blog do Roberto Leite

Assuntos de interesses multiplos e atuais.

Situação atual.

Situação atual.

A situação econômica do Brasil atual é muito séria.

Os indícios inflacionários herdados do governo FHC se deviam claramente ao medo empresarial que o governo Lula inspirava ao ser eleito, pois suas idéias econômicas eram desconhecidas, mas os radicais do partido pregavam uma economia de estado, re-estatização de empresas públicas, entre outras coisas. Quando estes medos não se realizaram e o novo governo seguiu basicamente a política herdada do governo anterior, os empresários se acalmaram, investiram na economia e a inflação que dava sinais de vida foi enterrada temporariamente. O mundo todo estava em franca ascensão e o Brasil foi de carona, as importações aumentaram, a balança comercial ficou superavitária trazendo muitos dólares ao país. Com a chegada de dólares, o valor da moeda americana caiu, prejudicando as exportações, e para valorizar a moeda incentivando os exportadores, o governo começou a comprar dólares. Foram tantas as compras, que as reservas externas brasileiras superaram os empréstimos junto ao FMI pela primeira vez na história, e isto melhora a credibilidade e o Brasil passa a ser economia de mercado.

Tudo azul, e o governo foi um sucesso econômico. Não longe disto, para comprar os dólares que criavam a melhor reserva da história, o governo se endividou internamente pagando um serviço desta dívida na ordem de 14% em média anual. Foi a maior dívida interna da história com a maior percentagem do PIB para pagar juros na história do país. 48% de toda a arrecadação vai ao encontro do serviço da dívida. Mas isto tende a acabar, pois a arrecadação está em alta e pode pagar esta dívida também. Erro, a arrecadação realmente está em alta, mas os gastos do governo também nunca foram tão altos. Este governo criou 29 novas estatais, contratou mais de 300.000 funcionários de confiança, liberou empréstimo a fundo perdido para países com crédito duvidoso, emprestou energia elétrica para a Argentina a preços inferiores ao preço de geração, (paga para gerar uma média de 275 reais o megawatt e cobra da Argentina apenas 70 reais) e gastou apenas com combustível das usinas termo-elétricas para evitar um apagão este ano, 1,3 bilhões de reais.

Agora este mês, o governo disse que iria cortar gastos e com a arrecadação em alta isto seria suficiente para segurar a inflação. Mas o governo não parou de gastar em coisas duvidosas, apenas vai gastar menos. A arrecadação aumenta 13% comparado ao ano passado e o governo propõe um corte de 4% no orçamento deste ano. O superávit primário, que é dinheiro para pagar juros vai passar de 3,8% para 4,5% do PIB. A arrecadação este ano vai beirar 01 trilhão de reais, que será bem perto de 40% do PIB (pela nova maneira de avaliar o PIB pelo IBGE aparelhado).

E porque existiria um problema com a inflação?

O governo Lula, não soube aproveitar um bom momento da economia mundial, e em vez de fazer as melhorias infra-estruturares tão necessárias ao país, gastou em tentativas assistencialistas e programas eleitoreiros visando uma fácil reeleição. Investiu em programas superfaturados e diretamente ilegais para satisfazer políticos aliados, investiu em viagens e empréstimos a países africanos buscando um apoio para conseguir uma cadeira permanente na ONU para o Brasil. Gastamos muito dinheiro, mas não conseguimos o apoio e esta parte da meta Lula está fora de cogitação. Não há cadeira permanente na ONU.

Sem infra-estrutura, o custo Brasil fica muito alto. Com a inflação internacional nos preços de alimentos, o Brasil acompanha. Com os juros um pouco mais baixos, (ainda o maior do mundo) o Brasil incentivou o crédito e com a renda familiar aumentada com os programas assistencialistas, o governo está incentivando o consumo, com o dinheiro da classe média.

Nunca se vendeu tanto a crédito como agora e com este consumo aumentando, as mercadorias e os alimentos estão em falta e os preços estão em alta causando uma inflação, que engole os ganhos reais que a classe mais pobre amealhou nos últimos anos de governo.

Com a inflação em alta, a tendência de inadimplência é alta e se generalizada será uma explosão como a crise imobiliária americana.

Para conter a inflação, existe a possibilidade de se subir os juros ficando mais caro para a indústria adquirir nova matéria-prima, e sem poder aumentar os juros em contratos de seis e sete anos, será uma tremenda crise industrial. Poderia o governo cortar drasticamente os gastos, vender as estatais adquiridas e com o dinheiro que sobrar amortizar parte da dívida interna, e gastar com infra-estrutura. Isto será um pouco para médio ou longo prazo e deveria ter sido pensado seis a sete anos no passado, mas não foi. Agora em ano eleitoral seria cortar os programas eleitoreiros dos partidos aliados, e o governo não vai fazer isto.

Com todo o mundo em uma crise, e sem ter fundos sobrando para servir de amortecedor, o governo não pode subir tarifas, pois a classe média não consegue mais absorver estes impostos, e a situação fica meio sem solução. Esta inflação está aqui para ficar e crescer.

Pobre Brasil!!!!!!!

O fim do IPEA.

De Élio Gaspari, hoje, da Folha de São Paulo:

29 de junho de 2008.

O comissariado petista do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, o Ipea, está destruindo uma instituição sacrossanta surgida em 1964 e respeitada até mesmo pelas bruxas da ditadura. Fazem isso com a grosseria dos bolcheviques e os instintos manipuladores dos economistas de Néstor Kirchner. O último golpe da moçada foi a alteração da periodicidade da divulgação de projeções pela Carta de Conjuntura, uma publicação trimestral do instituto, criada em 1986.Mais: embargaram a divulgação de projeções macroeconômicas que já haviam sido mandadas para a próxima publicação. Pior: mantiveram um cenário de previsão do aumento do consumo entre 3,3% e 5%, quando cálculos já fechados indicam que a expansão poderá ficar entre 6% e 8%. Esse texto foi reescrito por pessoas que se julgam detentoras da visão genial do problema. Isso tudo acontece sob o guarda-chuva do ministro Mangabeira Unger, que até bem pouco tempo trabalhava em Harvard, e do professor Márcio Pochmann, vindo da Unicamp.Segundo o companheiro Miguel Bruno, que dirige a Carta, “o Ipea não quer alimentar especulações do mercado”. Falso, o negócio é não provocar expectativas ruins na sociedade. Felizmente Bruno nunca operou no mercado, pois teria quebrado se esperasse dados do Ipea para fechar seus negócios. A turma do papelório dos bancos lida com projeções diárias muito mais refinadas. Além disso, o Banco Central produz e divulga análises de boa qualidade. O que o comissariado quer é brincar de felicidade.Desse jeito, acabarão querendo orientar as pesquisas do IBGE. O mercado, ao contrário da roubalheira e do aparelhamento do Estado, é uma coisa essencialmente boa. Os países que seguiram sua dinâmica prosperaram. Os que tiveram idéia melhor, arruinaram-se.Bruno foi além e disse que, “antes, o Ipea atuava em dobradinha com o mercado financeiro”. O comissário precisa definir “antes”, “Ipea” , “atuava” e “dobradinha”. Até lá, fica no ar a desprimorosa suspeita de que o instituto esteve dominado por uma cáfila de especuladores.Havendo “antes”, há de haver “quem”. Está acontecendo no Ipea algo mais grave e primitivo do que o velho e bom disfarce das notícias ruins. Estão encostados ex-diretores recentes e pesquisadores de renome internacional, como Ricardo Paes de Barros. Foi ele quem fez as contas que puseram de pé o Bolsa Família.PB, como é conhecido, continua no Ipea por amor à camisa da Seleção, pois teve vários convites para saltar. Um deles, da Universidade de Yale. Num astucioso episódio, o economista Fábio Giambiagi foi defenestrado e devolvido ao BNDES. O Grupo de Conjuntura, onde se discutem tendências da economia, foi expurgado. Isso no campo do patrulhamento intelectual.Há também patrulhas funcionais. Já ocorreu caso de transferência, pelo telefone, de um economista que tinha mais de 20 anos de experiência num setor. O diretor de estudos macroeconômicos, doutor João Sicsu, jamais pôs os pés num seminário (exceção para uma homenagem a Maria da Conceição Tavares). Ele pode estar certo ao não usar o sistema de mensagens eletrônicas do instituto, mas isso não ajuda o bom andamento dos trabalhos.Com 300 economistas, o Ipea tornou-se uma instituição desorganizada, convertida em orquestra e platéia do egocentrismo de seu presidente que, do pódio, oferece refogados de pesquisas velhas com farofas novas, ao gosto do Planalto. Falta aos comissários a generosidade profissional de chefes recentes, como Roberto Martins, que contribuiu para o reconhecimento de Paes de Barros. Caso o doutor Pochmann queira seguir um exemplo, pode prestar atenção na conduta do presidente do IBGE, Eduardo Nunes.Se as práticas do comissariado petista estivessem em vigor ao tempo da ditadura, teriam sido afogadas as carreiras de economistas como Pedro Malan, Edmar Bacha, Regis Bonelli e Claudio Moura Castro. Foi graças a eles que os futuros petistas aprenderam (se é que aprenderam) de onde viria a crise da economia do Milagre Brasileiro.

Comentário final:

Alei de “Tolerância Zero” está em vigor

Se beber não dirija nada. Nem carros, Nem caminhões, nem motos, nem aviões, e muito menos o país.

30 jun 2008 Posted by | ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, CRESCIMENTO ECONÔMICO, GOVERNO, POLÍTICA | 2 Comentários

Legislando o problema.

Legislando o problema.

Esta semana por motivo de muito trabalho, negligenciei o blog novamente, mas vamos apanhando as notícias e tentando fazer algum sentido sobre o que está acontecendo no Brasil.

Recebi de meu sobrinho o José Melo (http://zefonseca.com/blogs/ze/) um email interessante:

Gostei dessa lei de zero álcool no sangue. Fui ao aniversário de um parente e na minha mesa ninguém bebeu porque estavam todos ao volante. Voltando pra casa fui pensando: bem que podia ter uma dessas pra corruptos, não acham?

Afinal, a corrupção no Brasil é um problema tão sério quanto os bêbados no volante. Roubam-nos e ainda causam a alta dos impostos (porque só criam impostos novos pra suprir sua roubalheira e incompetência). Os corruptos matam pessoas que não sobrevivem aos hospitais caindo aos pedaços, matam milhares de fome, tiram o emprego de gente honesta, ganham licitações encima de empresas honestas, e por aí vai. Corruptos matam igual o bêbado no trânsito, talvez mais. Um bêbado mata as pessoas próximas. Um corrupto mata dezenas, centenas, até milhares dependendo do cargo, e seus malefícios têm seqüela várias gerações adiante, o corrupto mata indiretamente e o povo não percebe.

Portanto, nos mesmos moldes da tolerância zero de álcool no trânsito, proponho a lei de tolerância zero pra corruptos.
1) A corrupção torna-se crime hediondo.
2) Acaba o foro privilegiado para qualquer autoridade
3) A imunidade fica restrita apenas às atividades estritamente legislativas.
4) O sigilo fiscal e bancário deixa de existir automaticamente uma vez que o candidato eleito for diplomado.
5) Candidatos que estiverem sendo processados em varas criminais ficam inelegíveis
6) Qualquer candidato com condenação passada fica inelegível, tem que ter currículo perfeito.
7) O voto torna-se optativo.
8 ) A renúncia não interrompe o processo de cassação.

1) A corrupção torna-se crime hediondo
No caso do roubo ser maior que R$ 50.000,00 (cinqüenta mil Reais) o dinheiro poderia salvar a vida de alguém num hospital público, portanto, assim como na nova lei de trânsito, um roubo desse porte ou maior deverá ser considerado homicídio doloso. Assim, um Lalau ou um Cacciola passaria o resto dos dias preso, na cadeia, e não em casa.

2) Acaba o foro privilegiado para qualquer autoridade
Não tem cabimento um Ministro de Estado ser blindado de processos. Deveria ser o contrário, ele deveria ter muito mais responsabilidade de explicar qualquer denúncia, e não ser blindado. Lula protegeu Henrique Meirelles dando-lhe status de Ministro. É o único Ministro do mundo subordinado a outro Ministro. Onde já se viu isso? Acabaria também o foro privilegiado para qualquer outra autoridade. Pra que foro privilegiado se a pessoa for honesta?

3) A imunidade fica restrita apenas às atividades estritamente legislativas.
O parlamentar, no exercício de suas atribuições de fiscalizar o Executivo e enquanto legisla, não pode sofrer pressão ou chantagem qualquer. Portanto, apenas para essas atividades, ele mantém imunidade.

4) O sigilo fiscal e bancário deixa de existir automaticamente uma vez que o candidato eleito for diplomado.
O “homem público” no Brasil só tem o rosto de público. O resto é um jogo de espelhos e fumaça, não tem nada de público na vida dos principais suspeitos. Aliás, dos eternos suspeitos, sempre sendo processados, sempre na imprensa se defendendo. Vamos resolver o mal pela raiz: ao ser diplomado fica automaticamente quebrado o sigilo fiscal e bancário. Aí o povo decide se o que ele tem é compatível, ou não, com suas atividades passadas.

5) Candidatos que estiverem sendo processados em varas criminais ficam inelegíveis
Processos pequenos, em vara cível, acusações de adversários e pequenas ofensas ficam isentas. Todos os outros crimes tornam o candidato inelegível. Quer ser homem público? Pois ande na linha desde cedo.

6) Qualquer candidato com condenação passada fica inelegível, tem que ter currículo perfeito.
Quer ser homem público? Então ande na linha.

7) O voto torna-se optativo.
O povo vota se quiser. Candidatos medíocres não merecem voto. Se ninguém votar significa que os candidatos não prestam. Ficam todos inelegíveis e convocam-se novas eleições imediatamente ao invés de presentear bandidos com 4 anos de dinheiro público.

8 ) A renúncia não interrompe o processo de cassação.
Se houver denúncia, o processo de cassação deve ocorrer do início ao fim para averiguar todas as acusações, até mesmo pelo interesse do candidato de ser inocentado. Portanto a renúncia ao cargo não interromperia o processo. Havendo constatação política do crime, o candidato é cassado in absentia caso tenha renunciado, e perde seus direitos políticos para sempre.

Já que o Estado mostrou o braço forte pegando bêbados nas estradas, com tolerância zero, vamos pegar então essa praga que mata muito mais que os bêbados e que corrói o Brasil como um câncer espalhando o atraso. Chegou a hora da lei de tolerância zero com corruptos. Vocês vão ver, se fizesse uma lei assim os impostos cairiam, todos viveriam melhor e o Brasil seria uma país mais sério afinal de contas.

É o Zé pegou uma linha interessante de pensamento. Seria muito desejável que isto acontecesse de fato no Brasil. Mas não vai acontecer.

Quando estavam elaborando o “Novo Código de Transito Brasileiro”, no governo FHC, o relator da matéria era o deputado por São Paulo, Ary Kara. Publicaram no jornal uma prévia do código antes de ser sancionado pelo FHC.

Ao lê-lo encontrei muitas coisas indevidas e impraticáveis dentro da nova lei, e entrei em contato com o então deputado.

Depois de muito tentar recebi um telefonema de seu gabinete, e finalmente pude falar com ele. Eu então depois das apresentações disse:

“- Deputado, eu tenho uma licença para dirigir em vários países e conheço as leis de cada um deles. Entre os países estão os Estados Unidos, Canadá, Inglaterra, Escócia, México,
Venezuela, Colômbia, e este novo código em formação, não pode funcionar no Brasil, pois depende de legislação complementar, reforma no judiciário, e existem vários artigos totalmente desnecessários com, por exemplo, a exigência de um kit de emergência, totalmente incompleto e sem serventia alguma sem o devido treinamento. Os extintores deveriam ser restritos aos veículos comerciais, e as multas de transito deveriam ser dadas ao motorista infrator e não ao veículo, sendo necessário que o policial parasse o veiculo e identificasse o condutor. As multas de estacionamento proibido poderiam ser dadas sem o motorista presente, mas não poderiam contar pontos na carteira. Deveria haver uma distinção entre multas com o veiculo em movimento e multas com o veículo parado.”

Depois desta explicação, o deputado de forma gentil, me disse o seguinte:

“- Caro Roberto, é muito bom que os cidadãos se interessem pelos acontecimentos do país, mas neste caso quero lhe informar que estudamos a fundo as leis de trânsito de vários países e esta lei em andamento, é a mais moderna e melhor para o Brasil e depois de aprovada teremos o melhor código de transito do mundo”

Sem mais explicações, e muito dono da verdade, ele desligou. Mandei então ao gabinete da presidência da República, uma carta com uma sugestão de vetos ao projeto do código. Eram 30 sugestões, e o presidente FHC vetou 26. Não sei se foi a minha carta ou não, mas coincidiu e os vetos presidenciais tornaram o presente código mais palatável. Ficou entre outras coisas, o famoso “Estojo de Primeiros socorros” que por sua inutilidade foi mais tarde descartado, e as multas com o veiculo em movimento, multando com isto o veiculo e não o motorista, criando nos grandes centros uma indústria da multa, onde pessoas se ofereciam nos jornais para assumir a culpa da infração por uma quantia, e assim acabando com o efeito educação do código.

No código atual está explícito que os fundos arrecadados com as multas deveriam ser usados na sua totalidade em educação e melhorias no sistema de trânsito. Esta idéia é muito boa, mas se eu entendo direito, deveria existir uma conta dentro dos governos, onde seriam depositadas estas quantias, e deveriam ser usadas para o fim dentro das especificações legais e este uso deveria ser fiscalizado pelo TCU. Mas da maneira atual, estas multas fazem parte do caixa dos governos que as usam para o fim que lhes der vontade, até para campanhas políticas.

Da maneira em que foi feito o Código de Trânsito Brasileiro, não visa melhorar a educação do motorista, mas visa apenas como está comprovada a arrecadação extra para os cofres do governo. E não é pouca esta arrecadação. Apenas no DF, onde recentemente celebraram com estardalhaço o emplacamento do milionésimo veículo, não existe nenhuma possibilidade de se dirigir sem pelo menos uma multa anual. A menor multa por excesso de velocidade, apenas alguns quilômetros a mais, em alguns pontos a tolerância é de um (1) quilômetro por hora, é de R$ 85,00. Somente aí se arrecada 85 milhões de reais, se a média for de uma multa por veiculo e eu aposto que a média é maior.

E voltando ao email do Zé, no Brasil se tem a vontade e é prática política de se legislar os problemas.

Violência gerou a legislação sobre as armas.

Mais violência gerou o pedido para legislar a idade penal.

Violência no transito gerou a estúpida lei dos bares nas proximidades das rodovias. De tão estúpida e impensada foi modificada até ficar como era antes da lei, com muito desgaste para o governo.

Agora vem esta imbecilidade da tolerância Zero. Não vai acabar com a violência no transito esta idiotice porque até os imbecis sabem que é uma medida apenas arrecadatória para os governos, pois os alcoólatras que dirigem embriagados e causam acidentes vão continuar a fazê-lo, com ou sem carteira de motorista, as cadeias não vão comportar mais este volume de infração, e as cortes de justiça não vão atender as demandas desta nova lei. Mas, as multas vão funcionar sim.

Eu pessoalmente desconfio que o Fernandinho Beira Mar e o narcotráfico estejam por detrás desta lei, pois os bafômetros não vão encontrar nem maconha nem cocaína nos motoristas e os arrebites nos caminhoneiros, e então as pessoas que freqüentam festas vão começar a usar estas drogas e relutar na cerveja que pode ser detectada.

E este governo e legisladores irresponsáveis, que criaram uma lei visando melhorar os índices de acidentes no trânsito, não criaram nenhuma lei com Tolerância Zero (que por sinal já existe) para obrigar aos governantes a melhorar o estado geral das rodovias e a sinalização, as balanças, a fiscalização, e a segurança em geral das estradas brasileiras que matam muito mais do que dirigir embriagado. Não estou com isto condizendo com a direção embriagada, pelo contrário sou totalmente contra, mas isto se consegue é com a educação, começando nas escolas básicas e não com uma legislação inútil e sem respaldo infra-estrutural das vias, que seria por onde deveria começar a intenção de melhorar os índices de acidentes de trânsito.

A legislação sobre as armas se provou desgastante, até um plebiscito foi feito e, a campanha de recolher armas se mostrou inútil, pois depois de tudo a violência e o crime com as armas pioraram.

No Brasil existem as mais severas leis contra as drogas ilícitas, mas estas seguem aumentando, existem severas leis sobre o contrabando, mas este segue aumentando, existem leis e mais leis sobre a violência e esta segue aumentando.

A inutilidade de tais instrumentos é tal, que poderia ser legislada a felicidade geral da população.

Seria a Tolerância Zero da infelicidade. Em vez da bolsa família, o principal programa do governo Lula poderia ser uma lei:

Tolerância Zero da Pobreza, onde seria proibido ser pobre.

E é por esta razão que considero, apesar de muito boa, utópica a idéia do Zé da Tolerância Zero da Corrupção.

Tenho, no entanto uma sugestão:

“Tolerância Zero já, do fim do estado atual da educação no Brasil”

Seriam imediatamente revistas as normas educacionais no país, ficando estabelecida uma taxa obrigatória de 15% do PIB (atualmente se gasta 2,5% do PIB, e destes 80% são para ensino superior) para a educação básica e secundária, e estabelecendo o fim das universidades gratuitas, tendo o estudante superior de bancar seus estudos que poderiam ser financiados com juros mais baixos, mas com obrigatoriedade de pagamentos.

Com um bom e decente ensino básico poderia ser o começo para uma duradoura paz no trânsito, arrefecimento da violência, e uma base segura de respaldo para as legislações futuras.

Os idiotas e imbecis que pensam estas leis, são infelizmente o fruto desta educação precária brasileira que não visa apenas o pobre, mas a todos. (As escolas privadas e caras também não estão condizentes com uma educação de real qualidade).

Nos anos noventa, creio que em 97, um deputado federal de Minas Gerais (o meu estado) entrou na pauta de votação da Câmara, um projeto de lei para retirar do Hino Nacional Brasileiro, as palavras “LUTA” e “MORTE” para coibir a violência.

Este coitado é mais uma vítima das precárias escolas brasileiras.

E leia este recente artigo da falácia desta lei como uma forma de coibir os acidentes no trânsito.

http://vejaonline.abril.com.br/notitia/servlet/newstorm.ns.presentation.NavigationServlet?publicationCode=1&pageCode=1&textCode=143724&date=currentDate

29 jun 2008 Posted by | ABUSOS LEGISLATIVOS, GOVERNO | Deixe um comentário

Pt ético Nº 2…..

Pt ético Nº 2…..

Escrevi sobre este assunto em 09 de setembro de 2007. Hoje dia 24 de junho de 2008, encontrei na coluna do Claudio Humberto mais referencias desta cooperativa, onde o presidente atual do PT também presidiu.

Está claramente fazendo água e o resultado deste calote deve refletir nos atuais dirigentes petistas para variar.

O meu artigo pode ser lido em;

http://robertoleite.assisfonseca.com.br/?p=260

E abaixo a o artigo copiado da coluna do Claudio Humberto:

Cooperados da Bancoop querem CPI

na Assembléia Legislativa paulista

Cerca de trezentos cooperados da Cooperativa Nacional dos Bancários (Bancoop), investigada pela Polícia Civil e Ministério Público em São Paulo por formação de quadrilha, estelionato, lavagem de dinheiro e apropriação indébita, enfrentaram garoa e vento gelado para pedir apoio da Assembléia Legislativa paulista para solucionar os graves problemas que enfrentam, entre eles cobrança de imóveis já escriturados, obras paradas e imóveis não entregues. Querem a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito inicialmente em São Paulo e, depois, no Congresso, em Brasília. O presidente da Bancoop, João Vaccari Neto, que não foi à primeira reunião na Comissão de Defesa do Consumidor, dia 23, não apareceu, alegando “compromissos

24 jun 2008 Posted by | ÉTICA, GOVERNO, POLÍTICA | Deixe um comentário

Mudanças & promessas.

Mudanças & promessas.

Lula foi eleito com muita esperança por mudanças prometidas e repetidas em campanha. Mudanças no sistema tributário que ele definiu com extorsivo e inibidor de um crescimento que o Brasil merecia.

Mudanças políticas definidas por ele como a única forma do Brasil poder ser chamado de um país sério.

Mudanças éticas em todo o aparato administrativo, pois ele definiu em campanha que a transparência na administração publica seria uma de suas metas se fosse eleito presidente.

E ele foi eleito presidente e de acordo com a sua agencia de propaganda, a sua eleição foi definida como “A esperança venceu o medo”.

Depois de eleito, aconteceu muita coisa, menos as mudanças prometidas em sua campanha.

A mudança no sistema tributário onde ele alegava ser impossível um país crescer com tamanha carga tributária, ele aumentou descaradamente todos os tributos, e as mudanças prometidas foram esquecidas, o modo do IBGE calcular o PIB (Produto Interno Bruto) foi modificado para camuflar tanto o crescimento como a carga tributária, mas a nossa arrecadação tributária bate recordes atrás de recordes e é descaradamente a maior da planeta. O lema entre os empresários é :

“Se não sonegar não agüenta”.

As mudanças políticas ele fez, foram uma festa de compra do legislativo corrupto, que todo comprado aprova as mais loucas medidas antidemocráticas jamais vista neste país.

As mudanças éticas e a transparência foram por água abaixo, e hoje a definição de ética no Brasil, está totalmente desvirtuada em favor da falta de pudor e de deslavada propagação da mentira por parte principalmente do primeiro mandatário.

Os seus programas de governo no primeiro mandato, como “Fome Zero”

“Primeiro Emprego” entre outros fizeram água e descaradamente foram esquecidos em favor de outro que veio parcialmente do governo anterior. Este programa foi renomeado e desvirtuado, se transformando no carro chefe do governo. No governo anterior foi criado para manter as crianças na escola, vacinadas e atendidas em postos de saúde. Esta era principalmente a condição de permanência no programa que se chamava “Bolsa Escola”. Tinha fiscalização, era um pouco limitado às regiões onde a evasão escolar era maior, e as condições de saúde eram piores. Este novo governo onde a esperança venceu o medo, renomeou o programa “Bolsa Família”, tirou as contra partidas, e expandiu este programa rapidamente por todo o território nacional. Com o aumento vertiginoso do tamanho do programa, a fiscalização ficou difícil, e as fraudes aumentaram também vertiginosamente, a ponto de funcionários públicos em Brasília serem pegos participando do programa.

Não existe contra partida e recentemente o IBGE (Órgão do Governo) constatou que nos municípios onde o gasto com o programa foi maior, a evasão escolar aumentou, o nível do ensino piorou e a criminalidade aumentou.

Hoje são 46 milhões de pessoas inscritas no programa “Bolsa Família”,

recebendo esmola do governo, sem nenhum incentivo para abandonar o programa e se transformarem em cidadãos independentes e colaboradores com a sociedade.

Estes participantes do programa com o pequeno acréscimo de renda do programa se transformaram em consumidores, aumentando o consumo de bens, levando com isto a um crescimento da indústria fornecedora dos materiais consumidos.

Mas pensem bem quem está sendo realmente o consumidor.

O governo é que está consumindo bens, pois está tirando dinheiro da classe média e dando para os mais pobres gastarem.

Seria como economizar andando a pé em vez de pegar o ônibus, sem contabilizar o gasto de energia, sapatos, tempo. E a economia seria ainda maior se em vez de ônibus, se corresse atrás de um taxi.

A indústria está crescendo, com as compras do governo, que para comprar mais eleva impostos que retira da classe média.

A indústria também está crescendo com o crédito desenfreado que foi dado ao consumidor, com prazos muito longos, juros altos, e promessas de estabilidade eterna. A inadimplência está crescendo mais do que a indústria, e quando a bolha explodir vai ser um “Deus nos acuda”.

E recentemente, a inflação, que foi durante cinco anos a menina dos olhos do governo, está dando sinais de retorno, sem que se encontre uma forma de controle por parte do governo que venceu o medo e agora está com medo.

E falando de mudanças reais temos a seguinte situação no Brasil

Transformações diretas

Baranga em Dama.

Pilantra em Presidente

Vavá em lambari

Crescimento Real

Crescimento da dignidade pessoal.

Trabalhando duro

Durante o caso do Vavá, vendendo influência em que foi pego pela segunda vez, o medico e escritor Carlos Alberto Reis Lima escreveu este artigo:

UM HOMEM DE AZAR

por Carlos Alberto Reis Lima

Lula é um azarado. Tudo o que ele toca suja suas mãos. Seus amigos têm uma vocação irresistível para a fraude, para a trapaça. Lula está cercado de mau olhado. Só os piores tipos dele se acercam abusando de sua extrema generosidade, de sua grande alma (mahatma), de sua bondade de coração – de sua maneira manteiga-derretida!

Lula por onde anda está cercado de gente que não presta; seus auxiliares o traem a toda hora; seus colaboradores tramam contra ele. Até o presidente Hugo Chàvez, que ele pensava que era seu amigo, disse coisas horríveis do Congresso brasileiro que ele comprou com tanto carinho! A traição o espreita. Uma vez, em Paris – lembram? – ele se queixou dela.

Essa Operação Navalha só pode ser coisa de invejosos do seu sucesso, dos seus discursos apurados de intelectual, de suas tiradas metafísicas-futebolísticas, embora ditas com amor, com compaixão pelos pobres, pelos irmãos, pelos gentios. Lula é um injustiçado. Agora querem acusá-lo de ter um irmão vigarista! Até a Polícia Federal o traiu. Tarso Genro, quem diria, seu Ministro da Justiça, trama contra ele. Renan Calheiros é injustamente envolvido em uma falcatrua com empresários e tem a sua vida privada aberta à execração popular. Sarney faz de tudo para protegê-lo … mas até quando? Um compadre seu, pasmem, teria relações promíscuas com dinheiro público em Diadema. Querem prejudicá-lo prendendo e denunciando seus amigos próximos e seus parentes mais queridos, querendo insinuar que ele, de novo, sabia de tudo.

Lula é um azarado. O presidente do seu Partido é um “aloprado”. O ex-presidente do PT, Genoíno, tem um irmão cujo assessor forrava as cuecas com dólares só para prejudicar Lula. O “nosso” Delúbio fazia maracutaias com o Marcos Valério (onde andará?) deixando o PT com a injusta fama de partido desonesto e corrupto. Sabem para quê tudo isso? Para atingir Lula; para ferir de morte a sua honestidade e a sua caridade! Essa gente que acompanha Lula há 30 anos não presta!

Chegaram a acusá-lo agora de ter vendido a Petrobrás da Bolívia ao Hugo Chàvez! Vejam aonde chega a maledicência desses invejosos! Imaginem se um presidente eleito pelo Foro de São Paulo faria tal coisa contra o patrimônio nacional! Lula está cercado. Tem gente embaixo de sua cama o roubando; tem ascensorista suspeito, motoristas inconfiáveis, que à primeira oportunidade o trairão e o deixarão mal junto à opinião pública. Seu amigo Bruno Maranhão o traiu ao depredar o Congresso nacional. Pois foi deixado impune para que essa maldição antidemocrática fosse assacada contra ele, Lula. Os seus amigos mais próximos são suspeitos de assassinarem dois prefeitos e de ameaçar familiares sobreviventes. Jornalistas agora são perseguidos. Tudo apenas para sujar o seu nome. É muito azar!

Em vista de tudo isso, em vista da enorme injustiça que se comete à miúde contra esse santo homem, alguém deve dele se aproximar e dizer claramente: Presidente, cuidado, eles querem lhe pegar! Mas talvez isso não seja necessário. Soube hoje, com alívio, que os especialistas da mídia, essa sim muito fiel e solidária, já garantem que Lula sairá sobranceiro de mais essa crise – a crise de número 145! –, que ele dará a volta por cima como sempre deu com a ajuda do seu povo faminto, dos seus parlamentares fiéis no Congresso. Afinal, se há alguma coisa que é sincera e fiel aliada do Lula é esse tal de Congresso e essa tal de mídia. Custa caro para o Lula, a gente sabe, mas como assegurar tanta fidelidade em apenas um ou dois mandatos? Da imprensa ele só tem alegrias. Coitado, ultimamente estava tão alegre que resolveu fazer uma televisão só para ele e com gente confiável. Mas já tem gente falando mal dele, que ele está imitando o Chàvez, e outras inverdades.

Então, seus secadores, tirem o cavalinho da chuva: o “affair” Vavá não vai dar em nada, de novo. O homem é azarado, mas tem um santo forte, blindado, comprado a peso de ouro, incorruptível, um santo impoluto como só ele sabe ser. Só falta agora a Justiça, que ele criou à sua feição, virar-se contra ele e de forma erótica e libidinosa condená-lo a uma multa de R$100,00! A maldade humana não tem limites!


23 jun 2008 Posted by | ABUSOS LEGISLATIVOS, ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, ÉTICA, CRESCIMENTO ECONÔMICO, GOVERNO, POLÍTICA | Deixe um comentário

Mais um pouco de humor…

Mais um pouco de humor…

Recebi esta mensagem bem humorada por Email, e dizem ser verdadeira.

Realmente não se sabe ao certo, mas poderia acontecer com qualquer um de nós.

“Bom dia, é da recepção? Eu gostaria de falar com alguém que me informasse sobre o estado de um paciente. Queria saber se certa pessoa está melhor ou piorou…

– Qual e o nome do paciente?

– Chama-se Celso e está no quarto 302.

– Um momentinho, eu vou transferir a ligação para o setor de enfermagem…

– Bom dia, sou a enfermeira Lourdes. O que deseja?

– Gostaria de saber as condições clínicas do paciente Celso do quarto 302, por favor!

– Um minuto, vou localizar o médico de plantão.

– Aqui é o Dr. Carlos plantonista. Em que posso ajudar?

– Olá, doutor. Precisaria que alguém me informasse sobre a saúde do Celso que está internado há três semanas no quarto 302.

– Ok, meu senhor, vou consultar o prontuário do paciente… Um instante só! Hummm! Aqui está: ele se alimentou bem hoje, a pressão arterial e pulso estão estáveis, responde bem à medicação prescrita e vai ser retirado do monitor cardíaco até amanhã. Continuando bem, o médico responsável assinará alta em três dias.

– Ahhhh, Graças a Deus! São notícias maravilhosas! Que alegria!

– Pelo seu entusiasmo, deve ser alguém muito próximo, certamente da família!?

– Não, sou o próprio Celso telefonando aqui do 302!

É que todo mundo entra e sai desta merda deste quarto e ninguém me diz porra nenhuma. Eu só queria saber como estou…..

20 jun 2008 Posted by | ANEDOTAS, Humor | 1 Comentário

A volta à luta.

A volta à luta.

Estou à bastante tempo sem atualizar o Blog.

Tirei umas férias do blog, por estar trabalhando bastante, e tentando equacionar a minha vida neste sistema maluco em que vivemos atualmente.

A minha pequena empresa anda bem devagar, devo impostos, devo cheque especial, estou negociando estas dívidas, o pouco trabalho que vou conseguindo, levo calotes, sou pago com cheque sem fundos, e o pior de tudo estou pagando pelo ultimo calculo, 80% do que eu produzo para o governo. Não recebo em troca nada por isto. Sou multado quase todos os dias, por dirigir apenas dois ou três quilômetros por hora acima do limite de velocidade, dirijo em ruas esburacadas, perco pneus, rodas, sou alvo de tentativas de assalto, não aprece nenhum policial para me defender. Tenho que acionar os meus devedores nas cortes abarrotadas, e a primeira audiência demora seis meses. O devedor acionado apresenta atestado médico fajuto e não comparece. Eu tenho que comparecer perder o dia de trabalho tentando receber outro trabalho concluído. Os meus filhos estão estudando em escolas públicas, sem nenhuma garantia que vão estudar ou aprender algo, pois as escolas estão muito ruins e os professores mal pagos, fazem greves constantes e os dias perdidos são repostos nas férias.

E não vejo nenhuma luz no fim do túnel. Mas tenho que seguir lutando, pois comungo das idéias do Rui Barbosa de que maior do que a tristeza de não vencer é a vergonha de não ter lutado.

Tenho que expor as minhas idéias para tentar me fazer ouvir, para tentar convencer o maior número possível de pessoas a participarem da utopia de fazer um Brasil melhor, mais democrático, mais justo. Foi gratificante saber que apesar de não ser atualizado, o blog manteve a sua média de acessos e de que mais de mil pessoas continuaram a acessar por suas próprias razões aos artigos que escrevi ou publiquei.

Neste tempo em limbo pensei sobre o nosso país, e ontem recebi por Email, uma mensagem de um novo grupo, que também procura pelos mesmos ideais de melhoras no Brasil.

O mais interessante sobre este grupo e sua mensagem, foi que parecia eu estar lendo os meus artigos, sobre eleições, sobre o imposto único, sobre democracia, sobre a educação básica. Tudo que eu sempre falei estava na mensagem enviada por este novo grupo.

(http://www.brasilnaveia.com/)

. Eles estão divulgando a anulação do voto. Já participei também desta campanha, mas não é possível conseguir um consenso geral para que todos parem de votar, e se apenas 10% votarem no candidato ele será eleito representante de todos os que não votaram. Não creio que seja esta a avenida a percorrer.

Tem que haver uma reforma na marra. Tem que haver um meio de conseguir uma multidão de uns 50 a 100 mil pessoas, respaldados por um abaixo assinado sério, de dois milhões de assinantes, registrado em cartório, com apoio da OAB, Ministério Público, Forças Armadas, e subir no plenário da câmara, e votar por decreto imediato as reformas que podem fazer o Brasil passar a ser um país mais sério.

Tem que tirar da constituição o voto obrigatório, tem que mudar o estatus do voto de “Direito” para “Privilégio”.

Votar deveria ser um privilégio concedido aos cidadãos de bem para escolherem os seus representantes, e não um direito adquirido como atualmente. Os criminosos condenados perderiam para sempre este privilégio, e as pessoas que estiverem sendo beneficiadas com os programas assistencialistas do governo, deveriam perder este privilégio ao voto enquanto não saírem destes programas e se transformasse pessoa contribuinte para a melhoria da sociedade.

O voto como privilégio seria obviamente totalmente voluntário como deveria ser em uma democracia verdadeira.

Tem que haver uma reforma tributária real e duradoura e a idéia do professor Marcos Cintra da FGV

(http://www.marcoscintra.org/novo/)

do imposto único, que já foi aprovada para votação na câmara desde 2002, ainda se encontra na gaveta esperando ser posta em votação. Desta forma será sempre engavetada pois esta idéia é tão boa para o Brasil como um todo, que contraia interesses fortíssimos que estão mamando no atual sistema e têm pavor de uma boa idéia que possa modificar o “Estatus Quo” .

Bem este post anuncia a minha volta à luta para desbancar esta corja de FDP que se instalou nas instituições da democracia, e transformou estas instituições em antros de privilégios pessoais e de vergonha nacional.

Vamos à luta.

17 jun 2008 Posted by | ABUSOS LEGISLATIVOS, ÉTICA, GOVERNO, O SONHO, POLÍTICA | 1 Comentário

   

%d blogueiros gostam disto: