o saco das promessas de duas campanhas lotado até a boca, a rede rodoviária esburacada e recordes de acidentes, os portos ao abandono, as ferrovias entregues à ferrugem, um insucesso no Senado seria um desastre quase irremediável.

Mas deixemos de hipocrisia. As cólicas que roncam nas tripas oficiais passam ao largo da crise moral que contamina os três poderes. E o governo que não teve competência e garra para enfrentar as reformas prioritárias que contaminam o Executivo e seu patusco e obeso ministério, nem a audácia para a operação de limpeza das mordomias, vantagens, benefícios dos penduricalhos que alçam o mandato ao topo de um dos melhores empregos do mundo.

Lula está prometendo fazer oito anos em dois. E um JK pelo avesso.

anoes-no-congresso.jpg

12 dez 2007 Posted by | ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, ARTIGOS, ÉTICA, CPMF, GOVERNO | 1 Comentário

Profecia?

Profecia?

Será que o Barão de Itararé seria um profeta?

Ele cunhou esta frase:

Queres conhecer o Inácio, coloca-o num palácio.

Nome:

Aparício Fernando
de Brinkerhoff Torelly –
Nascimento: 29/01/1895
Natural: Rio Grande do Sul Morte: 27/11/1971

Mais sobre o Barão de Itararé em:

http://www.releituras.com/itarare_bio.aspbarao-de-itarare.jpg


Foi em meados de 1930 quando o Barão de Itararé escreveu esta frase, aproximadamente uns dez anos antes do Lula nascer. Quanta verdade contém esta frase.

Ouvindo o Apedeuta dizer suas besteiras defendendo o indefensável que é a permanência da CPMF, ele já se considera um imperador.

Fazendo ameaças por todas as partes, e seguido de perto por seu séquito de ignorantes e aproveitadores, dizendo e repetindo as mesmas ameaças.

Outro dia surgiu na mídia uma matéria sobre o MMM (Ministro Mantega Mentira), dizendo que o plano emergencial já está pronto, se perderem a aprovação da CPMF, eles vão criar um imposto igualzinho por medida provisória.

Que grande cara de pau desta gente, medidas provisórias são medidas emergenciais e estão sendo usadas para tudo desde manipular as votações no congresso ou para arrancar mais dinheiro do povo. Outro dia escutando um economista na CBN, gostaria de lembrar o nome, mas estava dirigindo e não pude pegar, disse uma frase que resume tudo sobre a necessidade de se abolir a CPMF:

“A CPMF retira 40 bilhões da sociedade, e coloca nas mãos do governo para gastar como quiser, e o governo gasta mal”

O presidente Lula mente muito para enganar os incautos sobre o imposto:

“Somente 14 milhões de pessoas pagam a CPMF” – Mentira deslavada e cínica:

Divide-se 40 bilhões de Reais por 14 milhões de pessoas ou correntistas, e consegue-se uma média de R$ 3.000,00 por cada conta corrente. É muito dinheiro para ser retirado das contas dos correntistas, e será muito mais do que os 0.38% que é o imposto. De onde vem esta diferença? Do povão que paga por tudo o que consome e em cascata o valor da CPMF multiplicado por tantas vezes quanto a mercadoria trocou de mãos. Outra mentira:

“Sem a CPMF, não haverá dinheiro para a saúde” – Mentira deslavada e cínica:

Pela constituição o governo tem obrigação de gastar 20% do PIB com a saúde pública, tenha CPMF ou não e se não gastar, como não gasta, este governo deveria ser impedido como queria o Novo Ministro do SEALOPRA Mangabeira Unger em 2005, e estes irresponsáveis deveriam ir para a cadeia.

“A CPMF é um imposto pequenino que não onera ninguém” – Mentira deslavada e cínica:

Se for um imposto tão insignificante, porque será que o Imperador Lula está se esforçando tanto para que ele continue? Porque será que ele cancelou o que mais gosta de fazer, e que é viajar pelo mundo à custa do erário, para ajudar a lutar para a permanência deste imposto indecente? E se é um imposto pequenino, como será que chegou a quarenta bilhões?

“Se os senadores não tiverem juízo, votam contra. Se tiverem juízo, eles aprovam e podem dizer para o povo que graças a eles a gente aprovou recursos para ajudar os pobres deste país. Se fosse para ajudar rico, ninguém votaria contra. Mas para conseguir um centavo para o povo pobre, é uma guerra” – Mentira deslavada e cínica:

“Eles quando eram da oposição, votaram em massa e fechados contra a CPMF, porque eram da “OPOSIÇÃO”. Queriam era ver o circo pegar fogo o que agora usam para explicar a atitude da oposição. E a CPMF é um imposto contra os pobres principalmente porque os ricos que colocam seu dinheirinho lá no exterior como fez a sua filha Lurian Cordeiro com os sete e meio milhões de Reais da sua ONG a “Rede 13” que quebrou e não prestou contas dos repasses que totalizaram esta quantia. Agora dizem que é imposto para ajudar pobres. Pobres aspones que ganham em média R$5.000,00 por mês, e que o Lula não para de contratar.”

“A CPMF arrecada R$ 40 bilhões e metade deles é para a saúde. Só o Bolsa Família utiliza 76% de dinheiro da CPMF” – Mentira deslavada e cínica novamente:

Metade é 50% com os 76% da bolsa esmola, seria 126%, portanto as contas do imbecil além de mentirosas não estão batendo. E Bolsa família é problema dele, não da CPMF e se a CPMF fosse totalmente usada na manutenção e melhoria da saúde, seria ainda ilegal, mas seria mais simpática, e a saúde estaria melhor do que o marasmo atual.

“Os deputados já votaram, não é possível que alguém não tenha a responsabilidade de saber que nenhum governo pode prescindir de R$ 40 bilhões”. – Mentira deslavada e cínica:

“Nenhum governo”, faltou completar “irresponsável como o nosso”, porque a arrecadação de impostos sem a CPMF, está 125% superior do que no governo FHC, e a infra estrutura está pior, as estadas estão pela morte, os portos inadequados, a energia está por uma pequena seca, a produção da Petrobrás caiu pela primeira vez em 30 anos, a educação está muito pior, a saúde está pior.

“- Quem não quer a CPMF é quem sonega imposto, porque a CPMF é um imposto que vai detectar quem está sonegando –“ – Mentira deslavada e cínica.

Se isto fosse a verdade, os mensaleiros e aloprados, que movimentaram bilhões de reais, seriam pegos e com provas irrefutáveis pois durante os golpes a CPMF estava em pleno vigor.

O dinheiro dos aloprados está até hoje na PF, onde ninguém reclamou a posse. Nas fotos divulgadas, os dólares têm um rótulo do Banco Central e os reais também são rotulados pela Caixa Econômica e pelo BC. E nem assim se consegue encontrar a origem deste dinheiro. E o marqueteiro do PT, o Duda Mendonça que foi receber seus honorários nas ilhas Cayman, onde não cobram CPMF. E quando eles eram contra? Eram eles sonegadores ou apenas caixa dois que o presidente disse na França ser coisa normal?

dolares21.jpgnotas-dec-em-da-caixa.jpg

Outras máximas do Barão de Itararé

Barão de Itararé

De onde menos se espera daí é que não sai nada.

Mais vale um galo no terreiro do que dois na testa.

Quem empresta, adeus…

Dizes-me com quem andas e eu te direi se vou contigo.

Pobre, quando mete a mão no bolso, só tira os cinco dedos.

Quando pobre come frango, um dos dois está doente.

Genro é um homem casado com uma mulher cuja mãe se mete em tudo.

Cleptomaníaco: ladrão rico. Gatuno: cleptomaníaco pobre.

Quem só fala dos grandes, pequeno fica.

Viúva rica, com um olho chora e com o outro se explica.

Depois do governo ge-gê, o Brasil terá um governo ga-gá. ( Ge-gê: apelido de Getulio Vargas. Ga-gá: referia-se às duas primeiras letras no sobrenome do novo presidente, Eurico Gaspar Dutra).

Um bom jornalista é um sujeito que esvazia totalmente a cabeça para o dono do jornal encher nababescamente a barriga.

Neurastenia é doença de gente rica. Pobre neurastênico é malcriado.

O voto deve ser rigorosamente secreto. Só assim, afinal, o eleitor não terá vergonha de votar no seu candidato.

Os juros são o perfume do capital.

Urçamento é uma conta que se faz para saveire como debemos aplicaire o dinheiro que já gastamos.

Negociata é todo bom negócio para o qual não fomos convidados.

O banco é uma instituição que empresta dinheiro à gente se a gente apresentar provas suficientes de que não precisa de dinheiro.

A gramática é o inspetor de veículos dos pronomes.

Cobra é um animal careca com ondulação permanente.

Tudo seria fácil se não fossem as dificuldades.

Sábio é o homem que chega a ter consciência da sua ignorância.

Há seguramente um prazer em ser louco que só os loucos conhecem.

É mais fácil sustentar dez filhos que um vício.

A esperança é o pão sem manteiga dos desgraçados.

Adolescência é a idade em que o garoto se recusa a acreditar que um dia ficará chato como o pai.

O advogado, segundo Brougham, é um cavalheiro que põe os nossos bens a salvo dos nossos inimigos e os guarda para si.

Senso de humor é o sentimento que faz você rir daquilo que o deixaria louco de raiva se acontecesse com você.

Mulher moderna calça as botas e bota as calças.

A televisão é a maior maravilha da ciência a serviço da imbecilidade humana.

Este mundo é redondo, mas está ficando muito chato.

Pão, quanto mais quente, mais fresco.

A promissória é uma questão “de…vida”. O pagamento é de morte.

A forca é o mais desagradável dos instrumentos de corda.




09 dez 2007 Posted by | ABOBRINHAS, ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, ÉTICA, Cinismo, CPMF, GOVERNO, POLÍTICA | Deixe um comentário

Sonegadores.


Sonegadores.

impostos.jpg

Em uma ocasião, durante o início do governo FHC, um representante do FED, o Banco Central Americano, em visita ao Brasil, foi apresentado ao sistema tarifário arrecadatório brasileiro.

Ao deparar com os 76 impostos cobrados dos cidadãos, das pequenas empresas, e de um modo geral de toda a população, ele exclamou:

“Isto aqui não é um sistema tarifário, mas uma indústria de sonegação, pois somente pode sobreviver a este sistema quem consegue inventar um método seguro de sonegar impostos”

Na época, esta declaração saiu na mídia, em revistas, e causou certo mal estar no governo iniciante, mas como tudo no Brasil, caiu no esquecimento bem rápido, principalmente porque nada foi feito a respeito.

E ainda não existia CPMF.

Quando esta idéia surgiu no congresso, todo o PT gritou em uníssono sobre a agressividade deste imposto e lutou até o fim para a não aprovação deste imposto.

 

Se como diz atualmente o Lula de que somente os sonegadores não gostam deste imposto, poderemos assumir sem sombra de dúvida de que os petistas estavam era com medo de que este imposto começasse a vasculhar as suas contas de caixa dois.

bolsa-da-cpmf.jpg

Eu realmente gostaria que o Lula explicasse para a nação, onde foi parar aquele dinheiro, que o governo destinou para a ONG da Lurian Cordeiro, a filha ilegítima do Lula.

A “rede 13” foi criada com fins pedagógicos assistenciais, e para administrar o “Fome Zero em Santa Catarina, mas não funcionou e especula-se de que foram repassados pelo governo sete e meio milhões de reais para as operações em pauta que não aconteceram. Não houve nenhuma prestação de contas sobre este repasse, e também se especula que este dinheiro foi lavado para fora do Brasil e se encontra na conta da Lurian em Miami.

Leia algo sobre a Rede 13 em: http://edulevy.blogspot.com/2006/09/histria-mal-contada-da-ong-do-filho-de.html

Idelí Salvati, não quer nem ouvir falar em investigação pela CPI das ONGS nesta ONG suspeita, e que foi extinta seis meses depois de fundada, sem prestar contas dos repasses de sete e meio milhões de reais.

Como houve exageros de gastos, o churrasqueiro do Lula de nome Chuveiro Elétrico, ops digo Lorenzetti, foi encarregado de limpar tudo e acabar com a ONG.

E não creio que esta gente pagou um centavo de CPMF. E se pagou onde estão os indícios dos gastos para serem investigados pela receita?

Este mesmo Lorenzetti estava francamente e diretamente envolvido com o dinheiro dos “Aloprados”, que não pode ser mostrado pela imprensa por ordem do Ministro da Justiça, e que foi divulgado em foto por um delegado que por causa disto sofreu várias sanções dentro da PF.

notas-dec-em-da-caixa.jpg

As fotos mostram estes pacotes de dinheiro, com rótulos do BC e da Caixa, que nunca foram encontrados os seus donos e ainda estão na delegacia da PF aguardando destino.

banco-central.jpg

E são os sonegadores que não querem a CPMF. Quanto se arrecadou com a CPMF o dinheiro dos “aloprados”.

dineiro-dos-aloprados3.jpg

Como parte do dinheiro apreendido era em dólares, novos em folha, transferidos de Miami para o Brasil por intermédio de doleiros, houve a especulação de que o Lorenzetti programou tudo isto com uma parte do dinheiro da Lurian Cordeiro que está escondido em Miami. Quem tem dinheiro no exterior não paga CPMF.

dolares2.jpg

E o presidente não consegue parar de mentir. É compulsório. A vida dele é uma mentira.

Desde o seu dedinho convenientemente amputado, à sua pensão de R$ 3,700,00 por estar preso por 31 dias, à sua moradia na casa do Roberto Teixeira, seu compadre, ao seu apartamento de cobertura reformado com o seu cartão corporativo, à súbita fortuna de seu filho Flavio, e à venda de influêcia praticada pelo seu irmão Vavá, que ele denominou lambari, ao seu irmão mais velho o Frei Chico, que não é nem Frei e nem Chico, mas também recebe pensão por ficar preso por 15 dias. E a ética para ele ficou definida quando em Paris no seu famoso discurso e explicação do Valerioduto ele disse que caixa dois é coisa normal.

E em uma demonstração de desespero, agora democraticamente ameaça o Brasil com mentiras, que será deixado em um cáos se a CPMF não for aprovada.

Hoje nas notícias, precisamente em Migalhas; http://www.migalhas.com.br/mig_hoje.aspx

Lí o sdeguinte:

O governo federal vai reintegrar milhares de servidores públicos demitidos durante o mandato de Fernando Collor, por considerar que foram vítimas de atos ilegais e de perseguição política.

Se continuar assim, terá de subir a alíquota da CPMF para .50% para poder sobreviver com seus pequenos gastos.

E dinheiro na cueca?dineiro-na-cueca.jpg

Pagou CPMF?

Eta Brasil….

E o Boris Cazoy que foi expulso da Record por ordem do governo,

(leia-se Bispo Crivela) escreveu um bom artigo que vou publicar abaixo:

O JB on-line,

Editorial por Boris Casoy

Quem sonega

Em mais um de seus discursos lapidares, o presidente Lula afirmou, em Colatina, no Espírito Santo, que “quem tem medo da CPMF é quem sonega imposto”. E foi mais longe ao vociferar contra o DEM, adversário ferrenho da CPMF. Chamou o partido pela sua antiga sigla, PFL, para acrescentar que a agremiação “torce todo santo dia para as coisas não darem certo no país”. O DEM respondeu duro em nota oficial, dizendo que “Lula mente de forma cínica”.

Não iria eu tão longe como o ex-PFL. Mas restariam no ar algumas dúvidas a serem esclarecidas. Em que lugar, por exemplo, se colocariam o presidente e o PT na época em ele e seu partido foram visceralmente contra a CPMF? Seriam sonegadores? Ou seguidores do “quanto pior, melhor”? Será que o caixa 2 confessado candidamente, como se não fosse crime, por Lula, numa entrevista em Paris, não caracteriza sonegação? Será que os dólares que o publicitário Duda Mendonça recebeu de contas no exterior por serviços prestados à campanha presidencial não seriam indícios de sonegação? Ou porventura os dirigentes do PT tiveram a habilidade de transformar dinheiro de origem legal em numerário “por fora”?

O fato é que a irritação de Lula demonstra que as coisas não vão tão bem no trabalho de cooptação de adversários do imposto. O presidente e o PT mostram-se irritados e até intolerantes com as manobras regimentais da oposição tentando complicar a prorrogação do imposto – manobras essas que o PT quando oposição se cansou de lançar mão, aliás, de maneira democrática e legítima, como democrática e legítima é hoje a ação oposicionista. O problema, na verdade, não está nos partidos de oposição. Bastaria que os governistas organizassem seus contingentes no Congresso, especialmente no Senado, para resolver a questão. Mas o clima de irritação na base do governo é tal que Lula se vê obrigado a uma incursão mais profunda em domínios oposicionistas para tentar garantir a prorrogação. O descontentamento do oficialismo no Congresso tem variadas raízes. Vai desde a gula de alguns pela conquista de cargos e benesses orçamentárias até a incompetência de lideranças da base aliada, cujas intervenções, com a sutileza de um elefante, redundam em catástrofes políticas, algumas dignas do anedotário congressista.

Hoje o tempo trabalha a favor do governo, embora Lula saiba que a essa altura dos acontecimentos a cotação para a mudança de voto esteja nas alturas. E pode subir ainda mais na medida em que se aproxima a votação no plenário do Senado. Com voto aberto e imprensa atenta, uma mudança de posição pode sair muito caro, já que expõe o parlamentar à fiscalização da mídia e de seus eleitores. Mas burras abertas e cargos em leilão sempre seduziram muitas alminhas em busca de um porto seguro…

No fundo, no fundo, pouco de tudo isso importa muito. Só servirá para medirmos a temperatura da ética e da preocupação dos parlamentares com os destinos do Congresso e, principalmente, com seu eleitorado. Até porque não se deve superestimar a burrice da população, imaginando que a maioria possa acreditar na asneira oficial de que a CPMF atinge apenas os mais ricos, quando na verdade dá uma enorme cacetada nos mais pobres. Ou que Lula queira fazer uma reforma tributária digna desse nome para reduzir nossa pornográfica carga tributária.

aparelhando-a-midia.jpg

O governo está em outra: quer gastar mais, contratar funcionários a rodo, não fazer nenhum esforço de racionalização de despesas e inaugurar mais uma TV oficial, que terá a a isenção de uma Agência Tass. Tudo pelo terceiro mandato. Aquele que Lula garante não querer….

Bom artigo este do Boris.

E a educação como andará?

educacao-1.jpgeducacao-2.jpg

 

 

 

 

02 dez 2007 Posted by | ABOBRINHAS, ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, ÉTICA, CPMF, GOVERNO, POLÍTICA | Deixe um comentário

Cinismo e hipocrisia.

Cinismo e hipocrisia.muito-gas.jpg

 

BRASÍLIA – O Brasil reduziu a miséria pela metade nos últimos cinco anos graças a impostos como a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). A afirmação é do presidente interino do Senado, Tião Viana (PT-AC), em entrevista hoje à Rádio Nacional

 brasil-da-silva.jpgluila-mente.jpg

O cinismo é tanto que tem pessoas que ainda acreditam que o governo Lula está de vento em popa.

A arrecadação de impostos será maior este ano do foi no ano passado. O acréscimo será de 17% maior do que o montante arrecadado em 2006.

Em 2006, o total arrecadado pela recita federal foi muito próximo a 400 bilhões de reais.

(R$397,611 bi)

Com o aumento planejado de 17% sobre esta arrecadação, o governo deve superar 65bilhões de reais arrecadados a mais em 2007. Este aumento representa 15 bilhões a mais do que será arrecadado em 2007 pela CPMF.

Com estes números, o Brasil não precisa realmente da CPMF.

Mas o governo gasta mal, joga fora o nosso dinheiro e por isto a sanha arrecadatória está em alta e não pode abrir mão da CPMF.

Na declaração acima, está mal explícito o que seja a faixa da miséria.miseraveis.jpg

Foi considerada dentro da faixa da miséria, uma pessoa que ganha abaixo de R$ 125,00 mensais. Isto, é muito abaixo do atual salário mínimo e esta cifra considerada pelo governo, está muito longe de ser uma quantia para um cidadão sobreviver com um pouco de dignidade.

Foi apurada pelo SIAF, que a dona Marisa Letícia, tem um gasto médio diário, através de um cartão corporativo em nome de sua segurança pessoal, uma senhora que se chama Maria Emília Évora, de R$ 2.500,00 e de que desta quantia em média são sacados diariamente em dinheiro vivo, R$ 1.700,00.

Em 30 dias, esta senhora primeira dama, retira para seu uso pessoal, R$ 75.000,00.

Isto equivale a 600 pessoas, que sairiam da faixa da miséria por mês apenas com os fundos retirados em favor da primeira dama. Seriam 7.200 menos miseráveis ao ano.

Agora isto é café pequeno, e pode parecer até fofoca com o resto do dinheiro que foi jogado fora com uma administração ridícula dos problemas nacionais.

Vejamos com os números da Petrobrás. As dependências brasileiras na Bolívia, de propriedade da Petrobrás e garantidas por contrasto internacional foram negociadas pelo Brasil, com um defasamento de 200 milhões, em desfavor do Brasil e que ainda não foi nada recebido.

Somente este desperdício, porque o governo ficou com pena do pobre Evo, tirariam da faixa de miséria um milhão e seiscentos mil miseráveis..merda-da-petrobras.jpg

Operação tapa buracos em janeiro de 2006. Ano eleitoral e período das chuvas.

R$ 440 milhões do governo para recuperar 26 mil km de estradas são bem-vindos, mas insuficientes. Minas Gerais investiu R$ 300 milhões em 2005 para recuperação de 5.000 km de rodovias.

Todo este dinheiro foi desperdiçado como uma investigação do TCU comprova.

92% de toda a obra estão sob suspeita, e as estradas, em sua maioria estão iguais ou pior do que em janeiro de 2006.

A metade deste dinheiro, que foi apenas roubado pelas empreiteiras e políticos em uma ação puramente eleitoreira, tiraria da faixa da miséria mais 1 milhão e oitocentos mil miseráveis.

O discurso do Tião Viana está ótimo, mas é puramente o governo querendo mais dinheiro para jogar fora. Nosso dinheiro.

O Lula que em campanha do primeiro mandato prometeu de pés junto de que a taxa tributária seria revista para baixo em seu governo, mudou o tom e agora disse que os ótimos serviços que os brasileiros desfrutam, custam muito caros e que nós temos mais é que pagar imposto sim para termos segurança, saúde e educação de primeiro mundo.

Quando o Lula assumiu, a taxa tributária do Brasil era a segunda maior do mundo perdendo somente para a Turquia: 36% do PIB.

A maneira de calcular o PIB foi modificada pelo IBGE, favorecendo os números finais.

Com esta nova modalidade a percentagem dos impostos sobre o PIB caiu um pouco mas ainda assim supera os 40% e passamos a Turquia.

Na visão mais antiga teríamos agora um percentual de 42% do PIB.

Apesar desta elevada e pesada taxa tributária, a saúde está em caos, a segurança muito questionável, e a educação é a pior dos ultimo 20 anos.

As figuras do governo mostram uma melhoria nos números da evasão escolar devido ao bolsa família mas a qualidade deste ensino está péssima.

E falando nos programas sociais do governo Lula, que deveriam ajudar a retirar os miseráveis desta faixa indigna, estão permeados de fraudes e roubos descarados e estão recebendo benefícios indevidos até funcionários públicos federais. Os programas e as fiscalizações são fracos e os espertalhões e o roubo muito forte.

Este governo que somente em cinco anos contratou sem concurso algum, 180.000 novos servidores regiamente pagos e criou 27 novas estatais, gasta dinheiro com as duas mãos e vem falar dos pobres miseráveis brasileiros, usados como bucha de canhão para justificar a sanha arrecadatória do governo.

O pior vem por último, está encarregado da transposição do Rio São Francisco, o Gedel Vieira Lima, apelidado na Bahia, o seu estado de “AGATUNADO”.

Esta obra, totalmente inútil, não tem como ser concluída, pois não existe energia suficiente para o bombeio de 16m³ por segundo.

Seriam necessários 900Mw hora para esta façanha, com as bombas mais eficientes, e isto é quase a totalidade da produção da usina de Sobradinho na Bahia.(1.100Mw)

Por mais que o Lula grite e esperneie de que temos energia suficiente para crescer até 2012, não é a verdade. Ele mente muito.

Temos no atual nível de crescimento de 4%, o pior de toda a América Latina (apenas ganhamos do Haiti) temos energia para manter este nível por mais um ano e pronto.

Não existe nos programas de governo nada para melhorar isto no curto ou médio prazo, e um apagão é eminente.

Estes são fatos constatados por várias autoridades no assunto de faculdades famosas como a USP ou a PUC, ou a UFMG.

Destes fatos tiramos a conclusão de que os 6,2 bilhões aprovados pelo congresso para serem gastos na transposição serão também desperdiçados.

Estes gastos seriam suficientes para pagar não 125 reais para os miseráveis, mas para pagar um salário de 380 reais a 16,5 milhões de pessoas necessitadas.

E agora o governo vem com esta choradeira de que terá de sacrificar outros programas sociais ou subir ainda mais a carga tributária se a CPMF não for aprovada.

Se o governo aprender a gastar dentro do que arrecada, as taxas poderão ser reduzidas e não acrescidas

 

A CPMF é temporária, não ficou constatada a sua necessidade emergencial e deverá ser abolida para sempre imediatamente.

SHÔ – SHÔ – SHÔ –

 CPMF.

 

pais-serio.jpg

08 nov 2007 Posted by | ÉTICA, CPMF, CRESCIMENTO ECONÔMICO, Crimes e emntiras | Deixe um comentário

A CPMF da corrupção?

A CPMF da corrupção?sonho-da-cpmf.jpg

Outro dia li em um comentário de um dos Blogs noticiosos, não me recordo qual, uma observação interessante:

“o dinheiro da corrupção não paga CPMF, os dólares na cueca, o mensalão, o dinheiro dos aloprados, a caixa de bebida que continha dólares, a contribuição das FARC ao PT, etc.”

Realmente, uma das desculpas ou justificativas da permanência da CPMF era de fiscalizar as contas para se evitar principalmente a lavagem de dinheiro. Este crime é o que faz possível o roubo de dinheiro público, pois se não se lavasse e limpasse este dinheiro da alguma forma o ladrão ficaria exposto e não poderia roubar.

Mas não funciona assim não, a CPMF existe a mais de dez anos e não me consigo lembrar um único ladrão que foi capturado por ela.

Até no caso do Renan Calheiros, não houve uma única menção de que a CPMF serviria como prova contra ou até mesmo a favor para provar a fortuna amealhada pelo senador nos poucos anos de vida política, principalmente depois de assumir a presidência do senado.

A CPMF em si, é criminosa e inconstitucional, pois taxa e tarifa até no dinheiro que vai servir para pagar outros tributos.

Se em uma declaração de imposto de renda, ficar comprovado de que a renda declarada deve ser taxada, o dinheiro retirado da CC para pagar ao fisco será taxado em 0,38%. Totalmente inconstitucional, e, portanto as pessoas que estão trabalhando para perpetuar esta situação, estão envolvidas e são cúmplices de um crime de lesão contra os cidadãos brasileiros.

Os mais ricos que conseguem realmente e legalmente enviar recursos para o exterior, não pagam CPMF, portanto não é um imposto justo.

A própria filha do Lula, a Lurian, que desviou uma quantia milionária de uma ONG, para sua conta em Miami, está isenta de pagar a CPMF.

E como as transações monetárias estão diretamente interligadas com o crescimento do país, e são feitas inúmeras vezes com o mesmo dinheiro, a pujança da CPMF, é aproximadamente cinco vezes o crescimento do PIB.

O PIB brasileiro cresceu nos últimos cinco anos aproximadamente 16%, com uma ajuda do IBGE, que mudou a maneira de calculo no meio do jogo.

Uma média de 3,2% ao ano

A CPMF em 2002 arrecadou em 2002 dezenove bilhões de reais, e no final de 2007 vai arrecadar quarenta bilhões.

Um crescimento de 100% em cinco anos

Uma média de 20% ao ano. Ou seja, uma diferença anual 6,25% em favor da CPMF por 1% de crescimento do PIB brasileiro.

Se o PIB brasileiro de acordo com o governo, vai crescer 4% em 2007, a CPMF vai arrecadar 25% a mais em 2008.

E não vai parar nunca mais se a gente não fizer uma campanha séria sobre esta taxação.

Para quem gosta do imposto, como eu gosto, para ser mantido, teria que se abolir os demais impostos.

O doutor Marcus Cintra, da FGV que foi deputado federal no período de 98/02, tem aprovado por uma comissão mista um estudo sobre o imposto único, que não é nada mais do que uma CPMF de 2%, abolindo todos os outros impostos. A figura de 2% promoverá uma arrecadação do nível atual e com a economia que se terá sobre a burocracia arrecadatória atual, poderá ser diminuída gradativamente até a figura de 1,2%, que promoverá uma taxa de arrecadação de 25% do PIB o que será sadio para o crescimento do Brasil

Confira a idéia no site – < http://www.marcoscintra.org/novo/>

Leiam este artigo da manifestação da cara de pau do Lula:

Lula: povo é quem precisa da CPMF

Presidente afirma que “não dá para dispensar R$ 40 bilhões sem criar outro imposto”

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva ontem disse estar “tranqüilo” em relação à aprovação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) no Senado “porque eles (os senadores) sabem que, se não aprovar, quem vai perder, na verdade, é o povo brasileiro”. “Eu só quero que as pessoas compreendam que quem precisa da CPMF não é o presidente da República, quem precisa da CPMF é o Brasil”, declarou.

Lula destacou que os eventuais derrotados seriam os beneficiários “das políticas públicas que estão previstas nos investimentos do governo”.

Para ele, a aprovação da contribuição poderá ser compensada, “apesar das diferenças político-ideológicas”, com uma proposta de reforma que será enviada ao Congresso “para que os congressistas possam fazer os ajustes na política tributária que melhor interessem ao Brasil”.

Lula visitou ontem o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento da Petrobras, na Ilha do Fundão, Zona Norte do Rio, onde distribuiu autógrafos, posou para fotografias e recebeu abraços e beijos de funcionários da estatal, que comemoravam, cantando “Parabéns pra você”, o aniversário dele, que completa 62 anos hoje.

Lula disse que há “muito barulho” em torno do imposto. “O dado concreto é que todo e qualquer brasileiro de bom senso sabe, perfeitamente, bem que não há país no mundo e não há empresa no mundo que possa prescindir de um imposto que lhe garante R$ 40 bilhões no orçamento sem criar um outro imposto”, disse.

O presidente afirmou não acreditar, “piamente”, que nenhum senador de nenhum partido, porque não gosta do presidente, porque não gosta da legenda do presidente ou porque tem pretensões de disputar eleições em 2010, pense em votar contra o imposto para prejudicar o governo. “Porque não será o governo prejudicado, será o País prejudicado, até porque boa parte dessa verba vai para a educação.”

Lula também citou o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) entre os projetos que estariam ameaçados, caso o tributo não seja mantido. “Além do que, nós temos um PAC, que não é pouca coisa, são R$ 504 bilhões até 2010, dos quais, grande parte, com obras já iniciadas, com projetos já contratados, com licitações já feitas”, disse. “Nós vamos continuar dessa forma tranqüila, sabendo que o Senado vai repetir o mesmo que a Câmara já fez: aprovar a CPMF.”

Um jornalista perguntou ao presidente se a aprovação da CPMF seria um grande presente de aniversário. Lula começou a resposta dizendo é bom completar 62 anos porque acumulou experiência, mas que, por outro lado, gostaria de ter 30.

Continuou dizendo que, com 30 anos, não tinha a consciência política que tem hoje, e, possivelmente, não tenha aproveitado os 30 como hoje pensa que aproveitaria. “Mas não vou ficar chorando o leite derramado. Eu tenho é que viver bem agora, preparando-me para os 63.” Em seguida, disse que queria dizer, “definitivamente”, o que pensa da CPMF.

E finalmente um comentário final:

Definitivamente a petulância e a irresponsabilidade do governo são de tal modo pacóvias que ao enviar a previsão orçamentária para 2008 ao congresso para aprovação, já incluía os valores arrecadação da CPMF, que ainda não havia sido aprovada nem na câmara. Esta prática invalida esta previsão, pois não se pode mandar uma previsão para ser aprovada, contando com o ovo ainda dentro da galinha.

Legalmente a aprovação do orçamento está definitivamente comprometida e na eventualidade da não aprovação da CPMF, estará mais do que morta e terá de ser refeita.

 

E o lula ainda está pensando no 3º mandato, mas está mentindo de novo de que não quer saber disto.

terceiro-mandato.jpg

 

 

 

 

lula-tres-vezes.jpg

 

 

 

 

 

 

E a Marisa o que estará pensando?

sonho-de-marisa.jpg

 

 

 

 

 

 

28 out 2007 Posted by | ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, ÉTICA, CPMF, ECONOMIA, GOVERNO, POLÍTICA | 1 Comentário

Os cartões corporativos

Os cartões corporativoscartao-corporativo.jpg

Até 2002, os gastos de materiais com pequenas necessidades, como comprar lápis, papel em pequenas quantidades, e outras miudezas eram feitos pelo governo exatamente como as empresas fazem, com dinheiro em espécie que era guardado para isto em um lugar denominado “Pequena Caixa”. Os gastos devem ser comprovados com recibos também depositados na “Pequena Caixa”. Como às vezes as compras não são acompanhadas de notas fiscais, e por serem também pequenas, um recibo informal é colocado na caixa para justificar a ausência de algum dinheiro.

Este sistema, empregado no mundo inteiro, é baseado principalmente na posição de que tudo é feito na transparência, e de que tudo está feito honestamente e que os recibos colocados na caixa representam de fato uma necessidade urgente que foi preenchida com os fundos da Pequena Caixa.

Contudo, este sistema pode ser malversado e usado por indivíduos inescrupulosos para uso próprio.

Pensando nisto, o Ministro da Casa Civil de FHC, Pedro Parente, bolou um sistema mais transparente, de cartões corporativos, que em vez de dinheiro vivo, se usassem cartões, cujas contas eram relatadas em detalhes e enviadas ao TCU para análise tanto das contas como dos relatórios correspondentes.

Os gastos com dinheiro vivo retirados com os cartões eram descritos em detalhes e com os comprovantes relativos aos mesmos, para aprovação do TCU.

Antes do final do governo FHC, os cartões eram apenas para os gastos diretos da presidência, e eram 42 em seu total. Neste pequeno universo, realmente ficava mais transparente e fácil de controlar pelo TCU, do que os gastos com o dinheiro vivo da “Pequena Caixa”

DE 2000 a 2002, as despesas com o cartão de todo o governo totalizaram apenas R$ 3,5 milhões.

Estão incluídos, neste caso, não só os saques como os gastos faturados no cartão de crédito. Apenas quatro órgãos, no entanto, usaram o serviço em 2002: Presidência, IPEA, Ministério da Educação e Ministério do Meio Ambiente.

Entretanto, depois de assumir o governo, A turma do Lula conseguiu acabar com a transparência alegando que os gastos da presidência eram sigilosos por natureza e que os gastos com os cartões não poderiam ser divulgados por motivo de segurança nacional.

Depois disto virou festa. Quase todos os ministérios têm grande quantidade de cartões, e estes são também moeda de troca no esquema político.

“O deputado fulano de tal vota a matéria favorável ao governo, se for possível que seus afilhados, lotados no ministério tal, tenham também cartões corporativos”

Então esta matéria ilustra que qualquer ação por mais bem intencionada que seja, pode ser desvirtuada por pessoas que não estejam em tom com a moral e a ética que deve prevalecer em qualquer sociedade principalmente em se tratando do dinheiro público.

Toda a reforma do apartamento do Lula em São Bernardo –SP- foi paga com cartões corporativos. Isto não é motivo de segurança nacional, mas pode ser motivo de impedimento do presidente por falta de ética e por uso indevido do dinheiro publico.

ptcano-1.jpg ptcano2.jpg

Leiam uma reportagem antiga sobre o assunto:

ISTO É – dinheiro – de 24 de agosto de 2005

Saques em dinheiro

vivo no governo

Tribunal de Contas da União investiga

uso de cartões corporativos para

retiradas em espécie por funcionários

da Presidência da República

 

por Hugo Studart

 

Chegou na terça-feira 16 ao gabinete do ministro Ubiratan Aguiar, do Tribunal de Contas da União, um pedido de devassa em todas as prestações de contas com cartões de crédito corporativos de funcionários do Governo Federal. Protocolada a 14 de julho no TCU, onde recebeu o número 011.825/2005, a requisição ganhou condição de processo oficial. Aguiar deve emitir um parecer e, nos próximos dias, o pedido deve ser votado pelo conjunto dos sete ministros do TCU. O que o tribunal vai decidir, em suma, é a quebra do sigilo dos cartões de crédito corporativos utilizados por funcionários do Palácio do Planalto para pagar as despesas do Gabinete da Presidência da República, da Granja do Torto – onde o presidente Lula reside com sua família – e dos ministros que assessoram diretamente o presidente. De acordo com a documentação sigilosa que dá lastro ao processo, à qual DINHEIRO teve acesso com exclusividade, o Palácio do Planalto pagou, entre janeiro e agosto do ano passado, R$ 5,5 milhões em despesas com cartões de crédito. Os gastos com cartão neste ano aumentaram. Até a última quinta-feira 18, as faturas dos cartões corporativos do governo federal somavam exatos R$ 10.268.310,98, segundo dados do Sistema de Acompanhamento Financeiro da Administração Federal (Siafi). Do total, R$ 5.670.849,53 referem-se a despesas do gabinete do presidente. O que mais inquieta os ministros do TCU, no entanto, é o volume de saques em dinheiro vivo feito por funcionários do Planalto através dos cartões corporativos. Entre janeiro e agosto de 2004, de um total de R$ 3,2 milhões em faturas, esses funcionários sacaram R$ 2,2 milhões em espécie – o outro R$ 1 milhão foi usado para pagamento de despesas, aquela que deveria ser a função primordial dos cartões. Este ano, a prática continua disseminada, mantendo a proporção. Dados do Siafi mostram que, dos R$ 10,2 milhões movimentados até a última quinta-feira, R$ 6,8 milhões foram retirados em dinheiro vivo. O valor dos pagamentos efetuados diretamente com cartões é a metade, R$ 3,4 milhões. Ou seja, os saques em dinheiro vivo representaram, em média, dois terços das faturas dos cartões.

Roberto Castro

Saques em alta: Dados do Siafi apontam que, até a quinta 18, o movimento com cartões do Governo somavam R$ 10,2 milhões em 2005 – os saques, de R$ 6,8 milhões representam dois terços do total

 

A descoberta, pelo TCU, de que em vez de quitar as despesas do gabinete presidencial com o cartão de crédito, os assessores do presidente Lula mantêm o procedimento de sacar dinheiro vivo ocorre no momento em que o Congresso investiga movimentações em cash por políticos e partidos. “Os cartões corporativos foram adotados justamente para aumentar o controle e a transparência”, lembra o procurador Marinus DeVries Marsico, representante do Ministério Público no TCU e autor do pedido de quebra de sigilo dos cartões do Planalto. “Esses saques são exagerados, são cheques em branco, um artifício que desvirtua o uso dos cartões”. O relator do processo, Ubiratan Aguiar, também se mostra impressionado: “O tema é tão relevante que merece máxima celeridade”, promete. “As explicações do governo não são suficientes, os procedimentos adotados não são adequados e a possibilidade de irregularidade é real”, diz o ministro Marcos Vilaça, autor de acórdão sobre o tema publicado pelo TCU na virada do ano. Desde que Lula tomou posse, as faturas do governo com cartões corporativos, sem prestação de contas ao TCU, já somaram R$ 18,7 milhões.

 

Para ajudar os ministros a decidir a quebra do sigilo dos cartões do Planalto, o auditores do tribunal elaboraram uma relação de todos os funcionários que receberam cartões corporativos. O presidente Lula não tem cartão, nem a primeira-dama Marisa Letícia, nem qualquer ministro ou autoridade conhecida. Somente um grupo de funcionários de carreira, que trabalham como assessores diretos no governo, ganhou cartão. No primeiro ano do governo Lula, 53 servidores do Planalto portavam cartões. A partir de 2004, o número foi reduzido para 48. Chamados de “ecônomos”, eles têm por tarefa tanto fazer as pequenas compras de lanches e papelaria do Planalto, do Palácio da Alvorada e da Granja do Torto, como acompanhar o presidente em suas viagens, pagando as despesas com hotel, alimentação e transporte da comitiva. Os auditores também produziram um documento com a relação de cada um desses ecônomos, nome, CPF, a unidade da Presidência em que servem – e o volume de saques em dinheiro vivo de cada um, assim como os gastos pagos com cartão. Feito por amostragem e com base em dados do Siafi, o levantamento cobre o período entre janeiro e agosto de 2004. Nele, alguns servidores, principalmente os lotados junto à Presidência, destacam-se pelo volume de gastos e saques.

Ricardo Stuckert

Primeira-dama: Maria Emília Évora cuida das despesas de Dona Marisa. Suas faturas foram de R$ 441 mil entre janeiro e agosto de 2004 – R$ 198 mil sacados em dinheiro

 

De acordo com o documento, o funcionário Clever Pereira Fialho, CPF 265.787.941-53, lotado junto ao presidente, é o campeão absoluto dos gastos. Suas faturas no período somaram mais de R$ 1 milhão – sendo que os saques em dinheiro vivo foram de R$ 226,9 mil. DINHEIRO apurou que Clever é hoje o ecônomo titular do presidente. Lula também trabalha em revezamento com outros oito ecônomos, como Anderson Pereira de Aguiar (saques de R$ 239,3 mil), José Roberto Possa (saques de R$ 205,9 mil) e Ademar Paoliello Freire (saques de R$ 199,1 mil). No total, os nove ecônomos de Lula sacaram no período R$ 1,510 milhão – uma média de R$ 189 mil mensais. Outro nome que chamou a atenção dos auditores é o de Maria Emília Matheus Évora, CPF 389.868.251-04. Nos oito meses examinados pelo TCU, ela movimentou com o cartão R$ 441,5 mil – os saques em dinheiro foram de R$ 198,1 mil, numa média de R$ 24,8 mil mensais. DINHEIRO apurou junto a duas pessoas com assento no Planalto que Maria Emília, titular da equipe precursora que cuida das viagens do presidente, é a ecônoma destacada para cobrir as despesas da primeira-dama. A mulher do presidente está sempre acompanhada de sargentas do Exército – e são as sargentas que acertam suas contas com Maria Emília. Na semana passada, dois colunistas – Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo, e Giba Um, que mantém um site na internet – publicaram simultaneamente a informação de que Marisa Letícia costuma pagar com cartões de crédito corporativos suas visitas ao cabeleireiro Wanderley Nunes, que atende em um mega-salão no Shopping Iguatemi, em São Paulo. O Planalto desmentiu. Wanderley também. Ele disse que, desde a campanha eleitoral, corta o cabelo de Marisa de graça. “Nunca cobrei dela, porque acima de tudo é minha amiga”, assegurou ele – tempos atrás, o mesmo cabelereiro chegou a declarar que a primeira-dama fazia questão de pagar os cortes à vista. Ato contínuo à publicação das notas, o presidente do Senado, Renan Calheiros, enviou requerimento do PSDB ao Planalto pedindo explicações sobre os gastos com cartões corporativos. No início da tarde de quarta-feira 17, os documentos do TCU obtidos pela DINHEIRO foram enviados por fax para Secretaria de Imprensa da Presidência da República, que os encaminhou para a assessoria da ministra Dilma Rousseff, da Casa Civil. Até a tarde de sexta-feira 19, o Planalto não havia se manifestado sobre o assunto. Procurada por DINHEIRO, Maria Emília disse que não poderia dar entrevistas e que qualquer informação deveria ser prestada pela Secretaria de Imprensa da Presidência

Anderson Schneider/André Dusek

Destaques

A Abin de Marcelo (dir.) sacou R$ 1,3 milhão em dinheiro. Em 2005 o Incra de Hackbart gastou R$ 844 mil

 

Até 2000, os ecônomos usavam pequenas quantias em dinheiro, as “caixinhas”, iguais às de qualquer empresa privada, para cobrir as pequenas despesas do Planalto. Foi o então ministro Pedro Parente, da Casa Civil, quem decidiu implementar os cartões de crédito para aumentar a transparência. No governo Fernando Henrique, o Planalto enviava as faturas ao TCU. O governo Lula passou a resguardá-las como assunto sigiloso, com o mesmo cuidado das contas secretas (legais) do Itamaraty e das Forças Armadas. Primeiro deixou de enviar faturas e notas fiscais ao tribunal. Depois retirou do Siafi a maior parte das informações sobre compras. Em março, os nomes de todos os ecônomos também foram retirados do Siafi. Há um ano, o deputado Augusto Carvalho, do PPS do Distrito Federal, entrou com uma representação junto ao TCU com base em reportagem de DINHEIRO que revelava o aumento dos gastos do Planalto com cartões corporativos. O tribunal então abriu uma inspeção no Planalto. Em novembro, três auditores do TCU estiveram na sala 208 do Anexo II do Palácio. Ali, atrás de portas trancadas, dois andares abaixo no nível da rua, um pequeno grupo de funcionários civis – comandados pelo general Romeu Ribeiro Bastos, chefe da Secretaria de Administração do Planalto – cuida dos arquivos secretos dos cartões.

Roberto Castro

No hotel Ca’d’Oro: Despesa de Gushiken foi paga com o cartão pessoal de Elizabeth, sua mulher, depois reembolsada em dinheiro vivo por Maria da Penha. O TCU acha estranho

 

Os analistas do TCU não tiveram acesso às faturas, mas pinçaram cópias de cinco prestações de contas. Assim, puderam compreender a sistemática dos gastos. Em meio às notas fiscais de compras de cartuchos de impressoras, azeite de oliva extra virgem e geléia de uva, encontraram uma fatura do Grand Hotel Ca’d’Oro, em São Paulo, emitida em nome do então ministro Luiz Gushiken, da Comunicação de Governo. A fatura informa que entre 7 e 9 de abril de 2004, Gushiken gastou R$ 470 em diárias. Entre outros extras, consumiu R$ 231 no restaurante e R$ 501 no bar do hotel. O total da conta foi de

R$ 1.249,98. Quem pagou foi Elisabeth Ferreira, esposa de Gushiken, com seu cartão de crédito pessoal da Visa. Os auditores do TCU encontraram essa fatura em meio à prestação de contas da servidora Maria da Penha Pires, portadora do cartão corporativo 016790814, da Visa. Um detalhe intrigou os auditores. O extrato demonstrativo do cartão corporativo de Penha mostra que ela não realizou nenhuma compra diretamente com o plástico e o utilizou apenas para sacar dinheiro vivo. O TCU não sabia do detalhe. Naquele documento, ela informava que sacara de uma só vez R$ 7.850. Comprou, com o dinheiro, material de escritório e reembolsou as despesas de Gushiken no Ca’d’Oro. Procurado por DINHEIRO, Gushiken encaminhou o tema para Maria da Penha. Ela explicou que costuma sacar dinheiro vivo porque muitas empresas de Brasília não aceitam cartão de crédito. Em sua prestação de contas, porém, há notas fiscais de quatro papelarias, como a ABC, maior da capital. Todas as quatro aceitam Visa.

 

Os documentos do TCU apresentam um mapa detalhado de cada órgão do governo que se utiliza dos cartões. O levantamento de 2004 (entre janeiro e agosto) mostra que 68 órgãos federais gastaram R$ 8,9 milhões – e que foram sacados R$ 5,1 milhões em dinheiro vivo. A Secretaria de Administração do Palácio do Planalto foi responsável por mais da metade dos gastos. Usou cartões para comprar R$ 5,2 milhões, sendo R$ 2,2 em saques. Em segundo lugar, apareceu a Agência Brasileira de Inteligência, Abin, na época dirigida pelo delegado Mauro Marcelo. Gastou R$ 1,3 milhão e só R$ 34 mil em compras com cartão – o restante em saques. Um novo levantamento, do deputado Eduardo Paes (PSDB) junto ao Siafi, mostra que o Gabinete da Presidência continua sendo responsável em 2005 pela maior movimentação – R$ 5,67 milhões até 18 de agosto – seguido do Incra, com R$ 844 mil. A direção do órgão, presidido por Rolf Hackbart, esclarece que há uma orientação de governo para estimular o uso dos cartões como forma de aumentar a transparência dos gastos. Informa ainda que as 12 superintendências do Incra possuem cartões, vários cartões por Estado, e que eles são usados tanto na compra de livros, quanto nas viagens pelo interior. “É muito simples terminar com todas as dúvidas”, diz o deputado Paes, que também pesquisa os cartões do Planalto. “Basta o presidente da República mandar abrir as faturas dos cartões e mostrar que sempre andou na linha”.

Jornal Gente – 07h30 – 24/08/05

Por: Caroline Machado Figueiró
Data: 24/08/2005 Hora: 07:30

Apresentação: Leonardo Meneghetti / Fernando Albrecht / Afonso Ritter

Adão Oliveira: A matéria de capa da revista Istoé Dinheiro que revelou detalhes da farra dos cartões de crédito corporativos usados por funcionários de primeiro escalão para pagar despesas dos ministros e até da primeira dama, Marisa Letícia, ganhará espaço na CPI dos Correios. O deputado federal Antônio Carlos Magalhães Neto já está com cópias de todos os comprovantes e, caso o governo insista em não apresentar os comprovantes das despesas, vai convocar todos os funcionários envolvidos. Até a semana passada o movimento dos cartões do governo somavam mais de dez milhões e em saques quase sete milhões. Se o ritmo for mantido, 2005 poderá fechar com um movimento de mais de 15 milhões em cartões de crédito. No ano passado, já foram só em cartões 16,7 milhões, 30% em saques em dinheiro vivo. O ex-ministro Luiz Gushiken está convocado e a funcionária Maria Emília Évora, que cuida das despesas de Marisa Letícia também. Pela lei Marisa Letícia não pode ter despesas custeadas pela União, não é funcionária pública, não tem direito a diárias de viagem e roupas e cabeleireiro devem ser despesas pagas pelo marido. De janeiro a agosto, a funcionária Maria Emília Évora usou em cartões 441 mil, 198 mil em dinheiro sacado para despesas da primeira dama, equivale a uma média mensal de 55 mil ou ainda perto de 1,8 mil reais por dia. As despesas de janeiro e agosto, por outro lado, equivalem a alimentação de 8.820 famílias pelos critérios do desaparecido Fome Zero. Os integrantes da CPI dos Correios estão aproveitando para rever a legislação, código de conduta, sobre quais situações as autoridades podem receber presentes, evidenciando interesses pessoal, profissional e empresarial, em decisão que pode ser tomada pela autoridade em razão do cargo, totalmente vetado. Caso ternos, camisas e gravatas do presidente Luiz Inácio da Silva tenham sido pagas pela agência de Duda Mendonça, desde o início do governo, está estabelecida a irregularidade. No caso de ministros, upgrade em vôos nacionais e internacionais é proibido. Integrantes da CPI dos Correios têm quase certeza de que todas as despesas da reforma do apartamento do presidente Luiz Inácio da Silva, em São Bernardo do Campo, foram pagas com cartões de créditos corporativos do governo. Contudo, apenas a investigação do Tribunal de Contas da União é que poderá decidir onde estão e se existem comprovantes, faturas ou recibos. Pela legislação não pode haver qualquer quebra de sigilo em cartões de créditos, porque as empresas não são consideradas instituições financeiras.

E agora um artigo mais recente, mostrando que a farra continua solta:

Luciana Nunes Leal

BRASÍLIA – Ao prometer “transparência absoluta” na prestação de contas dos cartões corporativos do governo e cobrar do presidente Luiz Inácio Lula da Silva a mesma atitude, o tucano Geraldo Alckmin falou de uma caixa preta que, só este ano, já envolve R$ 3,583 milhões, durante o debate de domingo. O presidente não quis falar no assunto. Limitou-se a dizer que os cartões corporativos foram “a única coisa boa que o Fernando Henrique Cardoso criou no governo dele”.

Esses cartões de crédito permitem a alguns servidores sacar ou fazer pagamentos de rotina com recursos da União sem a necessidade de autorização prévia. Na Secretaria de Administração da Presidência da República, foram gastos entre janeiro e setembro deste ano R$ 3,678 milhões com os cartões. A prestação de contas no Portal da Transparência da presidência, no entanto, revela o destino de menos de R$ 95 mil (2,6%). Os 97,4% restantes estão guardados a sete chaves sob a rubrica “informações protegidas por sigilo, nos termos da legislação, para garantia da segurança da sociedade e do Estado”.

A Secretaria de Administração é a responsável pelos gastos do dia-a-dia do Gabinete da Presidência. Os pagamentos a que se tem acesso foram para despesas com combustível, hotel, pequenos consertos, feitos por nove funcionários que têm os cartões. Para os outros gastos, não há nenhuma informação. “É inaceitável que esse tipo de gasto com cartão tenha tratamento de segurança nacional”, protesta o deputado distrital Augusto Carvalho, eleito deputado federal pelo PPS, presidente da ONG Contas Abertas. O parlamentar lembra que, na contabilidade da União, já existe a rubrica “despesa de caráter secreto ou reservado”, onde está incluída parte dos gastos das Forças Armadas e do Itamaraty.

Dos R$ 94.987,33 relacionados no Portal da Transparência, R$ 20 mil foram saques em dinheiro e também não há informação sobre onde foram gastos. Os gastos totais do Gabinete da Presidência por meio dos cartões corporativos foram de R$ 6,839 milhões entre janeiro e setembro deste ano. Das seis unidades subordinadas ao gabinete, tiveram gastos secretos a Secretaria de Administração e a Agência Brasileira de Informações (Abin). No caso da Abin, foram apontados como sigilosos os R$ 3,097 milhões gastos com os cartões. Prestaram contas dos gastos o Arquivo Nacional, o Centro Gestor do Sistema de Operações da Amazônia e as secretarias especiais da Igualdade Racial e de Agricultura e Pesca.

Os gastos e saques totais com os cartões corporativos da União somam R$ 20,756 milhões este ano, incluindo todos os ministérios e a Presidência. É quase o valor do ano passado inteiro, de R$ 21,706 milhões, e 46,6% maior que os R$ 14,1 milhões gastos em 2004, segundo dados do portal da Presidência.

No debate, foi Alckmin quem tocou no assunto dos cartões, cobrando de Lula: “O cartão corporativo do seu gabinete teve crescimento exponencial. O senhor abre o sigilo dos gastos do cartão de crédito?”. Ouviu uma resposta dura do adversário: “Não seja leviano. A única coisa boa que o Fernando Henrique Cardoso criou no governo dele foi exatamente esse cartão corporativo.” Alckmin, quando retomou a palavra, insistiu: “(Lula) não respondeu se abre o cartão corporativo. Meu compromisso é que a transparência vai ser absoluta.”

Sigilo

O cartão corporativo foi criado em 1998 para facilitar pagamentos de rotina das autoridades. Desde então, parlamentares têm pressionado pela divulgação dos gastos. Por recomendação do Tribunal de Contas da União, houve avanços na transparência, mas a prerrogativa do sigilo para garantia de segurança emperra o acesso aos dados. No ano passado, o TCU abriu investigação sobre os gastos, que ainda está em curso. Dados sigilosos divulgados na época falavam em saques de mais de R$ 1 milhão feitos por um único funcionário, em 2004. Especulava-se também sobre gastos indevidos para a primeira-dama, Marisa, e os filhos do presidente.

“O que todo mundo quer saber é se está havendo compras indevidas. Quanto mais se sonega a informação, mais cresce a curiosidade e a preocupação”, diz Carvalho. “Se o candidato diz que vai quebrar o sigilo do cartão, vamos cobrar amanhã”, avisa.

E depois de uma farra destas, o governo Lula tem o cinismo de dizer para a população que não pode governar sem a aprovação da CPMF.

 

dinheiro-da-cpmf.jpgaposta-da-cpmf.jpg

28 out 2007 Posted by | ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, ÉTICA, CPMF, POLÍTICA | 2 Comentários

Fazendo o dever de casa.

Fazendo o dever de casa.cpmffurto20070409sonegadore.gif

cpmffurto20070409exterior.gifcpmffurto20070409provisorio.gif

 

No final dos anos 70, estava eu empregado em uma empresa do ramo petrolífero em Houston Texas. A empresa estava expandindo e contratando várias pessoas e junto comigo foi contratado um rapaz simpático de nome David.

Era o primeiro bom emprego de David.

Junto com a contratação vinha treinamento, carro empresarial e vários cartões de credito.

David ficou deslumbrado, e começou a usar tudo isto com afinco, e suas declarações de despesas para reembolso, começaram a ser retocadas para pagarem os excessos de gastos com festas e roupas além do que o salário permitia.

No começo os retoques eram dissimulados, mas como os gastos não paravam, os retoques foram mais e mais ousados e começou a dar na vista.

Um dia o nosso chefe me chamou e pediu para que eu falasse com o David sobre sua apresentação de despesas, pois estava tão mal feita que ele não poderia aprová-la.

Ele me disse:

“Roberto, você é amigo do David, e veja se conversa com ele sobre esta declaração de despesas, pois se eu falar com ele será para despedi-lo por justa causa. Ele já está abusando.”

Fui conversar com o David.

“David, o chefe me pediu para devolver estes relatórios de despesas que você apresentou do último mês, porque existem discrepâncias que ele não pode aprovar.”

David se mostrou indignado:

“Porque ele não me chamou? Isto está parecendo fofoca. Se ele não gostou de alguma coisa, em meu relatório, poderia ter retirado e aprovado o resto. Como é que eu vou pagar os cartões de crédito desta forma. Vai ficar tudo atrasado.”

Eu então disse:

“David, ele disse que não é por causa de alguma coisa, ele disse que todos os gastos estão grotescamente batizados, e que se ele fosse falar com você seria para despedi-lo por justa causa, pois você havia fornecido as provas do crime. Ele até gosta de você, mas não pode mais segurar a barra e me devolveu seu relatório para que você refaça tudo e dentro dos parâmetros empresariais que você conhece e que foi treinado para aplicar.”

David retrucou:

“Eu vou refazer tudo, vou entregar pessoalmente, junto com as faturas dos cartões, e vou pedir um aumento de salário porque não está dando para viver com esta miséria.”

David havia perdido a noção do valor e o deslumbramento do cargo havia anulado todo o bom senso lógico da realidade vivida, e ele estava vivendo em um mundo irreal, onde os seus excessos de gastos seriam compensados por relatórios batizados ou com aumento salarial, pois ele estava fazendo tudo certo, e necessitava destes relatórios aprovados ou um salário melhor para poder continuar a trabalhar na empresa.

O final deste relato já pode ser adivinhado por qualquer um, David perdeu o emprego.

E porque estou eu falando sobre isto?

Ouvindo a CBN ontem no caminho do trabalho, escutei a declaração do Ministro Mantega:

“Se não houver a aprovação da prorrogação da CPMF, vamos ter que aumentar a carga tributária de alguma outra forma, ou vamos ter de cortar os programas sociais”

cpmf-de-novo.jpg

Ao ouvir esta declaração, lembrei imediatamente do David.

O David estava tão deslumbrado com os gastos, a facilidade dos cartões, que nunca cogitou de que se fizesse algum ajuste nos seus gastos, se conseguisse gerenciar seus cartões, não perderia um bom emprego e viveria melhor.

O governo Lula, nuca levou em consideração, remanejar os gastos federais, a arrecadação de impostos aumentou 13% este ano, com um crescimento planejado de 4%. Ele dá uma declaração de que contratar pessoas desmedidamente será uma forma do Brasil crescer, e que as reformas podem esperar o bolo crescer e que os programas sociais são as prioridades, e devem continuar à custa da carga tributária maior do mundo e os serviços públicos e os investimentos estão entre os piores do mundo.

A CPMF é um imposto provisório, que afeta toda a economia, e que por ser em cascata, não tem limites e a cada ano está sugando mais e mais dinheiro da economia.

cpmf4.jpg

Se for aprovado por mais quatro anos, no final destes quatro anos irá custar aos brasileiros 120 bilhões por ano e aí sim vai ficar mais difícil governar sem este dinheiro.

Além de ser totalmente inconstitucional, pois tarifa também os movimentos financeiros feitos para pagar impostos, este imposto tira do Brasil a competitividade em um mundo globalizado.

Ao contrário do que o Ministro Mantega apregoa, não é um imposto pequeno não.

A CPMF, cobra imediatamente em nossa conta bancária, 0,38% de qualquer movimentação financeira, seja lá para qual fim se destine. Se retirar dinheiro para pagar imposto, se retirar dinheiro para dar esmola, paga-se 0,38%. Mas também ao comprar comida, o preço das comidas está acrescido deste imposto, e todo e qualquer gasto será acompanhado pelos 0,38% em cascata de cada movimentação do bem adquirido. O produtor paga e acresce, o estocador paga e acresce, o transportador paga e acresce o revendedor final paga e acresce e o comprador assalariado, apenas paga tudo sem poder acrescer ao seu salário os gastos com a CPMF. A média paga pelo consumidor final está entre 2,5% a 3%, dependendo do número de transações do produto comprado.

Isto é dez vezes mais do que o apregoado pelo ministro Mantega.

E Mantega tem educação formal na área econômica, e sabe bem que isto que estou escrevendo é a verdade.

Portanto, está apenas fingido não saber o tanto que este imposto onera o cidadão consumidor e o tanto que este imposto inibe o crescimento do Brasil.

A minha conclusão final é de que o Mantega é um deslavado mentiroso e cínico e deslumbrado com a facilidade de gastar o que não lhe pertence e como o meu amigo David, em vez de fazer o dever de casa e arrumar a economia para otimizar os gastos, prefere ir pedir a aprovação de mais gastos e um aumento salarial que o povo brasileiro não pode mais suportar.

Como meu amigo David, ele vai perder o emprego junto com o seu chefe o imbecil maior que quer subir impostos para contratar mais aspones que paguem mais dízimo ao PT.

Jogo de palavras:

Dizimo vem da palavra DEZ, e quer dizer a décima parte.

Na religião, seria uma obrigação de pagar o décimo dos ganhos para a igreja.

Também a palavra DIZIMAR, vem da palavra DEZ e significa matar um em cada dez soldados. Mas genericamente passou a significar destruir tudo.

Então o dízimo para sustentar o PT retirado dos salários dos aspones contratados pelo governo Lula, está dizimando a economia e impedindo o governo de fazer o seu dever e normalizar os gastos para não ser necessário tributar mais o sofrido povo brasileiro sem lhes dar nada em troco apenas as mentiras e bravatas sem nenhuma sustentação.

O único valor que consigo encontrar no MMM (Ministro Mantega Mentira) é mais um M (Marina).

marinamantega4.jpg

11 out 2007 Posted by | ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, ÉTICA, CPMF, CRESCIMENTO ECONÔMICO, GOVERNO, POLÍTICA | 3 Comentários

A saúde do Lula

A saúde do Lulabebendo-vinho-com-o-dedinho.jpg

 

A CPMF foi criada para fortalecer a situação da saúde no governo FHC.

Com este dinheiro, o ministro Adib Jatene tinha uma meta ambiciosa de:

1. Erradicar a dengue

2. Reduzir drasticamente a ocorrência da Malária.

3. Valor das consultas no SUS.

4. Reduzir drasticamente a mortalidade infantil.lula-depois-da-pinga.jpg

Estas metas não foram atingidas, mas foram gastos e mal gastos, em 10 anos um mundo de dinheiro na saúde brasileira. Somente depois que a CPMF começou a vigorar, foram injetados na saúde R$ 12.000.000.000,00 por ano em média e corrigidos pelos valores atuais. Isto dá em 10 anos corrigidos, 120 bilhões para o período.

Vários países mais desenvolvidos do que o Brasil, e que têm um sistema de saúde pública invejável, gastam menos do que isto proporcionalmente, ou seja, por cabeça.

O Brasil está gastando aproximadamente R$7,00 por cabeça por ano em saúde.

O Canadá gasta aproximadamente R$ 5,00 por cabeça, e o atendimento à saúde da população de lá é muito melhor do que no Brasil.

E as metas que deram origem ao imposto do roubo?

Como andam?

1. Dengue – Os casos registrados aumentaram. Não venha o governo Lula dizer como sempre faz, de que o aumento registrado é que em seu governo, a atenção à saúde aumentou a visibilidade e casos anteriores que passavam despercebidos agora fazem parte das estatísticas. Esta não cola. As estatísticas na saúde estão e sempre foi a mesma muito antes do governo Lula. O aumento foi significativo nos casos e casualidades da dengue. De 183.800 casos em 2006, foi para 345.000. Os números de casos dobraram e as casualidades triplicaram com um número em 2006 de 76 mortos pela doença. E atualmente, dentro de um período de seca, onde a incidência do mosquito é bem menor, existe em formação a maior epidemia de dengue que se tem notícia no Brasil.

2. Os casos de malária aumentaram em 24% de 441.000 em 1996 para 549.000 em 2006.

3. O valor pago aos profissionais para as consultas no Sistema Único de Saúde, ou SUS era realmente muito pouco para a realidade atual. Era de R$ 5.00 por consulta. Houve um consenso na época da votação da CPMF de que em cinco anos este valor iria subir gradativamente até atingir o Valor acordado como decente de R$10,00 por consulta. Este valor em 10 anos foi aumentado para R$ 7,60 por consulta. A meta não apenas não foi atingida em cinco anos como apenas chegou a 50% do valor acordado como decente no dobro do tempo em foco.

4. As metas para redução da mortalidade infantil, que em 1996 era de 41 por 1000 nascimentos foi melhorada em 2006 para 30 óbitos por mil nascimentos. Uma das razões para a votação da criação da CPMF por dois anos foi a de se chegar ao número aceitável de 20 óbitos por 1000 nascimentos. Esta meta também furou.

Eu me lembro muito bem o dia em que o ministro da saúde do governo FHC Adib Jatene foi ao plenário da câmara defender a instalação da CPMF com a alíquota de 0,25%, dizendo que este imposto temporário seria extinto se depois de 2 anos estas metas não estivessem em queda ou caminhando na direção certa. Houve polêmica sobre o assunto, e o PT votou contra dizendo que este dinheiro não iria fazer diferença nenhuma na situação da saúde.

O Senador Aloísio Mercadante, fez um discurso inflamado dizendo que este dinheiro arrecadado seria usado para campanhas políticas dos partidos aliados principalmente o PSDB e o PFL.

Com bastante dificuldade este imposto provisório foi aprovado para ser usado na saúde.

A CPMF passou a vigorar em 23 de janeiro de 1997, baseado na edição da Lei nº 9.311, de 24 de outubro de 1996. A contribuição foi extinta em 23 de janeiro de 1999, tendo sido substituída pela IOF até seu restabelecimento em 17 de junho de 1999. Sua alíquota, que era originalmente de 0,25%, foi elevada na época de seu restabelecimento para 0,38% e posteriormente abaixada para 0,30% em 17 de junho de 2000 e novamente para 0,38% em 19 de março de 2001. Atualmente, está em votação sua prorrogação até 2011.

Vamos então verificar se a seriedade está sendo considerada na prorrogação da CPMF.

1. As metas não foram atingidas, portanto não funcionou como deveria e foi vendida no congresso portanto deveria ser extinta.

2. Conforme informação acima, ela foi extinta, e substituída pelo IOF que continua a valer nas operações financeiras.

3. O dinheiro que deveria ser gasto na saúde foi desviado e mal versado como nas operações Sangue Suga e outras da Polícia Federal.

4. Como foi vendido originalmente, era um imposto experimental e temporário e como tal deveria ter sido extinto depois de dois anos pois não estava cumprindo o que se propunha.

5. Depois de comprovadamente ser encontrado fraudes e mal utilização nos recursos arrecadados este imposto em qualquer situação ética, deveria ser extinto.

6. Principalmente no governo Lula onde de acordo com ele, a ética continua a ser sua principal bandeira e em matéria de ética o seu governo não perde para nenhum antes dele.

Além das razões técnicas e morais para extinção deste imposto indecente, existem as razões constitucionais com dupla tributação e tributação em cascata que são banidas pela constituição.

E as razões do governo para a continuação desta imposto indecente?

1. O governo não pode abrir mão deste imposto.

2. Os programas sociais vão ficar descobertos sem este imposto.

3. É um imposto pequenininho, e não onera ninguém em quase nada.

4. Serve para o controle do pagamento de impostos e contra a sonegação.o-vava.jpg

Para responder às razões do governo ético, não se precisa ser nenhum gênio:

1. Pode como deve abrir mão porque é dinheiro sujo e roubado das classes médias. Usando estes recursos, o governo Ético do Lula está agindo como receptador de produto roubado, e pedindo para o congresso aprovar este imposto totalmente inconstitucional, não apenas está aprovando o uso de produtos roubados como gostou de usufruir do dinheiro fácil, produto de um roubo, como agora está querendo ir contra a constituição, a carta magna, e institucionalizar o roubo.

2. Para começar, os programas sociais deveriam ter sido planejados com o dinheiro arrecadado legalmente e constitucionalmente. Construir qualquer coisa com dinheiro roubado e ilegal, é o mesmo que comprar um carro roubado para ir trabalhar e quando apanhado pela polícia dizer que não pode abrir mão do carro roubado por não ter como se locomover ao seu trabalho.

3. Não é um imposto pequeno não, os quase 40 bilhões arrecadados, dão um pancada na economia da classe média. E roubo é roubo. Grande ou pequeno está irregular e tem de acabar.

4. Se a idéia for a de controle sobre a arrecadação formal e a lavagem de dinheiro, a alíquota deveria ser de 0,01%, que ainda estaria ilegal, mas poderia ser justificada como na expressão de Machado de Assis, poderia ser considerada uma “Pia Fraude”.

 

E se a CPMF servisse para controle de dinheiro e controle contra a lavagem e uso irregular de dinheiro, teria encontrado os donos dos 1,7 milhões dos aloprados, que continua em poder da PF, sem possibilidades de se encontrar os donos.

Dizem até que a ameaça que o Renan Calheiros fez contra o Senador Mercadante, é de falar sobre os donos e usuários deste dinheiro e que implicaria diretamente o Senador Mercadante.


Eu que sou um pequeno empresário, dependurado em cheque especial, com impostos atrasados, tenho tempo de pesquisar e de escrever sobre as razões e as irregularidades da aprovação da extensão deste imposto, o Lula com seus aspones muito bem remunerados, TEM a OBRIGAÇÃO moral e decente de recolher a medida provisória que estenderia este imposto roubado da sociedade sofrida que o elegeu.

Mas ele sabe disto tudo que escrevi e da mesma forma que tentou e ainda tenta empregar o Mangabeira Unger depois que este o chamou de corrupto de público, ele está gostando de gastar este dinheiro roubado.

Como no caso do Mangabeira onde se tivesse vergonha na cara teria processado este senhor por difamação, esta edição da medida provisória para continuar roubando o nosso dinheiro é um certificado pós-graduado da falta de vergonha na cara do nosso presidente dono da ética.as-qualidades-do-lula.jpg

E os parlamentares, todos comprados com cargos ou dinheiro mesmo provavelmente provenientes da CPMF, que estiverem fazendo campanha para a aprovação deste dinheiro tão nocivo à continuação da recuperação econômica do Brasil, deveriam ser julgados por faltas de ética e moral e como cúmplices de um assalto aos brasileiros deveriam ser julgados e condenados, pois as provas contra eles são muito fortes.

Prova principal:

O produto do roubo que está flagrante e evidente e que este ano já soma em oito meses 24 bilhões de reais e que ao fim do ano quando deverá ser extinto somará 40 bilhões de reais.

Cadeia para esta cambada de não representantes e visam um pedaço do roubo ao votar a prorrogação desta medida indecente.

O povo é que se F……..

 

 

29 set 2007 Posted by | ABOBRINHAS, ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, ÉTICA, CPMF, CRESCIMENTO ECONÔMICO, GOVERNO, POLÍTICA | 6 Comentários

A propaganda cínica do Mantega.

A propaganda cínica do Mantega.guido-mantega.jpg

 

O cinismo é mesmo alarmante neste governo hipócrita e idiota, que contrata uma pessoa do ex- governo FHC, o Henrique Meireles, par ser presidente do Banco Central, e que conduz a política econômica, da mesma maneira que o Pedro Malan fez no governo anterior e fica cantando de galo, como se os méritos do sucesso da economia fosse das decisões imbecis e das abobrinhas comandadas pelo Lula.

dentro-da-cabeca-do-lula.jpg lula-e-mangabeira.jpg

Não bastasse isto, agora vem o Ministro da Fazenda, o Mantega, que aparentemente a única coisa boa que fez foi sua filha, dizer para a gente que o imposto nojento como a CPMF, é um pequenino imposto de apenas 0,38%.

marinamantega4.jpgmarinamantega1.jpg

Viva Marina e fora CPMF

marinamantega2.jpg

Viva Marina e fora CPMF

marina-mantega3.jpg

Viva Marina e fora CPMF

Como é que um pequeno imposto destes chega a 40.000.000.000 de reais?

É que não é apenas isto, 0,38% é o que retiram de nossas contas bancárias todas as vezes que pagamos coisas como IPTU, IPVA, Imposto de Renda, o que torna este imposto totalmente ilegal, pois estamos sendo taxados ao pagar outros tributos.

 

Mas isto não par por aí.

Quando vamos ao shopping e compramos um xampu por R$ 10,00, e pagamos com o cartão de débito, o que é a coisa mais natural do mundo, pagamos também as tarifas bancárias para manter o cartão, pagamos R$0,38 de CPMF o que é pouco, e pagamos embutido no preço do xampu, R$ 0,2 de CPMF.

Neste pequeno exemplo, mostra a hipocrisia do Mantega, onde o preço que pagamos pela existência da CPMF, em uma compra de R$ 10,00 é de 2,38% de CPMF.

Agora em um item maior como um automóvel Toyota Corola que custa R$50.000,00

Você paga:

1. 42% de carga tributária, ou seja, R$ 21.000,00 de imposto.

2. Direto da sua conta bancária sai:

a. R$ 21.000,00 de imposto, do qual você paga pelo privilégio de pagar imposto R$ 80,00 de CPMF.

b. R$ 29.000,00 do preço que a montadora vende para obter lucro. Pequeno Lucro.

c. Destes 29.000,00 estão embutidos R$ 1.700,00 de CPMF, distribuídos em Matéria prima, beneficiamento da matéria prima, transformações de partes e equipamentos, montagem, transporte, e venda ao consumidor totalizando 2,40%.

d. Então neste exemplo, você que pagou da sua conta bancária aproximadamente R$ 200,00 de CPMF em uma compra de R$ 50.000,00, o que proporcionalmente é pouco.

e. Este carro paga mais ou menos R$ 1.500,00 de IPVA e desta quantia você paga mais R$ 6,00 de CPMF.

f. Então você pagou a mais nesta compra 1.700,00 embutidos no carro + 80,00 pelo privilégio de pagar imposto do carro,+ 120,00 pelo CPMF do preço do carro sem os impostos e mais 6,00 de CPMF quando foi emplacar o carro, totalizando R$1.906,00 de CPMF nesta compra.

g. 3,8% de CPMF e não 0.38% – 10X mais

3. Então ministro Mantega o que o Senhor pensa disto? Que ainda somos todos idiotas?

A afirmação do Lula de que não se pode governar sem os 40 bilhões da CPMF, é a expressão da verdade.

Não se pode mesmo neste tipo de governo, que não tem o menor respeito pelo dinheiro do contribuidor, que gasta mais e pior do que qualquer outro governo anterior, que deixa sem investigação e parados no PF os 1.7 milhões dos aloprados, que faz uma obra inútil de 6,2 bilhões de reais e entrega para o agatunado gerenciar, e que não fez o dever de casa com as reformas da previdência e reforma política e reforma tributárias como prometido em campanha, e que contratou nos dois governos 200.000 aspones com um salário médio de R$5.000,00.

Tivesse sido feitas estas reformas, poderia abrir mão da CPMF sem o menor problema e que ainda iria sobrar dinheiro para gastar.

Em vez de privatizar os bancos estatais com problemas, este governo compra estes bancos e incorpora no Banco do Brasil. Está agora querendo comprar o BRB.

Isto serve para cabide de emprego para os aspones do PT.

A Petrobrás, está crescendo, comprando pequenas petroquímicas e melhorando as moedas de troca política.

Mesmo com todas estas compras, o valor da Petrobrás é menor do que o da CVRD devido ao tamanho do investimento que é maior e pelo troca-troca político, que tira valor das ações da Petrobrás devido à desconfiança dos investidores.

E os petralhas estão falando em re-estatizar a CVRD.

Sabe quanto ela vale?

300bilhões de reais, ou seja, 12% do PIB. Mais ou menos nove anos de CPMF.

Eta Brasil……

 

caso-renan.jpg

porta-do-plenario.jpg

29 set 2007 Posted by | ABOBRINHAS, ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, ÉTICA, CPMF, POLÍTICA | Deixe um comentário

Assalto à mão armada.

Assalto à mão armada.

cpmf4.jpg

O povo brasileiro, os nossos irmãos, está sendo assaltados todos os dias, pelo seu governo.

Se somarem todos os roubos, contrabandos, assaltos resgates feitos pelos bandidos, que se tornaram bandidos provavelmente pela omissão do governo e pela falta de possibilidades de se encaixarem em seu nicho social, não alcançaremos uma cifra nem perto do que se rouba anualmente com a CPMF.

Apenas no ano passado foram arrecadados uns míseros 33,5 bilhões de reais, com o roubo legalizado pelo governo FHC, e herdado com uma benção pelo governo Lula. Este ano se planeja uma arrecadação maior ainda na casa dos 35/6 Bi.

E este era o governo que iria fazer a justiça social?

Este era o governo que iria acabar com o desemprego?

E este era o governo da ética?

Quem mais sofre com a carga tributária da CPMF, é justamente a classe pobre, que por causa deste incrível imposto em cascata, paga mais por tudo o que adquire.

O desemprego aumenta com este imposto, pois, este imposto, disfarçado em contribuição, aumenta o custo final de toda a produção nacional entre 0,75% e 2,5% de todos os produtos produzidos no Brasil, o que mata a concorrência com os produtos inferiores e importados principalmente da China, que o governo considera uma economia de mercado dando sérios privilégios fiscais na importação de seus produtos.

A ética tão discutida em campanhas eleitorais caríssimas previa uma diminuição da carga tributária e para isto deveria ser para começar, a abolição deste imposto indecente.

Mas com o crescente custo do governo, com os gastos absurdos de contratação de milhares de novos funcionários, (leia-se ASPONES), na recriação de 27 novas estatais, tudo que se arrecada, já tem destino certo e está até faltando fundos para manter este gasto fantástico da administração da ética palaciana.

Ainda hoje o congresso aprovou um aumento geral de salários para compensar as perdas para a inflação.

Como pode haver perda para inflação em um trabalho que ao começar o ano se paga um salário extra e ao terminar o ano se paga outro salário extra. E que trabalho onde se trabalha apenas nove meses por ano e durante estes nove meses se tem a obrigação de bater o ponto três dias por semana. E onde se paga verba de gabinete onde não se precisam comprovar os gastos, e que consomem por mês combustível suficiente para rodar todo o país, por quatro vezes.

O congresso deveria ser decente e revogar estas verbas de gabinete, exigir presença de todos os representantes cinco dias por semana, abolir o 14º salário, exigir recibos dos gastos com os gabinetes e também a justificativa para tanto combustível, e se contentar com um recesso de trinta dias como todo cidadão normal que não seja parlamentar.

Deveria sim fazer estas mudanças em nome da decência e da vergonha, mas não vai acontecer porque, não existe representatividade, não existe decência e não existe vergonha na cara destes parlamentares cínicos e hipócritas que foram negociados, e não votados.

Este novo congresso tem a representatividade de 5% da população.

E este novo congresso vai seguramente votar a continuação da CPMF porque este novo congresso não tem nenhum compromisso com o seu país, seus cidadãos, com a decência e a vergonha.

Eta Brasil…..


cpmf2.jpg

Leiam agora a publicação da Tribuna da Imprensa, que gerou o meu comentário:

Fiesp faz manifesto contra prorrogação da CPMF

SÃO PAULO – Entidades empresariais lançaram ontem na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) o “Manifesto da sociedade brasileira contra a manutenção da CPMF”. O documento, que será encaminhado a representantes da sociedade civil organizada, em busca de adesões, busca impedir a prorrogação contribuição que vence no final do ano. Durante o evento, a Fiesp divulgou um estudo que critica a manutenção da contribuição.

“Apesar da CPMF ter sido criada em caráter provisório e com destino certo para o Fundo Nacional da Saúde, hoje já decorreram 11 anos de sua criação e o governo deseja prorrogá-la por mais quatro anos. O caráter provisório e destino certo perderam-se no tempo”, informa o documento da Fiesp.

Segundo o presidente da entidade, Paulo Skaf, a prorrogação da CPMF seria desnecessária pela previsão de aumento da arrecadação para este ano, que seria de cerca de R$ 40 bilhões. “Se os gastos fossem congelados não seria necessária a manutenção da CPMF. Só aí se resolveria o problema da perda de arrecadação do governo com a contribuição, que deve chegar a R$ 35 milhões neste ano”, afirma Skaf.

Entre os anos de 1997 e 2007, segundo estudo da Fiesp, o governo soma mais de R$ 185 milhões arrecadados com a CPMF. Para Skaf, outra maneira do governo compensar as perdas na arrecadação com o fim da CPMF seria com a redução dos juros. “A cada ponto porcentual de queda dos juros o País economiza R$ 10 bilhões por ano. Além de reduzir os gastos públicos, essa medida estimularia o crescimento do País”, argumenta, afirmando que existem ainda outros gastos a serem cortados pelo governo.

“O papel do governo é de identificar os gastos e os desperdícios públicos.” Conforme a Fiesp, a CPMF tem efeito direto sobre os juros. “Esse efeito (da CPMF) na taxa de juros aumenta as despesas públicas, inibe o investimento (maior custo de capital) e desestimula a expansão do crédito (efeitos nocivos sobre a produtividade da economia.”

O documento assinala que as despesas públicas crescem continuamente acima do crescimento do PIB, enquanto que as receitas crescem em ritmo semelhante.

“Durante algum tempo acreditou-se que a redução dos gastos públicos precederia à redução da carga tributária. Hoje, torna-se claro que a redução da carga tributária é precedente e indutora da redução do gasto público. É neste contexto que deve ser vista a eliminação da CPMF.”

O levantamento destaca também que a contribuição prejudica mais as famílias com renda familiar menor. As famílias com renda de até dois salário mínimos pagam 1,8%, em média, de CPMF, enquanto que às que recebem mais de 30 salários mínimos esse porcentual fica em 1,2%.

“Mesmo isento da CPMF no recebimento dos salários, o trabalhador arca com a carga embutida no custo dos produtos e serviços que consome. Como a carga é regressiva, quanto menor o rendimento, maior o impacto da CPMF”, explica Skaf.

Leiam outro artigo publicado anteriormente neste Blog:

 

https://rleite.wordpress.com/2007/04/10/a-heranca-maldita/

 

 

10 maio 2007 Posted by | CPMF | 5 Comentários

A herança maldita

A Herança Maldita.

O FHC não deixou uma herança maldita para o Lula gerenciar.

O Lula encontrou o Brasil em boa ordem, as coisas estavam encaminhadas e se havia um pouco de risco Brasil e de inflação, era porque os investidores ainda estavam um pouco receosos diante da expectativa do que seria o Brasil de Lula. Uma vez que a poeira se assentou, as coisas tomaram novamente o rumo que deveriam estar e o pequeno sucesso no crescimento e na estabilidade do país, o governo Lula deve agradecer se não ao FHC, pelo menos ao Plano Real que possibilitou tudo que está acontecendo de estável na economia do país.

A herança que o Lula recebeu do FHC foi infinitamente melhor do que a herança que o Itamar e o FHC receberam do Collor.

Eu pessoalmente duvido que o governo Lula teria o sucesso atual se ele recebesse de presente uma inflação de 350% ao ano, e se o economista deste governo fosse o economista do PT o Senador Mercadante.

Mas tudo bem, o Lula recebeu o Brasil em uma situação estável e teve o mérito de não fazer nenhuma loucura mirabolante, mantendo a austeridade na economia, e seguindo os ditames originais do Plano Real.

E então o que será a herança maldita? Quem a recebeu? Será que ela existe?

Sim ela existe e é muito real.

Quem a recebeu foi o Brasil.

E ela se chama CPMF.

cpmffurto20070409exterior.gif

O CPMF, criado no governo FHC, foi criado em uma emergência e deveria ter sido abolido no mesmo governo.

Foi um ato de total inconseqüência, o governo FHC, deixar para o Brasil esta excrescência arrecadatória, que não para de crescer, e que foi domada pelo grande capital, de forma que eles não pagam este imposto, mas os demais, Classe baixa e classe média pagam em cascata. Este imposto indecente e ilegal e inconstitucional está aumentando a desigualdade social no Brasil.

Veja um artigo muito interessante no “blog do Zé Melo”

 

http://traveler.com.br/blogs/ze/

Eu tenho um outro artigo publicado alguns meses atrás sobre este assunto nojento, de arrecadação ilegal e de imposto sobre o pagamento de impostos, o que em qualquer democracia decente seria inadmissível.

http://robertoleite.assisfonseca.com.br/?p=141

Vamos acabar com esta indecência arrecadatória, escrevam aos seus deputados e representantes e vamos tentar abolir este roubo.

cpmffurto20070409sonegadore.gif

Vamos divulgar o nosso descontentamento por sermos roubados descaradamente por nove anos seguidos, sem uma prestação de contas decente sobre o que foi feito com o dinheiro deste assalto.

cpmffurto20070409provisorio.gif

10 abr 2007 Posted by | CPMF | 4 Comentários

   

%d blogueiros gostam disto: